Matagal assinala tristeza e abandono

Matagal assinala tristeza e abandono

A princípio, em seus áureos tempos, teve direito até a placa de bonde. Foi uma época que até hoje é lembrada com saudade. Nasceu do idealismo do saudoso Deodoro Freire. Foi então, Velódromo e Parque Infantil “Ribeiro Júnior”. Ali, os grandes ases da bicicleta arrancavam aplausos da multidão.

Com pistas próprias de cinema, levando emoção nas curvas. Subidas e descidas que requeiram perícia dos desportistas do pedal. De todas as idades, de ambos os sexos. No centro, vez por outra, armavam um ringue para luta livre. Com o Pantera Negra, Surimã e João Isaac, em plano destacado.

Noitadas alegres e emocionantes. Depois, tudo mudou. Onde era a pista ficou este matagal, que o flagrante assim, destaca. No local das arquibancadas, adaptaram uma vila de casas. Que conversa o nome de origem. Vila Velódromo. Lá na Cachoeirinha, rua Santa Isabel, onde a referência para saltar de um bonde era a parada da então, Foguetaria “Iracema”.

Por fim, as ruinas lembram que o Velódromo foi grande. Com o matagal, onde a garotada da redondeza deve brincar hoje em dia, sem saber como era gostoso correr de bicicleta em sua pista. Ou assistir, que tem um sabor especial.

Coluna A Cidade em Foto do Jornal A Gazeta, 07 de janeiro de 1964.