Um grito de socorro parte do cais

A Cidade em Foto

[vc_row][vc_column][vc_images_carousel images=”6224″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

Coluna A Cidade em Foto do Jornal A Gazeta de 16 de janeiro de 1964.

Sua estrutura metálica estabelece a grandeza dos tempos em que foi construído. Quando os ingleses atravessaram o Atlântico e, subindo o Amazonas, alcançaram a concessão dos principais serviços públicos: luz, água, bondes, esgotos e o porto. Os lucros auferidos eram grandes e eles, de fato, fizeram obras grandiosas. Com o cais flutuante e demais instalações portuárias da Manaus Harbour Limited. O “roadway”, com sua ponte, seus guindastes, seus armazéns modernos, quando construídos; quase obsoletos com o progresso dos dias de hoje. Os anos passaram e a “Companhia” foi perdendo o interesse, pois a “galinha dos ovos de ouro” já não era tão útil assim. Os fabulosos lucros, apesar de ainda grandes, diminuíram um pouco. E a conservação tão necessária foi relegada a plano secundário. Precisa o nosso porto de reparos gerais a ampliação tão necessária. O armazém Oito, chamado o “da borracha” tem sua situação em estado lastimável. As “torres” não dão vencimento. E o “roadway” propriamente dito, até nas boias, está paupérrimo. Como ponto pitoresco não chama mais a atenção do povo para as visitas das tardinhas principalmente aos domingos. E o velho “roadway” de tão velho e desassistido vai acabar pedindo aposentadoria.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VEJA MAIS