Escola Estadual Cônego Azevedo

Escola Estadual Cônego Azevedo

Fachada principal do segundo prédio da escola. Década de 1960.

A Escola Estadual Cônego Azevedo teve sua criação em 1907 pelo Decreto 826, de 30 de setembro de 1907. Tendo origem do agrupamento das escolas isoladas de ensino primário que funcionavam, desde 1901, no prédio estilo chalé, na antiga rua dos Tócos, atual rua Xavier de Mendonça, n. 155, bairro Nossa Senhora Aparecida – um dos três que foram construídos na virada do século XIX para o XX.

A estrutura física da Cônego Azevedo foi então reformada pela primeira vez entre 12 de agosto e 11 de outubro de 1909. Nesse período, as aulas foram transferidas para as casas das professoras Ambrosina Emília de Aguiar – diretora da Escola –, Ernestina Bezerra de Castro e Aurora Barroso de Sá.

No dia 30 de julho de 1934, o então interventor Nelson de Mello inaugurou o Jardim de Infância Menezes Vieira, anexo a esse Grupo Escolar, sob a direção das professoras Maria Eulália Salles de Figueiredo e Olga Ramos Barboza.

Desde a sua construção, o então edifício escolar da Cônego Azevedo somente havia recebido pequenos reparos. Até que, em 1959, devido aos desabamentos em sua estrutura, precisou- se antecipar o final do ano letivo.

No ano seguinte, foi assim construída uma nova edificação com características arquitetônicas totalmente diferentes da anterior. A Escola oferece, atualmente, o Ensino Fundamental e possui um prédio com dois pavimentos e sete salas de aula.

Cônego Azevedo

Joaquim Gonçalves de Azevedo nasceu em Turiassu/MA e seus primeiros estudos foram no Seminário de São Luís. Sua ordenação ocorreu na cidade de Belém/PA, no dia 19 de abril de 1837, pelo então bispo Dom Romualdo Coelho de Souza. Celebrou sua primeira missa dois meses depois, em 16 de junho.

Quinze anos mais tarde, em janeiro de 1852, recebeu convite do então primeiro presidente da Província do Amazonas, João Baptista de Figueiredo Tenreiro Aranha, para assumir o cargo de diretor geral da Instrução Pública, no qual foi admitido em 2 de maio daquele mesmo ano e nele permaneceu até 15 de novembro de 1858.

Nesse período, presidiu a instalação da primeira escola de primeiras letras para o sexo masculino no Amazonas. Azevedo elaborou o então Regulamento 1 da Instrução Pública. Exerceu, ainda, os cargos de primeiro presidente do Legislativo Amazonense, 2º  vice-presidente da Província do Amazonas e reitor do então Seminário Episcopal de São José, onde lecionou Latim e Teologia. Também foi bispo de Goiás e arcebispo da Bahia – primaz do Brasil –, Estado onde veio a falecer.

Foto: Alex Pazuello.

Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.