Negro Cesteiro

Cesteiro, no Rio de Janeiro

[vc_row][vc_column][vc_images_carousel images=”907″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

Cesteiro, no Rio de Janeiro (1875). Com a expansão das cidades, os escravos urbanos multiplicado em comércios especializados, tais como pedreiros, vendedores de frango, barbeiros e rendeiras. Eles vagavam de um lado para outro, carregando caixas, barris, móveis e, claro, as pessoas brancas.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]