Cine Éden Depois Cine Veneza

Cine Éden Depois Cine Veneza

Vista do Cine Éden, com sua fachada original. À esquerda, a residência do cineasta Silvino Santos. Década de 1950.

Empresa Cine Éden Ltda

Inaugurado em 23 de novembro de 1946, na rua Jonathas Pedrosa, n. 166/170, Centro, ao lado da então casa do cineasta Silvino Santos, o Cine Éden possuía capacidade para mil lugares. O primeiro filme exibido nessa sala foi o musical Brazil, produção norte-americana dirigida por Robert North e musicada por Ary Barroso. Inicialmente, era de propriedade da então Empresa Cine Éden Ltda., de Aníbal Augusto Batista e Oscar Antunes Ramos. Em 07 de julho de 1948, foi comprado pela Empresa J. Fontenelle& Cia. Em 1957, a então Empresa Fontenelle Ltda fecha o cinema por uns dias para diversos reparos, entre eles, a instalação de um gerador elétrico, tela de 14 metros e adaptação de lentes para CinemaScope, Vista Vision e Panorâmica. Funcionou como Éden até 30 de junho de 1973.

Três meses depois, a então Empresa A. Bernardino & Cia. Ltda./Grupo Daou comprou o prédio e o reformou em seguida. Em 22 de março de 1974, a imprensa divulgou assim o resultado do concurso cultural promovido para escolha do novo nome para o cinema. Em 10 de abril de 1974, a sala reabre como Cine Veneza, exibindo o filme O Destino do Poseidon. Possuía então seiscentos lugares e permaneceu com esse nome até 3 de março de 1984.

Cine Teatro Guarany

Sob a administração da Empresa Cinemas de Arte Ltda.– de Joaquim Marinho e Antônio Gavinho –, que o adquiriu em 21 de fevereiro de 1984, o cine foi reinaugurado em 10 de março de 1984, com a denominação Cine Novo Veneza. Em sua estreia, foi exibido o filme Águia na Cabeça. Encerrou suas atividades em 30 de março de 1985. Em agosto do mesmo ano, o empresário Cassiano Anunciação, fechou a compra do então prédio do Cine Veneza.

Dois anos mais tarde, em outubro de 1987, o então empresário Dahilton Cabral adquiriu o prédio e deu início a reformas no edifício. A reinauguração do cinema ocorreu quase dois anos depois, em 21 de junho de 1989, com o nome Cine Teatro Guarany, uma homenagem ao então antigo Cine Guarany, demolido em 1984. O filme exibido em sua abertura foi Princesa Xuxa e Os Trapalhões.

A ideia de Dahilton Cabral era levar ao público sessões de cinema com lançamentos de filmes inéditos, além de apresentações teatrais. O Cine Teatro Guarany apareceu em anúncios de jornais até novembro de 1990.

Foto: Coleção Silvino Santos.

Acervo: Museu Amazônico.

Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.