Selecionamos seis fatos relevantes da História do Brasil: Construção de Brasília, Ditadura Militar de 1964, Escravidão, Getúlio Vargas, Movimento Estudantil e Rio de Janeiro Belle Époque.

Passeata dos Cem Mil

Estudantes participando da Passeata dos Cem Mil, no Rio de Janeiro, contra o governo no período da Ditadura Militar no Brasil.

Visualizar

Movimento Estudantil

Movimento estudantil durante os anos de ditadura militar.

Visualizar

Torre de TV de Brasília

A Torre de TV de Brasília é uma torre de transmissão televisiva construída em Brasília e inaugurada em 1967, com 224 metros de altura. Desde 1996, está instalada no salão panorâmico o Museu das Gemas, que apresenta ao público espécimes de pedras preciosas, além de prestar serviços de análise e identificação de gemas. Projetada por Lúcio Costa, […]

Visualizar

Palácio do Planalto

Foto aérea do Palácio do Planalto no período da construção de Brasília. Acesse nosso acervo e confira o material completo desta época.

Visualizar

Inauguração de Brasília

Família de operário na inauguração de Brasília, em 1960, fotografada pelo suíço René Burri. Ao fundo o edifício do Congresso Nacional.

Visualizar

Foto do Palácio do Congresso Nacional

O Palácio do Congresso Nacional é o nome não oficial do Palácio Nereu Ramos. Construído para abrigar o Congresso Nacional do Brasil, inaugurado em 21 de Abril de 1960. O arquiteto Oscar Niemeyer concebeu o edifício e a autoria do projeto estrutural ficou a cargo do engenheiro Joaquim Cardozo.

Visualizar

Construção de Brasília

Com o fluxo de trabalhadores atraídos para a construção da cidade de Brasília, era preciso arrumar casas, bares e mercados.

Visualizar

Construção de Brasília

Imagem de trabalhadores durante a construção da capital brasileira. Confira o acervo completo em nosso Painel Histórico sobre a construção de Brasília.

Visualizar

Brasília, 1960

Arquivo pertencente ao acervo do painel histórico sobre a construção de Brasília.

Visualizar

Eu quero votar para Presidente

“Eu quero votar para Presidente” frase bastante vista em cartazes nos comícios da Campanha pelas eleições diretas para presidente 1984 (Diretas-Já): Fernando Henrique Cardoso, Mário Covas e Raul Cortez em comício da campanha pelas Diretas Já, na Praça da Sé.

Visualizar

Passeata do Cem Mil

A passeata dos Cem Mil, foi uma manifestação popular organizada pelo movimento estudantil e ocorreu em 26 de junho de 1968, na cidade do Rio de Janeiro. A manifestação contou com a participação de políticos, artistas e de inúmeras personalidades de diversos setores do país, atingindo o número máximo de mais de cem mil pessoas.

Visualizar

Diretas Já em São Paulo

O dia estava chuvoso na capital paulista naquele 25 de janeiro de 1984. Mas, o fato não impediu que cerca de 300 mil pessoas, segundo as lideranças do movimento, comparecessem à Praça da Sé, no centro de São Paulo, para manifestar o desejo de votar para presidente do Brasil nas eleições.

Visualizar

As Diretas Já em Curitiba

Primeiro grande comício das Diretas Já foi realizado em Curitiba em 12 de janeiro de 1984. Homens, mulheres e crianças reunidos pelo fim do regime militar na Boca Maldita, denominação de um espaço, sem área determinada mas ao redor dos cafés, bancas de revista e bancos do calçadão na Avenida Luiz Xavier (Rua das Flores) no centro de Curitiba.

Visualizar

Ulisses Guimarães

Ulisses Guimarães, presidente da Câmara dos Deputados, segura orgulhosamente a nova Constituição, na qual teve papel fundamental. Ulysses Guimarães desapareceu em 12 de outubro de 1992, em um acidente de helicóptero no litoral do Rio de Janeiro. Seu corpo não foi encontrado, mas a morte foi oficialmente reconhecida.

Visualizar

Candelária 1984

O Comício Diretas já, por eleições diretas para a presidência da República se realizou na frente da Igreja da Candelária, em 10 de abril de 1984. A Igreja de Nossa Senhora da Candelária é um templo católico localizado no Centro da cidade do Rio de Janeiro, no Brasil.

Visualizar

Catedral da Sé

Comício pelas Diretas Já, movimento pelo restabelecimento das eleições diretas para a presidência da República, na frente da Catedral da Sé em São Paulo 1984.

Visualizar

As mulheres nas Diretas Já

Fotografia de Mulheres na histórica campanha pelas Diretas Já (1984).

Visualizar

Os 13 presos políticos

Foto dos 13 presos políticos tocados pelo embaixador americano Charles Elbrick. O embaixador americano foi sequestrado em 1969 por militantes da ALN (Ação Libertadora Nacional) e do MR-8.

Visualizar

Dossiê Jango

Foto de João Goulart, Jango, no exílio no Uruguai, foi retirada do documentário “Dossiê Jango”, documentário brasileiro de 2013, escrito e dirigido por Paulo Henrique Fontenelle. “Tudo que pensamos ser verdade um dia muda”. A frase de abertura de Dossiê Jango provoca uma certa reflexão.

Visualizar

“O dia que durou 21 anos”

Cena do documentário “O dia que durou 21 anos”. Na cena o Presidente João Goulart discursa.

Visualizar

Major Curió

Crachá cedido pela TV Globo ao major Sebastião Rodrigues de Moura, o curió, um dos protagonistas da repressão da ditadura militar, com esta identificação falsa o mesmo se passava por jornalista e escolhia, sem ser descoberto, as pessoas a serem alvos de torturas e assassinadas.

Visualizar

João Goulart

Com a renúncia de Jânio Quadros, João Goulart, conhecido popularmente como Jango, deveria assumir a presidência, mas os ministros militares foram contra, pois viam nele uma ameaça ao Brasil, uma vez que o mesmo tinha vínculos com políticos do PCB e do PSB. Jango, foi deposto em um golpe de Estado em 1964.

Visualizar

O sítio da tortura

O sítio da tortura na zona sul de São Paulo, um sítio isolado guarda histórias de terror que podem ajudar a entender um dos pontos obscuros da ditadura, os centros clandestinos de tortura. E a assombrosa colaboração civil.

Visualizar

Rubens Paiva

Rubens Paiva, na madrugada do dia 1º de abril de 1964, fez um discurso convocando os estudantes e sindicalistas a resistirem ao golpe militar, em favor do presidente deposto, João Goulart. Imediatamente, teve seu mandato cassado. Documentos tornados públicos no Arquivo Nacional do EUA, dentre eles um memorando sobre o seu desaparecimento. Rubens Paiva, ex-deputado federal, morto em 1971.

Visualizar

Ficha de Dilma Rousseff

Ficha de Dilma Rousseff produzida nos porões da Ditadura Militar é um troféu, uma lembrança.

Visualizar

Amanha vai ser outro dia!

Amanhã vai ser outro dia! Frase da música de Chico Buarque. A música era uma forma de “transmitir recados” e mobilizar a resistência no período da Ditadura Militar brasileira.

Visualizar

Comício da Central do Brasil

Comício da Central do Brasil no Rio de Janeiro em Março de 1964. Apoiadores de Jango e centros de Esquerda mostraram seu apoio as medidas de Base.

Visualizar

Padres contra a repressão

Em 1968 em plena Ditadura no Brasil: Padres tentam proteger multidão de manifestantes da repressão militar após a missa pelo estudante Edson Luís de Lima Souto, de dezesseis anos, morto por militares dias antes.

Visualizar

Passeata do Cem mil

Passeata dos Cem Mil em 26 de Junho de 1968 – Centro do Rio de Janeiro marchavam de braços dados: Chico Buarque, Itala Nandi, Edu Lobo, Nana Caymmi, Norma Bengel, Marieta Severo, Odete Lara, Antônio Pedro, Jaguar, Dias Gomes, Vinícius de Moraes, Glauber Rocha, Djanira, Carlos Scliar, Leandro Konder, Oduvaldo Viana Filho, Ferreira Gullar, Millôr Fernandes, Antônio Pitanga.

Visualizar

General Mourão

Foto do general Mourão, comandante da 4ª Região Militar em Minas Gerais, na madrugada do dia do golpe militar, antes de suas tropas deixarem Juiz de Fora.

Visualizar

Rio de Janeiro 1968

Clarice na passeata contra a ditadura militar, no Rio de Janeiro, em 22 de junho de 1968.

Visualizar

Central do Brasil

Militares na Central do Brasil – abril de 1964.

Visualizar

Vendedora de frutas

Gravura de Alberto Henschel, vendedora de frutas, Rio de Janeiro (1870). Suas fotos diferenciam-se por mostrar os negros à vontade, com altivez e dignidade.

Visualizar

Rio de Janeiro

Travelling Saleswomen In Rio De Janeiro In, 1827 by Jean Baptiste Debret (1768-1848, France)

Visualizar

Os cativos do Daomé

Os cativos do Daomé: Carta do Arquivo Histórico Ultramarino, de Lisboa, revela empenho de rei africano em reunir escravos para vender à Coroa Portuguesa.

Visualizar

Missa Campal em São Cristovão

Missa Campal em São Cristóvão, no Rio de Janeiro, em 17 de maio de 1888, Celebração de Ação de Graças pela libertação dos escravos no Brasil, decretada quatro dias antes, com a assinatura da Lei Áurea.

Visualizar

Escravos em fazenda de café

Registro de Marc Ferrez, escravos em uma fazenda de café na Serra da Mantiqueira – 1885.

Visualizar

D. Pedro II

Charge em O Mequetrefe o imperador D.Pedro II incitando a briga entre abolicionistas e escravocratas, representados por dois cães. Rio de Janeiro, 1888.

Visualizar

O Mequetrefe

Charge em O Mequetrefe criticando a escravidão Rio de Janeiro, 1888. O periódico ilustrado iniciou sua circulação no Rio de Janeiro em 1875 e manteve suas atividades até janeiro de 1893.

Visualizar

Princesa Isabel

Aclamação da princesa Isabel do Brasil como regente do Império, 1887.

Visualizar

Escrava doméstica

Fotografia de João Goston. Escrava doméstica, 1870.

Visualizar

Luís Gonzaga Pinto da Gama

Luís Gonzaga Pinto da Gama, negro liberto se tornou libertador de escravos, ficou conhecido como um rábula que conseguiu alforriar, pela via judicial, mais de 500 escravos. O rábula exercia a advocacia sem ser advogado. Após 133 anos de sua morte (2015) o mesmo recebeu o título de advogado reconhecido pela OAB. No atual modelo da advocacia brasileira, é a primeira vez que tal homenagem foi conferida”.

Visualizar

Barão de Guaraciaba

O mineiro Francisco Paulo de Almeida, um dos homens mais ricos do Brasil Imperial ganhou título da princesa Isabel de Barão de Guaraciaba. Embora fosse negro, o aristocrata estava longe de ser um abolicionista. Quando a princesa Isabel assinou a Lei Áurea, existiam em sua fazenda Veneza, em Conservatória, cerca de 200 escravos. Mesmo com a abolição, a maioria continuou trabalhando para o barão.

Visualizar

Navio Negreiro

A história dos navios negreiros é das mais comoventes. Homens, mulheres e crianças eram transportados amontoados em compartimentos minúsculos dos navios.

Visualizar

Missa do Galo

Essa pintura mostra as ‘velhas tradições’ que são referido no ‘Missa do Galo’. Tradições com os escravos no Rio de Janeiro em 1861. Pintado por François Auguste Biard, artista francês que morou em Rio de Janeiro por dois anos 1859-1861. Viajou por diversas regiões e alcançou o norte do país, explorando as margens dos rios Amazonas, Negro e Madeira.

Visualizar

Moenda de cana

Gravura de Johann Moritz Rugendas (1802-1858), onde retrata os escravos utilizando a moenda de cana, uma espécie de triturador que era utilizado para se obter a caldo da cana para a produção do açúcar.

Visualizar

Fazenda de café

Fotografia de Marc Ferrez (fotógrafo franco-brasileiro) que retrata os escravos em terreiro de fazenda de café na região do Vale do Paraíba por volta de 1882, Rio de Janeiro.

Visualizar

Carregadores de café

Pintura de Debret, mostra o trabalho dos escravos carregadores de café.

Visualizar

Casamento de escravos

Casamento de negros escravos de uma família rica.

Visualizar

Escravo mascarado

Pintura de Jean Baptiste Debret, mostra escravo trabalhando na rua usando máscara.

Visualizar

Calceteiros

Trabalhador que faz o revestimento de calçadas com pedras portuguesas, pedras em forma de cubos que formam mosaicos. Aquarela sobre papel. Calceteiros,1824, Museus Castro Maya – IPHAN/MinC (Rio de Janeiro).

Visualizar

Escravo capturado

Pintura de Johann Moritz Rugendas, pintor alemão que percorreu o Brasil de 1822 a 1825. Na tela “Slater hunter in Brazil”, representa um capitão do mato que captura o escravo fugido.

Visualizar

Cesteiro no Rio de Janeiro

Fotografia de Marc Ferrez retrata a figura do cesteiro no Rio de Janeiro, em 1889. Com o fim da escravidão, os negros libertos buscavam meios de obter uma renda.

Visualizar

Escravos no Brasil Colônia

Pintura de Debret ilustra escravos no Brasil Colônia. Integrante da Missão Artística Francesa que chegou ao Brasil em 26 de março de 1816. Suas obras procuravam resgatar particularidades do povo brasileiro.

Visualizar

Pavilhão Monroe

Foi utilizado como sede do Senado no Rio de Janeiro e na Revolução de 30, o Monroe foi transformado em quartel das tropas gaúchas. Em outubro de 1975, o presidente Geisel autorizou a derrubada do Monroe.

Visualizar

Jardim de Alah

O Jardim de Alah (ou Alá) é um conjunto com praças que faz limite entre os badalados bairros do Leblon e Ipanema. Entre as décadas de 50 e 60 eram muito comuns os passeios de pedalinhos e gôndolas até a Lagoa.

Visualizar

Carnaval carioca

Durante o carnaval carioca, anos 1940/1950, as ruas ficavam cheias de brincantes (homens) que se vestiam de mulher para brincar o carnaval.

Visualizar

Desfile em carro aberto

As candidatas ao título de Miss Universo de 1930 desfilaram pelas ruas do Rio de Janeiro, a bordo de carros abertos que saíram da sede do jornal O Dia, na Praça Mauá e terminou no Copacabana Palace, onde aconteceu a escolha da Miss Universo.

Visualizar

Campo de São Cristovão

O Prefeito Pereira Passos transformou o Rio de Janeiro num enorme canteiro de obras por quatro anos. A inauguração do Campo de São Cristóvão ocorreu em 11 de novembro de 1906.

Visualizar

Bondes nas ruas do Rio

Foi criado na cidade do Rio de Janeiro, um sistema de transportes públicos sobre trilhos, que passaram a ser conhecidos por bondes. O da imagem circulou na Avenida Marechal Floriano Peixoto, 1908.

Visualizar

Fazenda de café Quititi

A fotografia de Georges Leuzinger, fotógrafo pioneiro responsável por fixar boa parte da iconografia oitocentista do Rio, mostra a Fazenda de café Quititi (1865) no Rio de Janeiro que ficava localizada em Jacarepaguá, bairro da zona oeste do Rio.

Visualizar

Avenida Central

Antiga Avenida Central, atual Rio Branco, na década de 20 ocorria grande movimentação da capital do país.

Visualizar

Mulheres em trajes de banho

Mulheres tomando sol com roupas de banho no calçadão de Copacabana, de frente para a Avenida Atlântica, em 1936.

Visualizar

Largo da Glória

Na fotografia de Augusto malta de 1905, pode se ver a Vista do Largo da Glória e Praia do Russel, e ao fundo o antigo mercado.

Visualizar

Escola de Belas Artes

Lançamento da Pedra Fundamental da Escola Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro em 7 de abril de 1906, fotografia de Augusto Malta.

Visualizar

Parada Militar no Rio de Janeiro

Parada militar no campo de São Cristóvão, por ocasião das comemorações do dia da Independência do Brasil, em 7 de setembro de 1917.

Visualizar

Porto do Rio de Janeiro

Vista do cais do porto do Rio de Janeiro, onde pode se ver o vapor “Horace” – 1910.

Visualizar

Cinelândia, Praça Floriano Peixoto

Imagem da Cinelândia (nome popular da região do entorno da Praça Floriano, no centro da cidade do Rio de Janeiro) na década de 1920, ao centro destaque para a Praça Floriano Peixoto.

Visualizar

Praça XV e seus bondes

Bondes que faziam o trajeto da Estrada de Ferro para a Praça XV, no Centro do Rio de Janeiro em 1924, fotografia de Augusto Malta.

Visualizar

Fundação Biblioteca Nacional

Prédio da Fundação Biblioteca Nacional com destaque para a Avenida Central. Fotografia de 1903 de Augusto Malta, principal fotógrafo da evolução urbana do Rio nas primeiras décadas do século XX.

Visualizar

Catedral Metropolitana

Construção da Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, ao fundo a construção do prédio da Petrobrás e o bondinho de Santa Teresa, antigo meio de transporte urbano.

Visualizar

Antiga Estação da Central do Brasil

Inaugurada em 1858, a linha estrada de Ferro Central do Brasil. A viagem inaugural teve como passageiros Dom Pedro II e sua família.

Visualizar

Construção do Cristo Redentor

Vista das obras da estátua do Cristo Redentor no morro do Corcovado. A inauguração desse monumento aconteceu em 12 de agosto de 1931, com a presença do chefe do Governo Provisório, Getúlio Vargas e com a Bênção do cardeal Dom Sebastião Leme.

Visualizar

Avenida Atlântica em Copacabana

Avenida Atlântica em Copacabana, década de 1920. No asfalto da Avenida seguiram, em 1922, os tenentes amotinados contra Arthur Bernardes, os 18 do Forte.

Visualizar

Pão de Açúcar e o Bondinho

A história do Bondinho no morro do Pão de Açúcar está diretamente ligada ao seu criador, o engenheiro Augusto Ferreira Ramos, que imaginou a linha aérea em 1908.

Visualizar

Reservatório de Água

Prefeito Serafim Corrêa visitou o canteiro de obras do Reservatório de Água do Bairro Cidade Nova, em 30 de agosto de 2007.

Visualizar

Eduardo Braga visita Boca do Acre

Governador Eduardo Braga é recebido pela população do município de Boca do Acre, distante da capital 2.322 por via fluvial, em 25 de setembro de 2004.

Visualizar

Carteira de Trabalho de Vargas

Primeira Carteira Profissional de Trabalho do Brasil foi tirada em 1952 pelo então Presidente da República Getúlio Vargas.

Visualizar

Artistas na Passeata dos Cem Mil

Ítala Nandi, Chico Buarque e Gilberto Gil na Passeata dos Cem Mil contra a ditadura militar, em 26 de junho de 1968.

Visualizar

Protesto de estudantes de teatro

Alunos da Escola Teatro Martins Penna, no Rio de Janeiro, protestam em favor da eleição direta para presidente.

Visualizar

Diretas 84

Os atores Dina Sfat, Raul Cortez e Ruth Escobar (PMDB-SP) marcaram presença no comício da Praça da Sé, em São Paulo, e levantaram bandeira do Movimento Diretas Já de 1984 em apoio as eleições diretas.

Visualizar

Comício Diretas Já

Comício ocorrido em 10 de agosto de 1984 na Avenida Presidente Vargas, no Rio de Janeiro, em frente à Igreja da Candelária. Essa foi um das manifestações ocorridas no Brasil no ano de 1984 em prol as eleições Diretas no país.

Visualizar

Edson Luiz é morto no Restaurante Calabouço

O estudante secundarista Edson Luiz foi morto pela Polícia Militar do Rio de Janeiro em 28 de março de 1968. O estudante de 17 anos jantava no Restaurante Calabouço durante uma manifestação estudantil quando o estabelecimento foi invadido por policiais, iniciando ali um confronto entre policiais e estudantes.

Visualizar

Vladimir Herzog morre na cadeia

O jornalista da TV Cultura Vladimir Herzog foi vitimado na ditadura pelo Destacamento de Operações de Informação/Centro de Operações de Defesa Interna, o DOI-CODI de São Paulo, após ser preso sob a suspeita de ter ligação com o Partido Comunista Brasileiro no Exército II. Após ter sido torturado pelos militares foi encontrado morto na cadeia em 25 de outubro de 1975. A causa da morte gerou grande repercussão entre os brasileiros que não acreditavam que o jornalista havia cometido suicídio na prisão. Após sua morte Herzog tornou-se símbolo da liberdade de pensamento e de imprensa no país.

Visualizar

Garotinha se recusa cumprimentar presidente Figueiredo

Rachel Clemens, foi a personagem mais marcante de repúdio ao governo militar no país na década de 70. Durante o almoço ocorrido em 5 de setembro de 1979 no Palácio da Liberdade em Belo Horizonte para o lançamento do carro a álcool, a garotinha se negou a cumprimentar o presidente João Baptista Figueiredo. A garotinha de cinco anos de idade mostrava a pureza da infância e se negou cumprimentá-lo ao saber que a ditadura era cruel e dura com as pessoas.

Visualizar

Passeata dos Cem Mil

A passeata dos Cem Mil, foi uma manifestação popular organizada pelo movimento estudantil e ocorreu em 26 de junho de 1968, na cidade do Rio de Janeiro. A manifestação contou com a participação de políticos, artistas e de inúmeras personalidades de diversos setores do país, atingindo o número máximo de mais de cem mil pessoas.

Visualizar

Classe artística contra a censura

Em 1968, as atrizes Eva Tudor, Tônia Carreiro, Eva Wilma, Leila Diniz, Odete Lara e Norma Bengell, foram as ruas na luta contra a censura do governo em plena ditadura militar.

Visualizar

Edifício da Repartição Geral dos Correios

Fachada do Edifício da Repartição Geral dos Correios no Rio de janeiro em 1911.

Visualizar

Vista aérea da Avenida Central

Vista aérea da Avenida Central no Rio de Janeiro na década de 1900. Imagem retratada pelo fotógrafo franco-brasileiro Marc Ferrez, mestre da fotografia do século XIX.

Visualizar

Debret: Uma senhora brasileira em seu lar

Pintura feita por Jean-Baptiste Debret de 1823, a qual retrata a senhora do lar sendo acompanhada por seus escravos domésticos. Na imagem, pode-se notar escravos sentados ao chão ajudando-a na costura, à direita, outro serviçal trazendo-lhe uma bebida para refrescar-se do calor tropical do Brasil, enquanto que, crianças escravas brincam em companhia da mãe com uma fruta.

Visualizar

Abolição da escravatura no Brasil

Matéria de capa do Jornal Gazeta de Notícias de 13 de maio de 1888, nesta edição especial, a notícia da abolição da escravidão no Império do Brasil é proclamada aos quatro cantos do país. A lei nº 3.353 anuncia o Brasil livre do elemento servil.

Visualizar

Balneário e Cassino da Urca

Balneário e Cassino da Urca, este nome vem de Urbanização Carioca. Observe a ausência de imóveis na orla da Urca no Rio de Janeiro.

Visualizar

Escravos libertos

Fotografia de Marc Ferrez, nesta, o registro de alguns escravos libertos a bordo do HMS London, navio inglês que perseguia os capitães negreiros na Costa da África Oriental na década de 1880.

Visualizar

O vendedor de cebolas

O vendedor de cebolas, foto retirada do livro: “O Rio Antigo do fotógrafo Marc Ferrez – Paisagens e tipos humanos do Rio de Janeiro, 1865 – 1918”.

Visualizar

Venda no Recife

Pintura de Johann Moritz Rugendas chamada de “Venda no Recife”. Rugendas quis retratar o cotidiano dos escravos que se concentravam à frente de um estabelecimento de vendas. Observa-se cativos com tabuleiros na cabeça, com frutas e hortaliças. Em contraste, alguns mascates descansam no interior da venda após chegarem de viagem.

Visualizar

Escrava serve de “cavalinho” para criança branca

Fotografia de fins do século XIX, capta uma das brincadeiras feitas com as escravas que cuidavam dos filhos do senhor de engenho. Na imagem, a criança faz da escrava seu “cavalinho” de montar.

Visualizar

Vista aérea do Rio de Janeiro

Vista aérea das Praias do Flamengo e Botafogo, no Rio de Janeiro, antes do aterro.

Visualizar

Escravos na produção de farinha

Vigiados de perto pelo feitor, escravos concentram suas atividades na produção de farinha. Na imagem produzida por Johann Moritz Rugendas, escravos descascam a mandioca, preparam a massa e a torram no forno à lenha, atividades estas distribuídas entre homens e mulheres sem distinção. Os lucros da produção pertencia unicamente ao senhor proprietário dos escravos.

Visualizar

Mercado de escravos

Local onde os escravos eram expostos à comercialização assim que os navios negreiros aportavam nos principais portos da Colônia. Os escravos negros africanos eram expostos como peças pelos mercadores de escravos aos compradores. Este comércio movimentou a economia do Brasil por alguns séculos, gerando lucros incalculáveis. Essa temática foi retratada pelo pintor Johann Moritz Rugendas.

Visualizar

Praça do Lido 1920

Praça do Lido em Copacabana na década de 1920. Próximo ao Lido ergueram-se os primeiros edifícios de apartamentos que simbolizavam o moderno e o elegante na cidade do Rio e Janeiro.

Visualizar

Vida na Senzala

O pintor Johann Moritz Rugendas retrata nesta imagem a senzala, local onde os escravos habitavam quando não estavam nos serviços pesados. As senzalas eram construídas anexas à Casa Grande, nela podiam praticar suas crenças, religiosidade e culinária trazidas da África.

Visualizar

Castigo

Na pintura, Jean Baptiste-Debret retratou como eram os castigos dados aos escravos negros africanos durante a escravidão no Brasil. No primeiro plano, destaca-se um escravo preso a um “pau de arara” sendo açoitado pelo capataz com um pedaço de madeira. Ao fundo, outro escravo era castigado amarrado a árvore.

Visualizar

Barracas de verduras

Barracas de verduras e aves ao ar livre, localizadas no Lago do Capim no Rio de Janeiro em 1909 . O Largo tinha este nome porque lá se realizava o mercado oficial do capim de Angola.

Visualizar

Tarifa Zero

Campanha nas redes sociais pela tarifa zero nos ônibus para os estudantes.

Visualizar

Greve de estudantes

Greve de estudantes da Universidade do Estado da Guanabara ocorrida em 11 de junho de 1968, hoje Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Visualizar

Melhorias na educação

Manifestação por melhoria na qualidade educacional no Brasil.

Visualizar

Palácio Monroe

O Palácio Monroe, uma homenagem ao presidente americano James Monroe, foi construído originalmente nos Estados Unidos. Sua estrutura toda metálica permitiu seu desmonte para que o mesmo fosse reconstruído no Brasil. Projetado pelo coronel arquiteto Francisco Marcelino de Souza Aguiar, ganhou o Prêmio Medalha de Ouro pelo projeto que marcou o rompimento do uso da arquitetura portuguesa no Brasil. Em 1925, foi transformado em sede do Senado Federal, após a criação de Brasília, passou a ser sede do Estado Maior das Forças Armadas. Em 1976, aprovada com o aval oficial do Presidente general Ernesto Geisel, o Monroe foi demolido.

Visualizar

Cartão Postal de 1904

Conselho Municipal, cartão postal antigo original que circulou em 1904.

Visualizar

Candangos, construção de Brasília

Imagem de um grupo de candangos a caminho do canteiro de obras, no período da construção de Brasília.

Visualizar

Trabalhadores na construção de Brasília

Imagem de um grupo de trabalhadores na construção da nova capital federal do Brasil.

Visualizar

Trabalhadores Palácio da Alvorada

Imagem de trabalhadores que participaram da construção do Palácio da Alvorada, em Brasília.

Visualizar

Construção da cidade de Brasília

Imagem do estágio inicial da construção da cidade de Brasília.

Visualizar

Construção de Brasília

Com o fluxo de trabalhadores atraídos para a construção da cidade de Brasília, era preciso arrumar casas, bares e mercados.

Visualizar

Passeio campestre na futura Brasília

Um passeio campestre na futura Brasília em outubro de 1956: Juscelino, Juca Ludovico, Nelson de Mello e Altamiro de Moura Pacheco.

Visualizar

Lúcio Costa no fim dos anos 50

Lúcio Marçal Ferreira Ribeiro Lima Costa foi um arquiteto, urbanista e professor brasileiro. Pioneiro da arquitetura modernista no Brasil, ficou conhecido mundialmente pelo projeto do Plano Piloto de Brasília.

Visualizar

Oscar Niemeyer

Foto de Oscar Niemeyer, fotografado por Rene Burri, durante a construção de Brasília, no período de 1956 a 1960.

Visualizar

Câmara Federal em Construção

Trabalhadores envolvidos na construção da Câmara dos Deputados, na cidade de Brasília em 1958. Fotografia feita por Marcel Gautherot.

Visualizar

Galeria em construção

Foto da galeria de Brasília em construção, tirada por Marcel Gautherot.

Visualizar

Palácio do Planalto

Palácio do Planalto em construção. A sede do Governo onde Juscelino Kubitschek estabeleceria seu escritório.

Visualizar

Brasília, 1960

Congresso Nacional no dia da inauguração de Brasília, em 21 de abril 1960.

Visualizar

Vista aérea

Vista aérea da cidade de Brasília, em 1960. Cidade idealizada pelo urbanista Lúcio Costa durante o governo de Juscelino Kubitschek.

Visualizar

Nova capital do Brasil

A construção da cidade de Brasília começou em 1956. Ela foi planejada para substituir o Rio de Janeiro como capital do Brasil.

Visualizar

Superquadra

Foto de superquadra no período de construção de Brasília. Acesse o acervo e confira o material completo do desenvolvimento da capital brasileira.

Visualizar

Plataforma Rodoviária de Brasília

Plataforma Rodoviária de Brasília.

Visualizar

Lúcio Costa

Imagem de Lúcio Costa, arquiteto, urbanista e professor, pioneiro da arquitetura modernista no Brasil, no período da construção de Brasília.

Visualizar

Torre de TV de Brasília

Construção da Torre de TV de Brasília, uma torre de transmissão televisiva construída na capital brasileira e inaugurada em 1967, com 224 metros de altura.

Visualizar

Oscar Niemeyer e Lúcio Costa

Os pensadores, projetistas de Brasília e gênios da arquitetura, Oscar Niemeyer e Lúcio Costa.

Visualizar

Ministério da Justiça

O Ministério da Justiça compõe o conjunto da Esplanada dos Ministérios no Eixo Monumental, concebido por Lúcio Costa em seu Plano-piloto de Brasília.

Visualizar

Inauguração de Brasília

Foto da inauguração da cidade pelo presidente Juscelino Kubitschek.

Visualizar

Oscar Niemeyer e maquete

Oscar Niemeyer e a maquete para a construção da Catedral Metropolitana Nossa Senhora Aparecida, de Brasília, em fevereiro 1960.

Visualizar

Brasília em construção

Imagem do Palácio da Alvorada, durante a construção da capital brasileira, registrada pelo fotógrafo franco-brasileiro Marcel Gautherot.

Visualizar

Avenida Monumental

Juscelino Kubitschek e o urbanista Lúcio Costa, em meio ao cerrado onde seria construída Brasília. A imagem, de 1957 , destaca a placa do Eixo Monumental.

Visualizar

Brasília

Trabalhadores durante a construção de Brasília, capital do Brasil e ícone do modernismo brasileiro, inicialmente planejada pelo urbanista Lúcio Costa.

Visualizar

Juscelino Kubitschek 1902-1976

Juscelino Kubitschek, Presidente do Brasil no período de 1956 a 1961, responsável pela construção de Brasília.

Visualizar

Getúlio Dornelles Vargas

Getúlio Dornelles Vargas governou o Brasil por 2 vezes. Nascido em 19/04/1882, faleceu em 24/08/54.

Visualizar

Adeus, Getúlio!

Manchete do Jornal O Radical “Adeus Getúlio”, em 25 de agosto de 1954.

Visualizar

Visita à Escola de Comando e Estado-Maior do Exército

Getúlio, em visita à Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, em 1938, ano de consolidação do Estado Novo e do fim do romance com Aimée Simões Lopes.

Visualizar

Getúlio Vargas em reunião

Getúlio Vargas reunido com seu ministério no Rio de Janeiro, após declaração de guerra dos países do Eixo, Alemanha, Japão e Itália, em 1942.

Visualizar

Fábrica Nacional de Motores

Getúlio Vargas visita a Fábrica Nacional de Motores, 1945. Rio de Janeiro.

Visualizar

Walt Disney e Getúlio Vargas

Walt Disney acompanhado de sua esposa Lillian e o presidente Getúlio Vargas e esposa, senhora Darcy Vargas, no lançamento do filme Fantasia, no Rio de Janeiro, em agosto de 1941.

Visualizar

Carro movido a gasogênio

Getúlio Vargas examina carro movido a gasogênio, 1942. Rio de Janeiro (RJ).

Visualizar

Segundo governo de Vargas

O segundo governo de Vargas foi marcado pela mobilização de novas tendências políticas. (1951-1954)

Visualizar

Documento de Getúlio Vargas

Título eleitoral de Getúlio Vargas emitido em 18 de janeiro de 1933.

Visualizar

Bustos de Getúlio Vargas

Bustos de Getúlio Vargas sendo retirados das ruas, 1945.

Visualizar

Getúlio Vargas em Natal

Getúlio Vargas em Natal com Franklin Roosevelt (à esquerda). Janeiro de 1943.

Visualizar

Campanha Presidencial em Curitiba

Campanha de Getúlio Vargas para as eleições presidenciais de 1950. Curitiba (PR), entre 9 de agosto e 30 de setembro de 1950.

Visualizar

Campanha presidencial de 1950 em Cuiabá

Campanha de Getúlio Vargas para as eleições presidenciais de 1950. Cuiabá (MT), entre 9 de agosto e 30 de setembro de 1950.

Visualizar

Queremistas em frente ao Palácio Guanabara

Queremistas em frente ao Palácio Guanabara durante discurso de Getúlio Vargas em 1945, no Rio de Janeiro (RJ). O Queremismo surgiu em maio de 1945 com o intuito de defender a permanência de Vargas na presidência. O nome Queremismo se originou do slogan do movimento “Queremos Getúlio”.

Visualizar

Góes Monteiro e Vargas

Góes Monteiro (em pé) ao lado de Getúlio Vargas, em 1930. Em 1945, o aviso: “Vim para acabar com o Estado Novo”.

Visualizar

Campanha presidencial 1950

Campanha de Getúlio Vargas para as eleições presidenciais de 1950. Belo Horizonte (MG), entre 9 de agosto e 30 setembro de 1950.

Visualizar

Embarque no aeroporto

Embarque no aeroporto Santos Dumont do corpo do presidente Getúlio Vargas para o Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro (DF), 25 de agosto de 1954.

Visualizar

Vargas, Dornelles e Brizola

Getúlio Vargas tendo à sua esquerda Ernesto Dornelles e Leonel Brizola na estância do Itu. Itaqui (RGS), 1950.

Visualizar

Vargas e os documentos do censo de 1940

Getúlio Vargas examina documentos do censo de 1940 no Mato Grosso.

Visualizar

Despedida de Vargas da presidência

Despedida de Getúlio Vargas da presidência da República. Vargas dirige-se ao avião que o levaria para o Rio Grande do Sul, após a queda do Estado Novo.

Visualizar

Campanha de Getúlio Vargas

Campanha de Getúlio Vargas para as eleições presidenciais de 1950. Manaus (AM), 25 agosto de 1950.

Visualizar

Getúlio Vargas e a primeira-dama Darcy Vargas

Com um look criado por Mena Fiala, a primeira-dama Darcy Vargas desfila com o marido, Getúlio Vargas.

Visualizar

Vargas e Stefan Zweig

O famoso escritor austríaco Stefan Zweig posa ao lado do presidente Getúlio Vargas.

Visualizar

Getúlio Vargas em desfile no Estádio de São Januário

Em 1º de maio de 1941, Getúlio Vargas desfila em carro aberto no Estádio de São Januário, do Vasco, o maior da América do Sul até a construção do Pacaembu.

Visualizar

Getúlio Vargas e Amaro do Nascimento

Foto do então Presidente Getúlio Vargas e o ex-escravo, Amaro do Nascimento em São Borja (RGS), em dezembro de 1934.

Visualizar

Getúlio Vargas e família

Foto em família de Getúlio Vargas com sua filha Alzira, sua neta Celina e sua sobrinha-neta Edith.

Visualizar

Getúlio Vargas e sua filha

Foto de Getúlio Vargas e sua filha, Alzira.

Visualizar

Getúlio Vargas em cavalo Mangalarga Marchador

Getúlio Vargas montado em cavalo em Mangalarga Marchador.

Visualizar

Vargas em Itararé

Vargas (centro) e apoiadores em Itararé (SP) a caminho da Revolução de 1930.

Visualizar

Manifestação S.O.S Educação

Manifestação por melhoria na educação.

Visualizar

Criminalidade X Educação

Criminalidade X Educação. Quanto mais escolas forem construídas, menos presídios precisarão ser erguidos!

Visualizar

Manifestação nacional

Manifestação por melhoria na qualidade educacional no Brasil.

Visualizar

Protesto por melhorias na Educação

O protesto por melhorias na Educação, que aconteceu na noite do dia 15 de outubro de 2013, em São Paulo, acabou em novo confronto com a Polícia Militar.

Visualizar

Manifestação estudantil em São Paulo

Estudantes se mobilizam em São Paulo no manifesto que ocorreu em dezembro de 2015, contra o fechamento das escolas.

Visualizar

Protesto na Av. Paulista

Protesto de estudantes na Av. Paulista contra a reorganização da educação.

Visualizar

Protesto estudantil em Recife

Protesto estudantil ocorrido em junho de 2013, no centro de Recife. O aumento da passagem de ônibus estava entre as principais causas do movimento.

Visualizar

Assembleia estudantil

UBES e UES protestam contra o fim da isenção do Programa de Avaliação Seriada- PAS, da Universidade de Brasília, UNB.

Visualizar

Passeata de estudantes

Passeata de estudantes exigindo a libertação dos presos no XXX Congresso da UNE, realizado em Ibiúna no Rio de Janeiro no dia 19 de outubro de 1968.

Visualizar

José Dirceu e Luiz Travassos em manifestação

José Dirceu, presidente da UEE, de cabeça baixa, e Luiz Travassos, presidente da UNE, com megafone, no coreto da Praça da República, na cidade de São Paulo.

Visualizar

Manifestação Passe Livre

Grupo em manifestação pelo passe livre, meia passagem intermunicipal e melhorias no transporte público.

Visualizar

Passe Livre

No dia 26 de junho de 2013, o passe livre estudantil foi instituído na região metropolitana de Goiânia pelo governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB).

Visualizar

Protesto contra Ditadura Militar

Passeata dos Cem Mil, manifestação popular de protesto contra a Ditadura Militar no Brasil, ocorrida em 26 de junho de 1968, na cidade do Rio de Janeiro.

Visualizar

Movimento Estudantil, “Um mais um é sempre mais que dois”

Notícia de movimento estudantil publicada em ” O Estudante”, órgão oficial informativo do CES “O Jornal” de novembro de 1983.

Visualizar

Diretas já

Movimentos juvenis vão às ruas para pedir ‘Diretas Já’.

Visualizar

Confronto de estudantes em 1968, Batalha da Maria Antônia

Estudantes da UNE x estudantes do Mackenzie em 03 de outubro de 1968.

Visualizar

Movimento Estudantil

Movimento Estudantil nos anos 60/70.

Visualizar

Encontro da Libelu

Encontro da Libelu, organização do movimento estudantil que dirigiu o Diretório Central dos Estudantes livre da USP nos anos 70.

Visualizar

Movimento Estudantil Popular Revolucionário

Estudantes vão às ruas e participam do Movimento Estudantil Popular Revolucionário -MEPR.

Visualizar

Flávio Dino

Flávio Dino, à esquerda, durante a militância estudantil.

Visualizar

Movimento Passe Livre (MPL)

Movimento Passe Livre (MPL) na luta por um transporte público de qualidade, fora da iniciativa privada.

Visualizar

Passeata dos Caras Pintadas

Passeata estudantil dos ‘Caras Pintadas’ no Rio de Janeiro que reuniu milhares de jovens pedindo o impeachment do, então presidente, Fernando Collor.

Visualizar

Passeata dos Cem Mil (1968)

Flagrante da “Passeata dos Cem Mil” organizada pelo movimento estudantil, em 1968, contra a Ditadura Militar.

Visualizar

Manifestação contra a ditadura militar, 1968

Estudante participando de uma manifestação contra a ditadura militar em 1968, que veio a óbito ao bater a cabeça após a queda.

Visualizar

Vargas com o empresário Chateaubriand – 1953

Chateaubriand foi um magnata das comunicações no Brasil entre o final dos anos 1930 e início dos anos 1960. Sua prelação com Getúlio foi tumultuada porém rentosa.

Visualizar

Dilma na Junta Militar

Dilma participou de algumas reuniões sobre a fusão do COLINA com a Vanguarda Popular Revolucionária (VPR).O promotor que denunciou a organização chamou-a “Joana d’Arc da subversão”. Dilma foi condenada em primeira instância a seis anos de prisão.

Visualizar

Escravo de ganho

Escravo de ganho na cidade do Rio de Janeiro (capital do império-1865). Era o escravo conhecido como fornecedor, ou seja, que tinha a permissão de seus senhores para trabalhar, vender ou prestar serviços na rua. Em troca, o escravo negro africano tinha que dar uma porcentagem de seus lucros para seu proprietário.

Visualizar

5º Ato contra o aumento da tarifa

No 5º Ato contra o aumento da tarifa, os manifestantes fizeram contagem regressiva para avançar diante do cordão de bloqueio de policiais.

Visualizar

Túnel Alaor Prata

O Túnel Alaor Prata, inaugurado como Túnel Real Grandeza, em 1892, mais popularmente conhecido hoje como Túnel Velho. A perfuração do Túnel foi promovida pela Companhia Ferro-Carril do Jardim Botânico, dentro de uma estratégia do mercado imobiliário que, no início da República, pretendia investir na região litorânea de Copacabana, promovendo-a como um novo estilo de vida na cidade que pretendia se modernizar. O Túnel, com 182 metros de comprimento por 5,50 metros de largura, atravessava a garganta entre o Morro da Saudade e o Morro de São João, permitindo a extensão da linha de bondes, ligando Botafogo a Copacabana.

Visualizar

JK chora na missa de inauguração

A festa da inauguração de Brasília começou na noite da sua véspera, com uma missa campal que invadiu o dia 21 e arrancou lágrimas do criador da cidade.

Visualizar

Praça Sete, 1968

A Praça Sete foi local de manifestações de estudantes e trabalhadores nos protestos contra a ditadura militar e na campanha das Diretas-Já.

Visualizar

Palácio do Catete,1954

Palácio do Catete, na madrugada do dia 24 de agosto 1954, sozinho, em seu quarto, Vargas toma uma arma e dispara contra o próprio peito. Na manhã de 24, à medida que a carta testamento era transmitida pelas rádios, a população manifestava-se com indignação e revolta contra os adversários de Getúlio, tomando as ruas do Brasil.

Visualizar

Rua do Ouvidor

Em meados do século 18, no ano de 1745, a Fazenda Real comprou algumas casas na Rua do Padre Homem da Costa. E lá foram morar os Ouvidores. O primeiro ouvidor ou magistrado que foi morar nas casas foi Manuel Pena de Mesquita. Depois veio segundo, que era mais conhecido à sua época denominação dada aos magistrados no Brasil do antigo Império Português. A rua passou a ser chamada de Rua do Ouvidor, desde a metade do século 18.

Visualizar

Baquaqua

Ex-escravo nascido no Norte da África no início do século XIX. Levado para o Brasil, em 1845, onde foi escravizado por um senhor que era padeiro (em Olinda), antes de fugir do para Nova York, em 1847. Ele escreveu a única autobiografia de um africano escravizado em terras brasileiras.

Visualizar

Tomada do Forte de Copacabana em 1964

Militares que articularam o golpe de 1964 decidiram que João Goulart, o Jango, não seria mais presidente da República, o Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro, foi para onde eles rumaram para acompanhar os desdobramentos da decisão.

Visualizar

Candangos trabalhando

Grupo de trabalhadores migrantes chamado de candangos, termo utilizado para designar os trabalhadores provenientes da Região Nordeste do Brasil.

Visualizar

Vargas visita a Refinaria de Mataripe

Um ano antes da criação da Petrobras, Getúlio Vargas visitou a Refinaria de Mataripe (atual RLAM, na Bahia). A Petrobras é fundada em 3 de outubro de 1953, o então presidente Getúlio Vargas sancionou a lei 2004, que criava o monopólio estatal do petróleo e a Petróleo Brasileiro S/A (Petrobras).

Visualizar

“Batalha da Maria Antônia”

Confronto entre estudantes das universidades Mackenzie e USP, em São Paulo. Capítulo mais grave da disputa ideológica, ocorrido em 3 de outubro de 1968.

Visualizar

Brasília, 11 de Abril 1964

O primeiro presidente militar, o marechal Castello Branco, utilizou atos institucionais e emendas constitucionais. No campo civil, as “Marchas da Família com Deus pela Liberdade” tinham feito seu papel, permitindo dizer que o povo brasileiro chamava as Forças Armadas para salvar o país do comunismo.

Visualizar

Calçadão de Copacabana, 1947

O Calçadão foi construído em 1906. Para homenagear os nossos colonizadores, o desenho do Calçadão é o mesmo das calçadas da Praça do Rossio, em Lisboa. Nas décadas seguintes, novos desenhos surgiram. Apenas um repetiu o de Copacabana: o da Praia de São Conrado.

Visualizar

Dia da Inauguração de Brasília

Juscelino Kubistchek na inauguração de Brasília – 21 de abril de 1960. A esperança e a desconfiança estamparam as páginas dos principais jornais do país, quando Brasília foi inaugurada e assumiu o posto de capital federal.

Visualizar

Getúlio pré-adolescente

Getúlio Vargas pré-adolescente vai estudar em Ouro Preto. O certo mesmo é que a passagem do futuro presidente por Ouro Preto, entre 1897 e 1898 – menos de um ano –, ainda é pouco documentada, afirma Jerfferson Queler, professor de história contemporânea da Ufop. No segundo ano, um incidente mudou os planos dele e dos irmãos mais velhos, Protásio e Viriato, que já estudavam na cidade havia mais tempo. Viriato, que estudava farmácia e estava com 23 anos, foi acusado de matar, com dois tiros o jovem paulista Carlos de Almeida Prado, filho de Almeida Prado, um dos fundadores do Partido Republicano Paulista. Obrigando os jovens a buscar refúgio em São Borja.

Visualizar

Prédio da UNE, 1980

O prédio na Praia do Flamengo, no Rio de Janeiro, foi a sede da UNE por quase 30 anos e que acabou sendo confiscado pelo governo militar.

Visualizar

Comício das Reformas

Ao lado da mulher, Maria Thereza, e de Darcy Ribeiro (chefe da Casa Civil), Jango subiu ao palanque da Central do Brasil, no Rio. O evento, transmitido ao vivo por rádio e TV para todo o país, reuniu cerca de 200 mil pessoas.

Visualizar

Bondinho do Pão de Açúcar

Vista aérea do bondinho do Pão de Açúcar, 1940. Uma das principais atrações turísticas da cidade. O desenvolvimento das técnicas de engenharia e a realização da Exposição Nacional motivaram o engenheiro Augusto Ferreira Ramos. O seu primeiro trecho inaugurado foi entre a Praia Vermelha e o Morro da Urca em 27 de outubro de 1912.

Visualizar

Bandeira Fincada

Responsável pelo desenvolvimento do Plano Piloto de Brasília, passou a ser conhecido em todo o mundo como autor de grande parte dos prédios públicos, assim como Niemeyer.

Visualizar

Torturador Francês

Paul Aussaresses, o carrasco de Argel: documentação obtida por pesquisador na França traz detalhes sobre atividades no Brasil. O general parecia o homem certo para compor a missão diplomática do governo Pompidou no Brasil dos anos de chumbo.

Visualizar

“Eis a democracia podre”

Cartaz de um dos jovens revoltados com a morte do estudante Edson Luís, assassinado por um PM enquanto lutava por seus direitos durante a Ditadura Militar.

Visualizar

Eleição do presidente Tancredo Neves

O país celebra a eleição de Tancredo. Uma edição extra de “O Globo” dava conta que o colégio eleitoral havia escolhido Tancredo Neves como presidente da República. À época, o que ninguém sabia é que o político já estava com a saúde fragilizada.

Visualizar

Tia Ciata

Tia Ciata, nasceu em 1854. Ela foi uma cozinheira, mãe de santo e uma das tias baianas importantíssima para que o samba exista até hoje. Na época das perseguições contra os negros e sua cultura, ela e outras tias baianas davam espaço em seus quintais e terreiros para o samba acontecer.

Visualizar

Mirante Chapéu do Sol

Mirante Chapéu do Sol construído em 1885, a ferrovia chegava até o Alto do Corcovado, ao mesmo local de hoje em dia, e daí subia-se até a plataforma de observação, no local da atual estátua. Para proteger os visitantes do sol inclemente, foi construído um pavilhão de ferro com 13,5 metros de diâmetro, cuja função e formato circular fez com que recebesse o apelido apropriado de “Chapéu do Sol”. Foi contemporâneo de nossos bisavós, até que, em 1931, fosse finalmente inaugurado o monumento do Cristo Redentor.

Visualizar

Forte Apache

“Forte Apache”, acampamento da VW do Brasil composto por Kombis. Durante a inauguração de Brasília a cidade estava semi-pronta, não havia acomodação.

Visualizar

Itália fascista no Brasil novo

“Trago a saudação da Itália fascista ao Brasil novo”, declarou Balbo, em alusão ao fato de o país onde acabara de desembarcar.

Visualizar

Obra “Negra Tatuada Vendendo Cajus” – Debret, 1827

Negra tatuada vendendo cajus de Jean-Baptiste Debret. A representação da cabeça apoiada sobre a mão é muito antiga e aparece até mesmo em sarcófagos egípcios, para significar a tristeza e o luto, mas aparece em outros momentos associada ao cansaço ou ao pensamento criador. Atribuindo personalidade ao escravo, ao contrário de seu companheiro de Missão, Thomas Ender. Debret mostra uma vista da baía de Guanabara, e suas águas falaciosamente tranquilas e pacíficas.

Visualizar

Arcos da Lapa

Tinha, como objetivo, conduzir a água do Rio Carioca da altura do Morro do Desterro para o Morro de Santo Antônio. E que, desde 1896, serve como via para o bonde que liga o Centro da cidade ao bairro de Santa Teresa. Na virada do século XX para o XXI, o renascer do bairro como centro de vida noturna.

Visualizar

Caravana da Integração Nacional

Juscelino Kubitschek acena de uma Romi Isetta durante a Caravana da Integração Nacional, que representa a interligação da capital às demais regiões.

Visualizar

Vargas no Poder

Getúlio Vargas chegou ao poder: ascensão festejada com desfile no Rio, após comandar a Revolução de 1930, que derrubou o governo de Washington Luís. Seus quinze anos de governo seguintes, caracterizaram-se pelo nacionalismo e populismo. Sob seu governo foi promulgada a Constituição de 1934. Fecha o Congresso Nacional em 1937, instala o Estado Novo e passa a governar com poderes ditatoriais. Perseguiu opositores políticos, principalmente partidários do comunismo. Enviou Olga Benário, esposa do líder comunista Luís Carlos Prestes, para o governo nazista.

Visualizar

Atentado ao Rio Centro

O misterioso Atentado ao Rio Centro. A explosão ocorreu no estacionamento do Rio Centro matando um dos culpados, o Sargento Guilherme Pereira do Rosário e ferindo gravemente o Capitão Wilson Dias . Foi comprovado por meio de “Confissão” que o atentado foi uma tentativa de setores mais radicais do Governo.

Visualizar

Obra “Batuque”, Rugendas

A imagem centraliza os escravos. O autor da imagem procurou destacar o “batuque” dos escravos. Mostra um espaço pouco urbanizado. Há mais partes naturais no ambiente do que traços urbanos.

Visualizar

Manifestação Popular

A Passeata dos Cem Mil foi uma manifestação popular contra a Ditadura Militar no Brasil, ocorrida em 26 de junho de 1968.

Visualizar

Torturado em Público

Homem é torturado em público, durante uma parada militar em Minas Gerais, foto de 1970.

Visualizar

Fim da Escravidão

Foto histórica de escravos recém libertos. Na época da Abolição da Escravatura, os escravos passaram a poder ser fotografados. Mas com uma restrição: sem sorrir. As fotos deveriam ser apenas documentais. Normalmente, eram tiradas no dia da libertação deles. Estão unidos, segurando as mãos, mas com um olhar perdido, desnorteado.

Visualizar

Rua do Catete

Fotografia que retrata o cotidiano carioca na Rua do Catete, ao centro, o moderno bonde da empresa A. Ferreas, à esquerda a carroça puxada por cavalos. O moderno e o rústico captados nas lentes de Augusto Malta da década de 1920.

Visualizar

Revolta da Vacina

Bonde virado por populares durante a Revolta da Vacina, um conflito urbano violento que estourou no Rio de Janeiro com a campanha de vacinação obrigatória contra a varíola. Nos primeiros anos da República, a população conviveu com um Estado cada vez mais forte e intrusivo, durante a vacinação obrigatória, era comum agentes invadirem as casas e fazerem uso da violência para aplicar a vacina, foto de 1904.

Visualizar

A Panair de Brasília

A Panair está na história dos primeiros dias de construção de Brasília e da campanha para eleição de Juscelino à presidência.

Visualizar

Roosevelt e Vargas

No dia 28 de janeiro de 1943, o então ditador brasileiro, Getúlio Vargas e o presidente Franklin Delano Roosevelt participaram do que ficou conhecido como “Conferência de Natal”. Embora curta esta visita foi de enorme importância, onde ocorreram acordos que resultaram, entre outras ações, na criação da FEB-Força Expedicionária Brasileira e no envio destas tropas para o teatro de operações na Itália.

Visualizar

Passeata contra assassinato

Passeata contra o assassinato do estudante José Guimarães, ocorrido em 08 de Outubro de 68, morto pela polícia durante o confronto entre universitários.

Visualizar

Vargas, Garcez e Salzano

Getúlio Dornelles Vargas, quando concedia entrevista à imprensa no Rio Grande do Sul, em São Borja, ocasião em que era interpelado sobre sua possível candidatura à presidência da República. Naquela época, por volta de 1950, também estava presente a famosa “dobradinha” paulista – candidatos ao governo de São Paulo, Lucas Nogueira Garcez e seu vice, Erlindo Salzano – em busca do apoio de Getúlio. A eleição aconteceu, e os três (Getúlio, Garcez e Salzano) foram eleitos com grande votação.

Visualizar

O líder Vladimir Palmeira

Por defender os ideais da esquerda e da democracia, Vladimir foi preso em 1967, em agosto de 1968 e novamente no Congresso da UNE, em Ibiúna.

Visualizar

Marechal Castello Branco

Na foto, Castello é recebido por soldados que lhe prestam continência em 1965. Seu governo durou de 1964 a 1967.

Visualizar

Negro Cesteiro

Cesteiro, no Rio de Janeiro (1875). Com a expansão das cidades, os escravos urbanos multiplicado em comércios especializados.

Visualizar

Teatro Municipal do Rio de Janeiro

Teatro Municipal em 1909. O Centro do Rio de Janeiro antigo era cheio de brejos infestados de mosquitos e a primeira construção de porte na cidade foi o Teatro Municipal, cujas obras duraram de 1905 a 1909.

Visualizar

Último presidente da República Velha

No meio da foto o elegante Washington Luis e seu Ministro da Fazenda à direita, Getúlio Vargas. WL, por seu temperamento boêmio e por seu ador com o sexo feminino, era conhecido no Rio como o Rei da Fuzarca.

Visualizar

Palácio do Congresso Nacional

O Palácio do Congresso Nacional é o nome não oficial do Palácio Nereu Ramos. Construído para abrigar o Congresso Nacional do Brasil, inaugurado em 1960.

Visualizar

Obra “O Jantar”, Debret

Na obra de Jean Baptiste-Debret, o jantar da família patriarcal colonial brasileira é emblematizado em óleo e tela. Apesar da riqueza da família do senhor, somente o homem comia com garfo e faca, a esposa, tinha somente uma faca. As demais pessoas comiam com as mãos.

Visualizar

Obra “Moulin à Sucre”, Rugendas

Óleo sobre tela do alemão Johann Moritz Rugendas, que viajou por todo o Brasil de 1822 a 1825 pintando os povos e os costumes que encontrou.

Visualizar

VEJA MAIS