Vista da Praça São Sebastião e seu Entorno

Vista da Praça São Sebastião e seu Entorno

 

Vista da Praça São Sebastião e seu Entorno

Antes de se tornar uma Praça, a área era uma rocinha de propriedade do então tenente-coronel Antônio Lopes Braga, que a doou para o Município. Sua denominação original, Praça São Sebastião, é uma referência à Irmandade de São Sebastião. Tal ordem religiosa formada por missionários franciscanos instalados na Cidade desde 1859.

O marco inicial da existência dessa Praça é o ano de 1867. Por iniciativa do então diretor de Obras Públicas, Antônio Davi de Vasconcelos Canavarro, foi instalada, na área central do terreno desse logradouro, uma coluna de pedra, com seis metros de altura. Tal monumento é em alusão à então abertura dos portos do Amazonas às demais nações.

Domenico de Angelis

Apesar da instalação desse monumento, as obras de desaterro da então Praça São Sebastião somente seriam contratadas quase trinta anos mais tarde, em dezembro de 1896, com Marcolino Rodrigues. O terreno permaneceu assim como um descampado de terra batida ao menos até o final do século XIX. Quando o governador José Cardoso Ramalho Júnior mandou embelezar a área no entorno do então recém-construído Teatro Amazonas, contíguo a esse logradouro.

Em 8 de agosto de 1899, Antônio Augusto Duarte assinou então contrato com a Diretoria de Obras Públicas para a execução do serviço de calçamento da Praça São Sebastião e de toda a área em volta dela e do teatro, incluindo as ruas Dez de Julho e José Clemente. A área central do logradouro foi assim calçada com pedras portuguesas brancas e pretas. Que compõem um desenho sinuoso, em formato de ondas – e as suas extremidades, com paralelepípedos de asfalto.

Essa pavimentação, no entanto, foi concluída somente em 1901. Nessa época, a coluna de pedra instalada em comemoração à Abertura dos Portos do Rio Amazonas à Navegação Estrangeira foi substituída por um monumento esculpido pelo então artista italiano Domenico de Angelis. A instalação, até os dias atuais, permanece na parte central desse logradouro.

Calçamento da Praça São Sebastião

Essa Praça receberia novos melhoramentos somente nos anos de 1914 e 1915, na então administração municipal de Dorval Porto. Quando foram plantadas mudas de Fícus-benjamin em seu redor. Entre os reparos mandados executar em 1920 pelo então superintendente Franco de Sá, destaque para a colocação de dezesseis bancos de madeira com armação de ferro, mais tarde, substituídos por bancos de concreto.

Inspirado na técnica de pavimentação chamada assim de mosaico português ou calçada portuguesa, que utiliza pedras de calcita branca e basalto negro. Esse tipo de calçamento foi então empregado, pela primeira vez, no ano de 1842, em Lisboa.

Apesar das afirmativas de alguns autores locais de que o calçamento da Praça São Sebastião é assim uma representação das águas dos rios Negro e Solimões, seu desenho nada mais é do que uma imitação do existente na praça de D. Pedro IV – conhecida, assim popularmente, como praça do Rossio –, na capital portuguesa.

Acervo: Moacir Andrade.

Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.