Restaurante do Grande Hotel

Durango Duarte - Restaurante do Grande Hotel

[vc_row][vc_column][vc_images_carousel images=”12429″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

Restaurante do Grande Hotel. In: Álbum Vistas de Manaus, [s. n.].

O registro mais antigo do funcionamento do Grande Hotel encontra-se em uma nota do jornal Amazonas, de 1º de novembro de 1907, onde era anunciado que o estabelecimento havia passado por novas e grandes reformas. De propriedade do italiano Antônio Borsa, funcionava em um prédio de dois andares, na então rua Municipal, atual avenida Sete de Setembro, n. 80, esquina com a rua Marechal Deodoro, Centro.

Seus móveis e utensílios foram leiloados em 1912 e, dois anos depois, após sofrer nova reforma, o hotel voltou a funcionar, com a capacidade ampliada para, aproximadamente, cem apartamentos. Três décadas depois, em 1943, o então proprietário do hotel, Ramon Telles, vendeu-o para Craveiro Frota, que o reinaugurou em 10 de outubro daquele ano.

Durante a primeira metade do século XX, o Grande Hotel configurou-se como um dos principais hotéis de Manaus, mas perdeu essa condição com o surgimento do Hotel Amazonas, em 1951. Mesmo assim, continuaria funcionando até os primeiros anos da década de 70, quando foi vendido. Atualmente, o prédio está ocupado por uma loja de departamentos.

Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]