Folias carnavalescas -1964

Folias carnavalescas -1964

A princípio, dinheiro, saúde e mulher, eis o trinômio da alegria. Primeiro e Único, Rei da Galhofa e Imperador da Pandegolândia, o insuperável, nunca imitado e sempre querido Momo. Seguidos de todos os adjetivos, substantivos, pronomes, verbos e categorias gramaticais ou não que lhe tem sido prodigamente apostas desde carnaval, o que seguirá pelos séculos e séculos.

O idolatrado, salve, salve! Que está ai, em carne e osso, para alegria de todos aqueles que há muitos anos sabem que tristezas não pagam dívidas. Assim, o tempo agora é dele e a ordem já foi dada para ser regiamente executada: cerquem a moita que o tatu está debaixo, e quem quiser fazer barulho, conte comigo.

O evohél está um pouco esquecido, pois a bossa nova não fala mais baco, preferindo umas e outras, de uma compreensão popular mais humana. E ninguém mais povo do que o então, Rei Momo, símbolo da alegria íntima do brasileiro, da evasão natural do sentimento que lhe vai na alma, de tudo o que ele sente e deseja viver feliz, sem preocupações, muito melhor do que na sombra e água fresca.

Para resumir, atenção, foliões! É hoje, domingo, segunda e terça! Quarta-feira não tem mais. Aproveitem as “folias carnavalescas-1964”, e gritem com Rei Momo: conosco ninguém podemos!

Coluna A Cidade em Foto do Jornal A Gazeta, 08 de fevereiro de 1964.