Igreja de São José Operário da Praça 14

Igreja de São José Operário da Praça 14

Fachada da igreja, cercada por um gradil de ferro

 

 

 

Igreja de São José Operário

A Paróquia sob a proteção de São José Operário e Santa Teresinha teve sua criação no dia 5 de fevereiro de 1948. Originou-se então do trabalho do padre Estevão Domitrovitsch – primeiro vigário dessa Freguesia – junto com um grupo de jovens do Seminário Diocesano São José, no bairro Praça 14 de Janeiro.

A celebração de missas e as atividades de catequese para crianças, adolescentes e adultos eram então realizadas em um simples barraco. A coordenação da recém-criada Paróquia foi entregue aos missionários Salesianos de Dom Bosco e sua instalação ocorreu em 6 de junho daquele mesmo ano.

Sua sede provisória era a então capela do Patronato Santa Teresinha, das irmãs Filhas de Maria Auxiliadora, situada na rua Duque de Caxias, Centro.

A primeira pedra da construção da igreja de São José Operário teve seu lançamento em 4 de junho de 1949, conforme histórico produzido pela própria Paróquia.

No então livro Cronologia eclesiástica da Amazônia, publicado em 1952, registra-se uma outra data de lançamento para essa pedra fundamental: 4 de junho de 1950.

Inauguração da Igreja de São José Operário

Ainda com as obras em andamento, em 24 de dezembro de 1962, essa igreja recebeu assim a primeira celebração: a missa de Natal. Sua inauguração ocorreu em 1º de maio de 1967.

Todos os anos, em 19 de março, essa Paróquia comemora assim o dia de São José, esposo da Virgem Maria, com procissão pelas ruas do bairro. No dia 19 de cada mês, ocorrem quatro celebrações de novenas em honra ao Santo.

Em 1º de maio, Dia do Trabalho e dia de São José Operário, é realizada assim uma carreata que sai do estacionamento do Estádio Vivaldo Lima – na avenida Constantino Nery, bairro Flores, Zona Centro-Sul – e termina na igreja, na rua Visconde de Porto Alegre, Centro, com a celebração de missa.

Foto: Fabio Nutti.

Acervo: Moacir Andrade.

Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.