Manaus

Paulo Pinto Nery

Coletânea de curiosidades e fatos históricos ocorridos na década de 1960, publicados pela imprensa de Manaus.

Visualizar

Praia da Ponta Negra

Coletânea de curiosidades e fatos históricos ocorridos na década de 1960, publicados pela imprensa de Manaus.

Visualizar

Imagem de um Amphicar no Amazonas: aqui vencemos a floresta

Na capital amazonense existiam apenas oito desses veículos.

Visualizar

O norte amazônico: aqui vencemos a floresta

Balneário no Amazonas.

Visualizar

Progresso em Manaus (3)

Vista aérea da Praça da Matriz em 1969.

Visualizar

Progresso em Manaus (2)

Incentivos fiscais e o livre comércio ajudaram a modificar a imagem da capital amazonense.

Visualizar

Progresso em Manaus

Com a criação da Zona Franca, centenas de lojas abriram-se por toda parte provocando um extraordinário progresso em Manaus.

Visualizar

Manaus, Capital do jovem turismo (5)

A Brasiljuta produzia anualmente 1.350.000 sacos, além de fios, telas e outros produtos.

Visualizar

Manaus, Capital do jovem turismo (4)

A Refinaria da Companhia de Petróleo da Amazônia, processa um total de 5 mil barris diários de gasolina, além de outros derivados.

Visualizar

Manaus, Capital do jovem turismo (3)

Os igarapés eram os preferidos para os reconfortantes banhos semanais.

Visualizar

Manaus, Capital do jovem turismo (2)

Fazer turismo no Amazonas, é encontrar um novo mundo inexplorado e belo.

Visualizar

Manaus, Capital do jovem turismo

Em 1966, o Governo do Amazonas possibilitou que centenas de universitários pudessem conhecer a cidade de Manaus através do programa “Operação Férias”.

Visualizar

O caçador de tartarugas era chamado de virador – Um pouco sobre o Amazonas

O caçador de tartarugas era chamado de virador. Seu truque, aparentemente fácil, é saber virar o bicho de pernas para o ar.

Visualizar

Rodovia construída pouco antes de 1963 – Ao longo do Amazonas

Rodovias construídas pouco antes de 1963, em consequência do petróleo.

Visualizar

Teatro Amazonas durante o ciclo da Borracha – Ao longo do Amazonas

Houve um tempo, no ciclo da borracha, em que o Teatro Amazonas assumiu o papel de mais importante centro artístico do país, abrigando companhias líricas europeias.

Visualizar

Teatro Amazonas no período áureo da borracha – Ao longo do Amazonas

No período áureo da borracha, muitas companhias europeias iam diretamente para Manaus, desprezando o público do Rio de Janeiro.

Visualizar

Pescadores nas águas do Rio Negro e Solimões – Ao longo do Amazonas

Os pescadores ficavam uma semana nas águas do Rio Negro e Solimões, e quando regressavam, as canoas estavam fartas com os pescados.

Visualizar

Movimento no mercado – Ao longo do Amazonas

O movimento no mercado se iniciava na madrugada. Barqueiros chegavam de suas propriedades trazendo bananas, tomates, verduras e pirarucus secos.

Visualizar

Posse de Plínio Coelho, festa no Amazonas (2)

[vc_row][vc_column][vc_column_text]Milionária por duas décadas, Manaus adquiriu um ar supercivilizado e imitou as cidades cultas da Europa, em suas edificações e em seus hábitos. Contudo, após o fim do ciclo da borracha, ficou estagnada até que o processo de desenvolvimento instalado no país chegasse na capital amazonense. A cidade passou então por um processo de recuperação, […]

Visualizar

Posse de Plínio Coelho, festa no Amazonas

No trajeto da Assembléia ao Palácio do Governo, Plínio Coelho e Gilberto Mestrinho foram aclamados pelo povo de Manaus.

Visualizar

Gilberto Mestrinho e seu governo (4)

Hospital Getúlio Vargas, pouco tempo antes de sua inauguração.

Visualizar

Gilberto Mestrinho e seu governo (3)

O teatro Amazonas em 1962, após passar por uma restauração.

Visualizar

Gilberto Mestrinho e seu governo (2)

Em cada bairro e subúrbio de Manaus foram construídos um posto de saúde e uma escola pública.

Visualizar

Gilberto Mestrinho e seu governo

Gilberto Mestrinho na Maternidade Balbina Mestrinho.

Visualizar

Manaus, a capital do Amazonas (6)

Cortada pelos igarapés que nascem no rio negro, Manaus dá a impressão de uma cidade flutuando sobre as águas.

Visualizar

Manaus, a capital do Amazonas (5)

Av. Floriano Peixoto, em 1962. À direita o prédio da Alfândega e, ao fundo, em construção o futuro hotel Ana Cássia.

Visualizar

Manaus, a capital do Amazonas (4)

Este chafariz de 1900, é símbolo de uma riqueza que durou pouco.

Visualizar

Manaus, a capital do Amazonas (3)

Alfândega de Manaus em 1962.

Visualizar

Manaus, a capital do Amazonas (2)

Palácio da Justiça em 1962.

Visualizar

Manaus, a capital do Amazonas

Na época em que sobrava dinheiro para importar a arte e a cultura do mundo civilizado, Manaus era como uma joia rara em meio a selva.

Visualizar

O Novo Amazonas (11)

Processo de industrialização da matéria-prima local.

Visualizar

O Novo Amazonas (10)

A construção em tempo recorde das escolas obedece aos requisitos exigidos pela perfeita técnica educacional.

Visualizar

O Novo Amazonas (9)

Uma obra excepcional empreendida pela Secretaria de Saúde, foi a Maternidade D. Balbina Mestrinho.

Visualizar

O Novo Amazonas (8)

O aumento de potencial elétrico em 1961, possibilitou a instalação de importantes indústrias.

Visualizar

O Novo Amazonas (7)

A rede de ônibus de Manaus foi consideravelmente aumentada. A população passou a ter um transporte fácil e barato.

Visualizar

O Novo Amazonas (6)

Tanto na Capital como no interior do Estado foram abertas centenas de escolas públicas, amplas e funcionais.

Visualizar

O Novo Amazonas (5)

Em 1961, vários hospitais e ambulatórios foram criados na Capital e no interior.

Visualizar

O Novo Amazonas (4)

As carretas de saúde disponibilizadas pelo Governo do estado em 1961.

Visualizar

O Novo Amazonas (3)

As máquinas modernas do novo Amazonas.

Visualizar

O Novo Amazonas (2)

Teatro Amazonas no ano de 1961.

Visualizar

O Novo Amazonas

Para Gilberto Mestrinho, havia surgido um novo Amazonas. Um estado de energia, operosidade, planejamento e coragem.

Visualizar

O Governador mais jovem do país é eleito, Gilberto Mestrinho

As crianças festejavam com a presença de Gilberto, eram agradecidas pelas diversas escolas que ele construiu ao longo de seu mandato.

Visualizar

Gilberto Mestrinho, o governador mais jovem eleito no país (5)

Em um de seus discursos, Gilberto declarou que sonhava com um Amazonas grande, próspero e respeitado.

Visualizar

Foto do governador Gilberto Mestrinho na revista Manchete

Os trabalhos de Gilberto estavam por toda cidade, um exemplo: o Palácio Rodoviário.

Visualizar

O governador mais jovem foi eleito no país

Gilberto Mestrinho de Medeiros Raposo, que por sua popularidade, ficou conhecido como JK do Amazonas.

Visualizar

Gilberto Mestrinho, o governador mais jovem eleito no país

Gilberto em seu governo, foi bastante elogiado pelo trabalho desenvolvido principalmente nas ruas da cidade.

Visualizar

Touradas no Brasil (7)

Na inauguração das touradas, somente dois animais se mantiveram convictamente pacíficos e indiferentes.

Visualizar

Touradas no Brasil (6)

Os toureiros agiam com bravura, provocando sem parar os pobres touros.

Visualizar

Touradas no Brasil (5)

Fachada da praça de touros de Manaus, com acomodações para 7 mil pessoas.

Visualizar

Touradas no Brasil (4)

O Governador autorizou as touradas mas sem a morte dos touros…

Visualizar

Touradas no Brasil (3)

À moda americana, longe de quebrar a imponência do “show”, conseguiu levar ao máximo o entusiasmo popular, acordando lembranças dos tempos antigos…

Visualizar

Touradas no Brasil (2)

Manobras, entre os os aplausos calorosos da multidão, o toureiro colocou bem as bandarilhas nas suas pobres vítimas e ainda pegou touros à unha.

Visualizar

Touradas no Brasil

Rito católico: o vigário da freguesia de Nossa Senhora da Glória, abençoa os toureiros que vão enfrentar o perigo na nova arena de Manaus.

Visualizar

Uma expedição pela selva amazônica (7)

A equipe da expedição passou por diversos perigos, para no final, o resultado ser nenhum.

Visualizar

Uma expedição pela selva amazônica (6)

Embora estivesse comprometida com seu trabalho, Eva não foi encarada somente como uma companheira.

Visualizar

Uma expedição pela selva amazônica (5)

Eva e Olga se refrescam, depois de uma longa jornada na selva. Foram situações como essa que ocasionaram em brigas entre os homens da expedição.

Visualizar

Uma expedição pela selva amazônica (4)

Vestido de presidiário, o Repórter Noberto, um dos membros da expedição, era quem às vezes cozinhava.

Visualizar

Uma expedição pela selva amazônica (3)

Eva Harms, a alemã de 20 anos, que impediu que a experiência n°4 tivesse uma conclusão.

Visualizar

Uma expedição pela selva amazônica (2)

Ao contrário do que costumam contar os que voltam da Amazônia, não foram os índios que causaram confusão. Tiveram seu sossego perturbado.

Visualizar

Uma expedição pela selva amazônica

Flávio e Eva, a “Deusa Branca”: durante as filmagens da expedição pela Amazônia.

Visualizar

Manaus, uma cidade flutuante (4)

O fotógrafo Gervásio Batista traz retratos inéditos onde os marginais moravam e as casas em que ocupavam à beira dos rios e igarapés que cercavam a cidade.

Visualizar

Manaus, uma cidade flutuante (3)

As casas flutuantes dos marginais superaram a fase das palafitas, eram incoparávelmente mais funcionais.

Visualizar

Manaus, uma cidade flutuante (2)

Construíam casas sobre balsas ou cascos de embarcações: a vida era mansa na enchente ou na vasante.

Visualizar

Manaus, uma cidade flutuante

Onde a terra é mais extensa, quase sem fim, milhares habitavam às águas. Esse era o paradoxo de Manaus.

Visualizar

Invasão espacial: Discos Voadores em Manaus

Eles estão aparecendo em Manaus. Muitas pessoas já viram. A maioria dos caos foram registrado a noite. Eles têm uma força magnética estranha, como se fosse num sonho, desaparecem.

Visualizar

Lançamento em Manaus do primeiro barco à álcool

O barco comercial ‘Coari’ – o primeiro do mundo movido à álcool – será lançado no Porto de Manaus, onde estará presente o Min. Angelo Amaury.

Visualizar

Comércio proibido em Manaus: marreteiros

Surgiram há mais de uma década e se espalharam pelas calçadas. Eram as chamadas ‘lojas rasteiras’, que vendiam de tudo, até ‘suspensório pra cobra’.

Visualizar

Fichas plásticas magnetizadas substituem vales-transportes de papel

O vale-transporte de papel será substituído por fichas plásticas de cores variadas, quase do tamanho de uma moeda e de uma ficha eletrônica.

Visualizar

O que fizeram os vereadores de Manaus em 1974?

No exercício dessa nobilitante função pública, seus componentes – tanto do MDB como da ARENA – realizaram um trabalho digno de aplausos, tanto assim que a grande maioria deles elegeu-se nas eleições de novembro último para a Assembleia Legislativa do Amazonas.

Visualizar

Primeira vez no Amazonas: torneio com mulheres praticando halterofilismo

O público que comparecer ao ginásio da Escola Técnica poderá ver, pela primeira vez no Amazonas, as mulheres praticarem o halterofilismo.

Visualizar

Autoridades esqueceram o aniversário de Manaus

Passou em branco o 140º aniversário da cidade de Manaus. Não se viu nenhuma festa ou homenagem pela passagem da data histórica. As pessoas sequer sabiam que ontem foi aniversário da cidade.

Visualizar

AIDS chega a Manaus: dois casos confirmados

Dois casos de AIDS já foram diagnosticados em Manaus, no Ambulatório Alfredo da Matta. O terceiro caso ainda não está confirmado, havendo apenas suspeita.

Visualizar

Manaus ganha um moderno Hospital

Este novo Pronto Socorro de Fratura está capacitado para atender qualquer tipo de tratamento na especialidade.

Visualizar

Jorge de Moraes, primeiro prefeito eleito de Manaus

Começou em 1910, com Jorge de Moraes, o primeiro prefeito eleito desta capital.

Visualizar

Primeira mulher taxista em Manaus

Maria Olinda das Chagas Marcedo, casada, mãe de dois casais de filhos menores, é a primeira motorista profissional a enfrentar esse desafio no Amazonas.

Visualizar

Morre o construtor de bumbás

Lauro Queiroz de Souza, mais conhecido como Lauro Chibé faleceu dia 29 de dezembro de 1987. Foi o construtor de mais de 100 bois-bumbás.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (12)

Cartão Postal datado de 1898 da Ponte Benjamin Constant, localizada na avenida Sete de Setembro em Manaus.

Visualizar

Drogaria Universal (3)

Fachada da Drogaria Universal de propriedade do alemão Théodore Lévy, firma de Théodore Lévy e Camille & Cia.

Visualizar

Residência de Théodore Lévy (4)

Em seu conforto do lar, Théodore Lévy aprecia a companhia de seu fiel amigo, o cão da família, residência que tem uma vista privilegiada da cidade, o Teatro Amazonas.

Visualizar

Residência de Théodore Lévy (3)

Fotografia retirada na área interna da residência de Théodore Lévy. Entre amigos, na sala de jantar, degustam uma mesa farta de comidas e bebidas.

Visualizar

Théodore Lévy

Fotografia do início do século XX do alemão Théodore Lévy, nascido em 6 de novembro de 1859 em Niederbronn, uma pequena aldeia próximo a Alemanha.

Visualizar

Residência de Théodore Lévy (2)

Detalhe da parte lateral da residência do alemão Théodore Lévy, detalhe para a varanda com vistas para o jardim.

Visualizar

Residência de Théodore Lévy

Fotografia da fachada da casa onde morou o empresário Théodore Lévy proprietário da famosa Drogaria Universal em Manaus.

Visualizar

Ilha de Monte Cristo

A região era uma ilha que com o tempo foi ligada (aterrada) ao continente. Hoje é a Manaus Moderna. A foto foi tirada de Constantinópolis (Educandos), com primeira vista da desembocadura do Igarapé da Cachoeirinha.

Visualizar

Vista aérea do Parque 10

Perspectiva do banho e do Igarapé do Mindu. Vê-se no centro, o pavilhão e na parte inferior o local onde hoje está o passeio do Mindu. Fotografia tirada na década de 1960.

Visualizar

Vista Parcial da Cidade (10)

Perspectiva parcial do Centro. Em primeiro plano, ao centro, o prédio do Banco do Brasil e, à direita, as fachadas da Travessa Tamandaré.

Visualizar

Vista Parcial da Cidade (9)

Aspecto Parcial a partir do Edifício IAPTEC, vendo em primeiro plano, à direita, o prédio da Panificadora Americana, na Rua Henrique Antony. À esquerda, entre as árvores a cobertura do Hotel Casina e, ao fundo, o conjunto de prédios dos Salesianos formado pela Capela, Colégio e Residência Episcopal. Ao fundo à direita o Teatro Amazonas.

Visualizar

Vista aérea da Cidade

Panorâmica aérea de Manaus. À esquerda vê-se o Igarapé de São Vicente que não subia mais ao final da Rua Luiz Antony, enquanto o braço esquerdo (Igarapé da Bica) seguia seu curso.

Visualizar

Avenida Sete de Setembro (11)

Panorâmica aérea da avenida, entre as duas pontes romanas. Destaque para o palácio e o Igarapé de Manaus correndo nos fundos. A Rua Dr. Almínio não chegava à beira do igarapé e a Ponte do Cabral tampouco existia. Foto tirada na década de 1920.

Visualizar

Vista Panorâmica da Cidade (2)

Panorâmica com a Rua 10 de Julho em primeiro plano. À direita vê-se o prédio construído pela Fundação Oswaldo Cruz, na Rua Monsenhor Coutinho, após a epidemia de gripe espanhola que assolou a cidade e fez mais de seis mil vitimas fatais no final da década de 1910.

Visualizar

Vista Panorâmica da Cidade

Panorâmica exibida na Revista de Cultura, Saúde e Qualidade de Vida da Unimed Manaus, em 2005, a partir da montagem de duas fotos. Perspectiva a partir da Rua 10 de julho.

Visualizar

Vista Parcial da Cidade (8)

Panorâmica parcial da cidade, nela vê-se a parte superior do hospital Beneficência Portuguesa do Amazonas e a Avenida Joaquim Nabuco, em primeiro plano. Vê-se também o edifício Palácio do Radio na Avenida Getúlio Vargas e o Teatro Amazonas, na Avenida Eduardo Ribeiro.

Visualizar

Vista Parcial da Cidade (7)

Perspectiva parcial com a Rua Codajás, próximo ao cruzamento da Avenida Castelo Branco, Cachoeirinha, em primeiro plano.

Visualizar

Vista Parcial da Cidade (6)

Perspectiva parcial do bairro de São Vicente, mostrando em primeiro plano a Rua Bernardo Ramos e seu conjunto de prédios históricos, entre eles, o prédio que abriga o Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA).

Visualizar

Rua Codajás (3)

Perspectiva a partir do alto do Palácio Rodoviário. Ao fundo, a torre sineira do Santuário Sagrado Coração de Jesus e a Igreja de São José Operário na Praça 14 de Janeiro.

Visualizar

Vista Parcial da Cidade (5)

A perspectiva mostra em primeiro plano, o conjunto de prédios histórico das cercanias da Rua Governador Vitório e Avenida Epaminondas. Também mostra a lateral oeste do prédio da Tesouraria Fiscal, na praça Uruguaiana, voltada para a avenida Epaminondas.

Visualizar

Vista Parcial da Cidade (4)

Perspectiva parcial a partir do alto do Lord Hotel. Vê-se a fachada do antigo Quartel da Guarda Civil anexo dos fundos do prédio da Chefatura de Polícia, localizado na Rua Marechal Deodoro e demolido no início dos anos 1980, para a construção do edifício do Banco do Brasil.

Visualizar

Vista Aérea Parcial da Cidade

Panorâmica aérea do bairro do Caxangá, compreendido entre os Igarapés Manaus e ‘Mestre Chico’. É um dos poucos registros que mostra a antiga Praça Rio Branco, espaço atualmente ocupado pela Escola Técnica Federal de Manaus.

Visualizar

Usina do Plano Inclinado

A usina Manáos Tramways & Lighting foi fundada por Charles Ranlett Flint, um dos diretores da United States Rubber Company. Preliminarmente a empresa foi criada para fornecer energia para a iluminação pública, contudo, em 1898, passaria a eletrificar os Serviços de Bondes.

Visualizar

Vista parcial da Cidade (3)

Perspectiva da cidade a partir do telhado da loja Khan & Polack, hoje Hotel Palace. Vê-se na Rua Lobo D´Almada, nesse trecho ainda um beco, o prédio do Depósito Municipal com aparência de um chalet.

Visualizar

Vista Aérea do Tropical Hotel (2)

Panorâmica aérea do hotel ainda em construção, com as obras de contenção da orla da Prainha prontas. O projeto do hotel é de autoria do arquiteto Arthur Bernardes que, à época, recebeu elogios da revista Seleções do Reader´s Digest.

Visualizar

Escola Técnica Federal do Amazonas (4)

Campo de futebol da Escola com alunos fardados e outros com trajes de educação física. Ao fundo o Patronato de Santa Terezinha com a capela e a torre sineira. Fotografia captada por autor desconhecido na década de 1960.

Visualizar

Escola Técnica do Amazonas

Perspectiva da construção do novo prédio, que ocupou o lugar da Praça Rio Branco, doado pelo governo do estado.

Visualizar

Escola Técnica Federal do Amazonas (3)

Foto do período de sua construção, vista a partir da Rua Duque de Caxias, com os pavilhões de aulas práticas em primeiro plano.

Visualizar

Campo de Futebol da Escola Técnica

A perspectiva mostra uma das traves do campo de futebol da escola, com alunos praticando o referido esporte. Ao fundo, antigos prédios da Rua Ajuricaba. A fotografia de autor desconhecido foi tirada na década de 1960.

Visualizar

Escola Técnica Federal do Amazonas (2)

Perspectiva do interior da Escola Técnica Federal do Amazonas, antiga Escola dos Artífices de Manaus. Em 1941, o Estado doou o terreno da Praça Rio Branco, local onde a escola foi edificada. Fotografia tirada na década de 1940.

Visualizar

Colégio Comercial Brasileiro

Perspectiva do prédio localizado na Rua 10 de Julho, entre a Avenida Getúlio Vargas e Avenida Joaquim Nabuco. A partir de 1976, o colégio passou a denominar-se Colégio Brasileiro Pedro Silvestre.

Visualizar

Praça Antonio Bittencourt (3)

Perspectiva da praça, que após a retirada das chácaras que lá existiam, deu lugar a um descampado. Ao fundo, o prédio do Instituto Benjamim Constant, antigo Orfanológico Elisa Souto, remodelado na gestão Eduardo Ribeiro. À direita, parte do prédio onde hoje está a Academia Amazonense de Letras. A fotografia é um cartão postal da década de 1900.

Visualizar

Colégio Santa Doroteia

Prédio do Colégio pertencente a Congregação das Irmãs de Santa Doroteia do Brasil, inaugurado em 1910, logo após a chegada das primeiras Irmãs Doroteia a Manaus.

Visualizar

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (Escola Técnica)

Prédio da antiga Escola de Aprendizes e Artífices do Amazonas, ainda em construção, localizado na Avenida 7 de Setembro, construído no lugar de uma das grandes praças de Manaus, a Praça “Barão do Rio Branco”. Sua fundação deu-se em 1910, e sua primeira denominação foi Lyceu Industrial de Manaus.

Visualizar

Faculdade de Sciencias Juridicas e Sociaes

Perspectiva do antigo prédio da Secretaria de Obras Públicas que, em 1913, foi ocupado pela Universidade de Manáos, para abrigar o Curso de Direito. Em 1934, a Faculdade de Direito transferiu-se deste prédio, onde hoje funciona a Escola Estadual Nilo Peçanha, para o prédio da Praça dos Remédios, onde então funcionava o Grupo escolar Silvério Nery.

Visualizar

Faculdade de Farmácia

Depois de passar por vários endereços, em 1975 a Faculdade de Farmácia instalou-se neste prédio, na esquina da Rua Comendador Alexandre Amorim e Xavier de Mendonça no Bairro de Aparecida. Fotografia tirada na década de 1970.

Visualizar

Rua Miranda Leão (2)

Perspectiva da rua durante os dias da chegada da “Expedição Rice” a Manaus. Nos dias atuais a arborização neste trecho, até a Rua Marquês de Santa Cruz, inexiste.

Visualizar

Teatro Amazonas (16)

Perspectiva do Teatro Amazonas tendo em primeiro plano uma frondosa árvore, ao fundo o Palácio da Justiça. Fotografia tirada na década de 1900.

Visualizar

Teatro Amazonas Interior

No registro vê-se o presidente Getúlio Vargas, sua comitiva, autoridades e convidados locais. Foto tirada na década de 1940.

Visualizar

Teatro Amazonas (15)

Flagrante do momento em que a comitiva do Presidente Getúlio Vargas descia a rampa do Teatro. Fotografia tirada na década de 1940.

Visualizar

Teatro Amazonas (14)

Perspectiva do Teatro Amazonas durante as obras de plantio da grama nos jardins frontais. A casa que aparece no terreno da Rua José Clemente, em frente à residência do governador Ramalho Junior, Rua 24 de Maio, era tida como o local onde François Biard, em sua passagem por Manaus, rascunhou a gravura “Jantar em Manáos”(Salle à manger à Manaos). Todo este quarteirão era propriedade pública, mas gradualmente foi se transformando em propriedade privada.

Visualizar

Praça de São Sebastião (4)

Perspectiva da praça com detalhe do Monumento a Abertura dos Rio Amazonas e Afluentes a Navegação Estrangeira, com destaque para a nau que representa o Continente Africano, onde está uma criancinha sentada na proa segurando peças de marfins, símbolo do comercio africano, à época.

Visualizar

Teatro Amazonas (13)

Perspectiva do pórtico com a entrada sul, construído em pedras jacaré e com escadas de pedras de Lioz. Em 1936, o governador Álvaro Maia, em cerimônia ao centenário do maestro Carlos Gomes, inaugurou uma coluna com o busto do mesmo, na entrada do Teatro.

Visualizar

Teatro Amazonas (12)

Este é um dos primeiros cartões postais, obtido após a inauguração do Monumento. A fotografia é um cartão postal da década de 1900.

Visualizar

Teatro Amazonas (11)

Ângulo do teatro obtido por Marcel Gautherot. O projeto circular da praça, inspiração italiana, concebia apenas o monumento e no máximo os bancos dentro do perímetro. Fotografia tirada na década de 1960.

Visualizar

Vista Parcial da Cidade (2)

Perspectiva parcial a partir da torre sineira da Igreja de São Sebastião, mostrando o pórtico do Teatro, parte da Praça de São Sebastião e, ao fundo, a região do entorno da Avenida Eduardo Ribeiro até o Rio Negro. A fotografia é um cartão postal da década de 1910.

Visualizar

Teatro Amazonas (10)

Fotografia do Teatro Amazonas a partir da rampa do lado Sul, com o edifício Maximiano Correa à direita. Fotografia tirada na década de 1970.

Visualizar

Residência dos Nery

O imóvel se localiza na Avenida Joaquim Nabuco, esquina com a Rua dos Andradas. O Poste de iluminação ainda usava uma lâmpada de arco voltaico.

Visualizar

Residência em Manaus

O casarão pertenceu à família Coelho Rezende, até a década de 1930, e está localizado na Rua Coronel Sergio Pessoa, na Praça dos Remédios, próximo a Faculdade de Direito.

Visualizar

Casa Dr. Fajardo (2)

Localizado na esquina da Rua Ramos Ferreira, esquina com a Rua Ferreira Pena, é um dos prédios mais bonitos e antigos da Praça da Saudade.

Visualizar

Castelinho da “Barroso”

Trata-se do palacete construído para ser a residência do médico Basílio Torreão Franco de Sá, que também foi prefeito de Manaus.

Visualizar

Palacete Nery

Fotografia do final do século XIX, que registra o casarão ainda em obras. O imóvel se localiza na Avenida Joaquim Nabuco, esquina com a Rua dos Andradas.

Visualizar

Chácara “O Pensador”

Perspectiva da chácara do governador Eduardo Ribeiro, no bairro de Flores. Hoje no local está o Hospital Eduardo Ribeiro. Foto tirada por autor desconhecido em data desconhecida.

Visualizar

Avenida Joaquim Nabuco (4)

Trecho da avenida em que é cortada pela Rua Japurá, na altura do bairro “Alto de Nazaré”. No lugar do chalé hoje há uma revendedora de automóveis. Fotografia tirada na década de 1950.

Visualizar

Sede da Zona Franca de Manaus

Um incêndio ocorrido em 1990, exigiu uma ampla reforma, aproveitada pelo arquiteto para a solução de problemas do projeto original.

Visualizar

Hotel Tropical de Manaus

O projeto é de autoria de Sérgio Bernardes e sua construção foi executada pela então companhia aérea Varig. Ao fundo, a parte pública da Ponta Negra. Não há informações sobre a data ou autor da foto.

Visualizar

Usina de Energia Elétrica de Manaus

A usina foi criada pela Manáos Harbour Limited para atender ao Porto e a cidade, e era operada a vapor. Com a modernização passou a usar caldeiras a óleo diesel.

Visualizar

Chefatura da Polícia Civil

Perspectiva do prédio localizado na Rua Marechal Deodoro, que abrigava a Polícia Civil. Não há registro da década em que a foto foi tirada.

Visualizar

Alfândega em Construção

Raro documento fotográfico da primeira construção pré-moldada no mundo. Na frente vê-se o material da parte interna do prédio. O prédio abriga órgão da Receita Federal. Fotografia tirada na década de 1900.

Visualizar

Palácio Rio Negro (5)

Prática condenável, mas permitida pela Lei Eleitoral. Atualmente o Palácio Rio Negro é um centro cultural. Fotografia tirada por autor desconhecido na década de 1990.

Visualizar

Câmara de Vereadores de Manaus

É um dos primeiros prédios edificados com projeto em Manaus, após a transformação da Capitania de São José do Rio Negro em Província. Em 1884 a Companhia de Navegação da Amazônia mandou construir um prédio para instalação de seu escritório ao lado direito da Avenida 7 de Setembro, então Rua Brasileira.

Visualizar

Usina e Oficina do Plano Inclinado

A oficina foi construída no atual bairro da Aparecida e recebeu o nome de Plano Inclinado. O prédio foi construído para abrigar os bondes e produzir a energia necessária à locomoção.

Visualizar

Rua Monteiro de Souza

São visíveis os trilhos utilizados para chegar até a Praça XV de Novembro, através da Avenida Sete de Setembro.

Visualizar

Quartel do Comando Geral da PM

Perspectiva do prédio Localizado no Bairro de Petrópolis, projetado por Severiano Porto, a fim de abrigar o Batalhão Amazonas, nome dado ao contingente da PM em 1965, pelo então Governador Arthur Reis.

Visualizar

Batalhão Amazonas

Este era o nome do efetivo da Polícia Militar do Amazonas. Com a criação do Segundo Batalhão, “Amazonas” passou a ser o nome do Primeiro Batalhão que se instalou no prédio construído para ser o Quartel Geral da PM em Petrópolis, obra projetada por Severiano Porto.

Visualizar

Palácio Rodoviário (4)

O prédio foi construído pelo DER-AM para residência dos diretores da Instituição. Sua construção teve inicio na gestão de Plinio Coelho (1955/1958) e foi concluído em 1960, na de Gilberto Mestrinho, (1959/1963).

Visualizar

Biblioteca Municipal

Prédio localizado na Rua Monsenhor Coutinho, Praça do Congresso, que antes abrigou o Laboratório da “Liverpool School of Tropical Medicine”.

Visualizar

Imprensa Oficial

Fachada do prédio da Imprensa Oficial, construído no final do século XIX. O prédio possuía duas fachadas com aberturas em arcos plenos com platibandas ornamentadas com ante fixos.

Visualizar

Pavilhão de Recreação da Escola de Artífices

Fotografia dos pavilhões utilizados para recreação dos alunos da Escola de Educandos, Aprendizes de Artífices, construído próximo ao Igarapé da Cachoeira Grande, onde hoje está o Colégio Sólon de Lucena e Condomínio Maria da Fé. A fotografia é um cartão postal da década de 1890.

Visualizar

Quartel de Bombeiros (2)

Fachada do Quartel do Regimento de Bombeiros, quando localizado na Rua Joaquim Sarmento, esquina com a Rua Saldanha.

Visualizar

Artilharia Militar de Manaus

Aspecto das instalações da 19ª Artilharia do Exército em Manaus.

Visualizar

Alfandega de Manaus (3)

Fotografia do prédio poucos anos após sua inauguração (1909). O prédio principal e o da Guardamoria foram fabricados na Inglaterra e trazidos para serem montados em Manaus

Visualizar

Quartel da Guarda Civil do Amazonas

Perspectiva do prédio da Guarda Civil, que se localizava na Rua Guilherme Moreira, onde hoje está uma agência do Banco do Brasil. A Guarda Civil do Amazonas foi criada em 1917 e extinta no governo Militar em 1969.

Visualizar

Inauguração do Prédio da Alfandega

Perspectiva da cerimônia realizada em frente ao prédio, no dia da inauguração, em 17 de janeiro de 1909. Vê-se enfileirada em frente ao prédio, a guarda de honra do estado do Amazonas.

Visualizar

Velódromo de Manaus (2)

O velódromo foi inciativa de alguns comerciantes que, ao visitarem o velódromo de São Paulo, decidiram construir um aqui. Fotografia tirada por autor desconhecido na década 1890.

Visualizar

Velódromo de Manaus

Os ingleses praticavam futebol no Bosque Municipal, os portugueses ciclismo no Velódromo da Cachoeirinha. O Velódromo da Cachoeirinha fechou em 1939 e reabriu modernizado em 1944.

Visualizar

Aquário Municipal de Manaus

Perspectiva do primeiro Aquário construído na cidade e instalado em 1926, no espaço existente entre as escadarias da Igreja Matriz.

Visualizar

Residência de Carlos Studart

O imóvel se localizava na Av. Eduardo Ribeiro, esquina com a Rua 24 de Maio. Carlos Guilherme Gordon Studart era farmacêutico e veio para Manaus em 1899.

Visualizar

Represa da Cachoeira Grande (2)

Vista das ruínas da casa de máquinas da represa, cercada pelas habitações palafitas da orla do Igarapé.

Visualizar

Antiga Agencia do Banco do Brasil

Construído na década 20, o prédio sobreviveu até 1965. Fazia parte da paisagem antiga da praça XV de Novembro.

Visualizar

Antiga Sede do Rio Negro e Une

Prédio localizado na Rua Barroso, próximo ao Teatro Amazonas, que já brigou o Atlético Rio Negro Clube a União Nacional dos Estudantes do Amazonas – UNE e a União dos Estudantes do Amazonas – Uesa.

Visualizar

Prédio da Saúde Pública

Perspectiva do prédio construído na década de 1920, na Rua Monsenhor Coutinho, e que serviu de isolamento para doenças contagiosas, entre elas, a tuberculose.

Visualizar

Feira do Abacaxi

O coreto da Praça da Polícia servindo de palco para a exposição da Feira do Abacaxi do Amazonas. Fotografia tirada na década de 1930.

Visualizar

Praça XV de Novembro

Ao fundo o rio Negro e o armazém XV de novembro. À esquerda, a calçada do Jardim da Matriz. Fotografia tirada na década de 1880.

Visualizar

Gravura da Praça XV de Novembro (2)

Na imagem a partir dos Jardins da Matriz, vê-se a praça antes da revitalização, mas com tráfego de bonde vindo da Rua do Tesouro.

Visualizar

Jardim Ajuricaba de Menezes (2)

Jardim construído entre os armazéns do cais e Praça Oswaldo Cruz, na década de 1930, o qual recebeu o Chafariz das Quimeras.

Visualizar

Praça General Osório (10)

Vista da praça a partir da ruela que levava ao coreto do lado da Rua Epaminondas. À direita o pequeno Odeon, construído em 1929, projeto de Coriolano Durand, onde a banda marcial se apresentava nos fins de semana.

Visualizar

Praça e Escola Estadual Ribeiro da Cunha

Localizada na Rua Silva Ramos a praça foi concluída em 1925, durante a intervenção de Alfredo Sá. O prédio recebeu o nome de Escola Artur Bernardes.

Visualizar

Glauber Rocha na Praça São Sebastião

Glauber e sua equipe no Largo de São Sebastião, ocasião em que aqui esteve fazendo um documentário sobre o Amazonas e Manaus. Fotografia tirada na década de 1960.

Visualizar

Praça Tamandaré (3)

A praça localizava-se em frente ao Edifício Tartaruga, hoje é uma parada de ônibus e um botequim. Em 1975 o Pavilhão Universal que aparece na imagem, foi retirado em maio de 1975 da frente do Banco do Brasil e transferido para frente do Colégio Ribeiro da Cunha, na Rua Silva Ramos.

Visualizar

Estádio General Osório (7)

Desfile cívico durante a primeira visita do Presidente Getúlio Vargas a Manaus. Ao fundo vê-se o Quartel General, ainda com a fachada original.

Visualizar

Gravura da Praça da Imperatriz

Gravura da hoje Praça Oswaldo Cruz, uma década depois do aterro do Igarapé da Ribeira. As palmeiras imperiais foram plantadas em 1870. À esquerda, os prédios, a maioria da época da Província.

Visualizar

Gravura da Praça XV de Novembro

Trata-se da imagem de uma área da antiga Praça da Alegria, que tinha início na Rua Brasileira (atual Av. Sete de Setembro) e se estendia até ao antigo Igarapé da Olaria.

Visualizar

Praça da Saudade (11)

Perspectiva da praça, quando se chamava Praça Washington, Luiz antes do desenho atual.

Visualizar

Praça Dom Pedro II (3)

Perspectiva da praça vista a partir da frente da antiga Cadeia Pública, hoje Palácio Rio Branco.

Visualizar

Praça Antonio Bittencourt (2)

Perspectiva da praça com o prédio do Ideal Clube à frente. À direita do Ideal, o casarão que pertenceu ao empreendedor Isaac Benayon Sabbá.

Visualizar

Praça Oswaldo Cruz (7)

Perspectiva da praça com destaque para o antigo prédio do Banco do Brasil. Observe-se que os ônibus já eram uma realidade como transportes coletivos, desde o início da década de 1940.

Visualizar

Bosque Municipal

Perspectiva do Bosque Municipal ou Bosque Clube, que se localizava na Avenida Constantino Nery e por décadas foi palco de grandes eventos. A fotografia é um cartão postal da década de 1910.

Visualizar

Praça da Saudade (10)

Perspectiva de um dos caramanchões construídos em cada uma das laterais da praça, em 1933.

Visualizar

Praça Uruguaiana

Perspectiva de onde nasceu o Hospital Português, embrião da Beneficente Portuguesa.

Visualizar

Praça General Osório (9)

Fotografia da praça construída no antigo Largo da Campina, uma década antes de ser doada ao Exército Brasileiro que a transformou em um campo esportivo.

Visualizar

Praça General Osório (8)

Perspectiva da praça vista uma década depois da revitalização do local e execução do projeto que inclui conjunto escultórico, pequena fonte em frente, o quartel e um coreto com cobertura em aspecto de palmas.

Visualizar

Rua José Clemente

Ângulo da rua no cruzamento com a Avenida Epaminondas, mostrando o prédio do então Quartel do 27º Batalhão de Caçadores.

Visualizar

Praça da Polícia (6)

Perspectiva da praça a partir do coreto, com destaque para o lago artificial e a ponte construída com materiais artisticamente trabalhados em forma de galhos.

Visualizar

46º Batalhão de Caçadores

Trata-se de treinamento militar do 46º Batalhão de Caçadores, à época, localizado em Manaus (1908/1915). O local pode ser a Praça General Osório, os prédios ao fundo seriam da Avenida Epaminondas.

Visualizar

Praça General Osório (7)

Perspectiva da praça vista a partir do trecho da Rua José Clemente, em frente ao Quartel General, hoje Colégio Militar. À esquerda os prédios da Avenida Epaminondas. O registro mostra o desenho da praça e a frondosa arborização colocada no início do século XX.

Visualizar

Praça Oswaldo Cruz (6)

Retrato da praça recém-inaugurada, com arborização e novo desenho. Nota-se o Jardim Ajuricaba de Menezes, no espaço entre a Praça Oswaldo Cruz (Jardim Santos Dumont) e os Armazéns 09 e 10.

Visualizar

Praça Antonio Bittencourt

Aspecto da Praça, mais conhecida como Praça do Congresso, quando ainda não passava de um descampado.

Visualizar

Missa Campal na Praça da Saudade

Perspectiva de uma missa realizada no então Largo da Saudade, durante a visita do presidente da República Afonso Pena a Manaus.

Visualizar

Dispensário Oswaldo Cruz

Perspectiva do Dispensário inaugurado em 1922 na Avenida Sete de Setembro, então Rua Municipal, local onde antes havia funcionado o Instituto Pasteur.

Visualizar

Praça General Osório (6)

Perspectiva da praça que se localizava no bairro da Campina, urbanizado a partir do final do século XIX. No final da década de 1940, a praça foi passada para o Exército, que a transformou em um campo para ginástica, compartilhado com a população para realização de eventos como o Festival Folclórico.

Visualizar

Praça Dom Pedro II (2)

Perspectiva da praça vista com frondosa arborização e com o belíssimo coreto de ferro, o primeiro do gênero a chegar à cidade. À esquerda vê-se o Hotel Cassina ainda com andaimes na fachada.

Visualizar

Praça de São Sebastião (3)

Vista panorâmica da praça a partir da torre da Igreja de São Sebastião, durante a ocorrência de um evento público. Destaque para as árvores ainda em desenvolvimento.

Visualizar

Praça da Saudade (9)

Perspectiva do canto da praça, no cruzamento das Ruas Ferreira Pena e Simão Bolívar. Entre os belos casarões do perímetro destaca-se a belíssima residência, em estilo mourisco, pertencente ao presidente e sócio majoritário do Banco de Manáos, Carlos de Figueiredo, prédio onde funcionou a Escola da Magistratura.

Visualizar

Edifício Maximino Corrêa

Perspectiva fotográfica das obras de construção do edifício Maximino Corrêa, a partir da Praça Antonio Bittencourt, a popular Praça do Congresso.

Visualizar

Praça Heliodoro Balbi (5)

À época a área, à era um imenso descampado, calcetado em paralelepípedos e era denominado Largo da Constituição, em homenagem à promulgação da primeira Constituição do Amazonas.

Visualizar

Faculdade de Estudo Sociais

Perspectiva lateral do prédio onde funcionou a Faculdade de Estudo Sociais (FES), visto a partir da esquina da Rua Monsenhor Coutinho com Av. Epaminondas, bairro Centro.

Visualizar

Palácio Rio Branco

Retrato do prédio durante o reinício de suas obras, na primeira metade da década de 1930. A pedra fundamental e início das obras datam de 1909, após a demolição da antiga Cadeia Pública existente no local.

Visualizar

Piscina do General Osório

A escultura retratava a reação do Jacaré diante da mordida da onça, sua bocarra aberta era um chafariz que enchia a piscina com água bruta do Rio Negro (a água não recebia tratamento químico).

Visualizar

Praça da Polícia (5)

Perspectiva da praça quando ainda guardava o nome de Praça Gonçalves Ledo. Fotografia capturada a partir da Avenida Sete de Setembro. Ao fundo vê-se a ponte sobre o lago artificial e o coreto de ferro. Em 1930 a praça passou a se chamar Praça João Pessoa.

Visualizar

Praça de São Sebastião (2)

Visão aérea da praça com destaque para o Monumento à Abertura do Rio Amazonas e Afluentes. Observa-se o mosaico do calçamento e a conformação do Monumento no centro da Praça.

Visualizar

Praça Tenreiro Aranha (3)

Perspectiva da praça em seu desenho original, por ocasião do aterro do Igarapé dos Remédios, em 1900. Em 1907 a praça ganhou o Monumento à Tenreiro Aranha, removido em 1932 e reinstalado na Praça da Saudade.

Visualizar

Praça General Osório (5)

Perspectiva da praça vista a partir do cruzamento da Rua José Clemente com Avenida Epaminondas. Veem-se militares e crianças em uma entrada da ruela em forma de “V”.

Visualizar

Praça General Osório (4)

Perspectiva da Praça General Osório, originalmente chamada de Largo da Campina, posteriormente Largo Uruguaiana – após a vitória brasileira na Batalha de Uruguaiana, durante a Guerra do Paraguai.

Visualizar

Rua Municipal (3)

Perspectiva da então Rua Brasileira, mostrando a ponte sobre o Igarapé do Espirito Santo e a Praça Riachuelo, que era iluminada a gás. À esquerda vê-se o início da Rua Comendador Clementino, hoje Avenida Eduardo Ribeiro.

Visualizar

Parada cívica de 7 de Setembro

Perspectiva da cerimônia da parada cívica de 7 de Setembro, realizada no Estádio “General Osório”. Ao fundo, parte do Colégio Dom Bosco.

Visualizar

Cais do Porto

Perspectiva de um transatlântico em manobra de atracação no berço dos navios cargueiros. Até a década de 50, Manaus não dispunha de aeroporto sendo os navios o principal meio de transporte.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (17)

Perspectiva do Porto de Manaus abarrotado de pessoas, possivelmente por causa da presença de transatlânticos atracados.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (16)

Perspectiva da entrada do Cais do Porto, destacando-se os prédios da Alfandega e Guardamoria.

Visualizar

Entrada do Cais do Porto

Perspectiva da entrada da ponte flutuante do Roadway, com o prédio da Alfandega em destaque.

Visualizar

Ponte Flutuante do Roadway

Perspectiva da ponte com o prédio da Alfandega, inaugurado em 1909, ao fundo. A fotografia é um cartão postal da década de 1910.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (15)

Perspectiva do cais visto a partir da ponte flutuante do Roadway. O centro da ponte flutuante passava por obras, que receberam trilhos que levavam e traziam cargas aos armazéns a partir dos navios.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (14)

Perspectiva do porto, à época, a ponte possuía um mecanismo que mantinha o flutuante do roadway nivelado independente das variações sazonais do Rio Negro. A fotografia é um cartão postal da década de 1950.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (13)

Perspectiva da entrada do cais, com destaque para a ponte flutuante do Roadway. A fotografia é um cartão postal da década de 1950.

Visualizar

Área do Cais do Porto

Panorâmica aérea da região do Cais do Porto, a partir de um andar do Edifício IAPETEC, mostrando alguns prédios que compunham as ruas vizinhas.

Visualizar

Orla do Porto da Rampa da Imperatriz

Perspectiva do porto visto a partir do perímetro da atual Rua Marquês de Santa Cruz. Ainda existiam prédios na área em frente a atual Praça Oswaldo Cruz. Os prédios vistos de frente para a rampa foram remodelados e transformados no conjunto conhecido hoje como Complexo da Booth Line, exceto o prédio da esquina do Bar Bolsa Universal.

Visualizar

Vista Parcial da Orla de São Vicente

Aspecto parcial com parte da cobertura de um dos armazéns do Cais da Borracha.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (12)

Perspectiva do cais com vista do berço de atracação para navios de cabotagem. Na época da inauguração do Cais o berço era afastado do Roadway e possuía uma espécie de ponte por onde era transportada a carga para o pátio ao lado da Alfandega.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (11)

Perspectiva da passarela de pedestres do lado direito da ponte flutuante do Roadway.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (10)

Perspectiva a partir do berço de atracação de navios de cabotagem.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (9)

A Ponte foi a primeira parte do cais a ficar pronta e contava com um sistema eletromecânico onde “macacos” deslizavam em cabos de aço descarregando e carregando os navios diretamente dos armazéns.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (8)

Perspectiva da entrada e saída da ponte flutuante do Roadway. À esquerda o prédio da Administração, à direita o prédio da Alfandega e ao fundo os prédios localizados no inicio da Avenida Eduardo Ribeiro.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (7)

Perspectiva do cais com a ponte flutuante do Roadway em movimentado fluxo de passageiros. A fotografia é um cartão postal da década de 1910.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (6)

Perspectiva do cais por ocasião da viagem inaugural do Transatlântico HMS Hildebrand, que serviu a rota Liverpool-Le Havre-Manaus.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (5)

Perspectiva do cais após o término da I Guerra Mundial e da reativação da linha Manaus-Lisboa-Hamburgo, com o Navio Lima, pela Transporte Marítimos Portugueses.

Visualizar

Vista Parcial da Orla do Centro

Panorâmica aérea parcial da orla, captada a partir do oeste, orientado para leste, com a Ilha de São Vicente em primeiro plano.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (4)

Porto de Manaus com a ponte do flutuante do Roadway ainda ostentando as luminárias do dia de sua inauguração.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (3)

Perspectiva do porto antes da construção do cais e após a construção da Rampa da Imperatriz, vista no local onde hoje está o conjunto de prédios composto da Alfândega e da Guardamoria.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus (2)

Perspectiva do porto mostrando o início das obras da ponte flutuante. Nesta parte da ponte foi incluído um mecanismo que permitia que o berço do roadway se mantivesse equilibrado independente das variações sazonais do Rio Negro.

Visualizar

Rua Marquês de Santa Cruz (2)

Perspectiva da via alagada pela grande cheia de 1922 na altura dos armazéns do Trapiche Teixeira, pertencente às famílias Armindo Fonseca e José Teixeira.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (11)

Com estrutura em ferro, a ponte foi importada da Inglaterra e montada no local sob a responsabilidade do engenheiro Inglês Frank Hebblethwaite.

Visualizar

Primeira Ponte Romana

As pontes Romanas, construídas na gestão do ex-governador Eduardo Ribeiro, eram parte de um conjunto de três pontes para a expansão da cidade no sentido Leste, paralelo ao Rio Negro.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (10)

Perspectiva da ponte dois anos após a sua inauguração, vista a partir do lado da Cachoeirinha, orientada para leste.

Visualizar

Segunda Ponte Romana

Perspectiva da Segunda Ponte Romana, sobre o Igarapé do Bittencourt, vista a jusante a partir da Rua Jonathas Pedrosa.

Visualizar

Palácio da Justiça (6)

Perspectiva do palácio visto a partir do cruzamento da Avenida Eduardo Ribeiro com a Rua José Clemente.

Visualizar

Palácio da Justiça (5)

Perspectiva do antigo Palácio, situado na Av. Eduardo Ribeiro, esquina com a Rua José Clemente.

Visualizar

Paço Municipal (2)

O projeto é de 1865, mas só ficou pronto em 1878. É uma das primeiras construções em estilo neoclássico de Manaus. Fotografia tirada na década de 1960.

Visualizar

Paço Municipal

Perspectiva da Praça Dom Pedro II com o Paço ao fundo. O Paço é um dos primeiros prédios públicos construídos em Manaus, em estilo neoclássico, já passou por restauração. A fotografia é um cartão Postal da década de 1950.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro e Obelisco

Obelisco comemorativo ao Primeiro Centenário da Elevação de Vila da Barra do Rio Negro à Categoria de Cidade. A fotografia é um cartão Postal Bazer Photo, tirada na década de 1950.

Visualizar

A Praia do Mercado Municipal

Perspectiva da Feira da Praia que se localizava na frente do mercado, entre a Marques de Santa Cruz e Travessa Tabelião Lessa.

Visualizar

Mercado Municipal (3)

Perspectiva do mercado antes da ampliação ocorrida em 1906. Observa-se que o muro está sem o guarda-corpo, construído com parte das grades retiradas da Praça Dom Pedro II.

Visualizar

Rua dos Barés (3)

Perspectiva do Mercado Municipal Adolpho Lisboa, a partir da Rua dos Barés.

Visualizar

Mercado Municipal (2)

Perspectiva do pavilhão de ferro localizado ao lado da Travessa Tabelião Lessa. No final da travessa fica o porto das pequenas embarcações que abastecem os vendedores ambulantes e compradores com vários tipos de produtos.

Visualizar

Mercado Público (3)

Perspectiva da fachada do Mercado Municipal voltada para o lado do Rio Negro, apresentado em seu formato original, de 1883.

Visualizar

Construção da Refinaria de Manaus

Perspectiva da Unidade de Craqueamento, que é o processo de quebra das moléculas dos hidrocarbonetos, produzindo gás de cozinha, gasolina, querosene, querosene de aviação, diesel, óleos combustíveis e asfalto.

Visualizar

Refinaria de Manaus

Perspectiva das obras de construção da COPAM, com a Rua Principal do projeto calçada e os tanques de combustíveis à esquerda.

Visualizar

BrasilJuta

Perspectiva do conjunto fabril instalado no bairro de Educandos.

Visualizar

Carro com Propaganda cerveja Amazonense

Carro ornamentado com uma garrafa de cerveja gigante, carregando jovens mulheres. Ao lado do veículo veem-se homens vestidos a caráter.

Visualizar

SIDERAMA

Panorâmica aérea da Companhia Siderúrgica da Amazônia. Além das unidades internas a siderúrgica possuía um cais flutuante por onde recebia a matéria prima e exportava os manufaturados.

Visualizar

Orla do Bairro dos Remédios

Perspectiva da foz do Igarapé de Educandos, no exato local onde se localizou a Ilha de Monte Cristo.

Visualizar

Cervejaria Amazonense

Perspectiva da área da cervejaria em época de vazante do Rio Negro. Em destaque o lindo prédio, inaugurado em 1912. Fotografia tirada na década de 2010.

Visualizar

Cervejaria Miranda Correa (4)

O empreendedorismo de Antonio Carlos de Miranda Correa lhe permitiu construir não só uma cervejaria com a mais avançada tecnologia.

Visualizar

Aviaquario Municipal (4)

Perspectiva da entrada do Aviaquário Municipal que existiu no interior das escadarias da Igreja da Matriz, construído na década de 30, durante a administração do prefeito Antônio Maia.

Visualizar

Igreja da Matriz (7)

A perspectiva mostra, em primeiro plano, a beira do Rio Negro que servia de ancoradouro aos barcos e canoas.

Visualizar

Igreja de São Raimundo (3)

A Praça Ismael Benigno é o único endereço desde 1878, com o começo das celebrações católicas em um casarão do emergente bairro, que mais tarde seria São Raimundo.

Visualizar

Igreja de Santa Rita de Cássia (2)

Localizada no Bairro da Cachoeirinha a igreja tem sua história iniciada na Rua 24 de Maio em 1931, com a chegada de clérigos agostinianos a Manaus.

Visualizar

Igreja Nossa Senhora de Fátima (2)

Perspectiva da construção da igreja, na década de 1960.

Visualizar

Igreja de São Sebastião (3)

Perspectiva da igreja a partir do Teatro Amazonas.

Visualizar

Igreja de São Francisco

Perspectiva da igreja de alvenaria construída em 1956, hoje remodelada.

Visualizar

Vista aérea do Rio Negro

Perspectiva do Rio Negro com a Igreja da Matriz em primeiro plano, vista pela diagonal a partir dos fundos.

Visualizar

Igreja São José Operário

Perspectiva do complexo religioso que inclui a Paroquia e a Casa Episcopal ao lado, construídos nas décadas de 1960 e 1970.

Visualizar

Posto Eduardo Ribeiro

O posto se localizava no bairro do Girão (atual Chapada) e atendia aos moradores dos Bairros de Girão, Preguiça e Bilhares e as colônias agrícolas Campos Salles, Franceses e João Alfredo.

Visualizar

Beneficente Portuguesa (4)

Aspecto do prédio localizado na Avenida Joaquim Nabuco inaugurado em 1893. Em1909 foi considerada Real por S.M. El Rei D. Manoel II.

Visualizar

Colônia dos Alienados

Perspectiva da ex-chácara O Pensador, localizada em Flores, que abrangia toda a área onde hoje está a Arena da Amazônia, Vila Olímpica, Hospital Tropical, etc.

Visualizar

Prova de Atletismo no Estádio General Osório

Prova no Estádio General Osório em comemoração ao Dia do Trabalho. Vê-se um atleta na linha de chegada.

Visualizar

Ciclistas em desfile em Manaus

Grupo de Ciclistas em dia de 7 de Setembro aguardam a vez de entrar para desfilar na Avenida Eduardo Ribeiro.

Visualizar

Estádio Parque Amazonense

Um dos primeiros estádios do Amazonas e o primeiro a ter recursos para jogo noturno.

Visualizar

Lançamento da Pedra Fundamental do Luso Sporting

Registro do dia do lançamento da pedra fundamental de um dos primeiros times de futebol de Manaus, localizado na esquina da Rua Tapajós e Monsenhor Coutinho.

Visualizar

Parque Amazonense (3)

Perspectiva do estádio ainda em pleno funcionamento. Ao fundo, à esquerda da arquibancada, a escadaria da entrada na Rua Belém.

Visualizar

Parque Amazonense (2)

Perspectiva da Arquibancada do estádio ainda ativo. Fotografia tirada na década de 1970.

Visualizar

Estádio Vivaldo Lima (3)

Panorâmica aérea do estádio já com o campo gramado, mas com as obras das arquibancadas e cobertura incompletas.

Visualizar

Ciclismo em Manaus

Imagem de um ciclista de nacionalidade portuguesa e sua bicicleta. O local não está identificado, mas parece ser o Bosque Municipal.

Visualizar

Estádio da Colina (3)

Cena de um jogo sendo realizado no Estádio da Colina, hoje Ismael Benigno. Foto tirada na década de 1970.

Visualizar

Time Feminino de Vôlei do Atlético Rio Negro

Time amador feminino de vôlei criado em 1926, jogando em uma quadra próximo a antiga sede do Clube, na Rua Barroso.

Visualizar

Estádio General Osório (6)

Perspectiva do campo durante uma apresentação de atletas, em comemoração ao Dia do Trabalho, evento que contou com a presença do Presidente Getúlio Vargas.

Visualizar

Hotel Amazonas (3)

Perspectiva do hotel em estilo moderno e com térreo sobre pilotis. O ator Marco Nanini era filho do gerente do Hotel Amazonas, Dante Nanini, e viveu a infância em suas dependências.

Visualizar

Planta do Estádio Vivaldo Lima

Perspectiva da Planta 02, elaborada pelo Arquiteto Severiano Porto. O projeto do Estádio recebeu o Premio Nacional de Arquitetura em 1966.

Visualizar

Estádio General Osório (5)

Cena de uma partida de futebol entre o Juvenil do Nacional e o time do Colégio Domingos Sávio. Ao fundo veem-se antigos prédios da Avenida Epaminondas.

Visualizar

Estádio Vivaldo Lima (2)

Panorâmica aérea do estádio ainda em construção. O “Vivaldão” foi concebido na gestão Plínio Coelho (1955-1959), mas somente na gestão Arthur Reis (1964-1967) as obras foram iniciadas sendo inaugurado.

Visualizar

Parque Amazonense

Estádio lotado até a rampa da entrada durante uma partida de futebol, no momento em que o fotógrafo flagra o Jogador Gordinho, do Auto Esporte Clube, fazendo o gol.

Visualizar

Complexo Booth Line

Prédio em estilo neoclássico coroado com musas em toda a platibanda, fez parte da “La Belle Époque Manaus”, é resultado de vultosas somas das importações, exportações e consignações da época. Resiste de pé aguardando que a justiça se faça em forma de restauração.

Visualizar

Agência do Banco do Brasil

Um dos prédios que compunham o Complexo da Booth Line e serviu como agência do banco, até a construção do prédio demolido na década de 1960, dando lugar a agência atual.

Visualizar

Complexo da Booth Line

Quarteirão de prédios no Centro histórico que o Poder Público permitiu que se transformassem em escombros.

Visualizar

Orla dos Remédios (4)

Perspectiva da orla do bairro tomada, ao que parece, durante o desmonte da “Cidade Flutuante” (1965), considerando a visão livre dos prédios do perímetro da Rua Barão de São Domingos.

Visualizar

Cidade Flutuante (25)

Perspectiva a partir da orla dos Remédios, mostrando, em primeiro plano, uma família em sua canoa residência.

Visualizar

Cidade Flutuante (24)

Perspectiva a partir da frente da Escadaria dos Remédios, mostrando um dos flutuantes que funcionava como Armazém.

Visualizar

Orla do Bairro de Educandos

Perspectiva da voz do Igarapé de Educandos, mostrando à esquerda a Rua Manoel Urbano.

Visualizar

Vista Parcial do Centro

Panorama aéreo parcial do Centro da cidade. Em primeiro plano vê-se o bairro dos Remédios.

Visualizar

Praia do Amarelinho (2)

Praia do Amarelinho durante a estação da cheia. As palafitas atraiam os turistas que visitavam a cidade.

Visualizar

Cidade Flutuante (23)

Perspectiva do interior da “Cidade”, mostrando uma “rua” de casas dispostas paralelamente umas as outras.

Visualizar

Cidade Flutuante (22)

Perspectiva do interior da “Cidade”, mostrando uma “rua” de casas dispostas paralelamente umas as outras.

Visualizar

Porto da Praia do Mercado

Perspectiva da frente da lateral leste do Mercado Municipal, hoje interditada com um gradil trancado a cadeado.

Visualizar

Praia do Amarelinho

Perspectiva da Praia existente na orla do bairro de Educandos. Essas habitações típicas atraíram, durante décadas, fotógrafos do mundo inteiro.

Visualizar

Igarapé de São Raimundo

Perspectiva do igarapé tomado a partir da Serraria de I.B. Sabbá, que se localizava na orla do Bairro de Aparecida.

Visualizar

Bairro do Educandos

Perspectiva da ocupação de parte da orla do bairro, ocorrida a partir da cheia de 1953, com maior intensidade nos anos 60. Foto tirada na década de 1960.

Visualizar

Igarapé do Cajual

Perspectiva do igarapé tomada no logradouro Cajual, no Morro da Liberdade, durante a grande enchente de 1953. Registro fotográfico da década de 1950.

Visualizar

Orla do Amarelinho (3)

Palafitas que ocupavam a orla do Amarelinho. Estes modelos de habitações populares foram discutidos em artigo da Revista de Arquitetura de dezembro de 1965.

Visualizar

Praia do Mercado

Praia que se localizava no entorno do Mercado Municipal. O local serviu de argumento para a construção do Mercado em 1883.

Visualizar

Cidade Flutuante (21)

A perspectiva mostra casas típicas levantadas sobre assoalho, aparelhado em toras de madeiras de excelente propriedade de flutuação, enquanto outras usando a técnica construtiva palafita elevavam-se da água nas margens do Rio Negro.

Visualizar

Cidade Flutuante na orla dos Remédios

Perspectiva da orla vista a partir do Rio Negro, com a Cidade Flutuante em primeiro plano. Ao fundo, em realce, o Edifício IAPETEC. Fotografia tirada na década de 1960.

Visualizar

Cidade Flutuante (20)

Perspectiva de duas casa flutuantes com uma moradora recolhendo uma tarrafa em frente a uma delas.

Visualizar

Orla dos Remédios (3)

Perspectiva de canoas em frente à orla dos Remédios, próximas ao local onde se localizou a Cidade Flutuante. A fotografia é um cartão Postal da década de 1960.

Visualizar

Orla do Amarelinho (2)

Perspectiva da orla vista a partir do Rio Negro, próximo a foz do Igarapé de Educandos.

Visualizar

Cidade Flutuante (19)

Perspectiva da Cidade Flutuante em frente à Escadaria dos Remédios.

Visualizar

Cidade Flutuante (18)

Aspecto de uma rua interna da cidade que se localizava em frente a Escadaria dos Remédios e Avenida Joaquim Nabuco, na beira do Rio Negro.

Visualizar

Igarapé do Bittencourt

Há poucos registros fotográficos do local, nessa imagem podemos ver alguns flutuantes e diversas embarcações.

Visualizar

Cidade Flutuante (17)

Fachada do flutuante que funcionava como estabelecimento comercial, armazém que vendia de tudo, inclusive combustível.

Visualizar

Cidade Flutuante (16)

Vista a partir de Constantinópolis, atual bairro de Educandos, de onde se vê as habitações para o Leste. Foto tirada na década de 1960.

Visualizar

Cidade Flutuante (15)

Perspectiva da entrada da cidade, em frente à Escadaria dos Remédios, com suas ruas/passarelas.

Visualizar

Cidade Flutuante (14)

Parte da Cidade Flutuante que ficava na foz do Igarapé do Educandos.

Visualizar

Cidade Flutuante (13)

Aspecto do interior da cidade que se localizava em frente à Escadaria dos Remédios.

Visualizar

Porto dos Remédios

Porto em frente à Rua Barão de São Domingos, na época em que se instalava a Cidade Flutuante.

Visualizar

Cidade Flutuante (12)

Perspectiva da Cidade Flutuante construída na orla do Rio Negro em frente à orla da cidade.

Visualizar

Cidade Flutuante (11)

Perspectiva de uma das principais entradas e saídas da Cidade Flutuante.

Visualizar

Cidade Flutuante (10)

A perspectiva mostra o intenso tráfego fluvial, com canoas transportando pessoas e alimentos, a remo ou motor de popa, além de outros tipos de embarcação. Foto tirada na década de 1960.

Visualizar

Cidade Flutuante (9)

A perspectiva mostra um homem trabalhando na cobertura de uma casa. A palha branca utilizada à época era o principal material utilizado para cobrir a maioria das casas em Manaus.

Visualizar

Cidade Flutuante (8)

Perspectiva da parte em que se estabeleceu na foz do Igarapé do Educandos. Ao fundo a colina já completamente habitada.

Visualizar

Cidade Flutuante (7)

A perspectiva mostra a parte central, em frente a Escadaria dos Remédios, com as duas principais vielas, em madeira, que davam acesso ao interior do bairro e ao outro extremo voltado para o Rio Negro.

Visualizar

Bonde em Manaus (2)

Perspectiva da composição nº 2, com 12 bancos, adquirida em 1905 da St. Louis Car Company, do Missouri, EUA, circulando na curva de entrada na Avenida Eduardo Ribeiro ao sair da Avenida Sete de Setembro.

Visualizar

Bonde em Manaus

Bondes da empresa americana St. Louis Car Company, desembarcados em 1905, no Plano Inclinado, no Bairro de Aparecida.

Visualizar

Bondes em Flores

Bonde (composição 50) de propriedade da Manáos Railway Co., empresa que operou até 1902, parado no final da linha de bondes de Flores, em frente ao Bosque Municipal.

Visualizar

Embarque de Borracha

Avião Catalina embarcando borracha para os E.U.A., no Igarapé do Educandos, a partir de uma embarcação. Registro fotográfico realizado na década de1940.

Visualizar

Primeiro Avião a Sobrevoar Manaus

Perspectiva do hidroavião Curtins Seagull, batizado de Eleonor III, pertencente a Expedição Hamilton Rice, o primeiro avião a fazer registros aéreos de Manaus.

Visualizar

Cartaz da Agencia Booth Line

Cartaz do programa de turismo da Agencia Booth Line, lançado pela primeira vez em 1903 e relançado em 1926 com o slogan “1000 milhas Rio Amazonas Acima”.

Visualizar

Aeronave da Panair do Brasil (2)

Perspectiva do avião modelo Lockheed L-049, Constellation PP-PDP, da Panair do Brasil, estacionado em local não identificado. O Avião tinha capacidade para 57 passageiros. Foto tirada na década de 1960.

Visualizar

Exportação da Borracha

Imagem do interior de um avião Catalina da força aérea americana, com um funcionário da Rubber Development Corporation peando sacos com borracha beneficiada pela firma I. B. Sabbá & Cia. Ltda. Foto tirada na década de 1940.

Visualizar

Aeronave da Panair do Brasil

Imagem de uma aeronave hidro/anfíbio da Panair do Brasil, modelo Catalina da Consolidated, pousado num Igarapé em missão de transporte de borracha.

Visualizar

Avenida Sete de Setembro (10)

O registro fotográfico mostra a passagem entre a Rua Marcílio Dias e Rui Barbosa, aberta para os Bondes. A fotografia é um cartão postal da década de 1920.

Visualizar

Estrada do Aeroporto

Perspectiva de um trecho da Estrada do Aeroporto da Ponta Pelada, atual Avenida Presidente Kennedy, construído em 1954.

Visualizar

Bairro de São Lázaro

Perspectiva de uma das ruas do bairro de São Lázaro. O bairro está localizado em terras altas e atraiu grande contingente populacional durante a grande enchente de 1953.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro (20)

Perspectiva da Avenida Eduardo Ribeiro com destaque para pelas de borracha na calçada do prédio da firma Gordon & Cia (ainda hoje existente).

Visualizar

Rua Saldanha Marinho (2)

Perspectiva da Rua Saldanha Marinho, vista a partir da Rua da Instalação com a Rua Lobo d´Almada, à época apenas um beco a cruzá-la no fim ladeira.

Visualizar

Rua Lobo d´Almada

O prédio que está sendo construído à direita ainda existe e passou recentemente por uma remodelação, onde os arcos foram cortados ao meio para abertura de uma grande porta central.

Visualizar

Rua da Instalação (4)

Perspectiva da Rua da Instalação, vista a partir das proximidades da Rua Saldanha Marinho. À direita, com a placa da Livraria Dom Bosco, prédio ainda conservado.

Visualizar

Avenida Sete de Setembro (9)

Avenida Sete de Setembro, foto captada a partir do prédio que abrigava, à época, a Escola Normal e em tempo mais recente a Câmara de Vereadores.

Visualizar

Avenida Presidente Kennedy

Perspectiva da Avenida Presidente Kennedy, antes conhecida por Estrada do Paredão, Estrada da Refinaria e Estrada do Aeroporto.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro (19)

Perspectiva da Avenida Eduardo Ribeiro bastante arborizada. Na pista direita do canteiro central, estudantes marcham assistidos por espectadores nas calçadas dos dois lados da avenida.

Visualizar

Vista Parcial da Cidade

Vista parcial da Rua Ferreira Pena. À direita a ponta da Praça da Saudade e parte de um dos caramanchões, além de um bonde a circular.

Visualizar

Avenida Sete de Setembro (8)

Avenida Sete de Setembro vista a partir da Rua Guilherme Moreira. À esquerda, o prédio do Grande Hotel e, à direita, na esquina com a Rua Barroso, os prédios da Papelaria Velho Lino e Biblioteca Púbica.

Visualizar

Orla dos Remédios (2)

Perspectiva da Orla dos Remédios, tomada a partir da orla do Igarapé de Educandos, onde funcionou o Porto das Catraias, antes da construção da Ponte, em 1975.

Visualizar

Orla dos Remédios

Perspectiva da orla dos Remédios, vista a partir da Ilha de Monte Cristo. É possível observar que o canal que dividia a ilha do continente, provavelmente era período de cheia.

Visualizar

Igarapé de Educandos

Igarapé do Educandos tendo em perspectiva o bairro de Educandos visto a partir da Ilha de Monte Cristo. Registrem-se as duas palafitas com roupas estendidas na corda.

Visualizar

Rua 10 Julho

Fotografia tirada pelo observador a partir do meio da Rua 10 de Julho, em frente à área que depois viria a ser edificado o Colégio Brasileiro, atual Pedro Silvestre, antes da confluência com a Avenida Joaquim Nabuco. À esquerda o muro do Hospital Beneficente Portuguesa, com o portão de entrada da capela do Hospital.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro (18)

Perspectiva da Avenida Eduardo Ribeiro. O primeiro prédio em destaque à esquerda abrigava a Firma Tancredo & Porto e fazia parte de um conjunto de prédios modernos construídos no início do século.

Visualizar

Rua Guilherme Moreira

Perspectiva da Rua Guilherme Moreira, vista na direção da Praça da Polícia com o prédio da Agência do London Bank em destaque.

Visualizar

Rua da Instalação (3)

Perspectiva da Rua da Instalação. A castanholeira vista à esquerda está exatamente em frente do imóvel onde, em Primeiro de Setembro de 1852.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro (17)

Ônibus da Viação Brasil na parada o Pensador, entre o Obelisco e o Relógio Municipal, no início da Avenida Eduardo Ribeiro.

Visualizar

Estrada do Aeroporto da Ponta Pelada

Perspectiva da estrada com o comboio de carros da comitiva do presidente Getúlio Vargas deixando o local, após a inauguração da Estação de Passageiros projetada no final dos anos 40.

Visualizar

Bosque Clube

Pórtico de entrada do centenário do Bosque Clube, na Avenida Constantino Nery, em frente ao Condomínio Le Village Blanc e Faculdade Fametro.

Visualizar

Presidente Getúlio Vargas em Manaus

Presidente Getúlio Vargas sendo recebido por uma multidão, na saída do cais do Roadway, no dia 10 de outubro de 1940.

Visualizar

Avenida Sete de Setembro (7)

Avenida Sete de Setembro, foto tirada a partir da calçada que circunda a Igreja Matriz, no trecho dos fundos.

Visualizar

Carnaval de Rua em Manaus

Carnaval de Rua na Avenida Eduardo Ribeiro. À direita o prédio do Restaurant Central, na esquina da Avenida Eduardo Ribeiro com a Rua Henrique Martins.

Visualizar

Auditório Dr. Zerbini

Fachada do Auditório Dr. Zerbini, pertencente à Faculdade de Medicina do Amazonas, da Universidade Federal do Amazonas-UFAM.

Visualizar

Fundação Alfredo da Matta

Prédio da Fundação Alfredo da Matta, inaugurado em 1955, é um dos mais importantes Hospitais das Américas especializado em doenças de pele.

Visualizar

Avenida Sete de Setembro (6)

A foto configura a avenida a partir da calçada do edifício em frente ao prédio da antiga Lobrás, hoje Marisa, na Sete de setembro. Destaques para os jardins da Matriz, a guarita da Guarda Noturna Municipal e o semáforo suspenso e sustentado por cabo de aço.

Visualizar

Ponte do Aterro de São Jorge

Terreno aplanado no Igarapé do Franco, visto do lado do Bairro de Santo Antônio, direcionado para o Bairro de São Jorge. A “passagem” ligou os dois bairros.

Visualizar

Rua Urucará

Rua Urucará, bairro da Cachoeirinha, possivelmente no trecho entre a Rua Tefé e Rua Parintins, na direção da Rua Codajás. A Rua Urucará é umas das que compõem o quarteirão onde outrora existiu o Velódromo de Manaus.

Visualizar

Boulevard Amazonas

Boulevard Amazonas, imagem da charmosa avenida em tomada obtida a partir do muro da lateral sul do Cemitério São João Batista.

Visualizar

Rua Codajás

Rua Codajás, no Bairro da Cachoeirinha. Visão a partir da divisa com o bairro de Petrópolis, que tem como marco o Igarapé da Cachoeirinha.

Visualizar

Avenida Silves (2)

Avenida Silves, atual Costa e Silva, recebendo obras de terraplanagem e prolongamento até a Avenida Presidente Kennedy. Vista a partir do cruzamento com a Rua Maués.

Visualizar

Rua Tefé

Rua Tefé esquina com a Rua Maués. A foto registra a visita de vistoria do então Prefeito Paulo Pinto Nery, nas obras de benfeitorias daquelas vias.

Visualizar

Avenida Silves (1)

Avenida Silves durante as obras de alargamento e prolongamento até a bola da SUFRAMA. Trecho a partir da Rua Maués, no sentido oeste com a Rua Urucará ao fundo.

Visualizar

Rua Waupés (2)

Rua Waupés, atual Avenida Castelo Branco, vista a partir do cruzamento com a Rua Ramos Ferreira, no sentido Cachoeirinha/Educandos, antes de sua duplicação.

Visualizar

Rua Waupés (1)

Rua Waupés, atual Av. Castelo Branco, durante as obras de duplicação e asfaltamento na segunda metade da década de 1960. Trata-se do seu cruzamento com o final da Rua Ramos Ferreira, à direita, e o início da Avenida Silves, atual Av. Costa e Silva, à esquerda.

Visualizar

Rua Recife (Av. Mario Ypiranga)

Rua Recife, atual Av. Mario Ypiranga, trecho que fica logo após o Hospital Pronto Socorro 28 de Agosto, no sentido bairro/centro. À esquerda, parte da fachada da fábrica de Guaraná Magistral instalada no local desde 1955.

Visualizar

Rua Pedro Botelho

Rua Pedro Botelho, vista a partir do ponto em que se encontra com a Rua Quintino Bocaiuva e Rua Dr. Almino, onde terminava o Igarapé de Monte Cristo, um braço do Igarapé de Educandos que separava a Ilha homônima do bairro dos Remédios.

Visualizar

Rua Borba

Rua Borba, a partir de seu início na Rua Humaitá, próximo ao Igarapé do 40. Essa rua cruza o bairro no sentido sul/norte. Registro fotográfico da década de 1950.

Visualizar

Rua Marquês de Santa Cruz

Rua Marquês de Santa Cruz, trecho em frente ao prédio onde funcionou a Capitania dos Portos. Acima, a Rua Miranda Leão, antiga Rua dos Remédios, com arborização em toda a sua extensão.

Visualizar

Rua Miranda Leão

Rua Miranda Leão, Centro, alagada por ocasião da histórica enchente de 1953. A passarela construída atendia aos transeuntes e se estendia até a Usina Estrela de Borracha, instalada em um galpão que serviu a Rubber Development Corporation (RDC), durante a II Guerra Mundial, posteriormente foi uma Loja Moto Importadora.

Visualizar

Bairro do Japiim

Avenida Rodrigo Otávio por ocasião das obras de criação do calçadão no canteiro central, realizadas entre 1994 e 1996, no Bairro do Japiim. Fotografia tirada na década de 1990.

Visualizar

Bairro de São Francisco

Perspectiva de uma das ruas do Bairro de São Francisco, supostamente a Rua General Carneiro, em direção a Avenida Carvalho Leal.

Visualizar

Bairro de Educandos

Rua do bairro de Educandos, podendo ser a Rua Manoel Urbano, no trecho em que se encontra com Rua Inácio Guimarães, região conhecida como baixa da égua.

Visualizar

Vista Parcial da Cidade (1)

Vista parcial da Rua Manoel Urbano, Educandos. Em primeiro plano veem-se casas de taipa, madeira e alvenaria. Ao fundo é possível identificar alguns casarões na Rua Andradas.

Visualizar

Avenida Sete de Setembro (5)

Avenida Sete de Setembro, antiga Rua Municipal, em destaque o prédio á direita, ostentando um mastro, onde funcionou a antiga Escola Normal e depois a Câmara Municipal de Manaus.

Visualizar

Avenida Joaquim Nabuco (3)

Avenida Joaquim Nabuco cruzamento com a Rua dos Andradas. Destaque para o Palacete da família Nery, à direita, e o trilho dos bondes que seguiam do Bairro dos Remédios rumo à Vila Municipal.

Visualizar

Avenida Getúlio Vargas (4)

Avenida Getúlio Vargas, entre a Rua Henrique Martins (à direita) e Lauro Cavalcanti ( à esquerda), em direção a Avenida Sete de Setembro, então Avenida 13 de Maio.

Visualizar

Avenida Getúlio Vargas (3)

Cruzamento da Av. Getúlio Vargas com a Rua Leonardo Malcher. Em destaque o imponente casarão da esquina, edificado acima do nível da rua.

Visualizar

Cidade Flutuante (6)

Perspectiva da Cidade Flutuante de Manaus, a partir do Rio Negro. Destaque para o posto flutuante de abastecimento de combustível, em frente à Escadaria dos Remédios.

Visualizar

Aeroporto Ponta Pelada (4)

Aeronave PP-PDX da empresa de aviação Panair do Brasil, parada no pátio de estacionamento do Aeroporto Ponta Pelada, em Manaus. Fotografia da década de 1960.

Visualizar

Aeroporto Eduardo Gomes (3)

Panorama aéreo do recém-inaugurado Aeroporto Eduardo Gomes, em Manaus. O presidente da República, Ernesto Geisel, esteve presente na cerimônia de inauguração, em 26 de março de 1976.

Visualizar

Aeroporto Eduardo Gomes (2)

Panorama aéreo do Aeroporto Eduardo Gomes, ainda em fase de terraplenagem. Construído pela Empresa Construções e Comércio Camargo Corrêa, o aeroporto teve suas obras iniciadas no ano de 1971 e concluídas em 26 de março de 1976.

Visualizar

Cidade Flutuante (5)

Imagem parcial da Cidade Flutuante construída sobre o rio Negro, em Manaus. As casas residenciais e comerciais eram interligadas por passarelas de madeiras.

Visualizar

Aeroporto Eduardo Gomes (1)

Aeronave da empresa de aviação Vasp, estacionada em uma ponte de embarque (finger) do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, em Manaus.

Visualizar

Cidade Flutuante (4)

Casas da Cidade Flutuante, nas proximidades da orla dos Remédios, em Manaus. Destaca-se a quantidade de canoas, o principal meio de transporte utilizado por seus moradores. Registro fotográfico da década de 1960.

Visualizar

Aeroporto Ponta Pelada (3)

Avião DC-3 pertencente à empresa de aviação Cruzeiro do Sul, estacionado no pátio do Aeroporto Ponta Pelada, em Manaus. Fotografia tirada na década de 1950.

Visualizar

Aeroporto Ponta Pelada (2)

Panorama aéreo da pista de pouso e decolagem do Aeroporto Ponta Pelada, em Manaus. Sobressaem-se os aviões estacionados e as áreas de matas em seu entorno, ainda preservadas.

Visualizar

Aeroporto Ponta Pelada (1)

Avião da empresa de aviação Panair do Brasil S/A, uma das empresas pioneiras na prestação de serviços de transporte aéreo no país, estacionado na pista de pouso do aeroporto Ponta Pelada.

Visualizar

Reservatório da Castelhana (2)

Construído durante a administração provincial de José Paranaguá – 1883/84, o reservatório da Castelhana é considerado o primeiro reservatório de água da cidade de Manaus. Sua capacidade de armazenamento é de 4.500m3.

Visualizar

Represa da Cachoeira Grande (1)

Represa da Cachoeira Grande, no bairro de São Jorge, obra inaugurada em 1888. Por ela passavam os igarapés do Mindú e dos Franceses.

Visualizar

Rua Henrique Martins (4)

Trecho da rua Henrique Martins, no Centro de Manaus, recebendo obras de recapeamento. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Avenida Brasil

Vista da avenida Brasil duplicada, uma das vias mais movimentada da cidade de Manaus. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Balneário do Parque Dez (3)

Vista aérea do Balneário do Parque Dez de Novembro, com sua piscina larga que recebia as famílias manauaras em dias de forte calor na cidade.

Visualizar

Estádio da Colina (2)

O Estádio Ismael Benigno, mais conhecido como Estádio da Colina, está localizado entre os bairros da Glória e São Raimundo.

Visualizar

Jardim da Matriz (2)

Serviços de limpeza nos jardins da Matriz, com destaque para uma das torres da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, Centro de Manaus.

Visualizar

Praia da Ponta Negra (11)

Vista da praia da Ponta Negra, com destaque para a placa, à direita, anunciando a realização de obras de urbanização, num trabalho conjunto entre Governo do Estado e Prefeitura de Manaus.

Visualizar

Praia da Ponta Negra (10)

Praia da Ponta Negra recebendo as obras de reforma e melhoria estrutural. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Praia da Ponta Negra (9)

Vista da praia da Ponta Negra, em toda sua extensão original. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Praia da Ponta Negra (8)

Vista da praia da Ponta Negra. Ao fundo, os quiosques improvisados e precários que atendiam a população frequentadora do local.

Visualizar

Praia da Ponta Negra (7)

Vista da praia da Ponta Negra, em Manaus, ainda sem nenhuma infraestrutura, mas sempre frequentada pela população que ia se refrescar do calor, banhando-se nas águas escuras do rio Negro.

Visualizar

Avenida Paraíba (3)

Trecho da avenida Paraíba com sua mão dupla, o que não é mais permitido hoje. A foto mostra a urbanização sendo realizada aos poucos. Lá ao fundo, no final da avenida, o encontro com a antiga estrada do V8, atual avenida Efigênio Salles.

Visualizar

Avenida Paraíba (2)

Trecho da avenida Paraíba, atual avenida Umberto Calderaro Filho, já asfaltada e urbanizada. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Avenida Paraíba (1)

Imagem da avenida Umberto Calderaro Filho (antiga Paraíba) ainda sem urbanização e com grandes chácaras em toda sua extensão.

Visualizar

Fundação Dr. Thomas

Vista aérea das instalações da Fundação Dr. Thomas, cercada de vegetação. Fundada em 1909 com o nome de Sociedade Asilo de Mendicidade de Manaus, passou a ser denominada, em 1932, Asilo de Mendicidade Doutor Thomas.

Visualizar

Decoração Natalina (4)

Na foto, além da ornamentação de natal, temos as fachadas dos prédios comerciais da avenida Eduardo Ribeiro, Centro de Manaus. Nota-se, também, a variedade de modelos de automóveis que circulavam na cidade.

Visualizar

Decoração Natalina (3)

Ornamentação natalina na avenida Eduardo Ribeiro, Manaus. Lá ao fundo, no final da avenida, a Praça Antônio Bittencourt, mais conhecida como Praça do Congresso,

Visualizar

Decoração Natalina (2)

Decoração natalina no estacionamento da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, no Centro, Manaus. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Decoração Natalina (1)

Avenida Eduardo Ribeiro com sua ornamentação natalina. No lado esquerdo, o letreiro do Cine Avenida. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Fábrica da Antarctica (4)

Na foto, toda a extensão da fábrica de bebidas da Antarctica, em Manaus. Ao fundo, o Estádio Vivaldo Lima, atual Arena da Amazônia.

Visualizar

Fábrica da Antarctica (3)

Fábrica de bebidas da Antarctica, em construção, na cidade de Manaus. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Fábrica da Antarctica (2)

Vista aérea da construção da fábrica de bebidas da Antarctica, com seus grandes galpões, estrutura que ocupa uma área extensa na avenida Constantino Nery, Manaus.

Visualizar

Fábrica da Antarctica (1)

Vista aérea da construção da fábrica de bebidas da Antarctica, em Manaus, localizada na avenida Constantino Nery. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Avenida Djalma Batista (2)

Vista da avenida Djalma Batista, década de 1970. Mostra a extensão da avenida, ainda com pouco tráfego de veículos. À direita, ao fundo, podemos ver uma parte dos apartamentos do Conjunto Eldorado.

Visualizar

Anfiteatro do Parque Dez

Inaugurado em 1970 pelo prefeito Paulo Nery, o Anfiteatro do Parque Dez foi o primeiro de Manaus, criado com a finalidade de educar e divertir a população manauara.

Visualizar

Balneário do Parque Dez (2)

Vista da piscina do balneário do Parque Dez de Novembro. Local de lazer das famílias manauaras, que se dirigiam ao local para amenizar o calor em Manaus, década de 1960. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Premiação do Carnaval de 1977

Prefeito Jorge Teixeira, popularmente chamado de “Teixeirão”, entregando ao cantor Zezinho Corrêa uma premiação, no Carnaval de Manaus em 1977.

Visualizar

Bairro Coroado

Vista aérea do bairro Coroado, zona Leste de Manaus, década de 1970, originado a partir de invasões nas terras da Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

Visualizar

Praça Duque de Caxias (2)

Hasteamento da bandeira do Brasil, na inauguração da Praça Duque de Caxias, no bairro São Jorge, zona Oeste de Manaus.

Visualizar

Praça Nossa Senhora de Fátima (3)

A juventude de Manaus se reúne em frente da antiga Praça Nossa Senhora de Fátima, localizada na avenida Tarumã, bairro Praça 14 de Janeiro.

Visualizar

Praça da Saudade (7)

Estudantes hasteando as bandeiras ao lado do chafariz da Praça da Saudade (ou Cinco de setembro), foto da década de 1970. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Horto Municipal (2)

Vista do Horto Municipal, na cidade de Manaus, década de 1970. Na imagem, vê-se a extensa área de mata que existia nesta área do bairro Aleixo, nas esquinas das atuais avenida André Araújo e rua Castro Alves.

Visualizar

Horto Municipal (1)

Foto da década de 1970, do Horto Municipal de Manaus, que funcionava desde 1969 numa área de 2,5 hectares, na estrada do Aleixo.

Visualizar

Viaduto Dom Jacson Damasceno

Imagem aérea do cruzamento de duas das mais importantes vias urbanas da cidade de Manaus, as avenidas Álvaro Maia e Constantino Nery.

Visualizar

Rua Henrique Martins (3)

Trecho da rua Henrique Martins, esquina com rua Joaquim Sarmento, Centro de Manaus, ainda com seus paralelepípedos. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Vista aérea do Estádio da Colina

Estádio Ismael Benigno, mais conhecido como “Estádio da Colina”. Foi inaugurado em 19 de fevereiro de 1961 com o nome de Estádio Gilberto Mestrinho. Recebeu sua denominação atual após ser reformado, na década de 1970.

Visualizar

Trecho da avenida Djalma Batista

Construção de ponte na avenida Djalma Batista, 1977. Graças a essa obra, a avenida pôde ser prolongada, permitindo o acesso da população manauara a outras regiões da cidade.

Visualizar

Obras na avenida Djalma Batista

Obras de construção da avenida Djalma Batista, 1977. Ao centro, máquinas, materiais de construção e a equipe de trabalhadores em ação.

Visualizar

Aeroporto de Ponta Pelada

Vista aérea do Aeroporto Ajuricaba, mais conhecido como Ponta Pelada. Inaugurado em 1954, por duas décadas foi o principal aeroporto da cidade, recebendo voos nacionais e internacionais.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro (15)

Ornamentação da avenida Eduardo Ribeiro para as festas de fim de ano. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro (14)

Ornamentação de fim de ano com referência ao vindouro 1972. Ao fundo, a Praça da Matriz e a Catedral de Nossa Senhora da Conceição.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro (13)

Foto da avenida Eduardo Ribeiro com a ornamentação de fim de ano. O destaque da foto fica para o tráfego de automóveis, em mão dupla. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Praça da Matriz (7)

Reforma da Praça da Matriz, em 1975. Ao fundo, o Porto de Manaus. Acervo: Arquivo Público Municipal de Manaus.

Visualizar

Rua Luiz Antony

Trecho da rua Luiz Antony, no Centro de Manaus. Na parte central da foto, o espaço em obras é, hoje, os fundos do Colégio e Faculdade Dom Bosco.

Visualizar

Praça Heliodoro Balbi (4)

Praça Heliodoro Balbi (da Polícia), Centro, com sua arborização de tajás, planta usada para ornamentação. A escultura feminina, à esquerda, segura um ramo de flor.

Visualizar

Relógio Municipal de Manaus

Relógio Municipal, na avenida Eduardo Ribeiro. Atrás, em primeiro plano, o edifício do Ministério da Fazenda e, mais ao fundo, o prédio da Alfândega, 1975.

Visualizar

Chafariz da Praça da Matriz

Foto da fonte-monumento, em ferro fundido, que ornamenta a Praça da Matriz. Acima da base da fonte, doze crianças com seus braços erguidos, e, sobre uma bacia, vê-se uma figura feminina, carregando um pote, tendo crianças aos seus pés.

Visualizar

Colégio Dom Bosco (3)

Fachada da igreja e do colégio Dom Bosco, localizados na avenida Epaminondas, Centro de Manaus. Destaque para o grande número de pessoas na entrada da igreja, aguardando o início da missa.

Visualizar

Aula de ginástica do CDB

Fotografia rara dos ensaios de ginástica, uma das aulas oferecidas pelo Colégio Dom Bosco, em Manaus. Os alunos realizavam essa atividade na área externa do colégio.

Visualizar

Desfile de alunos do CDB (3)

Desfile dos alunos do Colégio Dom Bosco, em Manaus. Fardados de branco e de quepe na cabeça, prestavam continência às autoridades. Acervo: Colégio Dom Bosco de Manaus.

Visualizar

Desfile de alunos do CDB (2)

Desfile dos estudantes do Colégio Dom Bosco, em Manaus. Devidamente fardados, organizados e enfileirados, marchavam com o estandarte do brasão do Amazonas pela avenida Epaminondas.

Visualizar

Alunos do Dom Bosco

Desfile de bicicletas dos alunos do Colégio Dom Bosco pela avenida Epaminondas, Centro de Manaus. Acervo: Colégio Dom Bosco de Manaus.

Visualizar

Time de Futebol do CDB

Time de futebol dos alunos salesianos do Colégio Dom Bosco, de Manaus. Com o uniforme da escola e de pés no chão, posam para a foto antes da partida.

Visualizar

Desfile de alunos do CDB (1)

Desfile da fanfarra dos alunos do Colégio Dom Bosco pelas ruas do Centro de Manaus. Com caixinhas, surdos, trombones e tubas, os meninos salesianos atraíam os olhares curiosos da população.

Visualizar

Construção do Colégio Dom Bosco (2)

Registro fotográfico da área interna do Colégio Dom Bosco, em Manaus. Detalhe para os trabalhadores concentrados nas atividades das obras em meio a tijolos, pedras, cimentos e andaimes.

Visualizar

Construção do Colégio Dom Bosco (1)

Fotografia da construção do prédio histórico do Colégio Dom Bosco, na década de 1920. Este edifício foi mandado construir na avenida Epaminondas, Centro de Manaus, pelos padres salesianos de Dom Bosco. Acervo: Colégio Dom Bosco de Manaus.

Visualizar

Casa da Criança

Fachada da Casa da Criança, instituição inaugurada em 1º de fevereiro de 1948. Localizada na rua Ramos Ferreira, Centro de Manaus.

Visualizar

Carnaval na Eduardo Ribeiro

Carnaval realizado na avenida Eduardo Ribeiro, em fins da década de 1970. Ao centro, na esquina com a rua Saldanha Marinho, o edifício Manaus Shopping Center, ainda em construção, no mesmo local onde funcionou o Cine Odeon.

Visualizar

Aviaquário Municipal (3)

Reforma do Aviaquário Municipal, que ficava entre as escadarias da Igreja de Nossa Senhora da Conceição. Final da década de 1970. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Avenida Getúlio Vargas (2)

Trecho da avenida Getúlio Vargas, no início da década de 1930, ainda com poucas residências e com um aspecto bastante rural. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Centro de Manaus (15)

Vista da avenida Eduardo Ribeiro, trecho entre a avenida Sete de Setembro e a rua Monsenhor Coutinho, na Praça do Congresso. Destaque para a pista da avenida, em mão dupla.

Visualizar

Centro de Manaus (14)

Trecho final da avenida Eduardo Ribeiro, no início da década de 1970, ornamentada para as festas de fim de ano.

Visualizar

Trapiches de Manaus

Porto de Manaus, 1902. Aterramento do trecho entre o prédio da Recebedoria do Estado e os Trapiches Fernandes e Teixeira.

Visualizar

Armazéns do Porto

Armazéns do Porto de Manaus, 1927. No alto, destaque para a cúpula do Teatro Amazonas, à esquerda, e as duas torres da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, à direita. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Centro de Manaus (13)

Algumas vias de Manaus, na década de 1950: 1 – Avenida Japurá; 2 – Avenida Tarumã; 3 – Rua Emílio Moreira; 4 – Rua Major Gabriel; 5 – Avenida Joaquim Nabuco; 6 – Rua Leonardo Malcher; 7 – Avenida Itacoatiara; 8 – Rua Doutor Machado.

Visualizar

Centro de Manaus (12)

Fotografia da cidade de Manaus captada do alto do Teatro Amazonas, onde se vê parte da Praça São Sebastião e parte da igreja de mesmo nome, circundados por belos casarões históricos. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Centro de Manaus (11)

Vista aérea da cidade de Manaus, com destaque para o Hospital Beneficente Portuguesa, à esquerda, na avenida Joaquim Nabuco.

Visualizar

Centro de Manaus (10)

Vista parcial do Centro da cidade. Bem no meio da imagem, o Jardim Ajuricaba de Menezes, em formato de clave alongada, que fazia parte da Praça da Matriz.

Visualizar

Ilha de São Vicente (2)

Vista aérea do Porto de Manaus. No canto inferior esquerdo, a Ilha de São Vicente, onde hoje está instalado o 9º Distrito Naval da Marinha do Brasil. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Porto de Manaus (8)

Vista panorâmica do Porto de Manaus. Destaque para as ruas do Centro da cidade com pouca movimentação de automóveis, além das embarcações de grande porte ancoradas na orla. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Igreja da Matriz (6)

Vista aérea da Catedral de Nossa Senhora da Conceição, com os jardins em seu entorno, ainda sem as grades. No canto inferior esquerdo, o jardim triangular da Praça Oswaldo Cruz (ou da Matriz). Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Bairro Matinha

Vista aérea do bairro Matinha, com as indicações das ruas: 1- Avenida Ayrão; 2 – Avenida Barcelos; 3 – Rua Santa Quitéria; 4 – Rua Primeiro de Maio; 5 – Rua Santa Izabel; 6 – Rua São José. Foto: Costa Lima. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Tecelagem Matinha

Vista aérea da Fábrica de Tecelagem Matinha, localizada na rua da Paz, no antigo bairro Matinha, atual Presidente Vargas, início da década de 1960.

Visualizar

Usina de Beneficiamento de Lixo

Vista aérea do bairro Compensa, zona Oeste de Manaus. Ao centro, destaque para a usina de beneficiamento de lixo, no ano de 1975. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Centro de Manaus (9)

Vista aérea do centro histórico da cidade de Manaus. A via em destaque no centro da imagem é a avenida Eduardo Ribeiro. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Centro de Manaus (8)

Vista aérea do Centro de Manaus, com destaque para a rua Miranda Leão bem ao centro da imagem, de baixo para cima. Esta via serve de divisão entre a Igreja dos Remédios e a praça de mesmo nome.

Visualizar

Velódromo Álvaro Maia

Vista aérea do bairro Cachoeirinha, no ano de 1959. Destaque para o terreno em forma de elipse, onde era localizado o Velódromo Álvaro Maia, antes Velódromo Recreio. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Rua Ipixuna

Vista aérea de um trecho da rua Ipixuna, bairro Cachoeirinha, no ano de 1973. Nota-se, nesta imagem, a rua ainda sem asfaltamento e urbanização, com um número ínfimo de residências.

Visualizar

Rua dos Barés (2)

Rua dos Barés, no Centro de Manaus, uma das artérias mais antigas da cidade. Desde sua criação, não teve nenhuma alteração em sua nomenclatura.

Visualizar

Rua 10 de Julho

Cartão-postal, em preto e branco, da rua Dez de julho, no Centro de Manaus. Destaque para a Igreja de São Sebastião, à direita, e ao Teatro Amazonas, à esquerda. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro (12)

Vista de um trecho da avenida Eduardo Ribeiro, centro histórico de Manaus. Detalhe para as fachadas dos prédios, com arquitetura ao estilo europeu.

Visualizar

Roadway do Porto de Manaus

Cartão-postal do Roadway da Manaus Harbour, com destaque para as embarcações de menor porte ancoradas ao longo de sua estrutura. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Teatro Amazonas (9)

Vista da fachada do Teatro Amazonas, com destaque para as carroças puxadas por tração animal, paradas na rua Costa Azevedo. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Estádio General Osório (4)

Desfile e concentração de atletas na Parada Esportiva realizada do dia 6 de setembro de 1942, no Estádio General Osório. Este estádio foi, por muitos anos, usado para eventos sociais, esportivos e culturais na cidade. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Estádio General Osório (3)

Registro fotográfico de desfile estudantil no Estádio General Osório, na avenida Epaminondas, Centro, início da década de 1940. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Estrada Epaminondas

Cartão-postal da Estrada Epaminondas, hoje, uma das avenidas mais importantes do sistema viário de Manaus. No centro da imagem temos o Colégio Dom Bosco, e, mais à direita, o prédio onde funcionou o Cine Manáos.

Visualizar

Praça de Nossa Senhora de Nazaré

[vc_row][vc_column][vc_column_text] Vista da Praça Nossa Senhora de Nazaré, ainda em formação, no bairro Adrianópolis. Detalhe para os fiéis cruzando a atual avenida Mário Ypiranga Monteiro, caminhando em direção à Igreja de Nossa Senhora de Nazaré. A primeira denominação desta praça homenageava o então governador do Amazonas, Silvério Nery. Acervo: Moacir Andrade. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Praça Dom Bosco

Concentração de fiéis em frente à Igreja Dom Bosco, na praça de mesmo nome, localizada na rua da Instalação, Centro de Manaus, no início da década de 1940. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Praça do Congresso (5)

Cartão-postal do “Bazar Foto”, em preto e branco, retratando a calmaria da Praça Antônio Bittencourt, mais conhecida como Praça do Congresso. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Praça do Congresso (4)

Cartão-postal de “A Favorita”, em preto e branco, do início da década de 1950. O cartão retrata um dos pontos turísticos da cidade, a Praça Antônio Bittencourt, mais conhecida como Praça do Congresso.

Visualizar

Praça do Congresso (3)

Vista da Praça Antônio Bittencourt (ou do Congresso), ainda sem arborização e calçamento, repleta de estudantes, no início da década de 1940. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Porto de Manaus (7)

Vista aérea do Porto de Manaus, o maior porto flutuante do mundo, com destaque para o imenso rio Negro ao fundo. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Praia da Ponta Negra (6)

Cartão-postal colorido da praia da Ponta Negra. Na imagem, banhistas se refrescam às margens do rio Negro, curtindo o delicioso sol amazônico. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Competição esportiva na Ponta Negra

Registro da praia da Ponta Negra, zona Oeste de Manaus, onde ocorria um evento esportivo de competição de natação. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Personalidades ilustres do Amazonas recepcionam Assis Chateaubriand

Da esquerda para a direita: 1 – Leopoldo Péres; 2 – Ruy Araújo; 3 – Assis Chateaubriand; 4 – Álvaro Maia; 5 – Dom João da Mata; 6 – Gebes Medeiros; 7 – Dr. Avelino Pereira. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Centro de Manaus (7)

Vista aérea de parte dos jardins da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, nas esquinas das avenidas Eduardo Ribeiro e Sete de Setembro. Destaque para o Edifício da Lobras, ao centro, e ao prédio do Armazéns Rosas, um pouco mais à direita. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Praça Oswaldo Cruz (5)

Vista aérea do jardim triangular da Praça Oswaldo Cruz (ou da Matriz), no Centro de Manaus. A imagem capturada dá destaque para a fonte-monumento, em ferro fundido, instalada em 1896. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Estádio General Osório (2)

Formatura no antigo campo do Estádio General Osório, local utilizado por muitos anos para a realização do Festival Folclórico do Amazonas, patrocinado pelos jornais “Diário da Tarde” e “O Jornal”.

Visualizar

Praça Dom Pedro II

Vista da Praça Dom Pedro II, no início da avenida Sete de Setembro. Durante os primeiros anos da Vila de Manaus, no século XIX, esta praça foi palco de muitos capítulos políticos, econômicos e administrativos da nossa história.

Visualizar

Praça Francisco Queiroz

Praça Francisco de Queiroz (ou Ruy Araújo), localizada entre as ruas Quintino Bocaiúva, Dr. Almínio e Izabel, no Centro de Manaus, mais precisamente na saída da Ponte Padre Antônio Plácido de Souza, que faz ligação com bairro Educandos.

Visualizar

Praça Paysandu

Praça Paysandu, uma das praças extintas do Centro de Manaus. Localizava-se no quadrilátero das atuais ruas Saldanha Marinho, Henrique Martins, Joaquim Sarmento e avenida Eduardo Ribeiro.

Visualizar

Praça da Matriz de Nossa Senhora da Conceição

Vista da Praça da Matriz pelo lado oeste, com seu jardim ainda sem grades, início da década de 1940. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Igreja Matriz (2)

Vista do estacionamento da Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição, nas esquinas da avenida Eduardo Ribeiro com a Sete de Setembro. Podemos ver o entorno da igreja ainda sem as grades de hoje.

Visualizar

Estação dos Bondes em Manaus

Antiga estação dos bondes, no Centro da cidade. Em destaque, o prédio da Booth Line, o Bar e Restaurante Bolsa Universal e as carroças com tração animal. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Ônibus Coletivos

Ônibus que circulavam pela cidade, parados na estação localizada à frente da Booth Line, no Centro de Manaus. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Mário Verçosa

Fotografia do desembargador Mário Verçosa, importante personalidade do poder judiciário amazonense. Foi grão-mestre da Grande Loja Maçônica do Amazonas e sócio benemérito do Grêmio Guanabara.

Visualizar

Associação Amazonense da Imprensa

Prédio onde funcionou a Associação Amazonense da Imprensa, localizado na avenida Eduardo Ribeiro. Atualmente, no local existe um prédio comercial. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Igreja dos Remédios (4)

Altar na Igreja dos Remédios dedicado à Nossa Senhora do Líbano. No mês de maio, os descendentes de libaneses residentes em Manaus comemoram a festa da santa. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Igreja dos Remédios (3)

Vista da parte interna da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios. Pelo calendário católico, o dia dedicado à santa padroeira desta ermida é 8 de setembro. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Igreja dos Remédios (2)

Vista da Praça dos Remédios e do Monumento ao Sagrado Coração de Jesus, no Centro de Manaus. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

A chegada do interventor Alfredo Sá

População reunida em frente à Matriz de Nossa Senhora da Conceição, aguardando a chegada do interventor federal, sr. Alfredo Sá, no Porto de Manaus, década de 1920. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Instituto de Educação do Amazonas

Fachada do Instituto de Educação do Amazonas (IEA), nome oficializado pelo interventor Álvaro Maia, em 4 de março de 1940. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Hotel Tropical

Vista aérea do Hotel Tropical de Manaus. Em contraste, a modernidade em meio à floresta, banhada pelas caudalosas águas do rio Negro. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Gilberto Mestrinho e Plínio Coelho

Gilberto Mestrinho e Plínio Coelho em evento político, ambos representantes do PTB no Amazonas. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Gebes Medeiros

Foto do advogado, jornalista e escritor Gebes Medeiros, imortal da Academia Amazonense de Letras. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Desfile de alunos

Desfile dos alunos da antiga Escola Técnica de Manaus, 1948. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Colégio Ângelo Ramazzotti

Fachada do colégio Ângelo Ramazzotti, localizado em frente à Praça de Nossa Senhora de Nazaré, no bairro Adrianópolis. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Conjunto Dom Pedro II

Foto do Conjunto Habitacional Dom Pedro II, no início da década de 1970. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Balneário AGREPO

Balneário do Ajuricaba Grêmio do Porto (AGREPO), localizado na avenida Efigênio Salles (antiga Estrada do V-8), na zona Centro-Sul de Manaus. Suas instalações foram inauguradas em 1966, destinadas às famílias dos trabalhadores da Administração do Porto de Manaus. Atualmente, este local de lazer encontra-se abandonado. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Conjunto Débora

Terraplenagem de parte da área onde, atualmente, existe o Conjunto Residencial Débora, zona Oeste de Manaus. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Capelinha dos Agostinianos

Ruínas do prédio da Capelinha dos Agostinianos, onde hoje existe o edifício Cidade de Manaus, na avenida Eduardo Ribeiro, Centro. Detalhe, ao fundo, para uma parte do prédio Castelinho, localizado na rua Barroso. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Quartel da Polícia Militar

Vista aérea do bairro Praça 14 de Janeiro, em Manaus. No canto inferior esquerdo, o prédio do Quartel da Polícia Militar, onde hoje funciona o 1º Distrito Integrado de Polícia (1º DIP). Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro (2)

Trecho da avenida Eduardo Ribeiro, Centro de Manaus. No canto inferior esquerdo, destaque para os fundos do Teatro Amazonas e sua escadaria. Mais acima, o prédio onde funciona a Rádio Rio Mar. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Vivaldão (2)

Registro fotográfico histórico da construção do estádio Vivaldo Lima, popularmente conhecido como “Vivaldão”, na zona Oeste de Manaus. Este nome foi dado em homenagem ao deputado estadual do Amazonas, dr. Vivaldo Palma Lima. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Conjunto Dom Pedro I

Vista parcial do Conjunto Residencial Dom Pedro I, localizado na zona Oeste de Manaus. Considerado um dos bairros nobres da cidade, avista-se, ao centro da imagem, casas populares próximas à área onde hoje é a praça de alimentação do bairro. Destaque para o relógio ao centro da praça. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Centro de Manaus (5)

Vista aérea do centro histórico de Manaus, com destaque para a igreja, praça e jardins da Matriz de Nossa Senhora da Conceição. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Centro de Manaus (4)

Vista aérea do Centro da cidade de Manaus, com destaque para a Praça Tenreiro Aranha no canto inferior direito, para o prédio da Alfândega, no canto inferior esquerdo, e para o prédio do Ministério da Fazenda, em frente à Matriz de Nossa Senhora da Conceição. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Centro de Manaus (3)

Trecho da esquina da rua Tamandaré com a travessa Vivaldo Lima, Centro de Manaus. No prédio ao fundo, funcionou, por alguns anos, a sede da Secretaria de Estado da Fazenda. Na parte inferior da imagem, a Praça Nove de Novembro em reforma, na década de 1970. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Pontes de Manaus

Vista aérea da cidade de Manaus. No canto inferior esquerdo, a Ponte Benjamin Constant sobre o igarapé do Mestre Chico. Um pouco mais ao centro da imagem, a Ponte Juscelino Kubitschek, paralela à Ponte Ephigênio Salles, ambas sobre o igarapé do Quarenta. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Cinema Polytheama

Prédio onde funcionou o antigo Cine Polytheama, nas esquinas das atuais avenidas Sete de Setembro e Getúlio Vargas, Centro. Inaugurado em 14 de julho de 1912, este cinema funcionou até o início da década de 1970, quando foi transformado em uma loja de eletrodomésticos. Em seguida, foi uma agência bancária, depois, uma empresa de câmbio e turismo e, atualmente, abriga uma das filiais das Lojas Americanas. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro (1)

Vista da avenida Eduardo Ribeiro, Centro de Manaus. Os três prédios em destaque, um ao lado do outro, localizam-se em frente à Praça da Matriz e, atualmente, funcionam como estabelecimentos comerciais. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Jardins da Praça Oswaldo Cruz

Reforma nos jardins da Praça Oswaldo Cruz (ou da Matriz), Centro. No canto superior direito, no jardim denominado Jaú, ainda se pode ver o monumento em homenagem ao escritor e folclorista Frederico José de Sant’Anna Nery, composto por um busto em bronze, sobre um pedestal de pedra, no qual havia a escultura de uma mulher que lhe oferecia um ramalhete de flores. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Vivaldão (1)

Imagem aérea da zona Oeste da cidade de Manaus. Acima, destaca-se o magnífico estádio Vivaldo Lima. Ao centro, a avenida Constantino Nery, cruzando a foto de cima abaixo. E à direita, a avenida Djalma Batista. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Centro de Manaus (2)

Rua localizada no Centro de Manaus com suas lojas de artigos nacionais e importados. Nota-se a inexistência do tráfego de automóveis e um grande fluxo de pessoas, circulando pelo meio da rua, década de 1970. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Conjunto Dom Pedro

Vista aérea dos conjuntos Dom Pedro I e II, localizados na zona Oeste de Manaus, com destaque para a avenida Pedro Teixeira, abaixo. A via central que cruza a imagem de baixo para cima é a rua Dom Pedro. Aqui temos a primeira versão da principal praça desse conjunto, localizada, até hoje, nas esquinas da Pedro Teixeira com a própria rua Dom Pedro. E ao fundo, o início do bairro Alvorada II. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Centro de Manaus (1)

Reforma no Centro de Manaus, com destaque para o letreiro do prédio onde funcionava o extinto jornal “A Notícia”, fundado pelo comendador Félix Fink. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Rua Teodoreto Souto

Reforma na rua Teodoreto Souto, Centro de Manaus, no trecho entre a rua Marechal Deodoro e a avenida Eduardo Ribeiro. O nome desse logradouro é uma homenagem ao 23º presidente da Província do Amazonas, dr. Teodoreto Carlos de Faria Souto, que assinou o ato de abolição da escravatura no Amazonas, no dia 10 de julho de 1884. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Reforma na Praça da Matriz (2)

Trabalhadores na reforma realizada na área da Praça da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, Centro de Manaus. Todo o complexo da praça e seus jardins foram reestruturados para dar maior mobilidade ao sistema viário. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Reforma na Praça da Matriz (1)

Registro fotográfico da reforma ocorrida na Praça Oswaldo Cruz (ou da Matriz), década de 1970. Ao fundo, à direita, o Palace Hotel, onde funcionou por um longo período a extinta Casa Kahn Polack, na avenida Sete de Setembro. Acervo: Hamilton Salgado.

Visualizar

Edifício Tartaruga

O prédio ao centro da imagem é o edifício Tartaruga, erguido no período áureo da borracha e tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico (IPHAN). Localizado no cruzamento da travessa Marquês de Santa Cruz com Floriano Peixoto, Centro, já foi sede da Defensoria Pública do Amazonas e, atualmente, está abandonado.

Visualizar

Avenida Lourenço Braga (2)

Vista aérea da avenida Lourenço da Silva Braga (Manaus Moderna) ainda não concluída. No canto direito inferior, a Ponte Padre Antônio Plácido de Souza, que liga o bairro Educandos ao Centro da cidade. Acervo: Biblioteca Samuel Benchimol.

Visualizar

Edifício Garagem

Vista aérea do Centro da cidade. Na parte central da imagem, destaque para o Edifício Garagem, chamado popularmente de “Garajão” e que está localizado na avenida Floriano Peixoto. Atualmente, em sua parte térrea, funciona o Sine Manaus – Sistema Nacional de Emprego -, vinculado à Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Desenvolvimento (Semtrad). Acervo: Biblioteca Samuel Benchimol.

Visualizar

Vista aérea do Mercado Adolpho Lisboa

Vista aérea do Mercado Municipal Adolpho Lisboa, construído no período áureo da borracha e tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), em 1º de julho de 1987. No alto da imagem, vê-se que ainda não existe a avenida Lourenço da Silva Braga, margeando o rio Negro. Acervo: Biblioteca Samuel Benchimol.

Visualizar

Avenida Lourenço Braga

Vista aérea da avenida Lourenço da Silva Braga, margeando o rio Negro, com destaque para a Feira Manaus Moderna, no Centro da cidade. No terreno descampado à direita, entre as ruas Pedro Botelho, Barão de São Domingos e dos Barés, existe, atualmente, a Feira da Banana, construída para a comercialização dos produtos vindos do interior do Estado. Acervo: Biblioteca Samuel Benchimol.

Visualizar

Villa Fanny

Foto da Villa Fanny, localizada na rua Joaquim Nabuco, Centro. De influência da arquitetura francesa, o palacete era propriedade da família Oliveira. Neste sobrado, foram realizados muitos casamentos de ingleses com amazonenses. Acervo: Biblioteca Samuel Benchimol.

Visualizar

Paço da Liberdade

Foto do Paço da Liberdade, também conhecido como Paço Municipal. O prédio já foi sede do governo do Amazonas tanto na época de Província quanto após a Proclamação da República. Foi, ainda, residência oficial dos presidentes provinciais (1874-1889) e dos governadores (1889-1917) e, em 1917, passou a ser sede da Prefeitura de Manaus. Atualmente, abriga exposições temporárias e permanentes. No Salão Nobre estão expostas as fotos dos prefeitos de Manaus e seu mobiliário antigo, com detalhes decorativos em suas paredes. Há também a sala de Arqueologia, com um piso de vidro para melhor observar os fragmentos arqueológicos (urnas funerárias) encontrados durante as obras de revitalização do prédio. Acervo: Biblioteca Samuel Benchimol.

Visualizar

Avenida Joaquim Nabuco (2)

Trecho da avenida Joaquim Nabuco, nivelado e calçado na década de 1910. Nota-se a presença de três tipos de transporte terrestre, na cidade: o automóvel, a carroça e o bonde. Acervo: Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas/Anuário de Manaós 1913-1914.

Visualizar

Bondes em Manaus (27)

Foto do filme de Ed McDonald, mostrando um dos grandes carros de estilo inglês, com doze bancos, construídos pela companhia inglesa de bondes, em Manaus. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (26)

Bonde número 51, da Manaus Railway Company, exposto no pátio do Centro de Artes Chaminé, localizado na avenida Lourenço da Silva Braga, em frente ao igarapé do Educandos. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (25)

Em janeiro de 1957, um mês antes do último bonde de passageiros deixar de circular em Manaus, um turista americano, Ed McDonald, que visitava a cidade, filmou breves cenas de rua com uma câmera de 16mm. Aqui está uma ampliação de um único quadro de seu filme, que mostra um dos bondes, modelo Stephenson, de 1898, ainda circulando na cidade, após meio século. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (24)

Foto de “A Favorita”, com o bonde passando ao lado do nosso “templo das artes”, o monumental Teatro Amazonas. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (23)

Em 1905, a Serviços Eléctricos do Estado comprou dez carros, com quatro eixos e doze bancos, da empresa St. Louis Car Company, em Missouri, USA. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (22)

A paisagem bucólica de Manaus faz contraste com a linha de bonde de Flores, que atravessava a selva até os arrabaldes da cidade. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (21)

Bonde elétrico, modelo Stephenson, da linha de Flores, cruzando a ponte de ferro sobre o igarapé da Cachoeira Grande. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (20)

Vista lateral da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, com destaque para a rampa de acesso da avenida Eduardo Ribeiro. À direita, o bonde número 51, da Manáos Railway Company, em trânsito na avenida Sete de Setembro. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (19)

Foto dos bondes elétricos números 55 e doze, da Stephenson, que transportavam os passageiros até o terminal localizado na Praça 15 de Novembro, no Centro da cidade, onde ficava o escritório da empresa Electric Railway. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (18)

Uma imagem que apareceu em um raro cartão-postal colorido, “Lembranças de Manáos”, produzido no final da década de 1890. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (17)

Certificado de incorporação da Manáos Railway Company, assinado em 25 de fevereiro de 1898, em Nova York. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (16)

Locomotiva a vapor com vagões, da Viação Suburbana, a primeira via férrea da cidade, em 1896. O trailer, à direita, era denominado “Colonia”. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (15)

Locomotiva a vapor construída na década de 1890, por Hudswell, Clarke & Co., em Leeds, Inglaterra, para a Viação Suburbana de Manaus. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (14)

Vista aérea parcial do Centro de Manaus, onde se vê todos os jardins que já existiram na Praça Oswaldo Cruz e o ajardinamento do Parque da Matriz de Nossa Senhora da Conceição. Ao fundo, o Teatro Amazonas. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (13)

Cartão-postal da Usina da Viação e depósito dos bondes, na avenida Sete de Setembro, no final da “Ponte Metálica”, em Cachoeirinha. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (12)

Cartão-postal colorido, com destaque para o bonde trafegando pela segunda ponte Romana, na então rua Municipal, atual avenida Sete de Setembro. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (11)

Bonde sobre os trilhos na ponte metálica Benjamin Constant. Em 1902, o serviço de bondes em Manaus foi federalizado e o operador passou a se chamar Serviços Eléctricos do Estado. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (10)

Mapa de 1897, mostrando duas linhas de bonde em Manaus. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (9)

Imagem do Certificado de 1909, da organização inglesa que comprou todas as operações de trens, veículos e franquias de eletricidade em Manaus. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (8)

Um dos primeiros carros de passageiros, da empresa Manáos Railway Company, no “Plano Inclinado”, que iniciava na rua Coronel Salgado e se estendia até a rua Wilkens de Matos, no bairro Aparecida. O modelo de bonde Stephenson possuía quatro rodas e dez bancos. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (7)

Bonde número oito, da Manáos Tramways & Light Company Limited, trafegando pela Ponte Benjamin Constant, em Cachoeirinha, zona Sul de Manaus. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison/Coleção Marcelo Cáceres Miranda/Photo Manaus.

Visualizar

Bondes em Manaus (6)

A Manáos Tramways & Light Company Limited reconstruiu e ampliou o sistema elétrico dos bondes na capital amazonense e encomendou dez carros da United Electric, em Preston, Inglaterra. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (5)

Bonde St. Louis, número quatro, na avenida Eduardo Ribeiro. As árvores frondosas, à direita, são da Praça da Matriz. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (4)

Bonde St. Louis, número vinte, na avenida Eduardo Ribeiro, esquina com avenida Sete de Setembro, Centro de Manaus. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (3)

Vista do bonde St. Louis, número 22, fazendo a curva da rua Silva Ramos. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus (2)

Cruzamento da avenida Ferreira Pena com rua Simão Bolívar, Centro. Nas primeiras décadas do século XX, os bondes elétricos transitavam pela esquerda – a chamada “mão inglesa” – em vários países da América do Sul e cidades do Brasil, incluindo Manaus. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Bondes em Manaus

Passeio de bonde, na década de 1930. A empresa Manáos Tramways & Light Company Limited importou caminhões e equipamentos elétricos da Inglaterra e construiu oito bondes para utilizarem em Manaus. Acervo: The Tramways of Brazil a 130 year survey by Allen Morrison.

Visualizar

Avenida Treze de Maio

Trecho da avenida Treze de Maio (atual Getúlio Vargas), Centro, ainda em construção, em 1938. Nesta parte da avenida, percebe-se a existência de poucas residências e área de barranco. Acervo: Jornal A Crítica.

Visualizar

Praça da Polícia (3)

Vista da Praça Heliodoro Balbi (ou da Polícia), com destaque para a ponte de concreto, o lago artificial e a fonte, instalados na administração do superintendente municipal Adolpho Lisboa, em 1907. Acervo: Jornal A Crítica.

Visualizar

Palácio do Tesouro

Palácio do Tesouro do Estado do Amazonas, localizado na antiga rua do Tesouro (atual travessa Vivaldo Lima), Centro de Manaus. Acervo: Jornal A Crítica.

Visualizar

Praça da Polícia (2)

Pequeno coreto, em formato de templo grego, na Praça da Polícia, Centro. Projetado por Coriolano Durand, é composto por colunas que foram aproveitadas do material que sobrou do Teatro Amazonas. Acervo: Jornal A Crítica.

Visualizar

Praça da Polícia

Vista da Praça Heliodoro Balbi (ou da Polícia), no Centro. À direita, o lago artificial, a ponte de cimento armado e a fonte de ferro e, mais à esquerda, o coreto de ferro fundido, todos instalados pelo superintendente municipal Adolpho Lisboa e inaugurado em 1907. Acervo: Jornal A Crítica.

Visualizar

Memória do Carnaval (2)

Desfile de carnaval na avenida Eduardo Ribeiro, esquina com rua Monsenhor Coutinho. Carro alegórico com seus ocupantes fantasiados, parado em frente ao Palacete Miranda Corrêa. Acervo: Jornal A Crítica.

Visualizar

Saneamento Público

Foto de trabalhadores se preparando para iniciar as obras de saneamento na cidade, em 1936. Acervo: Jornal A Crítica.

Visualizar

Memória do carnaval

Carnaval na avenida Eduardo Ribeiro, com uma carroça alegórica desfilando em frente aos estabelecimentos comerciais. Acervo: Jornal A Crítica.

Visualizar

Prédio antigo na Ilha de São Vicente

Prédio localizado na Ilha de São Vicente, na rua Bernardo Ramos, Centro. Atualmente é a sede do 9º Distrito Naval da Marinha do Brasil. Acervo: Jornal A Crítica.

Visualizar

Rua antiga de Manaus

Rua Marechal Deodoro, no Centro de Manaus, ainda com seus paralelepípedos, além de fachadas e varandas de prédios que não existem mais. Acervo: João Bosco Araújo.

Visualizar

Casa Antiga de Manaus

Foto da casa que existia na rua Governador Vitório, esquina com Sete de Setembro, bem à frente da Praça D. Pedro II. Acervo: João Bosco Araújo.

Visualizar

Fachadas dos prédios da Booth Line

Vista do jardim triangular da Praça Oswaldo Cruz e dos jardins do entorno da Igreja Matriz (à direita). Os prédios mais ao fundo, à esquerda, são da Both Line e estão abandonados atualmente, restando-lhes apenas as fachadas. Acervo: João Bosco Araújo.

Visualizar

Palácio Rio Negro

Foto do Palácio Rio Negro, à avenida Sete de Setembro, atualmente um centro cultural. Foi construído em 1903 pelo barão da borracha, o alemão Waldemar Scholz, em pleno período áureo da extração do látex. Depois, tornou-se sede do governo do Amazonas e residência oficial do governador. Acervo: João Bosco Araújo.

Visualizar

Desfile escolar em Manaus (2)

Desfile escolar na avenida Eduardo Ribeiro, ao lado do obelisco construído em alvenaria, dedicado ao primeiro centenário da elevação de Manaus à categoria de cidade. Acervo: João Bosco Araújo.

Visualizar

Aviaquário de Manaus

Vista da entrada do Aviaquário Municipal, localizado na frente da Igreja da Matriz e inaugurado em 21 de abril de 1937 com uma variedade de animais amazônicos. Hoje está extinto. Acervo: João Bosco Araújo.

Visualizar

Estrada de Constantinópolis

Estrada de Constantinópolis, atual avenida Leopoldo Péres, no bairro Educandos. Acervo: João Bosco Araújo.

Visualizar

Desfile escolar em Manaus

Desfile estudantil na avenida Eduardo Ribeiro, ao lado do antigo prédio dos Correios e Telégrafos. Construído no início do século XX para abrigar a firma Marius & Levy, o prédio, de estilo eclético, possui revestimento cerâmico e tijolos aparentes em todas as fachadas. Acervo: João Bosco Araújo.

Visualizar

Catedral de Manaus

Vista da Praça da Matriz, onde se vê, à esquerda, o Tabuleiro da Baiana, uma antiga estação dos bondes. Foto de “A Favorita”. Acervo: João Bosco Araújo.

Visualizar

Memória do Carnaval de Manaus

Memória do Carnaval de 1915, com os brincantes em uma charrete enfeitada. Acervo: João Bosco Araújo.

Visualizar

Bola do Olímpico Clube

Vista da praça, da Bola do Olímpico Clube, que ficava localizada no cruzamento da avenida Constantino Nery com Boulevard Álvaro Maia. Ao centro, o chafariz de ferro e a estátua que estavam na praça Oswaldo Cruz (ou da Matriz). Após a realização de obras pelo prefeito Jorge Teixeira, em 1975, esta praça foi extinta. Acervo: SESC.

Visualizar

Ônibus antigos

Ônibus do transporte coletivo que circulavam em Manaus. Acervo: SESC.

Visualizar

Casa Kahn Polack

Vista de uma parte dos Jardins da Matriz de Nossa Senhora da Conceição, nas esquinas das ruas Municipal (atual avenida Sete de Setembro) e da Instalação, Centro. A área ajardinada que existe em volta da Catedral Metropolitana foi inaugurada em 1901 pelo superintendente municipal Arthur César Moreira de Araújo. Nesta imagem, vemos o extinto tanque com cascata e, ao fundo, à direita, a antiga Casa Kahn Polack, onde hoje funciona o Palace Hotel. Acervo. SESC.

Visualizar

Cachoeira do Tarumãzinho

Cachoeira do Tarumãzinho, área de lazer que existiu entre as décadas de 1970 e 1990, com suas águas limpas, que serviam para o lazer das famílias manauaras. Atualmente, o cenário é de abandono e degradação da natureza. Acervo: Museu Amazônico.

Visualizar

Academia Amazonense de Letras

Prédio da Academia Amazonense de Letras, localizada na rua Ramos Ferreira, n. 1009, Centro. Foi fundada em 1º de janeiro de 1918 pelo governador do Amazonas, Pedro de Alcântara Bacellar, que muito contribuiu para a cultura e as letras no Amazonas. Acervo: Museu Amazônico

Visualizar

Prédio da Casa do Estudante

Prédio da Casa do Estudante do Amazonas, localizado na rua Barroso, n. 267, Centro. O prédio foi cedido, em 1947, para abrigar a União dos Estudantes do Amazonas (UEA), e somente a partir de 1949 passou a abrigar alunos oriundos do interior do Amazonas, de outros Estados e até de outros países. No prédio também existe um restaurante que serve aos estudantes. Acervo: Museu Amazônico.

Visualizar

Casa Carmem Miranda

Casa “Carmem Miranda” que pertenceu ao comerciante de origem portuguesa senhor Emídio Barbosa, localizada na avenida Joaquim Nabuco, centro de Manaus. Acervo: Museu Amazônico.

Visualizar

Escola João de Deus

Fachada da Escola Primária João de Deus, com seus alunos professores. Esta escola particular foi criada pelo Luso Sporting Club, em 1918. Acervo: Museu Amazônico.

Visualizar

Avenida Nhamundá (3)

Obras de infraestrutura na avenida Nhamundá, bairro Praça 14 de Janeiro, zona Sul de Manaus. À esquerda, vê-se a Companhia Amazonense de Saponificação (COMASA), fábrica de sabões e sabonetes, 1972. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Conjunto Ponta Negra

Asfaltamento das ruas do Conjunto Residencial Ponta Negra, 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Praia Dourada (3)

Vista da praia Dourada, um dos mais antigos balneários de Manaus, 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Ponte do Educandos (5)

Construção da Ponte Antônio Plácido de Souza, com suas armações estruturais. Ao fundo, as palafitas do bairro Educandos, e, no canto superior direito, a igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro com suas duas torres. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Ponte do Educandos (4)

Vista da construção da Ponte Antônio Plácido de Souza sobre o igarapé do Educandos. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Rua dos Barés

Trecho da rua dos Barés, Centro de Manaus, uma das mais antigas da capital e que mantém seu nome original até os dias atuais. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

UTAM (2)

Trecho da avenida Darcy Vargas, recebendo a obra de conclusão da via, na administração municipal de Frank Lima, 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Estrada do Japiim

Trecho da Estrada do Japiim, em 1973. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Avenida Carvalho Leal (3)

Prefeito Frank Lima em visita às obras da avenida Carvalho Leal, em Cachoeirinha, zona Sul de Manaus. Trecho entre a avenida Costa e Silva (atual Silves), abaixo, e a rua General Canrobert, acima, 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Praia Dourada em 1974

Imagem antiga da Praia Dourada, com dois garotos correndo. Um recanto bonito onde as famílias iam para se banhar e sentir a brisa acolhedora que vem do rio, em 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Campus Universitário

Vista da entrada do campus universitário da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), sendo preparada para receber os serviços de asfaltamento da pista, em 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Ponte do Educandos (3)

Vista da construção da Ponte Antônio Plácido de Souza, obra de arte que interliga os bairros Educandos e Centro, 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Conjunto Isaias Vieiralves

Em outubro de 1974, a Prefeitura de Manaus realizou serviços de terraplanagem no residencial “Isaias Vieiralves”, localizado no bairro Nossa Senhora das Graças, zona Centro-Sul da cidade. Atualmente, é denominado apenas Vieiralves. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Ponte do Educandos (2)

O prefeito de Manaus, Frank Lima, o governador João Walter e o presidente do Banco do Estado do Amazonas (BEA), José Varela, em visita às obras de construção da Ponte Antônio Plácido de Souza, 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Mercado Senador Cunha Mello

Descerramento da placa de inauguração da reforma do Mercado Municipal Senador Cunha Mello, à avenida Constantino Nery, Centro, 1973. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Bairro Santo Antônio

Em 1974, a Prefeitura de Manaus realizou o asfaltamento da rua São José, no bairro Santo Antônio, zona Oeste da cidade. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Rua Jonathas Pedrosa

Trecho da rua Jonathas Pedrosa, entre a rua Japurá e o Boulevard Álvaro Maia. Na administração municipal de Frank Lima, a “Jonathas” recebeu terraplanagem, drenagem, meio fio e sarjetas, em 1973. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Ponte do Mindu (2)

Trabalho executado pela Prefeitura de Manaus para a conclusão da segunda Ponte do Mindu, localizada próximo a Universidade de Tecnologia da Amazônia (UTAM), em 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Rua Codajás (2)

Vista da rua Codajás, sendo preparada para receber asfalto e infraestrutura, em 1973. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Avenidas Eduardo Ribeiro e Sete de Setembro

Vista do cruzamento das avenidas Eduardo Ribeiro e Sete de Setembro, Centro de Manaus, 1973. À direita, o prédio comercial da antiga Lojas Brasileiras (Lobras), atualmente Loja Marisa. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Bairro Parque 10

Aspecto de uma área do Conjunto Residencial Castelo Branco, no bairro Parque 10 de Novembro, zona Centro-Sul de Manaus, 1973. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Boulevard Amazonas (2)

Recuperação dos jardins do Boulevard Amazonas realizada na administração municipal de Frank Lima, em 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Ponte do Educandos (1)

Vista aérea da construção da ponte Padre Antônio Plácido de Souza, que liga o bairro Educandos (à direita) ao Centro (à esquerda). No canto superior esquerdo, as pontes Romana I e Romana II. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Boulevard Amazonas (1)

Preparação do Boulevard Amazonas para receber nova camada de asfalto. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Avenida Carvalho Leal (2)

Recuperação e alargamento da avenida Carvalho Leal, bairro Cachoeirinha, obra do prefeito Frank Lima, 1974. O muro branco, à esquerda, pertence ao Hospital Militar de Área de Manaus. Ao fundo, à direita, a Escola Estadual Euclides da Cunha. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Rua Codajás (1)

Visita do prefeito Frank Lima à rua Codajás, bairro Cachoeirinha, 1973. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Avenida Carvalho Leal (1)

Placa que marca a reforma da avenida Carvalho Leal, bairro Cachoeirinha, ocorrida no ano de 1974. Esta obra fazia parte do Plano de Desenvolvimento Local Integrado de Manaus (PDLI). Em destaque, o então prefeito Frank Lima. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Clube Municipal

Entrada do Clube Municipal, com enfeites carnavalescos, 1973. Localizado na avenida Torquato Tapajós, bairro da Paz, o Clube Municipal foi criado na década de 1960, destinado a uso dos funcionários da Prefeitura Municipal de Manaus. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Ponte do Mindu (1)

Reforma da segunda Ponte do Mindu, na avenida Darcy Vargas, obra realizada em 1974 pelo prefeito Frank Lima. Construída na década de 1950, esta ponte ficou com 9,80 metros de largura após essa reforma executada pela empresa Conterra. Destaque para o antigo Anfiteatro do Parque 10, ao fundo, à esquerda. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Rua Ruy Barbosa

Trecho da rua Ruy Barbosa, no Centro de Manaus, esquina com a rua Henrique Martins. À direita, parte do gradil dos fundos do Colégio Amazonense Dom Pedro II. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Avenida Nhamundá (2)

Caminhões da Prefeitura de Manaus em trabalho de preparo do asfaltamento e urbanização da avenida Nhamundá, na Praça 14 de Janeiro, reforma de 1973. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Avenida Nhamundá (1)

Registro das obras da Prefeitura de Manaus na avenida Nhamundá, bairro Praça 14 de Janeiro, em 1972. À esquerda, a empresa COMASA, que fabricava sabões e sabonetes. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Praia da Ponta Negra (3)

Parte do balneário da Ponta Negra, na Manaus de 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Praia Dourada (1)

Praia particular, banhada pelo igarapé do Tarumã e pelo rio Negro, localizada no km 9 da Estrada do Tarumã, em Manaus. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

UTAM (1)

Registro fotográfico do prefeito de Manaus, Frank Lima, na construção da Universidade de Tecnologia da Amazônia (UTAM), localizada na avenida Darcy Vargas. O projeto foi resultado da demanda insuficiente de profissionais na região para atender as fábricas do Distrito Industrial de Manaus. A UTAM foi criada a partir do Decreto Estadual nº 2.540, de 18 de janeiro de 1973. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Praia da Ponta Negra (2)

Um comércio em um trecho da praia da Ponta Negra, zona Oeste de Manaus, com o magnífico rio Negro ao fundo, 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Praia da Ponta Negra (1)

Quiosque com suas mesas e cadeiras montadas às margens do rio Negro, na área das futuras instalações do Hotel Tropical, praia da Ponta Negra, zona Oeste de Manaus, em 1974. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Sorveteria Pinguim

Estudantes em frente à famosa sorveteria Pinguim, localizada na Praça do Congresso, Centro de Manaus, em 1973. Destaque para a lixeira, em formato de taça, com o logo da Prefeitura Municipal de Manaus. Acervo: Frank Abrahim Lima.

Visualizar

Cartão-Postal do Teatro Amazonas

Cartão-postal do Teatro Amazonas. Ao centro, pessoas a passeio com seus trajes da época. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Cartão-Postal do Instituto Benjamin Constant

Cartão-postal do Instituto Benjamin Constant, que, em 1884, recebeu a denominação de Asilo Orfanológico Elisa Souto, em homenagem à esposa do presidente da província do Amazonas, Teodureto Souto. Foi criado para oferecer ensinos básicos a meninas pobres e órfãs. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Cartão-Postal da Avenida Eduardo Ribeiro

Cartão-postal, em preto e branco, da avenida Eduardo Ribeiro. Ao centro da avenida, nota-se a divisão do tráfego entre automóveis, bonde e transeuntes. Acima dos trilhos, um emaranhado de fios elétricos dos bondes corta o céu da avenida. Ao fundo, o Teatro Amazonas, no alto à direita. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Cartão-Postal do Mercado Adolpho Lisboa

Cartão-postal da fachada do Mercado Municipal Adolpho Lisboa com seus pavilhões de carnes e peixes. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Fundos do Mercado Adolpho Lisboa

Fundos do Mercado Municipal Adolpho Lisboa, construído em 1880 com materiais importados da Europa. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Praça da Matriz (2)

Vista da Praça da Matriz com seus belos jardins e o Relógio Municipal, à direita. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Igreja da Matriz (3)

Vista aérea do Centro de Manaus. À direita, a Matriz de Nossa Senhora da Conceição com seus jardins e o antigo Aviaquário. Mais abaixo, destaque para a estação de ônibus ainda sem as paradas cobertas de hoje. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Prédio da Alfândega

Vista do prédio da Alfândega, e, no canto esquerdo, as casas antigas que deram lugar ao prédio do Ministério da Fazenda. Acervo: Museu da Imagem e do Som – MISAM.

Visualizar

Igreja da Matriz (2)

Matriz de Nossa Senhora da Conceição, com seus jardins e sem as grades que os cercam atualmente. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Igreja da Matriz

Matriz de Nossa Senhora de Conceição, vista a partir do extinto Jardim Jaú, na antiga Estação dos Bondes. No centro, à esquerda, o monumento ao barão de Sant’Anna Nery. À direita, o chamado “Tabuleiro da Baiana”, abrigo onde os passageiros aguardavam os bondes, cujo nome se deve ao seu formato lembrar as mesinhas que as baianas utilizavam para vender suas guloseimas. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Teatro da Instalação

Teatro da Instalação, localizado na rua de mesmo nome, contíguo ao local onde foi assinado o Auto de Instalação da então Província do Amazonas, daí os nomes da rua e do teatro. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Casa Vinte e Dois Paulista

Prédio da Casa Vinte e Dois Paulista, construído no final do século XIX, localizado nas esquinas da rua da Instalação com avenida Sete de Setembro, Centro de Manaus. Acervo: Museu da Imagem e do Som (MISAM).

Visualizar

Comício na Praça 14 (3)

Campanha eleitoral da ARENA com a presença do presidente da República, João Baptista Figueiredo. Henoch Reis ao microfone e, à sua esquerda, os senhores João Braga, Raimundo Parente e José Maria Monteiro. Ao fundo, Eunice Michiles e, à direita de Figueiredo, os senhores José Lindoso e Vivaldo Frota. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (3)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13046″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (2)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13042″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (1)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13038″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Vista aérea do Teatro Amazonas

Vista aérea do Teatro Amazonas. No canto superior esquerdo, o Colégio Dom Bosco, e no inferior esquerdo, a Praça São Sebastião. No centro, à direita, a Igreja de São Sebastião com sua única torre. E, ao fundo, o rio Negro. Acervo: Luís Costa.

Visualizar

Maternidade Balbina Mestrinho

Prédio da Maternidade Balbina Mestrinho, localizado na avenida Duque de Caxias, bairro Praça 14 de Janeiro. O nome é uma homenagem à genitora do ex-governador Gilberto Mestrinho. Acervo: Luís Costa.

Visualizar

Comício do Gilberto Mestrinho e Amazonino Mendes

Da esquerda para a direita: Manoel Ribeiro, Gilberto Mestrinho, Amazonino Mendes, Vivaldo Frota e Eduardo Braga. Acervo: Luís Costa.

Visualizar

João Pedro e Gilberto Mestrinho

O saudoso governador Gilberto Mestrinho ao lado do então deputado estadual João Pedro. Acervo: Luís Costa.

Visualizar

Gilberto Mestrinho

Gilberto Mestrinho, segurando o timão, símbolo utilizado por ele por toda sua vida política, que simbolizava o seu slogan “Rumo Certo com Gilberto”. Acervo: Luís Costa.

Visualizar

Grupo Escolar Senador Cunha Mello

Prédio do Grupo Escolar Senador Cunha Mello, no bairro Raiz, zona Sul de Manaus.
Acervo: Luís Costa.

Visualizar

Grupo Escolar 1º de Maio

Grupo Escolar Primeiro de Maio, inaugurado em 1960 pelo governador Gilberto Mestrinho (PTB) e cuja denominação é uma homenagem ao Dia do Trabalhador. Funcionava na rua Duque de Caxias, no bairro Praça 14 de Janeiro, zona Sul de Manaus. Acervo: Luís Costa.

Visualizar

Rua Barão de São Domingos

Vista da rua Barão de São Domingos com suas casas comerciais. Ao fundo, um dos pavilhões do Mercado Adolpho Lisboa, localizado na travessa Tabelião Lessa. Acervo: Silvino Santos.

Visualizar

Casa Genaro

Prédio onde funcionou a Casa Genaro, construção de 1947. Acervo: Silvino Santos.

Visualizar

Armazéns Rosas

Prédio do Armazéns Rosas, na avenida Eduardo Ribeiro, no mesmo quarteirão da antiga agência dos Correios e da Praça da Matriz e que pertencia a J. G. de Araújo, grande comerciante de Manaus. O Armazéns Rosas foi acometido de um sinistro em 28 de setembro de 1990, que incendiou dezenas de estabelecimentos e deixou muitos prejuízos aos lojistas. Acervo: Silvino Santos.

Visualizar

Enchente de 1953 em Manaus (2)

Foto captada dos jardins da Praça da Matriz que foi parcialmente invadida pelas águas do rio Negro. À esquerda, a entrada do extinto Aviaquário Municipal, inaugurado na década de 1930. Foto: Silvino Santos.

Visualizar

Enchente de 1953 em Manaus (1)

Vista da rua Floriano Peixoto, completamente alagada pela cheia do rio Negro, em 1953, com as pontes de madeira construídas para a população transitar. À esquerda, temos o gradil de ferro da Praça da Matriz. A água invadiu os prédios da Alfândega, da praça e dos estabelecimentos comerciais localizados na referida rua e adjacências. Foto: Silvino Santos.

Visualizar

Luso Sporting Club do Amazonas

Fachada do prédio do Luso Sporting Club do Amazonas, criado em 1º de maio de 1912 e localizado na rua Monsenhor Coutinho, Centro. Na foto estão os alunos da Escola João de Deus, subsidiada pela agremiação sociodesportiva e cultural e frequentada pelos filhos dos associados. Foto: Silvino Santos.

Visualizar

Booth Line

Antiga Estação dos Bondes, na avenida Floriano Peixoto, esquina com rua Tamandaré, Centro. O prédio em destaque era onde funcionava a empresa Booth Line, atualmente abandonada, restando apenas sua fachada. À esquerda, um jardim que, nos anos 1920, ganhou o nome de Jaú. À direita, o Bar e Restaurante Bolsa Universal. Foto: Silvino Santos.

Visualizar

Quartel da Força Federal

Prédio onde funcionava o Quartel da Força Federal na cidade de Manaus. Foto: Silvino Santos.

Visualizar

Intendência Municipal e Tesouro do Estado

Antigo prédio onde funcionava a Intendência Municipal. Ao lado, o prédio da Recebedoria do Tesouro do Estado, localizado na antiga rua do Tesouro (atual travessa Vivaldo Lima), Centro. Por alguns anos, aí funcionou a antiga sede da Secretaria de Estado da Fazenda do Amazonas (Sefaz-AM). Foto: Silvino Santos.

Visualizar

Porto da cidade de Manaus

Vista da ponte flutuante do Porto de Manaus. Acervo: Centro Cultural Povos da Amazônia/ Álbum Renato Araújo.

Visualizar

Cais do Porto de Manaus

População aguardando a embarcação atracar no Porto de Manaus. Acervo: Centro Cultural Povos da Amazônia/ Álbum Renato Araújo.

Visualizar

Cervejaria Miranda Corrêa

Cervejaria Miranda Corrêa, à esquerda, no bairro de Aparecida, margeando o igarapé de São Raimundo. Acervo: Centro Cultural Povos da Amazônia/ Álbum Renato Araújo.

Visualizar

Hospital Beneficente Portuguesa

Hospital Beneficente Portuguesa do Amazonas, instalado à avenida Joaquim Nabuco, esquina com rua Dez de Julho, Centro. A imagem nos remete à época em que Manaus ainda utilizava as singelas charretes como meio de transporte. Acervo: Centro Cultural Povos da Amazônia/ Álbum Renato Araújo.

Visualizar

Teatro Amazonas (7)

O centenário e imponente Teatro Amazonas, inaugurado em 1896, no governo de Fileto Pires. Destaque para o bonde, à esquerda, trafegando pela rua Dez de Julho. Acervo: Centro Cultural Povos da Amazônia/ Álbum Renato Araújo.

Visualizar

Palácio Rio Negro (6)

Vista da avenida Sete de Setembro. Ao centro, o Palácio Rio Negro e, no canto superior esquerdo, o antigo igarapé Bittencourt, onde hoje existe o Parque Jefferson Péres, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Palácio Rio Negro (4)

Vista da avenida Major Gabriel, esquina com a avenida Sete de Setembro. Atrás, o igarapé Bittencourt, desaguando no rio Negro, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Zona Sul de Manaus

Foto aérea dos primeiros bairros que compõem a Zona Sul de Manaus. Ao centro, área onde funcionaram várias serrarias, às margens dos igarapés do Quarenta e Educandos. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Visita de Magalhães Pinto

O governador de Minas Gerais, Magalhães Pinto, mais Danilo Areosa, Isaac Sabá e o general Rodrigo Otávio, na saída do Aeroporto Ponta Pelada. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Terrenos do Distrito Industrial

Vista aérea dos terrenos destinados às primeiras fábricas do Distrito Industrial, início da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Teatro Amazonas (6)

Vista aérea da cúpula do Teatro Amazonas e da torre da Igreja de São Sebastião, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Teatro Amazonas (5)

Vista aérea do Teatro Amazonas. À esquerda, a avenida Eduardo Ribeiro e o IEA. À direita, o Largo de São Sebastião, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Teatro Amazonas (4)

Imagem captada do Teatro Amazonas, com destaque para o monumento construído pelo artista Domenico de Angelis em homenagem à abertura dos portos do rio Amazonas à navegação estrangeira. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (3)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13046″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (2)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13042″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (1)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13038″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Suframa

Vista aérea do Distrito Industrial. Abaixo, a sede da Suframa e, à direita, o bairro Japiim, início da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Secretaria de Saúde

Prédio onde funcionou a Secretaria de Saúde, localizada, à época, na Praça Antônio Bittencourt (do Congresso), década de 1950. Atualmente, é sede de uma agência dos Correios. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Rotatória do Coroado

Vista aérea da rotatória do Coroado, conectando as suas quatro vias, as atuais avenidas General Rodrigo Otávio (ao norte); André Araújo (a oeste); Cosme Ferreira (a leste), e Efigênio Salles (ao sul). Destaque para as instalações do INPA. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Rotatória do Boulevard

Vista aérea da rotatória do Boulevard Álvaro Maia. Acima, o início da avenida Constantino Nery e, à esquerda, a via de acesso aos bairros Glória e São Raimundo, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Reservatório da Castelhana

Foto aérea do Boulevard Álvaro Maia. Ao centro, o reservatório de água da Castelhana, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente João Figueiredo

Homenagem da Assembleia Legislativa do Amazonas ao presidente do Brasil, João Baptista de Oliveira Figueiredo, com a presença de José Lindoso, Henoch Reis, Zé Belo e Raimundo Parente. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Costa e Silva (4)

Comitiva do presidente Costa e Silva em visita a Manaus. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Costa e Silva (3)

Presidente Costa e Silva é recebido no Centro de Instrução de Guerra na Selva (CIGS), ao lado do governador Danilo Matos de Areosa. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Costa e Silva (2)

Coronel Jorge Teixeira, em conversa com o diretor do DERAM, coronel Araújo, na chegada da comitiva do presidente Costa e Silva, no Aeroporto Ponta Pelada. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Costa e Silva (1)

Imagens da chegada da comitiva do presidente Costa e Silva ao Aeroporto Ponta Pelada, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Castelo Branco (8)

Inauguração da Telamazon, na avenida Getúlio Vargas, Centro, com as presenças do presidente Castelo Branco, Arthur Reis e Ney Santos. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Castelo Branco (7)

Presidente Castelo Branco acompanhado de Arthur Reis, em visita ao Laboratório de Pesquisa do DERAM, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Castelo Branco (6)

Presidente Castelo Branco em visita ao Departamento de Estradas de Rodagem do Amazonas (DERAM), década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Palácio Rio Negro (3)

Visão ampla do Palácio Rio Negro. No lado esquerdo, a rua Jonathas Pedrosa, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Castelo Branco (5)

Presidente da República, Humberto de Alencar Castelo Branco, acompanhado do seu futuro sucessor, o general Ernesto Geisel, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Castelo Branco (4)

O presidente Humberto de Alencar Castelo Branco cumprimenta a senhora Lourdes Archer Pinto, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Monumento de Nossa Senhora da Conceição

Vista da avenida Eduardo Ribeiro, a partir da Praça do Congresso, com destaque, ao centro, para o monumento em homenagem à Nossa Senhora da Conceição. No canto superior esquerdo, o Palácio Miranda Corrêa e o Teatro Amazonas, no canto superior direito, o Ideal Clube. E ao fundo, o Hotel Amazonas. Início da década de 1950.Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Danilo Areosa no Hotel Amazonas

Almoço realizado no Hotel Amazonas com as presenças de Danilo Areosa, dona Violeta Areosa, Márcio Areosa, Leopoldo Peres e Vinícius Conrado. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Mercado Adolpho Lisboa (2)

Vista ampla do Mercado Municipal Adolpho Lisboa e adjacências, foto tirada durante o período de seca do rio Negro, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Construção do Distrito Industrial

Vista aérea do começo da construção do Distrito Industrial, no início da década de 1970. Ao centro, a Refinaria Isaac Sabbá, às margens do rio Negro. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Castelo Branco (3)

Inauguração do Laboratório de Pesquisas do DERAM, com Arthur Reis e o presidente Castelo Branco, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Matadouro Público

Bairro Glória, visto do alto, com destaque para o Matadouro Público Municipal de Manaus. Acima, o antigo campo do antigo Estádio da Colina, atual “Ismael Benigno”, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Janauarilândia

Vista aérea do Hotel Flutuante Janauarilândia, pertencente às empresas Selvatur e Hotel Amazonas, da família Vasquez, nos arredores do rio Negro, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Construção da infraestrutura do Distrito Industrial

Série de fotos do início da construção da infraestrutura do Distrito Industrial, começo da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

INPA

Vista aérea do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e o início da formação do bairro Coroado, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Castelo Branco (2)

Presidente Castelo Branco recebe das mãos de Arthur Reis, na Assembleia Legislativa do Amazonas, o título de “Cidadão do Amazonas”, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Companhia Industrial Amazonense – CIA

Foto aérea da construção da primeira fábrica do Distrito Industrial, a Companhia Industrial Amazonense (CIA), para a produção de estanho, início de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Ilha do Caxangá

Vista aérea da extinta Ilha do Caxangá. Ao centro, o Estaleiro São João e, mais acima, o prédio da antiga Fábrica Brasil Hévea, de J. G. Araújo. No canto superior esquerdo, a rua Cândido Mariano, o Patronato Santa Therezinha e a Ponte Benjamin Constant. Ao fundo, as pontes Ephigênio de Salles (a menor) e Juscelino Kubitschek. Abaixo, à esquerda, as esquinas das ruas Lima Bacuri e Izabel, no Centro, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Presidente Castelo Branco (1)

Visita a Manaus do presidente Castelo Branco, em passeio de carro com o governador Arthur César Ferreira Reis, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Comício na Praça 14 (2)

Campanha de João Bosco Ramos de Lima (ao microfone) para o Senado, em 1978, no bairro Praça 14 de Janeiro. À sua esquerda, o jornalista Clodoaldo Guerra (de óculos e camisa branca) e Átila Lins (camisa quadriculada). À direita, pela ordem, os senhores Raimundo Parente, Djalma Passos e José Belo Ferreira. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Prefeito Paulo Pinto Nery

Vista da inauguração de uma rua de Manaus, com as presenças de Jorge Teixeira, Luís Costa, Henoch Reis e Paulo Pinto Nery, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Igreja de São Raimundo Nonato

Vista do igarapé de São Raimundo. Acima, a igreja do bairro. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Getúlio Vargas em visita a Brasiljuta

Presidente Getúlio Vargas em visita à Brasiljuta. Ao lado, os srs. Adalberto Vale, J. Soares e Antônio Diniz, década de 1950. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Comício na Praça 14 (1)

Comício realizado no bairro Praça 14 de Janeiro, com as presenças dos senhores João Bosco Ramos de Lima, governador José Lindoso, Átila Lins (ao microfone) e Djalma Passos, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Colégio Castelo Branco (2)

Cerimônia de inauguração do Colégio Castelo Branco, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Colégio Castelo Branco (1)

Inauguração do Colégio Castelo Branco com a presença do presidente Artur da Costa e Silva e do governador Danilo Areosa, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Fábricas do Distrito Industrial de Manaus

Foto aérea dos galpões das primeiras fábricas do Distrito Industrial, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Estrada da Ponta Negra

Vista aérea de parte do bairro São Jorge. Ao centro, o entroncamento da antiga Estrada da Ponta Negra (hoje, avenida Coronel Teixeira) com a avenida Pedro Teixeira. Ao fundo, à direita, a Vila Militar de Sargentos e Subtenentes do Exército e o Conjunto Cophasa. À esquerda, o atual Parque Regional de Manutenção, da 12ª Região Militar, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Colégio Amazonense D. Pedro II (3)

Imagem aérea do Centro de Manaus. Em destaque, o Colégio Amazonense Dom Pedro II e a Praça Heliodoro Balbi (da Polícia), localizados entre as avenidas Sete de Setembro e Getúlio Vargas, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Cidade Flutuante (3)

Extinta “Cidade Flutuante”, construída sobre troncos de madeira, no rio Negro, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Cidade Flutuante (2)

Casas da extinta “Cidade Flutuante”, localizada na frente da cidade de Manaus, sobre o rio Negro, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Prédio sede da Suframa

Vista aérea da construção do prédio-sede da Suframa, início da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Cidade Flutuante (1)

Imagem aérea do igarapé de São Raimundo, desaguando no rio Negro. À direita, destaque para o bairro de mesmo nome. No canto inferior esquerdo, uma parte da “Cidade Flutuante”, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Praça da Saudade (4)

Vista aérea da Praça da Saudade, com o Atlético Rio Negro Clube no canto inferior direito, década de 1950. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Cervejaria Miranda Corrêa (2)

Cervejaria Miranda Corrêa, igarapé de São Raimundo, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Porto de Manaus (4)

Vista do Porto da Cidade. No canto inferior esquerdo, as ruas Marcílio Dias, Guilherme Moreira e Marechal Deodoro, cortando a avenida Sete de Setembro, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Cervejaria Miranda Corrêa (1)

Vista aérea da cidade de Manaus. Ao centro, o prédio da Cervejaria Miranda Corrêa. À direita, destaque para o Porto de Manaus e, à esquerda, o bairro de São Raimundo, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Centro da cidade de Manaus (8)

Vista de parte do Centro de Manaus. No centro da imagem, destaque para o Hotel Amazonas. Acima, embarcações ancoradas no Porto da cidade e, abaixo, o início da avenida Floriano Peixoto, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Porto de Manaus (3)

Vista do Porto de Manaus e da Matriz de Nossa Senhora da Conceição. Atrás, uma Manaus em crescimento geográfico e desenvolvimento populacional, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Centro da cidade de Manaus (7)

Vista parcial da cidade. À direita, os colégios Militar e Dom Bosco e, no centro da imagem, o majestoso Teatro Amazonas, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Centro da cidade de Manaus (6)

Imagem que revela, à esquerda, parte da avenida Getúlio Vargas e, ao centro, o Teatro Amazonas, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Centro da cidade de Manaus (5)

Parte da paisagem do Centro de Manaus. Abaixo, a avenida Getúlio Vargas e, ao centro, destaque para o Teatro Amazonas e o Palácio da Justiça. À direita, o Instituto de Educação do Amazonas (IEA), década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Centro da cidade de Manaus (4)

Fotografia de parte do Centro da cidade de Manaus. À direita, a avenida Eduardo Ribeiro e o Teatro Amazonas. Ao centro, a Igreja e o Largo de São Sebastião. Acima, o Colégio Amazonense Dom Pedro II e a Praça da Polícia e, à esquerda, a avenida Getúlio Vargas, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Centro da cidade de Manaus (3)

Visão panorâmica do Centro de Manaus. À direita, destaque para a Praça da Saudade, entre a avenida Epaminondas e a rua Ferreira Pena. Ao centro, o Instituto de Educação do Amazonas (IEA) e, acima, o Porto de Manaus, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Pontes Presidente Dutra e da Conciliação (2)

Vista aérea das pontes Presidente Dutra e da Conciliação, com destaque para a avenida Presidente Dutra no canto inferior esquerdo, década de 1980. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Centro da cidade de Manaus (2)

Imagem aérea do Centro de Manaus. À esquerda, a cúpula do Teatro Amazonas; à direita, o Palácio da Justiça e, acima, o rio Negro. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

As pontes do São Jorge: Lopes Braga e Joana Galante (2) – IDD

Vista aérea das Pontes do São Jorge, sobre o igarapé da Cachoeira Grande, na Zona Oeste de Manaus, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Ponte de Educandos (2)

Vista aérea da construção da ponte do bairro Educandos, denominada Padre Antônio Plácido de Souza, início da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Centro da cidade de Manaus (1)

Vista aérea do Centro da cidade de Manaus. Ao fundo, o Teatro Amazonas, entre o Palácio da Justiça e a torre da Igreja de São Sebastião, década de 1950. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (8)

Embarcações regionais navegam pelo igarapé do Mestre Chico. Acima, a Ponte Benjamin Constant, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Carvalho Leal

João Walter e Carvalho Leal visitam obras em Manaus, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Estádio Vivaldo Lima

Imagem da cidade, com destaque para o antigo Estádio Vivaldo Lima, atual Arena da Amazônia. À esquerda, as avenidas Constantino Nery, Recife (atual Mário Ypiranga) e Djalma Batista, ainda em processo de construção. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (7)

Ponte Benjamin Constant. Ao centro, na parte inferior, a rua General Glicério, em Cachoeirinha, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Cadeia Pública

Vista aérea da Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa. Acima, o Patronato Santa Teresinha e, à direita, a ponte metálica Benjamin Constant, na avenida Sete de Setembro, década de 1980. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (6)

Vista aérea do igarapé do Mestre Chico. No canto superior esquerdo, as pontes Ephigênio de Salles e Juscelino Kubitschek, que ligam o bairro Cachoeirinha ao Educandos, década de 1960.
Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Estaleiro São João (2)

Foto aérea do Estaleiro São João, com acesso pela Travessa Caxangá. Acima, à esquerda, a rua Cândido Mariano, esquina com o final da rua Visconde de Porto Alegre, Centro. No canto superior direito, o prédio da antiga Fábrica Brasil Hévea, empresa de J. G. Araújo (atual supermercado Makro), década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Booth Line e IAPETEC

Prédio onde funcionava o escritório da empresa Booth Line, localizado no início da avenida Floriano Peixoto, no Centro da cidade. Ao fundo, destaque para o prédio do antigo IAPETEC, hoje, Instituto Nacional do Seguro Social, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Estaleiro São João (1)

Foto aérea do Estaleiro São João, localizado na Travessa do Caxangá. Ao fundo, à direita, ponta do bairro Educandos, com os galpões da Usina Steve Negron, do grupo CIEX Comércio, Indústria e Exportação, na rua Amâncio de Miranda, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (5)

Ponte Benjamin Constant sobre o igarapé do Mestre Chico. Acima, destaque para o Mercado Walter Rayol, década de 1960.
Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Bombeamento de água

Sistema de bombeamento de água da COSAMA, atual estação de tratamento, Complexo da Ponta do Ismael, no bairro Compensa. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Djalma Batista

Gilberto Freyre, escritor, ao lado do médico Djalma Batista, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Banco da Amazônia

Prédio do antigo Banco da Amazônia (BASA), década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Foto Distrito Industrial Marco de Redenção da Amazônia Ocidental

2ª Foto da faixa do Distrito Industrial Marco de Redenção da Amazônia Ocidental. série de fotos históricas do início da construção da infraestrutura do Distrito Industrial, começo da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Distrito Industrial marco de redenção da Amazônia Ocidental

Imagem da faixa com o escrito: Distrito Industrial Marco de Redenção da Amazônia Ocidental. Série de fotos do início da construção da infraestrutura do Distrito Industrial, começo da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Bairros Glória e São Raimundo

Visão panorâmica da cidade. Acima, o Centro, com destaque para o Porto de Manaus. Abaixo, os bairros Glória e São Raimundo, com destaque para a orla e o cemitério Santa Helena, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Placa de Implantação do Distrito Industrial

Série de fotos do início da construção da infraestrutura do Distrito Industrial, começo da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Bairro de São Raimundo (4)

Vista aérea do igarapé de São Raimundo. Destaque, à esquerda, para as pontes Presidente Dutra e da Conciliação, que interligam os bairros São Raimundo, Glória e Santo Antônio, década de 1980. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Imagem do lançamento do Distrito Industrial

Série de fotos do início da construção da infraestrutura do Distrito Industrial, começo da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Discurso de Cerimônia de inauguração do Distrito Industrial

Discurso de cerimônia de inauguração do Distrito Industrial, série de fotos do início da construção da infraestrutura do Distrito Industrial, começo da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (4)

Vista aérea da Ponte Benjamin Constant, localizada no final da avenida Sete de Setembro, ligando o Centro ao bairro Cachoeirinha. No canto superior esquerdo, a Cadeia Pública Raimundo Vidal Pessoa, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Bairro de São Raimundo (3)

Vista aérea das palafitas do igarapé de São Raimundo, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Cerimônia de Inauguração do Distrito Industrial

Série de fotos do início da construção da infraestrutura do Distrito Industrial, começo da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Cerimônia de Inauguração do Distrito Industrial de Manaus

Série de fotos do início da construção da infraestrutura do Distrito Industrial, começo da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Bairro de São Raimundo (2)

Vista do bairro e igarapé de São Raimundo. À esquerda, o prédio da Cervejaria Amazonense Miranda Corrêa e, à direita, a Igreja de São Raimundo e o campo do Sul América Esporte Clube, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Bairro Aparecida

Imagem aérea do bairro Aparecida. No canto superior direito, a Cervejaria Amazonense Miranda Corrêa, década de 1960.
Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Início da Construção do Distrito Industrial de Manaus

Série de fotos do início da construção da infraestrutura do Distrito Industrial, começo da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Avenida Sete de Setembro (2)

Vista do Cinema Guarany, na avenida Sete de Setembro. Ao centro, ônibus da extinta empresa de transportes Ana Cássia, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Distrito Industrial

Série de fotos do início da construção da infraestrutura do Distrito Industrial de Manaus, começo da década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Avenida Álvaro Maia

Vista aérea do Boulevard Álvaro Maia. Acima, destaque para o cruzamento das avenidas Álvaro Maia e Constantino Nery. No canto superior direito, o Olímpico Clube, década de 1970. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Arthur Reis

O governador do Amazonas, Arthur César Ferreira Reis, e sua primeira-dama, Graziela Reis, ao lado do brigadeiro Eduardo Gomes, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Arthur Reis e Castelo Branco

O governador Arthur César Ferreira Reis, recepcionando o presidente Castelo Branco em visita a Manaus, década de 1960. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Fachada do Dispensário Oswaldo Cruz

Fonte: Um Anno de Campanha. Departamento Nacional de Saúde Pública. Diretoria de Saneamento e Prophylaxia Rural, serviço no Estado do Amazonas. 1922.

Visualizar

Casa Dr. Fajardo

Fonte: Um Anno de Campanha. Departamento Nacional de Saúde Pública. Diretoria de Saneamento e Prophylaxia Rural, serviço no Estado do Amazonas. 1922.

Visualizar

Posto Belisário Penna

Fonte: Um Anno de Campanha. Departamento Nacional de Saúde Pública. Diretoria de Saneamento e Prophylaxia Rural, serviço no Estado do Amazonas. 1922.

Visualizar

Cine-Theatro Guarany (2)

Fachada do Cinema e Teatro Guarany da empresa Cinema Avenida Ltda. Fonte: Indicador de Manáos – 1940. Anno I. Número I.

Visualizar

Principais pontos de referência de Manaus

Fonte: Trabalho acadêmico “Manaus e seu comércio: 1930 aos dias atuais” – Aluísio Leal de Souza.

Visualizar

Antiga sede da Associação Comercial do Amazonas (ACA)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14341″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Fonte: Catálogo de produtos do Amazonas. 1934.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Prédios históricos da Manaus da década de 1930

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14335″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Fonte: Trabalho acadêmico “Manaus e seu comércio: 1930 aos dias atuais” – Aluísio Leal de Souza. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Antigo Matadouro Municipal em 1974

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14324″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Antigo edifício onde funcionou o matadouro (curro), margem direita do Igarapé de São Raimundo. Foto: Moacir Andrade. Fonte: Alguns aspectos da antropologia cultural do Amazonas – Moacir de Andrade. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Mercado Municipal

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14320″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Fachada principal do Mercado Municipal que faz frente para a rua dos Barés. Foto: Jornal Diário da Tarde. Fonte: Alguns aspectos da antropologia cultural do Amazonas – Moacir de Andrade. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Mercado Adolpho Lisboa em 1973

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14316″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Fachada do Pavilhão do mercado do Peixe – estilo inglês, importado na administração Adolfo Lisboa em 1906. Foto: Jornal Diário da Tarde. Fonte: Alguns aspectos da antropologia cultural do Amazonas – Moacir de Andrade. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Cachoeira do Tarumã em 1968

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14312″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Aspecto da depredação efetuadas sobre as árvores da cachoeira do Tarumã. Fonte: Alguns aspectos da antropologia cultural do Amazonas – Moacir de Andrade. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Bairro da Aparecida (Plano Inclinado)

Em primeiro plano, uma Serraria. Ao fundo a esquerda, a Usina de Luz, a direita, outra indústria de madeira e ao centro a Fábrica Miranda Correia.

Visualizar

Porto de catraias do Educandos

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14301″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Porto de catraias no bairro dos Educandos que por décadas serviu de ligação com o centro da cidade. Esta atividade desaparece nos anos de 1970. Fonte: Alguns aspectos da antropologia cultural do Amazonas – Moacir de Andrade. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Brasiljuta, pioneira no ramo de fiação e tecelagem de juta

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14297″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] O novo prédio da Brasiljuta na rua Presidente Kennedy na década de 1970. Fonte: Alguns aspectos da antropologia cultural do Amazonas – Moacir de Andrade. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Perfil urbanístico de São Raimundo

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14291″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Uma vista panorâmica do bairro de São Raimundo, note-se as casas de pescadores na orla do rio. Fonte: Alguns aspectos da antropologia cultural do Amazonas – Moacir de Andrade. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Educandos e a construção de sua igreja

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14287″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Casas de madeira cobertas com palha de buçu, bairro do Educandos. Ao fundo, a construção da Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. 1960. Foto: Moacir Andrade.  Fonte: Alguns aspectos da antropologia cultural do Amazonas – Moacir de Andrade. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Uma visão detalhada da av. Eduardo Ribeiro

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14281″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Praça do Congresso e Teatro Amazonas em 1960. Foto: Corrêa Lima. Fonte: Alguns aspectos da antropologia cultural do Amazonas – Moacir de Andrade. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Ponte de Educandos

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14273″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] “A Ponte de Educandos (atualmente Ponte Senador Fábio Lucena) liga um dos mais importantes bairros ao centro da cidade, diminuindo distâncias e até anulando os serviços de transportes coletivos que já não tem razão de existir no local.” Fonte: Revista 4 anos de administração de Jorge Teixeira, década de 1970. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Constantino com Boulevard

“Para organizar a circulação de veículos no eixo Boulevard Amazonas, Constantino Nery e São Raimundo a Prefeitura aboliu uma pequena praça em forma de bola e montou um novo sistema. Aqui termina o projeto de vias privadas de ônibus.” Fonte: Revista 4 anos de administração de Jorge Teixeira, década de 1970.

Visualizar

Praça Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14263″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Fonte: Revista 4 anos de administração de Jorge Teixeira, década de 1970.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Usina de Lixo na Compensa

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14256″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Fonte: Revista 4 anos de administração de Jorge Teixeira, década de 1970. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Praça da Saudade (3)

“No programa de humanização da cidade foram construídas Praças como a da ‘Saudade’ com marcos históricos da cidade e espaço para recreação e lazer do povo.”

Visualizar

Chafariz da Praça da Saudade

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14246″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Fonte: Revista 4 anos de administração de Jorge Teixeira, década de 1970.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Praça Heliodoro Balbi e antiga Praça Roosevelt

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14242″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Fonte: Revista 4 anos de administração de Jorge Teixeira, década de 1970. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Av. Constantino Nery e Boulevard Álvaro Maia

Fonte: Revista 4 anos de administração de Jorge Teixeira, década de 1970.

Visualizar

Jorge Teixeira e Henoch Reis

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14225″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] O prefeito Jorge Teixeira e governador Henoch Reis cordialmente se cumprimentando na década de 1970. Fonte: Revista 4 anos de administração de Jorge Teixeira. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Santa Casa de Misericórdia (2)

Foto: Gil. Revista da Associação Comercial do Amazonas (ACA) de 10 de fevereiro de 1930, número 170.

Visualizar

As primeiras residências construídas pela prefeitura

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14211″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Casas construídas pela prefeitura para residência de funcionários municipais. Revista da Associação Comercial do Amazonas (ACA) de 10 de novembro de 1932. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Praça Oswaldo Cruz (2)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14206″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Vendo-se, no primeiro plano à esquerda, um trecho remodelado da Avenida Eduardo Ribeiro; à direita, o Jardim Araújo Lima; ao fundo, em frente aos armazéns alfandegados, o Jardim Dr. Ajuricaba de Menezes; em último plano, o Jardim Jaú. Revista da Associação Comercial do Amazonas (ACA). [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Casa 22 Paulista

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14202″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Avenida 7 de setembro, com rua da Instalação e rua Henrique Antony. Revista da Associação Comercial do Amazonas (ACA). [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Carro especial da Santa Casa de Misericórdia

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14191″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] O novo carro funerário da Santa Casa de Misericórdia publicado na Revista da Associação Comercial do Amazonas (ACA), 1926. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Vista panorâmica do centro e do bairro Educandos

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13854″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Vista panorâmica do centro de Manaus

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13848″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Palácio Rio Negro e as Pontes Romanas

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13843″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Vista aérea das pontes Romanas I e II, com o Centro Cultural Palácio Rio negro (ao centro). Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Vista parcial dos bairros de Aparecida e São Raimundo

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13840″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Vista aérea parcial dos bairros de Aparecida e São Raimundo. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Matadouro Público Municipal de Manaus

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13837″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Vista aérea do antigo Matadouro Público Municipal de Manaus, bairro da Glória. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Avenida Boulevard Alvaro Maia

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13824″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Vista aérea da atual avenida Boulevard Alvaro Maia. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Balneário do Parque 10 de Novembro (2)

[vc_row][vc_column][vc_column_text]Vista aérea do antigo Balneário do bairro do Parque 10 de Novembro com destaque para atual avenida Mário Ypiranga. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Pontes de acesso ao bairro São Jorge

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13809″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Vista aérea das pontes engenheiro Lopes Braga e Joana Galante sobre o igarapé da Cachoeira Grande, que ligam o bairro São Jorge, zana oeste, ao São Geraldo, zona centro-sul. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Cidade Flutuante na década de 1960

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13804″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Vista aérea de parte da orla e centro de Manaus, com destaque para as casas flutuantes. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Vista aérea da avenida Getúlio Vargas

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13798″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Avenida Getúlio Vargas e, ao centro da foto, o Teatro Amazonas. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Avenida Floriano Peixoto e Porto de Manaus

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13792″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Vista aérea com destaque para avenida Floriano Peixoto. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Palácio Rio Negro e a Ponte Romana II

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13779″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Mercado Adolpho Lisboa e a Igreja do Remédios

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13768″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Vista aérea do Porto de Manaus com várias embarcações atracadas. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Jogo de inauguração do Estádio Vivaldo Lima

Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Rotatória onde hoje é a Bola do Eldorado

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13760″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Em destaque a Avenida Mário Ypiranga (antiga Recife). No canto inferior direito, o Conjunto Eldorado no Parque 10 de Novembro. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Fachada do Cine Guarany

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13756″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Edifício Iapetec e prédios da Booth Line

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13752″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Dirigível na atual Praça da Matriz

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13747″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Cruzamento das avenidas Coronel Teixeira e Turismo

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13742″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Bairro da Ponta Negra. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Balneário do Parque 10 de Novembro

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13736″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Vista do Balneário do Parque 10 de Novembro e o recém construído anfiteatro da Universidade de Tecnologia da Amazônia (UTAM). Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Arquibancadas do Parque Amazonense

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13730″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Dia de jogo no antigo Parque Amazonense. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Aeroporto Internacional Eduardo Gomes na década de 1970

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13723″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Eduardo Braga. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Solenidade da abertura da rodovia da integração BR-319 (6)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13241″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Imagem da Solenidade da abertura da BR 319, Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Solenidade da abertura da rodovia da integração BR-319 (5)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13237″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Solenidade da abertura da rodovia da integração BR-319 (4)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13233″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Solenidade da abertura da rodovia da integração BR-319 (3)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13224″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Solenidade da abertura da rodovia da integração BR-319 (2)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13220″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Solenidade da abertura da rodovia da integração BR-319 (1)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13107″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Primeiros galpões do Distrito Industrial (2)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13051″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (3)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13046″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (2)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13042″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Ponte Benjamin Constant (1)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”13038″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Obra na Avenida João Coelho, atual Constantino Nery (2)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”12919″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Palácio Rodoviário (2)

Palácio Rodoviário localizado no Bairro Cachoeirinha.

Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.

Visualizar

Rodoviária de Manaus (2)

O Terminal Rodoviário de Manaus, denominado Engenheiro Huascar Angelim, foi construído pela Prefeitura de Manaus e inaugurado em 1980. Localiza-se entre as avenidas Constantino Nery e Mário Ypiranga Monteiro (antiga Recife), na zona Oeste da cidade.

Visualizar

Rodoviária de Manaus

A construção da Rodoviária de Manaus fez parte do Plano de Desenvolvimento da Cidade, na gestão do prefeito José Fernandes. O objetivo foi acabar com o funcionamento improvisado do “miniterminal rodoviário” localizado na rua Nhamundá, bairro Praça 14 de Janeiro. A administração do Terminal Rodoviário é responsabilidade da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), antiga EMTU.

Visualizar

Vista aérea da construção da Sede do DER-AM

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”12860″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Construção do Departamento de estradas e rodagem do Amazonas. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Abertura, em 1981, da atual avenida Grande Circular (2)

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”12856″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Abertura, em 1981, da atual avenida Grande Circular

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”12852″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Acesso ao Puraquequara

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”12836″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Obra na Avenida João Coelho, atual Constantino Nery

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”12777″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Obra de conclusão da passagem lateral da Avenida João Coelho, atual Constantino Nery. Foto: Corrêa Lima. Acervo: Jorge Bastos de Oliveira/DER-AM. [/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Visualizar

Revista O Cruzeiro, 07 de julho de 1962

Reportagem da Revista O Cruzeiro de 1962, edição 39 com a matéria “A Cidade Flutuante: Regresso ao tempo das casas sobre água”.

Visualizar

Revista O Cruzeiro, 08 de junho de 1963

Reportagem da Revista O Cruzeiro de 1963, edição 35 que destaca aspectos da Cidade Flutuante com a matéria “A Veneza do Amazonas”.

Visualizar

Palácio Rodoviário

Prédio localizado no bairro da Cachoeirinha, onde funcionava o Departamento de Estradas e Rodagem do Estado do Amazonas, conhecido como Palácio Rodoviário. Atualmente no prédio funciona a Escola Superior de Ciências da Saúde da UEA.

Visualizar

Reforma da Ponte Benjamin Constant

Localizada na Avenida Sete Setembro, Manaus – AM. A reforma da ponte ocorreu na década de 60.

Visualizar

Primeiros galpões do Distrito Industrial

Foto aérea do início da urbanização do Distrito Industrial com os primeiros galpões das indústrias, década de 70.

Visualizar

Inauguração da BR-319

Inauguração da BR-319 (1973) que liga a cidade de Manaus a Porto Velho, evento que marca a interligação da cidade ao resto do país.

Visualizar

Primeiros veículos a virem a Manaus pela BR-319

Chegada a cidade de Manaus dos primeiros veículos a cruzarem a BR-319 em sua inauguração em 1973.

Visualizar

Revista O Cruzeiro, 07 de novembro de 1973

Reportagem da Revista O Cruzeiro de 1973, edição 45 que mostra a vista do Hotel Tropical, anunciando que seria um dos maiores do mundo.

Visualizar

Revista O Cruzeiro, 15 de setembro de 1971 (2)

Acompanhe a reportagem da Revista O Cruzeiro de 1971 que mostra a vista do Distrito Industrial da Zona Franca de Manaus.

Visualizar

Revista O Cruzeiro, 27 de janeiro de 1971

Reportagem da Revista O Cruzeiro de 1971, edição 04 que trata o Amazonas como o maior parque turístico natural da América e um dos maiores do mundo.

Visualizar

Revista O Cruzeiro, 15 de setembro de 1971

Acompanhe a reportagem especial da Revista O Cruzeiro de 15 de setembro de 1971 que trata da implantação da Zona Fraca de Manaus.

Visualizar

Imagem de satélite da cidade de Manaus

Imagem de satélite da cidade de Manaus. Fonte: Google Earth.

Visualizar

Cidade de Manaus na década de 1960

Imagem da cidade de Manaus. In: Levantamento aerofotogramétrico de Manaus. DNOS – 2º DFOS. Década de 1960. Acervo: Jucineide Araújo.

Visualizar

Cidade de Manaus na década de 1950

Vista da cidade de Manaus. Década de 1950. Acervo: Museu do Porto.

Visualizar

Planta da Cidade de Manáos de 1938

Planta da Cidade de Manáos de 1938.

Visualizar

Planta da Rede de Esgotos e Água Pluviais de Manáos

Planta da Rede de Esgotos e Águas Pluviais de Manáos, organizada por Argemiro Vidal Pessoa e Raymundo de Miranda Leão, em 1915.

Visualizar

Biblioteca Ambiental do Parque do Mindu (1)

Voltada para a temática do meio ambiente, essa Biblioteca foi criada, inicialmente, para atender a pesquisadores da área ambiental.

Visualizar

Cemitério Parque Manaus em construção

Tem-se como marco do início de suas atividades o ano de 1976, quando do enterramento da índia waimiri-atroari Raimunda Alexandre.

Visualizar

Monumento a Bruno de Menezes

Escultura do rosto de Bruno de Menezes, no monumento original instalado na praça Heliodoro Balbi. In: Revista Ocupação do Amazonas – Manaus ZF, 1969.

Visualizar

Plano de Manáos de 1913

Plano de Manáos de 1913. Planta nº 122 (dividida em duas partes). Acervo: Museu do Porto. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Planta de Manáos e Arrabaldes, levantada em 1906

Planta de Manáos e Arrabaldes, levantada em 1906. Acervo: Igha.

Visualizar

Planta da Cidade de Manáos, 1899

Planta da Cidade de Manáos. In: Album Descriptivo do Amazônico, 1899. Arthur Caccavoni.

Visualizar

Carta Cadastral da Cidade e Arrabaldes de Manáos

Carta Cadastral da Cidade e Arrabaldes de Manáos, levantada pelo engenheiro militar João Miguel Ribas em 1895.

Visualizar

Planta da Cidade de Manáos de 1879

Planta da Cidade de Manáos de 1879. Acervo: Biblioteca do Exército (Rio de Janeiro).

Visualizar

Planta de Manáos de 1856

Planta de Manáos de 1856. Acervo: Igha.

Visualizar

Planta da Cidade de Manáos

Planta da Cidade de Manáos datada de 1852. In: Um olhar pelo passado, 1897. Bento de Figueiredo Tenreiro Aranha.

Visualizar

Detalhe das Vilas de Manáos e Ega

Detalhe da Planta das Vilas de Manáos e Ega, levantada por Raphael Lopes Anjo, em 1845. Acervo: Biblioteca do Exército (RJ).

Visualizar

Planta da Cidade da Barra do Rio Negro

Planta da Cidade da Barra do Rio Negro, levantada por Raphael Lopes Anjo, em 1844. Acervo: Biblioteca do Exército (Rio de Janeiro).

Visualizar

Entrada do Cinemais

Entrada do Cinemais em 2009. Foto: Durango Duarte.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Entrada do Cinemark

Entrada do Cinemark em 2009. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Cinemas Amazonas na década de 1990

Entrada das salas 1, 2 e 3 dos Cinemas Amazonas. Década de 1990. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Cine Renato Aragão, em 2000

Vista da fachada principal do Cine Renato Aragão, em 2000. Acervo: Jornal do Commercio.

Visualizar

Cine Cantinflas na década de 1990

Detalhe da fachada principal do Cine Cantinflas. Década de 1990. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Detalhe da fachada do Cine Qva Non

Detalhe da fachada principal do Cine Qva Non. In: Jornal A Notícia, de 10 de maio de 1987.

Visualizar

Cine Carmen Miranda na década de 1980

Fachada principal do Cine Carmem Miranda. Década de 1980. Acervo: Jornal do Commercio.

Visualizar

Fila na entrada do Cine Grande Otelo

Fila na entrada do Cine Grande Otelo. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Fachada do Cine Chaplin na década de 1980

Fachada principal do Cine Chaplin. Década de 1980. Acervo: A Crítica

Visualizar

Detalhe da fachada do Cinema 2

Detalhe da fachada do Cinema 2, com cartazes dos filmes em exibição. In: Jornal do Commercio, de 04 de janeiro de 1987.

Visualizar

Cine Palace na década de 1970

Fachada principal do Cine Palace. Década de 1970. Acervo: Jornal do Commercio.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Cine Ipiranga na década de 1970

Fachada principal do Cine Ipiranga. Década de 1970. Acervo: Jornal do Commercio.

Visualizar

Fachada do Cine Ideal na década de 1970

Fachada principal do Cine Ideal. Década de 1970. Acervo: Jornal do Commercio.

Visualizar

Fachada do Cine Vitória

Fachada principal do Cine Vitória. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Cine Constantinópolis, depois Cine Rex

Fachada principal do Cine Constantinópolis, depois Cine Rex. In: O Jornal, [s. n.].

Visualizar

Fachada do Cinema Popular

Fachada do Cinema Popular. Acervo: Jornal do Commercio. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Fachada do Cine Rio Branco

Vista lateral da fachada do Cine Rio Branco. In: Album do Amazonas 1901-1902.

Visualizar

Fachada do Cinema Equitativa

Fachada principal do Cinema Equitativa. In: Álbum Vistas de Manaus, [s. n.].

Visualizar

Cine Veneza, com a fachada modificada

Cine Veneza, com a fachada principal modificada. Década de 1970. Acervo: Jornal do Commercio.

Visualizar

Cine Éden, ao lado, a casa de Silvino Santos

Vista do Cine Éden, com sua fachada original. À esquerda, a residência do cineasta Silvino Santos. Década de 1950. Foto: Coleção Silvino Santos.

Visualizar

Cine Odeon em 1973

Fachada do Cine Odeon. In: Jornal do Commercio, de 16 de maio de 1973.

Visualizar

Prédio em que funcionou o Cine Polytheama

Detalhe da fachada do prédio em que funcionou o Cine Polytheama. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Cine Polytheama

Esquinas das atuais avenidas Sete de Setembro e Getúlio Vargas, com vista da fachada do Cine Polytheama, à direita. Cartão-postal Livraria Acadêmica.

Visualizar

Cinema Avenida na década de 1970

Fachada principal do Cinema Avenida na década de 1970. Foto: Nonato Oliveira

Visualizar

Cinema Avenida na década de 1930

Fachada principal do Cinema Avenida, na década de 1930. Acervo: Joaquim Marinho.

Visualizar

Cinemas Guarany e Polytheama

Vista aérea do cruzamento das avenidas Sete de Setembro e Floriano Peixoto, onde se vê os prédios dos cinemas Guarany (1) e Polytheama (2).

Visualizar

Cine Guarany, década de 1970

Vista da fachada principal do Cine Guarany. Década de 1970. Foto: Nonato Oliveira.

Visualizar

Fachada Cine-Theatro Alcazar

Vista da fachada do então Cine-Theatro Alcazar. In: Jornal A Crítica, de 29 de novembro de 1999.

Visualizar

Cine-Theatro Guarany

Fachada do Cine-Theatro Guarany. Acervo: Otoni Mesquita.

Visualizar

Vista aérea do Tropical Hotel

Até 1990, o Tropical Hotel passou por duas ampliações e recebeu mais dois blocos. Dispõe, atualmente, de 594 Unidades Habitacionais e oferece 1.200 leitos.

Visualizar

Tropical Hotel na década de 1980

Com a presença de oitocentos convidados, inclusive o então presidente da República, Ernesto Geisel, esse hotel foi inaugurado no dia 26 de março de 1976.

Visualizar

Fachada do Tropical Hotel

Localizado na avenida Coronel Teixeira, no bairro Ponta Negra, o Tropical Hotel Manaus é um hotel resort e pertence à rede Tropical Hotels & Resorts Brasil.

Visualizar

Lord Hotel

O Lord Hotel foi fundado em 23 de novembro de 1959, por David e Maria Tadros, e sua construção foi financiada pelo antigo Banco do Estado do Amazonas – BEA.

Visualizar

Palace Hotel (2)

De propriedade de Jaber e Abrahim Nadaf, sua inauguração ocorreu em 31 de janeiro de 1953, com quarenta apartamentos. Seu primeiro gerente foi Diaz Gobinez.

Visualizar

Prédio da Kahn Polack no século XX

Vista das esquinas das ruas da Instalação e Municipal, do início do século XX. À direita, o prédio da Kahn Polack, hoje, ocupado pelo Palace Hotel.

Visualizar

Hotel Amazonas em 2009

Ainda funcionaria até 1996, quando foi novamente leiloado e transformado em um condomínio residencial e comercial. Nos dias de hoje, o prédio é denominado Condomínio Ajuricaba.

Visualizar

Hotel Amazonas na década de 1970

Inaugurado em 7 de abril de 1951, o Hotel possuía 49 apartamentos, distribuídos em quatro andares, além de elementos decorativos.

Visualizar

Hotel Amazonas

O primeiro hotel moderno a ser erguido em Manaus logo após o período áureo da borracha foi o Hotel Amazonas. Funcionava ao lado da praça Tenreiro Aranha.

Visualizar

Saint Paul Apart Service

O Saint Paul Apart Service, localizado na rua Ramos Ferreira, é administrado pela empresa Serviços de Hotelaria e Turismo Ltda. – HTS.

Visualizar

Restaurante do Grande Hotel

Durante a primeira metade do século XX, o Grande Hotel configurou-se como um dos principais hotéis de Manaus, mas perdeu essa condição com o surgimento do Hotel Amazonas, em 1951.

Visualizar

Ruínas do Hotel Cassina

Atualmente, o prédio do antigo Hotel Cassina encontra-se em ruínas e somente as quatro paredes externas ainda permanecem de pé.

Visualizar

Edifício do Hotel Cassina

Situado na antiga praça da República, atual Dom Pedro II, o Hotel Cassina teve como primeiro proprietário o italiano Andréa Cassina.

Visualizar

Hospedaria de Imigrantes em construção

Atualmente abandonado, esse prédio centenário, construído com material europeu e destinado, em sua gênese, para a hospedagem de imigrantes, é conhecido, hoje, como Ruínas de Paricatuba.

Visualizar

Fachada da Pensão Excelsior

Fachada do edifício em que funcionou a Pensão Excelsior. Acervo: Biblioteca Samuel Benchimol.

Visualizar

Anúncio do Hotel da Madama

Anúncio do Hotel da Madama. In: Annuario de Manáos 1913-1914.

Visualizar

Anúncio do Hotel Français

Anúncio do Hotel Français. In: Annuario de Manáos 1913-1914.

Visualizar

Grande Hotel

Destaque para o projeto de criação da Hospedaria de Imigrantes e para o Hotel Cassina e o Grande Hotel, dois ícones do início da hotelaria em Manaus e que não existem mais.

Visualizar

Galeria Olímpica

O acervo da Galeria Olímpica é composto por tochas, selos, porcelanas, mascotes, camisas, medalhas e pôsteres dos Jogos Olímpicos, desde 1896 até 2008.

Visualizar

Fachada do Museu da Rede Amazônica

O Museu da Rede Amazônica, localizado na praça Francisco Pereira da Silva, mais conhecida como Bola da Suframa, nº. 149, no bairro Crespo, Zona Sul.

Visualizar

Museu da Rede Amazônica

Inaugurado em 18 de outubro de 2002, esse museu é uma iniciativa do Instituto Cultural Fundação Rede Amazônica.

Visualizar

Museu Ivan Ferreira Valente

A comunidade portuguesa radicada em Manaus fundou o museu do Luso Sporting Club, cuja denominação é Ivan Ferreira Valente.

Visualizar

Museu da Catedral

A criação de um museu de artes sacras originou-se da visita do Papa João Paulo II a Manaus em 1980. A iniciativa partiu do então governador José Lindoso.

Visualizar

Museu Fernando Ferreira da Cruz

Inaugurado em 31 de outubro de 1997, o principal objetivo do museu é o de preservar a história do Hospital da Sociedade Beneficente Portuguesa.

Visualizar

Museu Maçônico Mário Verçosa

Criado e administrado pela Grande Loja Maçônica do Amazonas – Glomam, situada na rua Comendador Clementino, nº. 296, Centro.

Visualizar

Museu de Ciências Naturais da Amazônia

O Museu de Ciências Naturais da Amazônia foi fundado no dia 15 de junho de 1988 em comemoração aos oitenta anos da imigração japonesa no Brasil.

Visualizar

Museu do Porto

Sua inauguração aconteceu em 28 de janeiro de 1985, nas comemorações dos 117 anos da abertura dos portos brasileiros às nações amigas.

Visualizar

Museu do Índio

A fundação do Museu do Índio ocorreu em 19 de abril de 1952 pelas irmãs salesianas da congregação Filhas de Maria Auxiliadora.

Visualizar

Museu do Homem do Norte

O Museu do Homem do Norte foi criado com a finalidade de valorizar e preservar o patrimônio cultural da região: a cultura e o viver do homem amazônico.

Visualizar

Museu Seringal Vila Paraíso

As visitas a esse ecomuseu são realizadas com agendamento prévio e há cobrança de ingresso individual. O acesso é realizado por meio de barco.

Visualizar

Entrada do Museu Seringal Vila Paraíso

Apesar de sua inauguração ter ocorrido em 16 de agosto de 2002, esse espaço cultural já recebia excursões antes mesmo de ser oficialmente aberto ao público.

Visualizar

Museu da Imagem e do Som do Amazonas

Fachada do prédio em que funcionava o Misam, no CCPRN. Seu acervo detém, aproximadamente, 245 mil peças, que estão disponíveis para consulta.

Visualizar

Museu do Teatro Amazonas

Instalado em 1991, o Museu do Teatro Amazonas detém um acervo que remete a todo o charme do período histórico que conhecemos como Belle Époque.

Visualizar

Museu Tiradentes

Com o objetivo de preservar e retratar a história da Polícia Militar do Amazonas, o Museu Tiradentes foi inaugurado no dia 24 de abril de 1984.

Visualizar

Museu Etnográfico Crisanto Jobim/IGHA

No dia 20 de maio de 1982, sua denominação foi alterada pela diretoria do Igha e passou a chamar-se Museu Etnográfico Crisanto Jobim.

Visualizar

Museu Etnográfico Crisanto Jobim

Seu patrimônio atual contém mais de mil peças, entre cerâmicas, instrumentos de madeira, ossos, arcos, flechas, objetos de adornos de guerra, cocares, etc.

Visualizar

Vila Ninita

Vista da Vila Ninita, onde a pinacoteca funcionou de 2000 a 2008. Foto: Fabio Nutti.

Visualizar

Centro das Artes Chaminé

Centro de Artes Chaminé, que abrigou a Pinacoteca do Estado do Amazonas na década de 90. Foto: Alex Pazuello.

Visualizar

Centro Cultural Palacete Provincial

O acervo de mais de dezessete mil peças do Museu de Numismática Bernardo Ramos foi transferido para o Centro Cultural Palacete Provincial.

Visualizar

Museu de Numismática Bernardo Ramos

A história desse museu inicia em 1899, quando o Governo do Estado foi autorizado a adquirir uma coleção numismática que pertencia ao comerciante amazonense Bernardo Ramos.

Visualizar

Museu Amazônico

O Museu Amazônico é um Órgão suplementar da Universidade Federal do Amazonas – Ufam. A implantação desse espaço iniciou em 1989.

Visualizar

Museu de minerais e rochas Carlos Isotta

Inaugurado em 13 de maio de 1982, possui um acervo composto por amostras dos principais minerais e rochas encontradas em todos os Estados brasileiros e também em outros países.

Visualizar

Museu Comercial do Amazonas

[vc_row][vc_column][vc_images_carousel images=”12350″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text] Vista do edifício da ACA. In: Annuario de Manáos 1848-1948. A criação de um Museu Comercial, destinado à exposição de produtos regionais, foi proposta em 1912 por Joaquim Gonçalves de Araújo, mais conhecido como J. G. Araújo. Entre as décadas de 10 e 30, foram aprovadas, pelo Poder Público, ao menos três […]

Visualizar

Plano do Laboratório do Museu Botânico do Amazonas

O Museu Botânico Provincial do Amazonas foi criado pela Lei 629, de 18 de junho de 1883, na administração provincial de José Paranaguá e instalado em 1884.

Visualizar

Biblioteca Samuel Benchimol

Inaugurada no começo de 2005, foi idealizada, inicialmente, apenas para catalogar e preservar as obras que o seu patrono adquiriu ao longo de sua vida.

Visualizar

Biblioteca Senador Bernardo Cabral

De propriedade da Fundação Rede Amazônica, a Biblioteca Senador Bernardo Cabral foi inaugurada em 30 de abril de 2004 e está localizada no bairro Crespo.

Visualizar

Biblioteca Maçônica Mário Verçosa

Essa biblioteca pertence à Grande Loja Maçônica do Amazonas – Glomam e sua inauguração ocorreu em 18 de setembro de 1996.

Visualizar

Biblioteca Cosme Ferreira Filho

Apesar de a ACA ter sido fundada em 1871, somente três décadas mais tarde, em 1902, é que surgiria a ideia de se organizar a biblioteca dessa instituição.

Visualizar

Biblioteca Émina Barbosa Mustafa

Criada e mantida pelo Serviço Social da Indústria no Amazonas – Sesi-Am, a Biblioteca Émina Barbosa Mustafa foi inaugurada no dia 28 de setembro de 1980.

Visualizar

Biblioteca Setorial Manoel Bastos Lira

Estantes da Biblioteca Setorial Professor Manoel Bastos Lira, na Faculdade de Ciências da Saúde. Foto: Fabio Nutti.

Visualizar

Biblioteca João Bosco Pantoja Evangelista

A Biblioteca Municipal João Bosco Pantoja Evangelista foi criada por meio da Lei 971, de 2 de janeiro de 1967, e sancionada pelo Decreto 27, de 12/03/1975.

Visualizar

Biblioteca Arthur Reis

A inauguração da Biblioteca Arthur Reis ocorreu no dia 6 de novembro de 2001, em um prédio situado na avenida Sete de Setembro, n. 444, Centro.

Visualizar

Biblioteca Ambiental do Parque do Mindu (2)

Fundada em 5 de junho de 1996, a Biblioteca Ambiental do Parque do Mindu está vinculada à Rede Nacional de Informações Ambientais – Renima.

Visualizar

Biblioteca Ambiental do Parque do Mindu (1)

Voltada para a temática do meio ambiente, essa Biblioteca foi criada, inicialmente, para atender a pesquisadores da área ambiental.

Visualizar

Espaço interno da Biblioteca do Inpa

A biblioteca especializada do Inpa originou-se do acervo particular do botânico João Barbosa Rodrigues, fundador do Museu Botânico do Amazonas.

Visualizar

Biblioteca do Inpa

A biblioteca especializada do Inpa foi inaugurada em 1º de novembro de 1954, quatro meses após a instalação desse instituto.

Visualizar

Biblioteca Ramayana de Chevalier

Fachada do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas (IGHA), onde funciona a Biblioteca Ramayana de Chevalier. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Biblioteca Estadual do Centro Cultural Thiago de Mello

Essa Biblioteca Estadual foi inaugurada, oficialmente, em 8 de março de 2004, funciona na avenida Autaz Mirim, bairro Cidade Nova, Zona Norte da Cidade.

Visualizar

Biblioteca Genesino Braga

Inaugurada no dia 21 de agosto de 2002, a Biblioteca Genesino Braga é a primeira de Manaus a funcionar dentro de um centro de compras.

Visualizar

Biblioteca Emídio Vaz d’Oliveira

A Biblioteca funciona agregada a um centro de artes infantil e é dirigida a crianças de 5 a 10 anos, da Alfabetização a 5ª série do Ensino Fundamental.

Visualizar

Fachada da Casa da Cultura

A unidade de informação denominada Padre Agostinho Caballero Martin foi instalada no dia 27 de novembro de 2001 na Casa da Cultura, situada no Centro.

Visualizar

Biblioteca Braille

A Biblioteca Braille foi fundada em 8 de novembro de 1999 e destina-se aos portadores de deficiência visual. São oferecidos mais de dez mil livros.

Visualizar

Fachada da Biblioteca Pública do Estado do Amazonas

Em 1882, o presidente da Província, José Paranaguá, criou a Biblioteca Pública Provincial do Amazonas – primeira nomenclatura oficial dessa instituição.

Visualizar

Vista da Biblioteca Pública do Estado do Amazonas

Com um acervo aproximado de 1.200 títulos, a inauguração dessa Biblioteca deu-se em 19 de março de 1871, no então Liceu Provincial Amazonense.

Visualizar

Obra A Lei Áurea na Biblioteca Pública do Estado

Área interna do segundo pavimento da Biblioteca Pública, alto da escada principal. À esquerda, para a obra A Lei Áurea (1884), de Aurélio de Figueiredo.

Visualizar

Biblioteca Pública do Estado do Amazonas

Na década de 70, a antiga Fundação Cultural do AM, organizou o serviço de bibliotecas volantes, que serviria de extensão da Biblioteca Pública do Estado.

Visualizar

Vista aérea da Utam em construção

A Utam teve sua criação autorizada pela Lei 1.060, de 14 de dezembro de 1972. Sua oficialização deu-se por meio do Decreto 2.450, de 18 de janeiro de 1973.

Visualizar

UEA na avenida Darcy Vargas

Vista da aérea da Universidade do Estado do Amazonas, na avenida Darcy Vargas, área antes ocupada pelo Utam. Acervo: Amazonas Em Tempo.

Visualizar

Escola Superior de Ciências da Saúde da UEA

Fachada do edifício da Escola Superior de Ciências da Saúde da UEA. Foto: Marcelo Borges.

Visualizar

Universidade do Estado do Amazonas

Vista panorâmica do Centro, onde se vê o edifício de uma das unidades da UEA, na avenida Leonardo Malcher. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Vista aérea do Campus Universitário da Ufam

Campus Universitário da Ufam, no bairro Coroado. No canto superior direito, o chamado Setor Norte, onde funcionam o ICHL, FES, FT, entre outras unidades.

Visualizar

ICHL-Ufam

A história da primeira universidade federal do Estado inicia em 1962, quando o Governo Federal criou a Fundação Universidade do Amazonas – FUA.

Visualizar

Universidade Federal do Amazonas

Entrada do Campus Universitário. Foto: Juscelino Simões. Acervo: Ascom Ufam.

Visualizar

Minicampus da Ufam

Vista aérea do Minicampus da Universidade Federal do Amazonas, em primeiro plano, e o início do bairro Japiim ao fundo. Acervo: Museu Amazônico.

Visualizar

Faculdade de Tecnologia e Estudos Sociais

Fachada do prédio situado na rua Monsenhor Coutinho, onde funcionaram as faculdades de Tecnologia e de Estudos Sociais. Acervo: Biblioteca do IBGE.

Visualizar

Universidade do Amazonas

Fachada do prédio em que foi instalada, no ano de 1965, a Universidade do Amazonas (UA), situado na rua José Paranaguá, centro.

Visualizar

Faculdade de Filosofia do Amazonas

Fachada frontal e lateral do edifício da Faculdade. Administrada pelo Governo Estadual, a Faculdade de Filosofia do Amazonas foi criada em 1959.

Visualizar

Escola de Enfermagem de Manaus

Prédio da Escola de Enfermagem de Manaus, antes da ampliação. Acervo: Biblioteca do IBGE – Arquivo Fotográfico Ilustrativo dos Municípios Brasileiros.

Visualizar

Antiga Escola de Serviço Social

Fachada principal do prédio da antiga Escola de Serviço Social, na avenida 13 de Maio, atual Getúlio Vargas, esquina com rua Ramos Ferreira.

Visualizar

Fachada do prédio do curso de Farmácia

Anos depois, o prédio situado na rua Comendador Alexandre Amorim serviu para a instalação definitiva do curso de Farmácia, onde permanece até hoje.

Visualizar

Formandos da Faculdade de Pharmacia

Quadro de formandos, turma de 1934. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Faculdade de Farmácia e Odontologia

Fachada do edifício da faculdade, no bairro N. Sra. Aparecida. Acervo: Biblioteca do IBGE – Arquivo Fotográfico Ilustrativo dos Municípios Brasileiros.

Visualizar

Faculdade de Pharmacia e Odontologia de Manáos

Vista do então prédio da faculdade, localizado atrás da igreja de Nossa Senhora dos Remédios. Acervo: CCPA.

Visualizar

Prédio da antiga Escola Agronômica

Fachada atual do prédio que abrigou a Escola Agronômica. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Campo Experimental Nelson de Mello

Campo Experimental Nelson de Mello. In: Revista Agronômica, Maio de 1938. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Escola Agronômica de Manaus

A Escola Agronômica de Manáos também tem sua história ligada à Escola Universitária Livre de Manáos, desde a sua fundação, em 17 de janeiro de 1909.

Visualizar

Prédio onde funcionava a Faculdade de Direito

Vista da fachada principal do prédio onde funcionava a Faculdade de Direito, na praça dos Remédios. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Universidade de Manáos

Fachada do segundo prédio da Universidade de Manáos, na avenida Joaquim Nabuco. In: Jornal O Tempo, de 17 de janeiro de 1918.

Visualizar

Grupo Escolar Saldanha

Vista do Grupo Escolar Saldanha Marinho, onde foi instalada a Escola Universitária Livre de Manáos em 1910. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Faculdade de Direito do Amazonas

Fachada do antigo prédio da Faculdade de Direito do Amazonas. Acervo: Biblioteca do IBGE – Arquivo Fotográfico Ilustrativo dos Municípios Brasileiros.

Visualizar

Instituto Christus do Amazonas – CIEC

Imagem restaurada do detalhe da fachada da primeira sede do Instituto Christus do Amazonas, na avenida Joaquim Nabuco. In: Revista do Ciec, 1994.

Visualizar

Anúncio da Escola Brasileira de Manaus

Fundada em 8 de fevereiro de 1938 pelo casal Pedro e Lourdes Silvestre, a Escola Brasileira de Manaus funcionou, inicialmente, na rua 24 de Maio, Centro.

Visualizar

Colégio São Francisco de Assis

Vista lateral da entrada do Colégio São Francisco de Assis (prédio à direita). À sua frente, a então rua Municipal, atual avenida Sete de Setembro.

Visualizar

Centro Educacional Santa Teresinha (2)

A pedra fundamental do prédio foi lançada em 1935, no terreno localizado na esquina da avenida Sete de Setembro com a rua Duque de Caxias.

Visualizar

Centro Educacional Santa Teresinha

O objetivo inicial desse Patronato era instruir as meninas carentes daquela área com os ensinos regular e profissionalizante.

Visualizar

Colégio Nossa Senhora Auxiliadora

Em 1994, o Colégio Auxiliadora passou a oferecer vagas para estudantes do sexo masculino. Seu endereço atual é rua Silva Ramos, n. 833, Centro.

Visualizar

Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, década de 1970

O ato oficial de criação desse Colégio – que, até 1944, funcionou como departamento feminino do Colégio Dom Bosco – ocorreu em 19 de março de 1930.

Visualizar

Colégio Dom Bosco

O início das atividades do Colégio Dom Bosco é marcado pela chegada a Manaus dos padres salesianos Pedro Ghislandi e Agostinho Caballero Martin.

Visualizar

Colégio Dom Bosco, década de 70

Vista frontal do prédio histórico do Colégio Dom Bosco. À esquerda, a igreja antiga. Década de 70. Foto: Hamilton Salgado.

Visualizar

Fachada do Colégio Santa Dorotéia

Primeira escola católica de Manaus dirigida por uma congregação religiosa, o Colégio Santa Dorotéia foi idealizado por Dom José Lourenço da Costa Aguiar.

Visualizar

Colégio Santa Dorotéia na década de 1950

Fachada principal e lateral do prédio do Colégio Santa Dorotéia. Década de 50. Foto: Coleção Silvino Santos. Acervo: Museu Amazônico.

Visualizar

Escola Estadual Carvalho Leal

O prédio dessa Escola é formado, atualmente, por um pavimento com quinze salas de aula e oferece Ensino Fundamental e Educação de Jovens e Adultos – EJA.

Visualizar

Grupo Escolar Carvalho Leal (2)

A construção da atual sede da escola – na rua Borba, também no bairro Cachoeirinha – foi iniciada em 1948 e inaugurada no ano seguinte, em 5 de setembro.

Visualizar

Grupo Escolar Carvalho Leal

Instituição de ensino também criada pelo presidente do Estado do Amazonas, Ephigênio de Salles (Decreto 74, de 27 de dezembro de 1926).

Visualizar

Escola Estadual Euclides da Cunha

Apesar das reformas e reparos sofridos ao longo de sua existência, o centenário prédio dessa Escola mantém as suas características arquitetônicas originais.

Visualizar

Grupo Escolar Guerreiro Antony (2)

Vale lembrar que nesse prédio construído pelo governador Eduardo Ribeiro em 1896 já havia funcionado, entre 1905 e 1906, a Escola Complementar Masculina.

Visualizar

Grupo Escolar Guerreiro Antony

A Escola Estadual Euclides da Cunha foi criada em 1926 pelo presidente do Estado, Ephigênio de Salles (Decreto 14, de 24 de março daquele ano).

Visualizar

Grupo Escolar Ribeiro da Cunha

As obras de construção do prédio dessa Escola – situado na rua Silva Ramos, Centro – foram iniciadas pelo governador Antônio Constantino Nery em 1906.

Visualizar

Escola Estadual Machado de Assis

Ao ser reformado em 1957, o edifício dessa instituição de ensino foi reconstruído e ampliado e ganhou um segundo pavimento.

Visualizar

Grupo Escolar Machado de Assis

Criado pelo Decreto 1.472, de 11 de janeiro de 1924, o então Grupo Escolar Machado de Assis era composto por quatro turmas.

Visualizar

Escola Estadual Olavo Bilac

Situada na rua Cinco de Setembro, n. 82, bairro São Raimundo, essa Escola dispõe, atualmente, de nove salas de aula e oferece o Ensino Fundamental e EJA.

Visualizar

Grupo Escolar Olavo Bilac

A história dessa escola tem início em 1916 com a desativação do antigo mercadinho do bairro São Raimundo, construído na atual rua Cinco de Setembro.

Visualizar

Escola Estadual Antônio Bittencourt

No governo de Pedro Bacellar, essa Escola mudou de endereço por duas vezes, ambas no bairro do Mocó, atual bairro Adrianópolis.

Visualizar

Grupo Escolar Antônio Bittencourt

Alunos e professoras em frente ao antigo Grupo Escolar Antônio Bittencourt, quando a escola funcionava no prédio da praça Santos Dumont.

Visualizar

Escola Estadual Marechal Hermes

Sua denominação foi uma homenagem ao militar do Exército, marechal Hermes Rodrigues da Fonseca.

Visualizar

Grupo Escolar Marechal Hermes

O governador Jonathas Pedrosa, em 1914, por meio do Decreto 1.049, de 23 de janeiro, criou o Grupo Escolar Marechal Hermes, com cinco turmas.

Visualizar

Solon de Lucena na década de 70

A partir de 1962, passou a chamar-se Colégio Comercial Solon de Lucena. Dois anos depois, foi transferido para sua sede definitiva, na av. Constantino Nery.

Visualizar

Formandos da Escola Municipal de Commercio de Manáos

Como o Município não dispunha de um local adequado para a instalação da Escola, a Associação dos Empregados do Comércio cedeu parte do espaço do seu prédio.

Visualizar

Escola de Commercio Solon de Lucena

Criada em 1909 por Agnello Bittencourt, a primeira denominação dessa instituição de ensino foi Escola Municipal de Commercio de Manaus.

Visualizar

Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas

A denominação Centro Federal de Educação Tecnológica do Amazonas – Cefet-Am foi adotada em 26 de março de 2001.

Visualizar

Escola Técnica Federal do Amazonas

Antes de receber a nomenclatura atual, foi denominada, ainda, Escola Técnica de Manaus – ETM, em 1942, e Escola Técnica Federal do Amazonas – Etfa, em 1965.

Visualizar

Escola de Aprendizes e Artífices

Fachada principal do então recém-inaugurado edifício da Escola de Aprendizes Artífices. Década de 40. In: Álbum Manaus, [s.n.]. Governo de Álvaro Maia.

Visualizar

Escola Estadual Barão do Rio Branco

Transformado em grupo escolar em 1918 e, no ano seguinte, por meio da Portaria 6, de 24 de janeiro, recebeu a denominação Barão do Rio Branco.

Visualizar

Grupo Escolar Barão do Rio Branco

A Escola Estadual Barão do Rio Branco originou-se das Escolas Complementares Masculina e Feminina instaladas em 1905 e unificadas dois anos depois.

Visualizar

Localização do antigo Grupo Escolar Gonçalves Dias

Essa instituição de ensino funcionou, inicialmente, com apenas três turmas: uma masculina, uma feminina e uma mista – esta última, desmembrada em 1910.

Visualizar

Grupo Escolar Gonçalves Dias

A primeira Escola Gonçalves Dias data do início do século passado e foi instalada em um prédio estilo chalé, na rua Duque de Caxias.

Visualizar

Grupo Escolar Cônego Azevedo

No dia 30 de julho de 1934, o interventor Nelson de Mello inaugurou o Jardim de Infância Menezes Vieira, anexo a esse Grupo Escolar.

Visualizar

Escola Estadual Cônego Azevedo

O edifício só havia recebido pequenos reparos. Até que, em 1959, devido aos desabamentos em sua estrutura, precisou- se antecipar o final do ano letivo.

Visualizar

Escola Estadual Saldanha Marinho

Entre 1910 e 1913, o Saldanha Marinho abrigou a Escola Universitária Livre de Manáos. Nesse período, as aulas das duas instituições aconteciam em horários distintos.

Visualizar

Grupo Escolar Saldanha Marinho na década de 20

Em 1998, na administração do governador Gilberto Mestrinho, a Escola foi reformada e, atualmente, possui seis salas de aula em apenas um pavimento.

Visualizar

Grupo Escolar Saldanha Marinho

Criado no governo de Silvério Nery, esse estabelecimento de ensino ficou conhecido como Escola Modelo da rua Saldanha Marinho e funcionou até 1904.

Visualizar

Escola Estadual Nilo Peçanha

Por meio do Decreto 11.185, de 14 de junho de 1988, recebeu tombamento do Conselho Estadual de Defesa do Patrimônio Histórico e Artístico do Amazonas.

Visualizar

Grupo Escolar Silvério Nery

A criação do Grupo Escolar Silvério Nery, primeira denominação da Escola Estadual Nilo Peçanha, foi autorizada pela Lei 130, de 30 de setembro de 1895.

Visualizar

Fachada do prédio do Grupo Escolar Silvério Nery

O Grupo Escolar Silvério Nery, primeira denominação da Escola Estadual Nilo Peçanha, originou-se da necessidade de se instalar uma escola para meninas.

Visualizar

Instituto Benjamin Constant

Por meio do Decreto 11.190 de 1988, esse prédio foi tombado pelo Conselho Estadual de Defesa do Patrimônio Histórico e Artístico do Amazonas.

Visualizar

Instituto Benjamin Constant e seus jardins

O presidente da Província, Theodoreto Souto, criou uma instituição destinada a oferecer os ensinos primário, moral e doméstico para meninas órfãs e pobres.

Visualizar

Instituto de Educação do Amazonas – IEA

Fachada do edifício do IEA. Foto: Alex Pazuello. O prédio dessa instituição de ensino possui trinta salas de aula, distribuídas em dois pavimentos.

Visualizar

Bonecas expostas no hall de entrada do IEA

Bonecas expostas no hall de entrada do Instituto de Educação do Amazonas. Representam as mudanças no fardamento das normalistas. Foto: Fabio Nutti.

Visualizar

Corpo docente do Instituto de Educação do Amazonas

Corpo docente do Instituto de Educação do Amazonas. Foto: Coleção Silvino Santos. Acervo: Museu Amazônico. Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Fachada do edifício do IEA

A partir de 2009, o Instituto de Educação do Amazonas foi transformado em uma Escola-Piloto de Ensino Médio de Tempo Integral.

Visualizar

Alicerces do que seria o Palácio do Governo

Vista dos alicerces do que seria o Palácio do Governo, no local em que foi construído o edifício do Instituto de Educação do Amazonas.

Visualizar

Colégio Amazonense D. Pedro II

O Colégio Amazonense D. Pedro II, mais conhecido como Colégio Estadual, foi criado por meio do Regulamento 13, de 31 de agosto de 1864.

Visualizar

Gymnasio Amazonense

O Instituto Normal Superior teve apenas três anos de existência e foi substituído pelo Gymnasio Amazonense – nova denominação do antigo Liceu.

Visualizar

Vista do edifício do Gymnasio Amazonense

Vista do edifício, na década de 90 do século XIX. À direita, o pavilhão de ginástica, que depois abrigou um jardim de infância.

Visualizar

Fachada principal do prédio do Liceu

À época de seu surgimento, utilizava a nomenclatura Liceu Provincial Amazonense e funcionava nas dependências do Seminário Episcopal de São José de Manaus.

Visualizar

Atual Seminário São José (Marombinha)

A sua primeira sede foi uma casa situada no extinto largo da Olaria, onde hoje está localizada uma agência do Banco do Brasil, na rua Marquês de Santa Cruz.

Visualizar

Pavilhão Dom Basílio na década de 40

No dia da inauguração do Pavilhão Dom Basílio, foi afixada uma placa, em mármore, datada de 23 de março de 1946, com inscrições referentes ao Papa Pio XII.

Visualizar

Anúncio do Seminário Episcopal de São José

O Seminário Episcopal de São José de Manaus, primeiro estabelecimento de ensino secundário do Amazonas, foi criado em 15 de maio de 1848.

Visualizar

Antiga Secretaria de Educação e Cultura

Assim que Getúlio Vargas assumiu o comando do Governo Provisório do Brasil, foi criado, em 1930, o Ministério da Educação e Saúde.

Visualizar

Prédio original do Grupo Escolar José Paranaguá

Quando da sua inauguração em 1º de junho de 1895, essa Escola não possuía uma denominação oficial. Sua primeira diretora foi dona Elvira Pereira.

Visualizar

Prédio do Grupo Escolar José Paranaguá

Localizado na rua José Paranaguá, n. 574, bairro Centro, esse prédio centenário abriga, atualmente, a sede do Conselho Estadual de Educação – CEE-Am.

Visualizar

Grupo Escolar José Paranaguá na década de 20

Era chamada de Escola da rua José Paranaguá devido à sua localização – fato comum à nomenclatura de muitas instituições de ensino fundadas naquele período.

Visualizar

Collegio Rayol

Fachada principal do Collegio Rayol. Acervo: CCPA.

Visualizar

Santo Antônio Commercial School

Vista do edifício da Santo Antônio Commercial School. Acervo: CCPA.

Visualizar

Jardim da Infância Visconde de Mauá

Vista do Jardim da Infância Visconde de Mauá, local hoje ocupado pela quadra de esportes do Colégio Amazonense D. Pedro II.

Visualizar

Instituto de Educandos Artífices

Em 27 de junho de 1906, na sua inauguração oficial, foi denominado Instituto Affonso Penna em homenagem ao presidente da República, presente na cerimônia.

Visualizar

Asilo Orfanológico

Vista do edifício do Asilo Orfanológico. In: The city of Manáos and the country of Rubber Tree, 1893. Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Instituto Amazonense de Educandos Artífices

Vista do edifício do Instituto Amazonense de Educandos Artífices, no alto da colina (à esquerda). In: Album do Amazonas 1901-1902.

Visualizar

Prédio do Seminário São José

Prédio do Seminário São José, que depois abrigou o Instituto de Ciências Humanas e Letras da antiga UA. Década de 60. Acervo: Biblioteca do IBGE.

Visualizar

Escolas públicas e particulares

Vista do edifício do Gymnasio Amazonense. In: Album do Amazonas 1901-1902.

Visualizar

Cemitério Nossa Senhora da Conceição das Lages

O Cemitério Nossa Senhora da Conceição das Lajes foi fundado em 1906 e possui, aproximadamente, vinte mil metros quadrados.

Visualizar

Cemitério Santo Alberto

O Cemitério Santo Alberto foi fundado pelas missionárias que cuidavam dos hansenianos internados na antiga leprosaria do Aleixo.

Visualizar

Vista do Cemitério Parque de Manaus

Na década de 70, as necrópoles de Manaus estavam em estado crítico devido à explosão demográfica ocorrida na Capital impulsionada, principalmente, pela ZF.

Visualizar

Cemitério Parque de Manaus

Sua área está dividida em 142 quadras, com 5.720 sepulturas e mais de 7.300 inumados. Inaugurada em 1982, continua sob a gerência da Cedam.

Visualizar

Cemitério Parque Manaus em construção

Tem-se como marco do início de suas atividades o ano de 1976, quando do enterramento da índia waimiri-atroari Raimunda Alexandre.

Visualizar

Capela do Cemitério Santa Helena

De acordo com informações da Coordenadoria de Cemitérios, o Santa Helena contém, atualmente, mais de 5.300 sepulturas e acima de 22 mil inumados.

Visualizar

Cemitério Santa Helena

Localizado na rua Coração de Jesus, o Cemitério possui, aproximadamente, 58 mil metros quadrados de área, dividida em seis quadras.

Visualizar

Lápide existente na área do Cemitério Judeu

O primeiro inumado do Cemitério Judeu foi Leon Perez, sepultado no dia 12/09/1928. Esse campo santo é administrado pelo Comitê Israelita do Amazonas.

Visualizar

Área ocupada pelo Cemitério Judeu

Somente em 1928 que a Prefeitura concederia uma área dentro do Cemitério São João Batista à comunidade judaica da Cidade.

Visualizar

Detalhe da lápide de Etelvina de Alencar

Em 1964, a Prefeitura autorizou a construção de um mausoléu para Santa Etelvina, um dos jazigos que mais recebem visitantes no Dia dos Finados.

Visualizar

Jazigo de Etelvina de Alencar

Ao longo dos anos, vários milagres de curas de doenças foram atribuídos a Etelvina, também conhecida como Santa dos Estudantes.

Visualizar

Jazigo perpétuo das Irmãs de Sant’Anna

Em cada um dos seus portões de ferro, fabricados na Escócia, existe a inscrição Laborum Meta, expressão em latim que significa Fim dos Trabalhos.

Visualizar

Túmulos antigos do Cemitério São João Batista

Ao todo, esse campo santo contém mais de dezenove mil sepulturas e, aproximadamente, cem mil inumados. Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Capela destinada à Irmandade do Santíssimo Sacramento

A Irmandade do Santíssimo Sacramento, por meio da Lei Municipal 337, de 27 de fevereiro de 1904, recebeu, por concessão, uma área dessa necrópole.

Visualizar

Cruzeiro do Cemitério São João Batista

Cruzeiro do Cemitério São João Batista. Foto: Durango Duarte. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Capela do Cemitério São João Batista

Localizada no Cemitério São João Batista, em frente à Praça Chile, em Adrianópolis, cidade de Manaus. Nela são realizadas as missas de corpo presente.

Visualizar

Arco da entrada do Cemitério São João Batista

Quase 10 anos após ter sido inaugurada, a capela desse Cemitério, que encontrava-se já bastante deteriorada, passou por um processo de reconstrução.

Visualizar

Vista aérea do Cemitério São João Batista

A Irmandade do Santíssimo Sacramento, por meio da Lei Municipal 337, de 27 de fevereiro de 1904, recebeu, por concessão, uma área dessa necrópole.

Visualizar

Cemitério São João Batista

O contrato para a construção do necrotério e da administração do São João Batista foi firmado no dia 3 de setembro de 1891, com Manoel Coelho de Castro.

Visualizar

Antigo Cemitério São Raimundo

Esse Cemitério – denominado São Raimundo devido à igreja homônima ali existente – iniciou suas atividades como necrópole pública em 13 de dezembro de 1888.

Visualizar

Cemitério São José

O Cemitério São José foi construído entre as ruas Ramos Ferreira, Luiz Antony, estrada de Epaminondas e o então beco dos Inocentes, atual rua Simón Bolívar.

Visualizar

Antigo Cemitério dos Remédios

Representação da vista do local em que ficava o antigo Cemitério dos Remédios. No centro, ao fundo, vê-se a igreja de Nossa Senhora da Conceição.

Visualizar

Antigo Cemitério São José

Os campos santos foram cercados, as quadras ganharam números e as sepulturas receberam os nomes dos falecidos e suas datas de óbito.

Visualizar

Igreja Dom Bosco

Em 28 de agosto de 1993, inaugurou-se a atual igreja, em substituição a anterior, com feições arquitetônicas diferentes da inicial.

Visualizar

Nave central da igreja antiga de Dom Bosco

Em 5 de fevereiro de 1993, o Colégio Dom Bosco foi elevado à categoria de Paróquia Pessoal para atender, exclusivamente, a sua comunidade escolar em Manaus.

Visualizar

Fachada da antiga Igreja Dom Bosco

A origem dessa Igreja em Manaus deve-se à chegada dos primeiros padres da Pia Sociedade de São Francisco de Salles à Cidade, em 24 de julho de 1921.

Visualizar

Capela de Santo Antônio do Pobre Diabo

Por meio da Lei 8, de 28 de junho de 1965, aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado, a Capela foi tombada como Monumento Histórico.

Visualizar

Santuário do Sagrado Coração de Jesus

O Santuário do Sagrado Coração de Jesus, localizada na rua Duque de Caxias, teve a pedra fundamental lançada no dia 6 de maio de 1955.

Visualizar

Capela da Medalha Milagrosa

A Capela da Medalha Milagrosa, da Casa da Criança, na rua Ramos Ferreira, Centro, foi inaugurada no dia 27 de novembro de 1956.

Visualizar

Capela de Nossa Senhora Auxiliadora

A Capela de Nossa Senhora Auxiliadora está localizada na escola de mesmo nome, na rua Silva Ramos, n. 833, Centro de Manaus.

Visualizar

Capela do Hospital da Sociedade Beneficente Portuguesa

A Capela, na avenida Joaquim Nabuco, Centro, foi aberta para missas em 6 de outubro de 1912 e está instalada no prédio principal daquela instituição.

Visualizar

Antiga capela de Nossa Senhora Auxiliadora

A pedra fundamental da primeira capela – em cuja urna de mármore foram postos periódicos da época – foi lançada em 24 de janeiro de 1932.

Visualizar

Capela de Santa Paula Frassinetti

A Capela de Santa Paula Frassinetti, localizada no Colégio Santa Dorotéia, foi inaugurada no dia 25 de maio de 1911, na festa de Ascensão do Senhor.

Visualizar

Capela da Santa Casa de Misericórdia

A capela da Santa Casa de Misericórdia, seu espaço, inicialmente, era ocupado por um necrotério, inaugurado em 1º de março de 1903.

Visualizar

Capela da Santa Casa na década de 1930

O mais antigo dos templos religiosos secundários de Manaus – e atualmente desativado – foi a capela da Santa Casa de Misericórdia.

Visualizar

Igreja de Santa Luzia

A igreja está localizada na rua Legião e o dia dedicado à Santa Luzia é 13 de dezembro, principal festa dessa Paróquia, em que são celebradas três missas.

Visualizar

Nave central da Igreja de Santa Luzia

Após mais de meio século de trabalho dos redentoristas à frente das atividades dessa Igreja, em 1995, a Arquidiocese de Manaus assumiu a Paróquia.

Visualizar

Igreja de Santa Luzia na década de 1970

O primeiro prédio da Igreja de Santa Luzia nesse bairro foi inaugurado no dia 4 de junho de 1944, data em que os fiéis comemoram o aniversário do templo.

Visualizar

Igreja de Nossa Senhora de Fátima

O dia dedicado a Nossa Senhora de Fátima é 13 de maio, com procissão e missa. Entre os meses de junho e outubro, sempre no dia 13, são realizadas novenas.

Visualizar

Nave central da Igreja de Nossa Senhora de Fátima

A primeira capela em homenagem à Santa foi erguida em um terreno doado pelo comerciante Antônio Caixeiro, em atendimento ao pedido do frei José de Leonissa.

Visualizar

Construção da Igreja de Nossa Senhora de Fátima

Até o final da década de 30, as atividades religiosas do bairro Praça 14 de Janeiro eram de responsabilidade da Paróquia de São Sebastião.

Visualizar

Igreja de Nossa Senhora de Nazaré

O dia de Nossa Senhora de Nazaré é comemorado em 8 de outubro. Todos os anos, essa Paróquia organiza, em Manaus, o tradicional Círio de Nazaré.

Visualizar

Igreja de Nossa Senhora de Nazaré, década de 1940

Com o nome de capela de São Saturnino, a primeira sede da Igreja de Nazaré foi construída em uma chácara localizada na então rua Paraíba, em Manaus.

Visualizar

Igreja de São José Operário

Todos os anos, em 19 de março, essa Paróquia comemora o dia de São José, esposo da Virgem Maria, com procissão pelas ruas do bairro.

Visualizar

Nave central da Igreja São José Operário

Sua sede provisória era a capela do Patronato Santa Teresinha, das irmãs Filhas de Maria Auxiliadora, situada na rua Duque de Caxias, Centro de Manaus.

Visualizar

Igreja de São José Operário na década de 1970

A Paróquia sob a proteção de São José Operário e Santa Teresinha foi criada no dia 05/02/1948 e originou-se do trabalho do padre Estevão Domitrovitsch.

Visualizar

Santuário de Nossa Senhora Aparecida

A Basílica de Nossa Senhora Aparecida, na rua Comendador Alexandre Amorim, foi elevada à categoria de Santuário Arquidiocesano em 12 de outubro de 2007.

Visualizar

Nave central do santuário de Nossa Senhora Aparecida

O templo possui, em seu interior, imitações de mármore, instaladas por José Gaspar. Na inauguração, uma imagem da Santa foi trazida por Dom Antônio Macedo.

Visualizar

Basílica de Nossa Senhora Aparecida

Vista aérea da Basílica. À esquerda, em destaque, casa onde funcionou a primeira capela em honra à Santa e que hoje abriga o clube de mães. Década de 60.

Visualizar

Fachada da Igreja de Santa Rita de Cássia

Todos os anos, em 22 de maio, dia dedicado a essa Santa, os devotos recebem rosas. As flores são distribuídas durante a procissão.

Visualizar

Nave central da igreja de Santa Rita de Cássia

Em 6 de novembro de 1941, criou-se um Curato no bairro Cachoeirinha, Zona Sul, sob a proteção de Santa Rita de Cássia e de Santo Antônio de Pádua.

Visualizar

Igreja de Santa Rita de Cássia

A história da Igreja de Santa Rita de Cássia tem início em 1932, ano em que chegaram a nossa Cidade os padres da Ordem dos Agostinianos Recoletos.

Visualizar

Fachada da igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

O dia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro é festejado em 27 de junho, com missa e procissão pelas ruas do bairro de Educandos.

Visualizar

Nave central da igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Em 6 de janeiro de 1940, o padre Antônio Plácido de Souza foi nomeado cura dessa Igreja. Nesse mesmo ano, foi iniciada a construção de um templo de madeira.

Visualizar

Igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

A 1ª capela erguida em Manaus em honra a Nossa Senhora do Perpétuo Socorro foi construída em 1928 pela Sociedade Beneficente Sportiva de Constantinópolis.

Visualizar

Igreja de São Raimundo (2)

A principal comemoração realizada pela Paróquia é a festa do dia dedicado a São Raimundo Nonato – 31 de agosto –, com procissão pelas ruas do bairro.

Visualizar

Nave central da Igreja de São Raimundo

A criação da Paróquia de São Raimundo ocorreu em 15 de dezembro de 1941 e sua direção foi entregue ao padre Henrique Klein – primeiro pároco dessa Igreja.

Visualizar

Vista panorâmica do bairro São Raimundo

A primeira celebração eucarística realizada no bairro foi conduzida pelo padre Raimundo Amâncio de Miranda, vigário da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios.

Visualizar

Altar-mor da Igreja de São Sebastião

A elevação canônica dessa Igreja à categoria de Paróquia ocorreu em 8 de setembro de 1912 – dia em que se comemora o nascimento de Nossa Senhora.

Visualizar

Igreja de São Sebastião (2)

Vista da fachada principal da igreja de São Sebastião, com a praça de mesmo nome à sua frente. À esquerda, o Teatro Amazonas. Foto: Thiago Duarte.

Visualizar

Cartão-postal da Igreja de São Sebastião

A primeira capela de São Sebastião erguida em Manaus data de 1859, ano em que aqui chegaram os missionários franciscanos, da Irmandade de São Sebastião.

Visualizar

Igreja dos Remédios

Fachada principal e lateral da igreja. O dia dedicado a Nossa Senhora dos Remédios é 8 de setembro, quando ocorre a procissão em homenagem à Santa.

Visualizar

Nave central da Igreja dos Remédios

Localizada na rua Miranda Leão, Centro, essa igreja foi tombada como Monumento Histórico do Estado do Amazonas pelo Decreto 11.037, de 12 de abril de 1988.

Visualizar

Igreja de Nossa Senhora dos Remédios

Igreja de Nossa Senhora dos Remédios vista do ângulo da rua Coronel Sérgio Pessoa. Década de 1960. Foto: Coleção Silvino Santos. Acervo: Museu Amazônico.

Visualizar

Vista do monumento ao Sagrado Coração de Jesus

Vista do monumento ao Sagrado Coração de Jesus, no centro da praça dos Remédios. Ao fundo, a igreja, após ter sido reformada na década de 1960.

Visualizar

Fachada da Igreja Nossa Senhora dos Remédios

Vista da fachada principal da igreja de Nossa Senhora dos Remédios. À sua frente, a praça de mesmo nome. In: Annuario de Manaos 1913-1914.

Visualizar

Igreja Matriz de Manaus (3)

A Matriz de Nossa Senhora da Conceição foi elevada à categoria de Catedral em 27 de abril de 1892, mesma data da criação da Diocese do Amazonas.

Visualizar

Catedral de Nossa Senhora da Conceição

Vista da Catedral de Nossa Senhora da Conceição na década de 1970. Em 12 de abril de 1988, o templo foi tombado como Monumento Histórico Estadual.

Visualizar

Projeto original de restauração da Matriz

Projeto original de restauração da Matriz assinado por Domenico de Angelis, ilustrando a perspectiva da fachada principal e lateral. Acervo: Igha.

Visualizar

Vista aérea da Matriz e seus jardins

Construída pelos padres Carmelitas em 1695, a primeira igreja e paróquia de Manaus localizava-se próximo ao Forte de São José da Barra do Rio Negro.

Visualizar

Fachada principal da atual Igreja Matriz

Vista da fachada principal da atual igreja Matriz, antes da pavimentação do seu entorno. Década de 1880. Foto: Fotografia Fidanza.

Visualizar

Vista frontal da Catedral de Nossa Senhora da Conceição

O Papa Leão XIII proclamou a criação da Diocese do Amazonas em 27 de abril de 1892, Nessa época, Manaus possuía apenas duas paróquias.

Visualizar

Vista do Super Terminais

Vista do Super Terminais. Foto: Durango Duarte. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Ponto de travessia da Ceasa

Vista área da travessia da Ceasa. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Ponto de travessia do São Raimundo

Vista aérea do ponto de travessia do São Raimundo. Foto: Amazonas Em Tempo. Livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Vista aérea do Porto da cidade de Manaus

Na retomada das obras de revitalização e de transformação da área do Porto de Manaus inaugurou-se, no final de 2008, uma loja de departamentos.

Visualizar

Vista aérea da orla da cidade de Manaus

Vista aérea da orla da cidade de Manaus onde se vê, em primeiro plano, o complexo portuário. Acervo: Museu do Porto.

Visualizar

Rampa de acesso do Porto de Manaus

Rampa de acesso ao terminal de embarque e desembarque. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Plataforma de concreto do Porto de Manaus

O Governo do Estado do Amazonas, por meio do Convênio de Delegação 7, de 26 de novembro de 1997, passou a administrar e explorar o Porto de Manaus.

Visualizar

Foto do Porto de Manaus

Uma das principais dificuldades ocorria no período da vazante, o que não permitia às embarcações a ancoragem nas rampas e trapiches da orla da Cidade.

Visualizar

Vista aérea do Porto de Manaus

Vista aérea do Porto de Manaus. Acervo: Museu do Porto.

Visualizar

Vista do Porto de Manaus

Vista do Porto de Manaus. Ao fundo, à esquerda, os chamados ropeways. Acervo: Museu do Porto.

Visualizar

Armazém no Porto de Manaus

Interior de um dos armazéns do Porto de Manaus. Acervo: Museu do Porto.

Visualizar

Ponte flutuante (roadway), no Porto de Manaus

Em 14 de julho de 1987, o Conjunto Arquitetônico do Porto de Manaus foi tombado pelo Iphan como Patrimônio Histórico Nacional.

Visualizar

Vista do Porto de Manaus recém-construído

Vista do então recém-construído Porto de Manaus. In: Annuario de Manáos 1913-1914. Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Obras de construção do Porto de Manaus

Obras de construção do Porto de Manaus. In: George Huebner 1862 – 1935: um fotógrafo em Manaus, 2005. Daniel Schoepf.

Visualizar

Área em que foi construído o Porto de Manaus

O crescimento da economia gomífera em Manaus no final do século XIX tornou necessária a construção de um porto mais estruturado para transportar o produto.

Visualizar

Vista do Trapiche 15 de Novembro

O Trapiche 15 de Novembro foi construído em 1890 como complemento do prédio do Tesouro Estadual e Recebedoria.

Visualizar

Trapiche 15 de Novembro

Vista da orla da cidade de Manaus, onde se vê o Trapiche 15 de Novembro, à esquerda. Acervo: Sesc-Am.

Visualizar

Ancoradores na orla de Manaus

Vista dos ancoradouros que ficavam no meio do rio Negro, na orla da cidade de Manaus. In: Album do Amazonas 1901-1902.

Visualizar

Porto da cidade de Manaus em 1902

Vista do porto da cidade de Manaus em 1902. In: Annuario de Manáos 1913-1914.

Visualizar

Orla de Manaus no final do século XIX

Vista da orla da cidade de Manaus, no final do século XIX. Gravura: Sant’Anna Nery. In: Le Pays des Amazones, 1885. Frederico José de Sant’Anna Nery.

Visualizar

Porto de Manaus (2)

O primeiro barco comercial a vapor a navegar os rios da região foi a barca Marajó, que saiu de Belém em 01/01/1853 e chegou a Barra dez dias depois.

Visualizar

Passagem subterrânea Duca Brito

Vista aérea da passagem subterrânea denominada Duca Brito. Acervo: Arquivo Público Municipal.

Visualizar

Passagem subterrânea da Djalma Batista com Darcy Vargas

Vista aérea da passagem subterrânea situada no cruzamento das avenidas Djalma Batista e Darcy Vargas. Acervo: Arquivo Público Municipal.

Visualizar

Viaduto Dom Jackson Damasceno Rodrigues

Concluído em 1998, o nome desse elevado faz homenagem a Dom Jackson Damasceno Rodrigues (Lei Municipal 481, de 14 de julho de 1999).

Visualizar

Ponte sobre o Rio Negro

Maquete eletrônica do projeto da ponte sobre o rio Negro. Acervo: Agecom.

Visualizar

Balneário que existiu próximo a Ponte da Bolívia

Ponte da Bolívia: seu comprimento total é de vinte metros, divididos em três vãos, sendo um central, de 13 metros, e os outros dois extremos, de 3,40, cada.

Visualizar

Pontes sobre o Mindu

Vista do Complexo Viário Ephigênio Salles. À esquerda, a primeira ponte (acima) e a segunda ponte (abaixo) sobre o Mindu. Foto: Robervaldo Rocha.

Visualizar

Ponte da avenida Darcy Vargas em 2006

Vista da Ponte da avenida Darcy Vargas com um vão de 9,80 metros de largura, cuja construção foi concluída em março de 1974 pela empresa Conterra.

Visualizar

Ponte da avenida Darcy Vargas

Ponte da avenida Darcy Vargas, já toda em concreto. Acervo: Frank Lima.

Visualizar

Vista do igarapé do Mindu

Vista do igarapé do Mindu. Abaixo, trecho da avenida Jornalista Umberto Calderaro Filho, onde se vê a terceira ponte. Foto: Robervaldo Rocha.

Visualizar

Balneário do Parque Dez

Vista aérea do extinto balneário do Parque Dez. Abaixo, à direita, a ponte construída sobre o igarapé do Mindu, na antiga rua Recife.

Visualizar

Ponte da Recife

Ponte da Recife, antes da construção do viaduto Miguel Arraes. Foto: Vilar Câmara.

Visualizar

Primeira ponte de concreto construída no Mindu

A primeira ponte de concreto foi construída na década de 1950 como parte das obras de abertura da então Rodovia BR-17, Manaus-Caracaraí.

Visualizar

Pontes Lopes Braga e Joana Galante

Vista aérea das pontes Lopes Braga (abaixo) e Joana Galante (acima). Acervo: Amazonas Em Tempo.

Visualizar

Ponte Joana Galante

A Ponte Joana Galante serve para o trânsito de veículos no sentido inverso, ligando a mesma avenida São Jorge à rua Arthur Bernardes.

Visualizar

Ponte Engenheiro Lopes Braga

Sua inauguração ocorreu no dia 31 de janeiro de 1952 em meio às comemorações do primeiro ano de governo de Álvaro Maia.

Visualizar

Vista aérea da Ponte Senador Fábio Lucena

Vista aérea dos bairros Nossa Senhora Aparecida (abaixo) e São Raimundo (acima), com destaque para a Ponte Senador Fábio Lucena. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Ponte Senador Fábio Lucena (3)

Sua extensão mede 256 metros de comprimento e está dividida em oito vãos de 32 metros, cada. O tabuleiro superior possui 11,30 metros de largura.

Visualizar

Bairro Nossa Senhora Aparecida

Vista aérea do bairro Nossa Senhora Aparecida. Ao fundo, o igarapé de São Raimundo e o bairro de mesmo nome. Foto: Correia Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Pontes Presidente Dutra e da Conciliação

Vista aérea das pontes Presidente Dutra (abaixo) e da Conciliação (acima).

Visualizar

Ponte da Conciliação

Ponte da Conciliação, inaugurada em 1979. Acervo: Jornal do Commercio. Sua denominação foi oficializada pelo Executivo Municipal em 9 de outubro de 1979.

Visualizar

Ponte Presidente Dutra

Vista aérea da Ponte Presidente Dutra. À esquerda, a antena da, hoje, extinta TV Ajuricaba. Foto: Correia Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Vista lateral da Ponte Presidente Dutra

Em 1948, o projeto arquitetônico elaborado pelos engenheiros Osvaldo de Góes, Simplício Madureira de Pinho e Eduardo Lins foi encaminhado ao Governo Federal.

Visualizar

Detalhe da Ponte Presidente Dutra

Construída sobre o igarapé do São Raimundo para viabilizar o acesso dos moradores do bairro de mesmo nome ao restante da cidade.

Visualizar

Vista panorâmica da Ponte Antônio Plácido

Moradores do bairro do Educandos queriam que se homenageasse o primeiro pároco da Igreja de N. Senhora do Perpétuo Socorro, padre Antônio Plácido de Souza.

Visualizar

Ponte Antônio Plácido de Souza

Após várias discussões, em 10 de outubro de 1975, por meio da Lei 1.223, a ponte recebeu sua denominação oficial: Ponte Padre Antônio Plácido de Souza.

Visualizar

Vista da Ponte Antônio Plácido de Souza

Com 340 metros de comprimento e, aproximadamente, 8,50 de largura, a obra foi inaugurada no dia 18 de outubro, com a presença de Henoch Reis.

Visualizar

Construção da Ponte Padre Antônio Plácido de Souza

A intenção de Frank era entregar a ponte em 1974, mas as obras foram concluídas em março de 1975, mês em que Frank Lima deixou a Prefeitura.

Visualizar

Igarapé do Educandos

Igarapé do Educandos, antes da construção da ponte. In: Levantamento aerofotogramétrico de Manaus. DNOS – 2º DFOS. Década de 1960. Acervo: Jucineide Araújo.

Visualizar

Ponte Juscelino Kubitschek

Vista aérea da Ponte Juscelino Kubitschek, com a ponte Ephigênio de Salles mais abaixo, em paralelo. No canto superior esquerdo, vê-se a Ponte São Benedito.

Visualizar

Ponte Ephigênio de Salles em 2009

Vista da Ponte Ephigênio de Salles em 2009, atualmente, utilizada apenas como passagem para pedestres. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Ponte Ephigênio de Salles (2)

Antes de sua construção, o Poder Público já havia tentado três vezes, sem êxito, erguer uma ponte que ligasse o bairro Educandos ao resto da cidade.

Visualizar

Vista da Ponte Ephigênio de Salles

Vista da Ponte Ephigênio de Salles, ao fundo, à esquerda. Fotografia feita na década de 1940 por Moacir Andrade, hoje, exposta no Palácio do Governo.

Visualizar

Pontes Romanas I e II

Vista aérea das pontes Romanas, com o Centro Cultural Palácio Rio Negro. No entorno, as obras de aterramento e revitalização realizadas pelo Prosamim.

Visualizar

Ponte Romana I e a Ponte Romana II

Em 1956 a Prefeitura de Manaus realizou pequenos reparos na estrutura das duas pontes, que incluíam a renovação da pintura.

Visualizar

Vista aérea das Pontes Romanas

Vista aérea das pontes Romanas, com os igarapés em pleno período de vazante do rio Negro. Foto: Correia Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Pontes Romanas

Em 13 de maio de 1873, aprovou-se a Lei Provincial 260 que autorizou a construção das pontes sobre o igarapé de Manaus e o igarapé do Caxangá.

Visualizar

Ponte Romana II (2)

A Ponte Romana I e a Ponte Romana II são assim conhecidas pela população devido ao estilo arquitetônico de suas construções.

Visualizar

Parque Ponte dos Bilhares (2)

Vista aérea do Parque Ponte dos Bilhares. Dividindo o complexo, a Ponte Prudente de Moraes. Acervo: Amazonas Em Tempo.

Visualizar

Vista da Ponte Prudente de Moraes

Na administração municipal de Serafim Corrêa (2005-2008), a Ponte passou por restauração devido à construção do Parque Ponte dos Bilhares.

Visualizar

Ponte Prudente de Moraes (2)

Quando a conservação dessa Ponte foi repassada para o Executivo Municipal sua denominação foi alterada para Ponte Prudente de Moraes.

Visualizar

Vista lateral da Ponte Prudente de Moraes

Segunda ponte de ferro a ser erguida pela administração do governador Eduardo Ribeiro, sua história também tem início em 1893.

Visualizar

Vista frontal da Ponte Prudente de Moraes

Construída pelo engenheiro Frank Hirst Hebblethwaite – o mesmo da Ponte Benjamin Constant –, ocorreu em 18 de setembro de 1895.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant em sua reinauguração

A Ponte teve sua estrutura reforçada para suportar o tráfego de veículos que é intenso na avenida, mas foram mantidas suas características originais.

Visualizar

Vista aérea da Ponte Benjamin Constant

Vista aérea da ponte. No canto superior direito, a Cadeia Pública Des. Raimundo Vidal Pessoa. Foto: Correia Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant na década de 1970

Inaugurada no dia 7 de setembro de 1895, ela foi denominada Ponte Benjamin Constant pelo Decreto 3, de 4 de julho de 1896.

Visualizar

Vista lateral da Ponte Benjamin Constant

Vista lateral da ponte, com o detalhe do bonde, único meio de transporte público coletivo daquela época Foto: Coleção Silvino Santos.

Visualizar

Vista frontal da Ponte Benjamin Constant

A Ponte Benjamin Constant foi construída sobre o igarapé do Mestre Chico e serve de ligação entre os bairros Centro e Cachoeirinha.

Visualizar

Ponte dos Remédios

Ponte de ferro dos Remédios. 1896. Acervo: Sesc-Am.

Visualizar

Ponte de ferro dos Remédios

Vista lateral da ponte de ferro dos Remédios. Acervo: Sesc-Am.

Visualizar

Ponte do Espírito Santo

Ponte do Espírito Santo, que ligava os bairros Espírito Santo e República. Mais à frente, a antiga praça Riachuelo. In: Roteiro Histórico de Manaus, 1998.

Visualizar

Ponte da Imperatriz

À esquerda, as palmeiras reais do antigo largo da Olaria e à direita, a Igreja Matriz. In: O valle do Amazonas e o problema da borracha. Manoel Lobato.

Visualizar

Antiga Ponte da Imperatriz

Vista da antiga Ponte da Imperatriz. In: Manaus – Referências da história, 2005. Etelvina Garcia.

Visualizar

Ponte Benjamin Constant

Ponte Benjamin Constant, situada na avenida Sete de Setembro, foi construída sobre o igarapé do mestre Chico. In: Album do Amazonas 1901-1902.

Visualizar

Monumento a Ferreira de Castro

O monumento em homenagem ao escritor português José Maria Ferreira de Castro foi inaugurado na praça Heliodoro Balbi (da Polícia), no dia 06/09/1986.

Visualizar

Monumento a Eduardo Ribeiro

Monumento instalado na praça Antônio Bittencourt. Ao fundo, monumento a Nossa Senhora da Conceição e o Instituto de Educação do Amazonas. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Monumento a Agnello Bittencourt

Monumento sendo inaugurado em 1976, na mureta da praça Cinco de Setembro, com a presença do prefeito Jorge Teixeira, à esquerda. Acervo: Arquivo Público Municipal.

Visualizar

Monumento a Ephigênio de Salles

O busto do ex-presidente do Estado, mandado construir pela Prefeitura Municipal de Manaus e pelo Governo do Estado, foi inaugurado em 11 de março de 1975,

Visualizar

Monumento (modificado) a Bruno de Menezes

Monumento modificado, na praça Heliodoro Balbi. À esquerda, edifício do então Comando-Geral da Polícia Militar. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Monumento a Bruno de Menezes

Escultura do rosto de Bruno de Menezes, no monumento original instalado na praça Heliodoro Balbi. In: Revista Ocupação do Amazonas – Manaus ZF, 1969.

Visualizar

Escultura na Praça Gonçalves Dias

O poeta maranhense Antônio Gonçalves Dias foi homenageado em 1965 com a instalação do monumento, em frente ao Pavilhão São Jorge.

Visualizar

Monumento a Floriano Peixoto

A construção de uma estátua em homenagem ao marechal Floriano Peixoto foi autorizada pela Lei Estadual 126, de 2 de setembro de 1895.

Visualizar

Praça e Monumento a Ribeiro Junior

O monumento em homenagem ao ex-governador Ribeiro Júnior foi inaugurado em 23 de julho de 1955 com a presença de sua filha Yara Ramos Ribeiro.

Visualizar

Busto de Carlos Gomes sobre a harpa

O busto foi esculpido por Enrico Quattrini, um dos artistas que faziam parte da equipe de De Angelis e que vieram a Manaus para as obras do teatro.

Visualizar

Monumento a Carlos Gomes

Monumento, no dia da inauguração, rodeado por estudantes da Escola Normal, com o governador Álvaro Maia ao centro. In: Mensagem do prefeito municipal Antonio Maia, 1937.

Visualizar

Barão de Sant’anna Nery

Vista do monumento, no jardim Jaú, de onde se vê, ao fundo, o prédio do Banco do Brasil e os ônibus circulando na rua Marquês de Santa Cruz.

Visualizar

Monumento a Sant’anna Nery no Jardim Jaú

Monumento no jardim Jaú, sem o gradil. Ao fundo, o Pavilhão Universal (à esquerda) e a Catedral de Nossa Senhora da Conceição (à direita).

Visualizar

Monumento a Sant’anna Nery

A construção do monumento em homenagem ao escritor e folclorista data do início do século XX e foi uma iniciativa do empresário Sebastião Diniz.

Visualizar

Vista do Obelisco na avenida Eduardo Ribeiro

Vista do Monumento ao Primeiro Centenário da Elevação da Vila da Barra do Rio Negro à categoria de Cidade, durante realização de desfile estudantil.

Visualizar

Congresso Eucarístico

Vista da praça Antônio Bittencourt, na manhã do dia 1º de junho de 1942, quando aconteceu a abertura solene do Primeiro Congresso Eucarístico. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Nossa Senhora da Conceição

Monumento a Nossa Senhora da Conceição. Década de 1970. Foto: Hamilton Salgado.

Visualizar

Monumento a Nossa Senhora da Conceição

O monumento em homenagem a Nossa Senhora da Conceição é composto por uma coluna de pedra sobre a qual está colocada uma imagem dessa Santa.

Visualizar

Vista noturna do Relógio Municipal

Vista noturna do Relógio Municipal. Foto: Alex Pazuello.

Visualizar

Vista do Relógio Municipal

Vista do Relógio Municipal. Atrás dele, o antigo posto de gasolina da Texaco, que funcionava na avenida Eduardo Ribeiro e hoje não existe mais.

Visualizar

Relógio Municipal

O Relógio Municipal de Manaus faz parte do Patrimônio Histórico Estadual do Amazonas, tombado pelo Decreto 11.197, de 14 de junho de 1988.

Visualizar

Estátua de Tenreiro Aranha

A inauguração do monumento ocorreu em 5 de setembro de 1907, na antiga praça Tenreiro Aranha, e ali permaneceu ate 1932, quando foi transferida para a Praça 5 de setembro (da Saudade).

Visualizar

Maquete eletrônica da restauração da Praça Cinco de Setembro

Maquete eletrônica do projeto de restauração da praça Cinco de Setembro (da Saudade) em 2008. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Vista do monumento na Praça Cinco de Setembro

Vista do monumento na praça Cinco de Setembro. Década de 1970. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Monumento na Praça Tenreiro Aranha

Monumento visto do início da antiga passagem que entrecortava a praça Tenreiro Aranha. Cartão-postal Bazar Sportivo. Acervo João Bosco Araújo.

Visualizar

Monumento em homenagem à Tenreiro Aranha

Monumento visto do cruzamento das ruas Guilherme Moreira e Theodoreto Souto. In: Annuario de Manáos 1913-1914.

Visualizar

Primeiro monumento instalado em 1867

Primeiro monumento (coluna de pedra), instalado em 1867. Ao fundo, a rua José Clemente. In: O valle do Amazonas e o problema da borracha, 1912.

Visualizar

Vista do monumento em homenagem à abertura dos Portos

Esse Monumento foi restaurado em 1995 graças à reforma realizada pela Prefeitura de Manaus em parceria com a empresa Xerox do Brasil.

Visualizar

Monumento à Abertura dos Portos

Esse monumento foi erguido em homenagem à abertura do rio Amazonas ao comércio mundial, decretada por D. Pedro II no dia 7 de dezembro de 1866.

Visualizar

Vista do Teatro Amazonas em 2009

O Teatro Amazonas, atualmente, integra o Centro Cultural Largo de São Sebastião. Contém 701 lugares, divididos em plateia, frisas e camarotes.

Visualizar

Salão de espetáculos do Teatro Amazonas

Salão de espetáculos do Teatro, visto do ângulo do palco para a plateia. Teto pintado por Crispim de Amaral. Foto: Alex Pazuello.

Visualizar

Salão Nobre do Teatro Amazonas

Entre 1973 e 1974, na administração estadual de João Walter de Andrade, o nosso templo das artes passou pela sua primeira restauração.

Visualizar

Teatro Amazonas, antes da pavimentação de seu entorno

Vista panorâmica do Teatro, antes da pavimentação de seu entorno. Ao fundo, o rio Negro e a igreja Matriz (à direita). Foto: George Huebner.

Visualizar

Teatro Amazonas com seu entorno ainda em obras

Teatro Amazonas com suas rampas de acesso ainda em obras. Ao fundo, o Palácio da Justiça, em construção. In: Album Descriptivo Amazonico, 1899. Arthur Caccavoni.

Visualizar

Projeto da fachada do Teatro Amazonas

O responsável pelo projeto do teatro foi o Gabinete de Architectura e Engenharia Civil de Lisboa, cujo representante era Bernardo Antônio de Oliveira Braga.

Visualizar

Vista panorâmica do Teatro Amazonas

Vista do Teatro Amazonas, com a praça São Sebastião à frente e o Palácio da Justiça atrás. Ao fundo, o Estádio General Osório e o Colégio Dom Bosco.

Visualizar

Antigo chafariz da Praça João Pessoa

Chafariz instalado na Bola do Eldorado com os leões invertidos. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Antiga Praça da Bola do Olímpico

Vista aérea do local da praça modificado. In: Manaus – 4 anos administração Jorge Teixeira, [s. n.].

Visualizar

Praça da Bola do Olímpico

Vista aérea da ex-praça, na área em que depois foi construído o viaduto Dom Jackson Damasceno Rodrigues. Foto: Correia Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Chafariz da antiga Praça João Pessoa

Chafariz instalado na antiga Praça João Pessoa. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Área da antiga Praça João Pessoa

Devido às obras realizadas na avenida Constantino Nery pelo prefeito Jorge Teixeira em 1975, essa Praça foi extinta e, no local, ficou apenas a estátua.

Visualizar

Antiga Praça João Pessoa

Em 1952, esse logradouro passou por uma remodelação e, no ano seguinte, por meio de Lei Municipal foi oficializada como Praça João Pessoa.

Visualizar

A extinta Praça Sargento Manoel Chagas

Vista aérea da, hoje extinta, Praça Manoel Chagas no início da rua João Alfredo. Década de 1970. Foto: Correia Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Praça Sargento Manoel Chagas

Imagem aérea da ex-Praça Manoel Chagas. In: Levantamento aerofotogramétrico de Manaus. DNOS – 2º DFOS. Década de 1960. Acervo: Jucineide Araújo.

Visualizar

Praça José Lindoso

Imagem de satélite da área da extinta praça José Lindoso. Fonte: Google Earth.

Visualizar

Praça Ribeiro da Cunha em 1929

Vista da praça com muro construído em seu entorno. In: Relatório do prefeito municipal Araújo Lima, 1929.

Visualizar

Praça Ribeiro da Cunha

Em nota publicada no jornal Diário da Tarde, de 16 de janeiro de 1959, essa área aparece com a nomenclatura Praça Ribeiro da Cunha.

Visualizar

Praça Presidente Bernardes

Vista da então Praça Presidente Bernardes com prédio do grupo escolar de mesmo nome ao fundo. In: Album de Manáos 1929.

Visualizar

Praça General Carneiro

Vista da área da extinta Praça Gomes Carneiro, onde foi construído o Palácio Rodoviário. Década de 1970. Foto: Correia Lima. Acervo: Eduardo Braga.

Visualizar

Extinta Praça Floriano Peixoto

Sua denominação – Praça Floriano Peixoto – foi proposta pelo superintendente municipal Manuel Uchôa Rodrigues, por meio do Decreto 1, de 20/02/1894.

Visualizar

Centro Paroquial da Igreja Nossa Senhora de Fátima

Vista da área da antiga Praça Nossa Senhora de Fátima já ocupada pelo Centro Paroquial da igreja. Foto: Nonato Oliveira.

Visualizar

Praça e igreja de Nossa Senhora de Fátima

A área dessa Praça permaneceu como um descampado até a década de 1960. Mas durante a administração do prefeito Paulo Nery, foi iniciada a urbanização.

Visualizar

Praça Nossa Senhora de Fátima

Vista da, hoje extinta, praça Nossa Senhora de Fátima após pavimentação de sua área no início da década de 1970. Acervo: Frank Lima.

Visualizar

Praça Benjamin Constant na década de 1970

No fim da década de 1920, a Intendência Municipal, por meio da Lei 1.477, de 16 de abril de 1928, deu-lhe novo nome: Praça Coronel Antônio Bittencourt.

Visualizar

Praça Benjamin Constant

Imagem aérea da ex- Praça Benjamin Constant. In: Levantamento aerofotogramétrico de Manaus. DNOS – 2º DFOS. Década de 1960. Acervo: Jucineide Araújo.

Visualizar

Praça Rio Branco

O termo de doação definitiva da Praça Rio Branco foi assinado no dia 30 de maio de 1934 pelo interventor federal Álvaro Maia.

Visualizar

Vista aérea do estádio General Osório

Vista aérea do estádio General Osório, com o ginásio coberto do Colégio Militar ainda em construção. Década de 1970. Foto: Correia Lima.

Visualizar

Piscina da Praça General Osório

Detalhe da piscina da Praça General Osório. Acervo: Biblioteca do IBGE – Arquivo Fotográfico Ilustrativo dos Municípios Brasileiros.

Visualizar

Praça General Osório

Vista aérea do estádio General Osório, com o ginásio coberto do Colégio Militar ainda em construção. Década de 1970. Foto: Correia Lima.

Visualizar

Praças Riachuelo e Paysandu

De acordo com a Mensagem do presidente da Província, José Jansen Ferreira Júnior, essa praça localizava-se entre rua Saldanha Marinho e a Cinco de Setembro.

Visualizar

Praça Riachuelo

Vista da Praça Riachuelo que antes de ter esse nome recebeu duas outras nomenclaturas: Praça do Imperador e Largo do Espírito Santo.

Visualizar

Praça Ruy Araújo

Em agosto de 1987, na administração do prefeito Manoel Ribeiro, esse espaço recebeu melhoramentos e recebeu o nome de Praça Francisco de Queiroz.

Visualizar

Estátua de Nossa Senhora Auxiliadora

Estátua de Nossa Senhora Auxiliadora situada ao centro da praça com o mesmo nome. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Praça Duque de Caxias

Vista da Praça Duque de Caxias. 1969. Acervo: Arquivo Público Municipal.

Visualizar

Praça Ismael Benigno

Vista lateral da Praça Ismael Benigno. Foto: Durango Duarte. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Padre Francisco

Vista da Praça Padre Francisco após reforma na década de 1950. In: O Jornal, de 11.05.1958. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Comandante Ventura

Vista da Praça Comandante Ventura, mais conhecida como Praça da Bandeira Branca. Foto: Altemar Alcantara. Acervo: Semcom.

Visualizar

Praça Francisco Pereira da Silva

Vista aérea da Praça Francisco Pereira da Silva. Acervo: Amazonas Em Tempo.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Bola da Suframa

Vista aérea da Bola da Suframa. Foto: Hamilton Salgado. Acervo: Igha.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Vista aérea da Praça Santos Dumont

Vista aérea da Praça Santos Dumont. Acervo: Amazonas Em Tempo.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Vista da Praça Santos Dumont

Imagem da Praça Santos Dumont. In: Levantamento aerofotogramétrico de Manaus. DNOS – 2º DFOS. Década de 1960. Acervo: Jucineide Araújo.

Visualizar

Imagem de satélite da Praça do Educandos

Imagem de satélite da Praça do Educandos. Fonte: Google Earth.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Praça Nossa Senhora de Nazaré (2)

Vista da Praça Nossa Senhora de Nazaré em 2009. Foto: Durango Duarte.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Vista aérea da Praça da Vila

Vista aérea da Praça da Vila. Cartão-postal A Favorita.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Vista dos jardins da Praça Chile

Vista dos jardins da praça Chile. Ao fundo, o cemitério São João Batista. Foto: Durango Duarte. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Chile e Reservatório do Mocó

Vista da Praça Chile com detalhe do Reservatório do Mocó, à direita. Foto: Durango Duarte. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Jardins da Praça Chile

Vista aérea de parte dos jardins da Praça Chile, à esquerda. Ao centro, Reservatório do Mocó e, ao fundo, Cemitério São João Batista. Foto: Correia Lima.

Visualizar

Imagem aérea da Praça Chile

Imagem aérea da Praça Chile. In: Levantamento aerofotogramétrico de Manaus. D.N.O.S. – 2º D.F.O.S. Década de 1960. Acervo: Jucineide Araújo.

Visualizar

Vista da Praça Dom Bosco

Vista da Praça Dom Bosco em 2009. Foto: Durango Duarte. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Dom Bosco após a instalação do busto

Praça após a instalação do busto de Dom Bosco. Acervo: Moacir Andrade.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Vista da então Praça Uruguaiana

Vista da então Praça Uruguaiana. Início do século XX. Cartão-postal A Favorita.
Imagem do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Vista aérea da Praça Antônio Bittencourt (do Congresso)

Vista aérea da Praça Antônio Bittencourt (do Congresso). Foto: Robervaldo Rocha. Acervo: Semcom. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Antônio Bittencourt com os jardins separados

Vista da Praça Antônio Bittencourt com os quatro jardins separados e o Monumento a Nossa Senhora da Conceição no canto inferior esquerdo.

Visualizar

Praça Antônio Bittencourt (do Congresso)

Vista da Praça Antônio Bittencourt. Ao fundo, à esquerda, o prédio do Departamento da Saúde Pública. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Área da Praça do Congresso

Vista do terreno da praça em frente ao Instituto Benjamin Constant. Acervo: Moacir Andrade. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Área da Praça Antônio Bittencourt

No canto superior esquerdo, área original da praça, ainda descampada. Acervo: CCPA.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Planta da Praça Antônio Bittencourt

Representação da área da Praça Antônio Bittencourt, em formato de uma taça. In: Planta de Manáos e arrebaldes de 1906. Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Pavilhão São Jorge na Praça Roosevelt

Pavilhão São Jorge situado na área da Praça Roosevelt. Acervo: Manaustur.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Gonçalves Dias

Praça Gonçalves Dias com o pavilhão ao centro. Foto: Correia Lima. Acervo: Eduardo Braga. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Pavilhão São Jorge

Pavilhão São Jorge instalado na antiga Praça Gonçalves Dias. Acervo: A Crítica.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Heliodoro Balbi e Roosevelt

Vista aérea das praças Heliodoro Balbi e Roosevelt. Década de 1970. Cartão-postal. Acervo: de Coronel Roberto Mendonça. Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Vista aérea da Praça João Pessoa

Vista aérea da Praça João Pessoa, onde se vê as praças Roosevelt, Ribeiro Júnior e Gonçalves Dias, com o Pavilhão São Jorge, depois Café do Pina.

Visualizar

Detalhe da Praça Heliodoro Balbi

Vista de um dos aspectos da Praça Heliodoro Balbi com Palacete Provincial, ao fundo. Foto: Durango Duarte. Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Mulateiro da Praça Heliodoro Balbi

Vista da Praça Heliodoro Balbi, onde se vê, à esquerda, o mulateiro sob o qual aconteciam as reuniões do Clube da Madrugada. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Coreto de Ferro e Palacete Provincial

Vista do coreto de ferro restaurado. Ao fundo, o Palacete Provincial. Foto: Durango Duarte.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Busto Ferreira de Castro

Detalhe da Praça Heliodoro Balbi com busto de Ferreira de Castro e o coreto grego. Foto: Durango Duarte. Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Heliodoro Balbi em 2007

Vista aérea da Praça Heliodoro Balbi e Palacete Provincial em 2007, antes de ser iniciada sua restauração pelo Governo Estadual. Acervo: Amazonas Em Tempo.

Visualizar

Praça João Pessoa

Vista da então Praça João Pessoa, ao centro; Praça Roosevelt, à esquerda, e Praça Gonçalves Dias e Pavilhão São Jorge, à direita. Foto: Correia Lima.

Visualizar

Praça Heliodoro Balbi (3)

Vista lateral da Praça Heliodoro Balbi, de onde se vê o Colégio Amazonense Dom Pedro II, à esquerda, e o Palacete Provincial, à direita.

Visualizar

Praça Heliodoro Balbi ladeada por Fícus-benjamin

Vista da parte da praça ladeada por Fícus-benjamin. À direita, em primeiro plano, estátua de ninfa. Foto: Silvino Santos. Acervo: IGHA.

Visualizar

Praça Heliodoro Balbi após calçamento

Vista da praça Heliodoro Balbi após o calçamento de sua área. In: Album do Amazonas 1901-1902. Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça da Constituição (2)

Formação do Regimento Policial Militar na então Praça da Constituição, vista do ângulo do Palacete Provincial. Abril de 1901.

Visualizar

Palacete Provincial

Vista do Palacete Provincial. In: O Estado do Amazonas 1899.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Centro Cultural Largo de São Sebastião

Vista da aérea do Centro Cultural Largo de São Sebastião em 2009. Acervo: Amazonas Em Tempo. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Largo de São Sebastião

Vista das fachadas dos prédios que compõem o Largo de São Sebastião, ao entardecer. Foto: Alex Pazuello. Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça São Sebastião na década de 1990

Vista aérea, onde de vê, à esquerda, trecho da rua José Clemente tomado por carros estacionados. Década de 1990. Acervo: SEC-Am.

Visualizar

Praça São Sebastião (2)

Vista da Praça São Sebastião, onde se vê, em seu entorno, o Teatro Amazonas, e a igreja de São Sebastião. Acervo de Moacir Andrade.

Visualizar

Praça São Sebastião com mosaico português

Imagem da Praça São Sebastião com destaque para o calçamento em moisaico português. Foto de Silvino Santos. Acervo: IGHA.

Visualizar

Praça São Sebastião e seu entorno

Vista aérea da Praça São Sebastião e seu entorno. Acervo: Biblioteca Samuel Benchimol.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Detalhe da Praça de São Sebastião

Vista do detalhe da Praça São Sebastião, à direita. Acervo: Moacir Andrade.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça São Sebastião antes da pavimentação

Vista da Praça São Sebastião antes da pavimentação. In: O Estado do Amazonas, 1899.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça da Saudade em 2006

Vista da Praça da Saudade em 2006. Foto: Alex Pazuello.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Espelho d’água na Praça da Saudade

Praça da Saudade com espelho d’água e estátuas. Década de 1970. Acervo: Jornal do Commercio. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Avião DC-3 na Praça da Saudade

Vista da Praça da Saudade após a instalação do avião DC-3. Final da década de 1970. In: Manaus – 4 anos administração Jorge Teixeira.

Visualizar

Praça da Saudade após remodelação

Vista aérea da Praça da Saudade após remodelação do prefeito Josué Cláudio de Souza. Década de 1960. Acervo: Biblioteca Samuel Benchimol.

Visualizar

Praça da Saudade (2)

Imagem da Praça da Saudade com a estátua de Tenreiro Aranha, ao centro, e os caramanchões laterais. Acervo: Biblioteca do IBGE.

Visualizar

Vista aérea da Praça dos Remédios em 2009

Vista aérea da Praça dos Remédios em 2006. Acervo: Amazonas Em Tempo.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça dos Remédios na década de 1970

Vista aérea da Praça dos Remédios com novo formato. Década de 1970. Foto: Correia Lima. Acervo: Eduardo Braga. Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça dos Remédios na década de 1920

Vista aérea da Praça dos Remédios, com seu terreno totalmente ajardinado. Ao fundo, a nova igreja. Década de 1920. Acervo: CCPA.

Visualizar

Calçamento do canteiro da Praça dos Remédios

Vista da Praça dos Remédios, após calçamento do canteiro central. In: Annuario de Manáos 1913-1914 – Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Terreno da Praça dos Remédios

Terreno em que foi construída a praça. Ao fundo, vê-se a antiga Igreja de Nossa Senhora dos Remédios – Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Nove de Novembro

Imagem de satélite da Praça Nove de Novembro. Fonte: Google Earth.
Acervo do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Praça Nove de Novembro em 2006

Vista da Praça Nove de Novembro em 2006. Foto: Durango Duarte.
Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Reforma da Praça Nove de Novembro

Vista aérea da praça durante reforma do prefeito Jorge Teixeira. Década de 1970. Foto: Hamilton Salgado – Acervo Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Nove de Novembro na década de 1960

Foto da Praça Nove de Novembro. In: Levantamento aerofotogramétrico de Manaus. DNOS – 2º DFOS. Década de 1960. Acervo: Jucineide Araújo.

Visualizar

Praça Dom Pedro II em 2006

Vista da praça em 2006. Em primeiro plano, do chafariz, ao fundo, o coreto em ferro fundido e o Paço Municipal. Foto: Alex Pazuello.

Visualizar

Vista aérea da Praça Dom Pedro II

Vista aérea da Praça Dom Pedro II. Ao seu redor, as ruínas do Hotel Cassina, à direita, e o prédio do INSS (ex-lapetec), à esquerda. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Praça Dom Pedro II na década de 1960

Praça Dom Pedro II. À esquerda, o prédio do INSS. Década de 1960. Acervo: Moacir Andrade. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça da República

Vista da Praça da República, de onde se­ vê, ao centro, o chafariz. In: Album Descriptivo Amazonico, 1899. Arthur Caccavoni.

Visualizar

Praça Dom Pedro II em 1893

Vista da Praça Dom Pedro II, cercada por gradil de ferro, em 1893. In: Album da cidade de Manaus 1848-1948 – Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Largo do Quartel

Vista do então Largo do Quartel durante calçamento da sua área na década 80 do século XIX. In: Folha Acadêmica, Abril a Julho de 1948.

Visualizar

Avenida Floriano Peixoto

Vista da avenida Floriano Peixoto, onde existiu uma praça, que teve parte de sua área ocupada pelo estacionamento do Hotel Amazonas. Foto: Silvino Santos.

Visualizar

Praça Marechal Thaumaturgo

Imagem dos jardins da antiga Praça Marechal Thaumaturgo. In: Relatório do prefeito municipal Pedro Severiano Nunes, 1934.

Visualizar

Jardim Tamandaré

Vista do, hoje extinto, Jardim Tamandaré, em frente ao prédio da Capitania dos Portos. Foto: Nonato Oliveira – Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Tenreiro Aranha

Vista da Praça Tenreiro Aranha. Foto: Marcelo Borges. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Praça reformada

Vista da praça com sua área remodelada e transformada em estacionamento. Década de 1970. Acervo: Moacir Andrade.

Visualizar

Monumento à Província

Vista da praça após a instalação do Monumento à Província. Acervo: CCPA. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Jardim da então Praça Tamandaré

Jardim da então Praça Tamandaré. In: Relatório do superintendente municipal Jorge de Moraes, 1913. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Aviaquário Municipal (2)

Vista da área do antigo Aviaquário Municipal. Foto: Nonato Oliveira. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Aviaquário Municipal

Aviaquário Municipal. Acervo: João Bosco Araújo. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Jardim lateral

Vista parcial do jardim lateral que fica para o lado da avenida Eduardo Ribeiro. Década de 1970. Acervo: Moacir Andrade. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Parque da Matriz (2)

Vista da área do Parque da Matriz. Década de 1970. Acervo: Museu Amazônico. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Parque da Matriz

Vista aérea do Parque da Matriz, na década de 1960. Foto: Hamilton Salgado. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Manaus na década de 1920

Vista parcial da área do Centro, onde se vê a Igreja Matriz e o seu Parque, composto pelos jardins laterais e a parte frontal com o viveiro de plantas.

Visualizar

Planta do Parque da Matriz

Planta baixa do projeto de construção do Parque da Matriz. 1897. Acervo: IGHA. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Posto Texaco

Antigo posto de gasolina Texaco, com o Pavilhão Ajuricaba à esquerda. Foto: Hamilton Salgado. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Jardim Ajuricaba de Menezes

Jardim Ajuricaba de Menezes com o chafariz de ferro. In: Álbum de Manáos 1929 – Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Pavilhão Universal

Pavilhão Universal. Acervo: CCPA – Livro Manaus, entre o passado e o presente, do escritor Durango Duarte, publicado em 2009.

Visualizar

Antigo Jardim Jaú (2)

No canto superior esquerdo, área onde ficava o antigo Jardim Jaú, ocupada por uma praça de forma triangular. Década de 1990. Acervo: A Crítica.

Visualizar

Jardim Jaú

Jardim Jaú, com o monumento a Sant’Anna Nery e Tabuleiro da Baiana. À direita, o Jardim do Pavilhão Universal. Acervo: Jornal do Commercio.

Visualizar

Praça Oswaldo Cruz, vista aérea

Vista da Praça Oswaldo Cruz, com o Jardim Santos Dumont, Jardim Jaú, Jardim Ajuricaba de Menezes, Jardim do Pavilhão Universal e do Pavilhão Ajuricaba.

Visualizar

Catedral e seu entorno

Vista aérea da Catedral e seu entorno, onde se vê a área do único jardim que restou da Praça Oswaldo Cruz, incorporado ao Parque da Matriz.

Visualizar

Praça Oswaldo Cruz após reforma

Vista da Praça, após reforma do prefeito Jorge Teixeira. Foto: Nonato Oliveira. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente, de Durango Duarte.

Visualizar

Reforma da Praça Oswaldo Cruz

Praça Oswaldo Cruz durante reforma de sua área em 1975. Acervo: Moacir Andrade. Imagem do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Oswaldo Cruz e seus jardins

Praça Oswaldo Cruz e seus jardins. Década de 1960. Acervo: João Bosco Araújo – Imagem do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça Oswaldo Cruz, contornada pelos trilhos dos bondes

Vista aérea da Praça Oswaldo Cruz, contornada pelos trilhos dos bondes na década de 1920. Acervo Centro Cultural Povos da Amazônia (CCPA).

Visualizar

Praça Oswaldo Cruz no início do século XX

Vista da Praça Oswaldo Cruz no inicio do século XX. Acervo João Bosco Araújo. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Praça 15 de Novembro

Vista da então Praça 15 de Novembro durante calçamento da sua área, após a instalação da fonte-monumental. Acervo: O Estado do Amazonas, 1899.

Visualizar

Área em frente à Igreja da Matriz

Imagem que compõe o livro Manaus, entre o passado e o presente, publicado em 2009 com o intuito de resgatar a memória de nossa cidade.

Visualizar

Praça da Imperatriz

Vista da então Praça da Imperatriz no período do aterramento da sua área. Hoje, Praça Oswaldo Cruz. Livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Vista aérea de Manaus na década de 1960

Vista da área do porto e parte da cidade de Manaus na década de 1960. Imagem retirada do livro Manaus, entre o passado e o presente.

Visualizar

Centro de Manaus na década de 1960

Vista aérea do Centro de Manaus na década de 1960. Imagem do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Encontro das Águas e Embarcações

“Em questão de Solimões, fundamental é saber que o negro não se mistura com o amarelo”… Este trecho da música “Não mate a mata”.

Visualizar

Limites da cidade de Manaus

Erguida no meio da selva amazônica, Manaus é uma cidade que possui como limites naturais as águas dos rios e as florestas.

Visualizar

Sistema de Vigilância da Amazônia

Conjunto de prédios do Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam) que iniciou suas atividades a partir de 2002.

Visualizar

Círculo Militar de Manaus

Círculo Militar de Manaus (Cirmman), criado na década de 1970 e situado à rua São Paulo, bairro São Jorge, zona oeste.

Visualizar

Hospital Militar de Área de Manaus

Hospital Militar de Área de Manaus (HMAM), fundado em 1953 à rua Professor Ernani Simão, bairro Cachoeirinha, zona sul.

Visualizar

Sede do 12º Batalhão de Suprimento

Sede do 12º Batalhão de Suprimento (12º BSup), à avenida Marechal Bittencourt, no bairro Santo Antônio, zona oeste. Imagem retirada do livro 343 Manaus.

Visualizar

Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental

Capitania Fluvial da Amazônia Ocidental, no começo da rua Frei José dos Inocentes, Centro, antiga ilha de São Vicente. Imagem retirada do livro 343 Manaus.

Visualizar

Conjunto Residencial do 2º GEC

Conjunto residencial militar do 2º Grupamento de Engenharia de Construção (2º GEC), unidade fundada em 1970 e depois denominada Grupamento Rodrigo Octávio.

Visualizar

1º Batalhão de Infantaria de Selva

O 1º Batalhão de Infantaria de Selva (Aeromóvel), também chamado de Batalhão Amazonas, está presente em Manaus desde 1915.

Visualizar

Faculdade Metropolitana de Manaus

A Faculdade Metropolitana de Manaus (Fametro), à avenida Constantino Nery, existe na cidade desde 2002. Imagem retirada do livro 343 Manaus.

Visualizar

Centro Universitário Luterano de Manaus

O Centro Universitário Luterano de Manaus (CEULM/Ulbra) iniciou suas atividades na capital amazonense em 1992. Imagem retirada do livro 343 Manaus.

Visualizar

Centro Universitário Nilton Lins

O Centro Universitário Nilton Lins tem suas origens em 1988 no antigo Colégio Anglo Americano. Possui um Campus de mais de cem mil metros quadrados.

Visualizar

Universidade Paulista (Unip)

O Campus da Universidade Paulista (Unip) em Manaus, no bairro Parque Dez de Novembro, zona centro-sul, foi inaugurado em 2001

Visualizar

Centro Universitário do Norte

Centro Universitário do Norte (Uninorte) foi fundado em 1991 e originou-se das antigas Faculdades Objetivo.

Visualizar

Empresas do Distrito Industrial

O Polo Industrial de Manaus, na zona sul, foi instalado efetivamente em 1967 com o objetivo de desenvolver o setor econômico da região.

Visualizar

Cemitério Nossa Sra. da Conceição das Lajes

Aberto em 1906, o Cemitério Nossa Senhora da Conceição das Lajes fica na região do bairro Colônia Antônio Aleixo, zona leste.

Visualizar

Cemitérios Parque de Manaus e N. Sra. Aparecida

Vista dos cemitérios Parque de Manaus (à frente) e Nossa Senhora Aparecida (ao fundo), à avenida do Turismo, no bairro Tarumã, zona oeste.

Visualizar

Minicampus da Universidade Federal do Amazonas

Vista do complexo esportivo do Minicampus da Universidade Federal do Amazonas, localizado no setor sul do Campus Universitário.

Visualizar

Estágio Roberto Simonsen

O Estádio Roberto Simonsen faz parte do Clube do Trabalhador do Serviço Social da Indústria (SESI) e foi inaugurado em 1980.

Visualizar

Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira

Com capacidade para 11.800 pessoas, a Arena Poliesportiva Amadeu Teixeira foi inaugurada em 2006 e recebe eventos esportivos e artísticos.

Visualizar

Vila Olímpica de Manaus

Inaugurada oficialmente em 25 de março de 1990, a Vila Olímpica de Manaus está localizada na avenida Pedro Teixeira, bairro Dom Pedro.

Visualizar

Balneário José Ribeiro Soares

Vista do Balneário “José Ribeiro Soares”, pertencente ao Serviço Social do Comércio – Departamento Regional do Amazonas (SESC/AM).

Visualizar

Estágio Ismael Benigno

O Estádio Ismael Benigno, mais conhecido como “Estádio da Colina”, está localizado na zona oeste e foi inaugurado em 1961.

Visualizar

Obras da Arena da Amazônia

Obras da Arena da Amazônia, estádio que sediou os jogos da Copa do Mundo da FIFA em 2014. Construída no mesmo local onde havia o Estádio Vivaldo Lima.

Visualizar

Aeroporto Ponta Pelada

Mais conhecido como Ponta Pelada, o Aeroporto Ajuricaba foi inaugurado em 1954 e por duas décadas foi o principal aeroporto da cidade.

Visualizar

Aeroporto de Flores

Aeroporto de Flores, na zona centro-sul, onde são realizados voos regionais para várias cidades do interior e onde funciona no Aeroclube do Amazonas.

Visualizar

Aeroporto Internacional Eduardo Gomes

Localizado a 14 quilômetros do Centro, o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes iniciou suas atividades na década de 1970.

Visualizar

Porto de Manaus

O Porto de Manaus foi construído no auge do ciclo da borracha, quando a forte exportação da goma elástica tornou necessária a existência de um porto.

Visualizar

Centro de Convenções Canaã de Manaus

Centro de Convenções Canaã de Manaus, templo da Assembleia de Deus, à avenida General Rodrigo Otávio, Japiim, zona sul de Manaus.

Visualizar

Primeira Igreja Batista da Restauração em Manaus

Templo da Primeira Igreja Batista da Restauração em Manaus, localizada à avenida Coronel Teixeira e inaugurada em 1992 – Livro Manaus 343.

Visualizar

Primeira Igreja Batista de Manaus

Templo da Primeira Igreja Batista de Manaus, situado à avenida Joaquim Nabuco, no Centro. Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Catedral da Fé da Igreja Universal do Reino de Deus

Vista da Catedral da Fé da Igreja Universal do Reino de Deus, localizada à avenida Constantino Nery, bairro São Geraldo – Livro Manaus 343.

Visualizar

Templo de Manaus

O Templo de Manaus, da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, foi inaugurado em 2012, localiza-se à avenida Coronel Teixeira.

Visualizar

Igreja Nossa Senhora de Nazaré

Localizada no Adrianópolis, a atual estrutura da Igreja de Nossa Senhora de Nazaré foi concluída na década de 1960 – Livro Manaus 343.

Visualizar

Igreja Nossa Senhora de Fátima

A Igreja de Nossa Senhora de Fátima está localizada à avenida Tarumã, no bairro Praça 14 de Janeiro, zona sul de Manaus. Foto: J. Zamith.

Visualizar

Igreja de Nossa Senhora Aparecida

A Igreja de Nossa Senhora Aparecida foi inaugurada em 1947 e elevada à categoria de Santuário Arquidiocesano em 2007. Foto: J. Zamith.

Visualizar

Igreja de São Raimundo

A Igreja de São Raimundo está localizada à praça Ismael Benigno, no bairro de mesmo nome, e foi inaugurada em 1935. Foto: J. Zamith.

Visualizar

Igreja de São Sebastião

Inaugurada em 1888, a Igreja de São Sebastião fica na avenida Dez de Julho, Centro de Manaus, em frente à praça São Sebastião.

Visualizar

Igreja Nossa Senhora dos Remédios

O atual prédio da Igreja de Nossa Senhora dos Remédios foi inaugurado em 1927 e localiza-se à rua Miranda Leão, Centro de Manaus.

Visualizar

Catedral Nossa Senhora da Conceição

Erguida em sua atual localização, à praça Oswaldo Cruz, Centro, na década de 1780, época em que Manaus ainda se chamava Lugar da Barra.

Visualizar

Usina Chaminé

A Usina Chaminé, na avenida Lourenço da Silva Braga, Centro de Manaus, foi construída em 1910 e hoje é um centro cultural.

Visualizar

Palace Hotel

Vista do Palace Hotel, ao centro, e da Casa 22 Paulista, no canto inferior esquerdo, ambos à avenida Sete de Setembro no Centro de Manaus.

Visualizar

Santa Casa de Misericórdia

O prédio da Santa Casa de Misericórdia está localizado na avenida Dez de Julho, Centro de Manaus, e foi construído em 1880.

Visualizar

Mercado Municipal Adolpho Lisboa

Inaugurado em 1880, o Mercado Municipal Adolpho Lisboa, na rua dos Barés, no Centro, foi inspirado no mercado parisiense Les Halles.

Visualizar

Palácio Rio Negro (1)

Construído em 1903 foi adquirido pelo Governo do Estado em 1918 para ser residência dos governadores e recebeu a denominação Palácio Rio Negro.

Visualizar

Bairro Adrianópolis

O bairro Adrianópolis, na zona centro-sul, surgiu no início do século passado e foi um dos primeiros a receber energia elétrica em Manaus.

Visualizar

Bairro do Aleixo

O bairro do Aleixo, na zona centro-sul, é uma das áreas na atualidade onde há um grande investimento em empreendimentos imobiliários.

Visualizar

Bairro Educandos

O bairro Educandos, na zona sul, é um dos mais antigos de Manaus. Destaque para a ponte Juscelino Kubitscheck que dá acesso ao bairro Cachoeirinha.

Visualizar

Bairro Cachoeirinha

Cachoeirinha, zona sul. Destaque para três das suas principais avenidas: Borba (à esquerda), Carvalho Leal (ao centro) e Castelo Branco (à direita).

Visualizar

Praça 14 de Janeiro

Praça 14 de Janeiro, localizada na zona sul de Manaus. A via em destaque é a avenida Japurá. Ao centro, a igreja de Nossa Senhora de Fátima.

Visualizar

Bairro São Raimundo

Bairro São Raimundo, zona oeste. À direita a orla do rio Negro; acima, a ponte Fábio Lucena, e no canto superior esquerdo, o estádio Ismael Benigno.

Visualizar

Centro de Manaus

O Centro se originou dos bairros Espírito Santo, São Vicente, São José, São Sebastião e Remédios, os primeiros de Manaus.

Visualizar

Parque do Idoso

Parque do Idoso, localizado no bairro de Adrianópolis. Dividida em seis zonas geográficas, em 2012 Manaus possuía 63 bairros reconhecidos oficialmente.

Visualizar

Parque Residencial Mestre Chico

O Parque Residencial Mestre Chico está localizado às margens do igarapé de mesmo nome, entre as ruas Ipixuna e Ramos Ferreira, no bairro Cachoeirinha.

Visualizar

Prosamim

O Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus, mais conhecido pela sigla Prosamim, foi criado em 2003 pelo Governo do Estado do Amazonas.

Visualizar

Palafitas

A existência de palafitas em Manaus é registrada desde a segunda metade do século XIX e está diretamente relacionada ao desenvolvimento econômico da cidade.

Visualizar

Condomínios e conjuntos habitacionais

Condomínios e conjuntos habitacionais na zona centro-sul da cidade de Manaus. Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Condomínio Eucalipto

Condomínio Eucalipto, localizado no bairro Parque das Laranjeiras, zona norte de Manaus. Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Condomínio Tocantins

Conjunto Tocantins, no bairro Chapada, zona-centro-sul de Manaus. Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Conjunto dos Jornalistas

Conjunto dos Jornalistas, no bairro Chapada, zona centro-sul de Manaus.
Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Residencial Viver Melhor

Residencial Viver Melhor, no bairro Santa Etelvina, zona norte. Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Condomínios e casas de luxo

Condomínios e casas de luxo em Manaus. Imagens retiradas do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte. Livro publicado em 2012.

Visualizar

Condomínio Jardim Europa

Condomínio Jardim Europa localizado no bairro de Ponta Negra na zona oeste de Manaus. Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Condomínios Jardim das Américas

Condomínio Jardim das Américas, localizado no bairro Ponta Negra na zona oeste de Manaus – Livro Manaus 343 publicado em 2012.

Visualizar

Condomínios Parque Residências

Condomínio Parque Residências, localizado no bairro Adrianópolis na zona centro-sul de Manaus. Imagem retirada do livro Manaus 343.

Visualizar

Condomínio Residencial Ephygenio Salles

Condomínio Ephygenio Salles, Aleixo, zona centro sul. Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte, publicado em 2012.

Visualizar

Condomínios na Ponta Negra

Vista da avenida Coronel Teixeira, no bairro Ponta Negra, uma das áreas mais valorizadas de Manaus, onde foram construídos muitos condomínios de luxo.

Visualizar

Avenida Governador José Lindoso

Avenida Governador José Lindoso, mais conhecida como avenida das Torres. Seu primeiro trecho, que interliga as zona leste e norte foi inaugurado em 2010.

Visualizar

Avenida Ephigênio Salles

Início da avenida Ephigênio Salles, na saída do viaduto Gilberto Mestrinho. À direita, o acesso à avenida das Torres – Livro Manaus 343.

Visualizar

Avenida Doutor Theomário Pinto da Costa

Início da avenida Doutor Theomário Pinto da Costa, a partir da passagem sob a avenida Constantino Nery (abaixo) – Livro Manaus 343.

Visualizar

Avenida Coronel Teixeira e Brasil

Confluência das avenidas Coronel Teixeira (à esquerda) e Brasil (à direita), na zona oeste. Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte.

Visualizar

Avenida André Araújo

Avenida André Araújo, também conhecida como estrada do Aleixo. Abaixo, área da Inspetoria Salesiana Laura Vicuña – Livro Manaus 343.

Visualizar

Avenida Senador Álvaro Maia

Vista da avenida Senador Álvaro Maia. Acima, passagem subterrânea Duca Brito, no cruzamento com avenida Djalma Batista – Livro Manaus 343.

Visualizar

Avenida Jornalista Umberto Calderaro Filho

Início da avenida Jornalista Umberto Calderaro Filho (antiga Paraíba). Ao fundo, à direita, convergência para a avenida André Araújo.

Visualizar

Avenida Mário Ypiranga Monteiro

Trecho da avenida Mário Ypiranga Monteiro, antiga rua Recife, entre as ruas São Luiz (abaixo) e Salvador (acima) – Livro Manaus 343.

Visualizar

Avenida Djalma Batista

Vista da avenida Djalma Batista a partir do seu início, na interseção com a avenida Senador Álvaro Maia. Imagem retirada do livro Manaus 343.

Visualizar

Avenida Constantino Nery

Vista da avenida Constantino Nery, no sentido Centro-Aeroporto, com destaque para o viaduto Dom Jackson Damasceno – Livro Manaus 343.

Visualizar

Avenida Joaquim Nabuco

Avenida Joaquim Nabuco, que atravessa todo o Centro de Manaus e vai da rua Barão de São Domingos até à rua Silva Ramos – Livro Manaus 343.

Visualizar

Avenida Getúlio Vargas

Início da avenida Getúlio Vargas, a partir da Sete de Setembro, no Centro. Abaixo, uma parte da rua Floriano Peixoto – Livro Manaus 343.

Visualizar

Avenida Sete de Setembro

Avenida Sete de Setembro, vista no sentido Centro-Cachoeirinha, a partir da avenida Getúlio Vargas (abaixo) – Livro Manaus 343.

Visualizar

Avenida Eduardo Ribeiro

Trecho da avenida Eduardo Ribeiro, a partir da avenida Sete de Setembro (abaixo) até à praça Antônio Bittencourt – Livro Manaus 343.

Visualizar

Grandes Avenidas de Manaus

As três das principais vias da cidade: av. Mário Ypiranga Monteiro, à esquerda; av. Djalma Batista, ao meio, e av. Constantino Nery, à direita.

Visualizar

Parque Ponte dos Bilhares

O Parque Ponte dos Bilhares está localizado no bairro Chapada, zona centro-sul de Manaus, às margens do igarapé do Mindu.

Visualizar

Parque Municipal do Idoso

Parque Municipal do Idoso, inaugurado em 22 de novembro de 2002 no bairro Nossa Senhora das Graças, zona centro-sul de Manaus.

Visualizar

Centro Social Urbano (CSU)

O Centro Social Urbano (CSU) do Parque Dez foi construído na década de 1970 e localiza-se na zona centro-sul da cidade – Livro Manaus 343.

Visualizar

Parque Cidade da Criança

Inaugurado em 18 de dezembro de 2011, o Parque Cidade da Criança está situado à avenida André Araújo, bairro Aleixo onde antes funcionava o Horto Municipal.

Visualizar

Parque Municipal Lagoa do Japiim

O Parque Municipal Lagoa do Japiim foi inaugurado em 27 de dezembro de 2008, possui 4 metros de profundidade e cerca 10 mil metros quadrados.

Visualizar

Parque Senador Jefferson Péres

O Parque Senador Jefferson Péres foi inaugurado em 1º de setembro de 2009 e está localizado no Centro, nas imediações do Palácio Rio Negro.

Visualizar

Praça Torquato Tapajós

Localizada no Centro, a Praça Torquato Tapajós, chamada de Praça dos Remédios, foi inaugurada no final do século XIX. Imagem retirada do livro Manaus 343.

Visualizar

Praça Nossa Senhora de Nazaré

A Praça Nossa Senhora de Nazaré ou Praça da Vila foi inaugurada em 1900 e está situada no bairro Adrianópolis. Foto: J. Zamith.

Visualizar

Praça Francisco Pereira da Silva

A Praça Francisco Pereira da Silva foi inaugurada na década de 1970 e é conhecida como Bola da Suframa, localizada no Centro Cultural Povo da Amazônia.

Visualizar

Praça Heliodoro Balbi

Originada na década de 1870, a Praça Heliodoro Balbi localiza-se no Centro e é mais conhecida como Praça da Polícia – Livro Manaus 343.

Visualizar

Praça Cinco de Setembro

A Praça Cinco de Setembro ou Praça da Saudade foi iniciada na década de 1860. Revitalizada e reaberta ao público em 2010.

Visualizar

Praça Oswaldo Cruz

O complexo da Praça Oswaldo Cruz e dos jardins do Parque da Matriz foi construído no século XIX. É conhecido também como Praça 15 de Novembro.

Visualizar

Praça São Sebastião

A Praça São Sebastião foi construída em 1860 e hoje integra um complexo cultural composto também pelo Teatro Amazonas. No centro da praça, o Monumento à Abertura dos Portos do Rio Amazonas.

Visualizar

Imagem Aérea Praia Dourada 2012

Vista aérea da Praia Dourada com vários banhistas no local. Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte – Fotos aéreas 2012.

Visualizar

Ilha de São Vicente

Vista da Ilha de São Vicente, onde está localizado, a esquerda, o 9º Distrito Naval da Marinha do Brasil. Ao fundo a Ponto Rio Negro.

Visualizar

Orla do Amarelinho

Orla do Amarelinho no bairro de Educandos, zona sul da capital amazonense. – Imagem do livro Manaus 343, publicado em 2012.

Visualizar

Orla do São Raimundo

Vista da Orla do bairro de São Raimundo, zona oeste de Manaus – Livro Manaus 343 em homenagem aos 343º aniversário da capital amazonense.

Visualizar

Orla da Manaus Moderna

Orla da Manaus Moderna, entre o Mercado Adolpho Lisboa e a ponte Padre Antônio Plácido de Souza, margeada pela av. Lourenço da Silva Braga, no Centro.

Visualizar

Igarapé da Cachoeira Grande

Trecho do igarapé da Cachoeira Grande. Acima, a av. Constantino Nery; abaixo, o bairro São Jorge. Destaque para o aglomerado de palafitas, ao centro.

Visualizar

Igarapé do Quarenta

Trecho do igarapé do Quarenta na zona sul de Manaus. Abaixo, a avenida Codajás, na Cachoeirinha, e acima, o Morro da Liberdade.

Visualizar

Trecho do Igarapé do Mindu

Trecho do igarapé do Mindu, entre as avenidas Umberto Calderaro Filho (ao norte) e Mário Ypiranga Monteiro (ao sul) – Livro Manaus 343.

Visualizar

Igarapé do São Raimundo

Igarapé do São Raimundo. Também conhecido como igarapé da Cachoeira Grande, localiza-se entre os bairros São Raimundo (à esquerda) e Aparecida (à direita).

Visualizar

Marina Rio Bello

Manaus possui muitas marinas fluviais para a acomodação de embarcações diversas, esta, a Marina Rio Bello é uma das mais conhecidas.

Visualizar

Marina do Davi

Marina do Davi, uma das mais conhecidas em Manaus. Imagem retirada do livro Manaus 343. Livro publicado em 2012 homenageando a capital amazonense pelo seu 343º aniversário.

Visualizar

Marina Rio Negro

Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte. Livro publicado em 2012 homenageando a capital amazonense pelo seu 343º aniversário.

Visualizar

Marina Tauá

Imagem retirada do livro Manaus 343 do escritor Durango Duarte. Livro publicado em 2012 homenageando a capital amazonense pelo seu 343º aniversário.

Visualizar

Marina Tauá

Banhada pelo rio Negro, Manaus possui muitas marinas fluviais para a acomodação de embarcações diversas. Imagem retirada do livro Manaus 343.

Visualizar

Estrutura da Ponta Negra

A Praia da Ponta Negra possui anfiteatro, três mirantes, praça com chafariz e espelho d’água com fonte que funciona com música e iluminação LED.

Visualizar

Hotel Park Suítes

O Hotel Park Suítes é um dos prédios mais luxuosos da cidade e se localiza nas proximidades do Tropical Manaus Hotel. Imagem retirada do livro Manaus 343.

Visualizar

Início da Praia da Ponta Negra

Área inicial da praia da Ponta Negra, onde estava sendo realizada a segunda etapa das obras de reformulação .Ao fundo alguns empreendimentos imobiliários.

Visualizar

Tropical Manaus Hotel

O Tropical Manaus Hotel foi inaugurado em 26 de março de 1976 e possui estilo colonial espanhol. Foto: J. Zamith. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2012.

Visualizar

Vista da Praia da Ponta Negra

Vista da extensão total da praia da Ponta Negra, com a 2ª etapa da sua reformulação ainda em obras. Ao centro, a avenida Coronel Teixeira.

Visualizar

Complexo Viário do São José

O Complexo Viário do São José, denominado Engenheiro Luiz Augusto Veiga Soares, foi inaugurado no dia 1º de março de 2012.

Visualizar

Complexo Viário de Flores

O Complexo Viário de Flores foi inaugurado em 1995 e recebeu a denominação Plínio Ramos Coelho. Imagem retirada do livro Manaus 343.

Visualizar

Complexo Viário Gilberto Mestrinho

O Complexo Viário Gilberto Mestrinho está localizado na interseção das zonas sul, centro-sul e leste. Sua inauguração ocorreu em 31 de janeiro de 2010.

Visualizar

Viaduto Miguel Arraes

O Viaduto Miguel Arraes faz parte do Complexo Viário Ephigênio Salles e foi inaugurado em 2008. Imagem retirada do livro Manaus 343.

Visualizar

Ponte Isaac Sabbá

A Ponte Isaac Sabbá e foi construída sobre o antigo igarapé de Manaus, local hoje ocupado por um dos conjuntos habitacionais oriundos do Prosamim.

Visualizar

Pontes no São Raimundo

Pontes que ligam o São Raimundo ao restante da cidade. Foto: J. Zamith. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2012. Livro: Manaus 343.

Visualizar

Passagens de pedestres

Além das pontes, Manaus possui passarelas sobre alguns trechos dos igarapés, utilizadas para a passagem de pedestres. Imagem retirada do livro Manaus 343.

Visualizar

Pontes do Mindu

Pontes do Mindu, erguidas nas décadas de 1950 (acima) e de 1970 (abaixo), integram o Complexo Viário Ephigênio Salles. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2012.

Visualizar

Ponte da Maués

A Ponte da Maués foi inaugurada em 2010 e integra o Complexo Viário do Igarapé do Quarenta. Liga os bairros Cachoeirinha e Morro da Liberdade.

Visualizar

Pontes Engenheiro Lopes Braga e Joana Galante

As pontes Engenheiro Lopes Braga e Joana Galante foram construídas sobre o igarapé da Cachoeira Grande e interligam as zonas centro-sul e oeste.

Visualizar

Ponte Padre Antônio Plácido de Souza

A Ponte Padre Antônio Plácido de Souza foi inaugurada em 1975 sobre o igarapé do Educandos e possui 340 metros de extensão.

Visualizar

Pontes Ephigênio Salles e Juscelino Kubitschek

Vista das pontes Ephigênio de Salles e Juscelino Kubitschek, sobre o igarapé do Quarenta, no bairro de Educandos.

Visualizar

Ponte Senador Fábio Lucena

A Ponte Senador Fábio Lucena, sobre o igarapé do São Raimundo, interliga as zonas sul e oeste. Com 256 metros de extensão, sua inauguração ocorreu em 1987.

Visualizar

Ponte Prudente de Moraes

A Ponte Prudente de Moraes possui 120 metros de extensão e foi inaugurada em 18 de setembro de 1895. Mais conhecida como Ponte dos Bilhares.

Visualizar

Ponte Romana II

A Ponte Romana II foi construída sobre o igarapé do Bittencourt, no Centro. Inaugurada em 1896, seu nome oficial é Ponte Marechal Deodoro.

Visualizar

Ponte Romana I

A Ponte Romana I foi construída sobre o igarapé de Manaus, no Centro. Inaugurada em 1896, seu nome oficial é Ponte Floriano Peixoto.

Visualizar

Vista da Ponte Rio Negro

Conheça a capital amazonense vista de cima em 2012. As fotos que compõem o acervo do livro Manaus 343 são comemorativas ao aniversário da cidade.

Visualizar

Ponte Rio Negro, vista Iranduba – Manaus

A Ponte Rio Negro tem 3,6 km de extensão e liga Manaus ao município do Iranduba. Sua construção durou três anos e dez meses.

Visualizar

Ponte Rio Negro

Ponte Rio Negro. Imagem que compõe o acervo do livro Manaus 343 homenageando a capital amazonense pelo seu 343º aniversário.

Visualizar

Ilha do Marapata

Ilha do Marapata no Rio Negro. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Parque Residencial Manaus

Parque Residencial Manaus, construído sobre o antigo igarapé de Manaus pelo Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim).

Visualizar

Passagem de nível Djalma Batista

Passagem de nível da avenida Djalma Batista com Boulevard Alvaro Maia.
Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Praia e Anfiteatro na Ponta Negra

Praia da Ponta Negra e Anfiteatro antes da sua reformulação, zona oeste de Manaus.
Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Fábrica de Cerveja Miranda Correa

Fábrica de Cerveja Amazonense Miranda Correa. Do lado esquerdo, a Ponte Senador Fábio Lucena que interliga o São Raimundo e Nossa Sra. de Aparecida.

Visualizar

Manaus Ambiental

Manaus Ambiental, Complexo de Produção da Ponta do Ismael, situado na margem esquerda do Rio Negro e na zona oeste de Manaus.

Visualizar

Passeio do Mindu

Vista do Passeio do Mindu no bairro Parque Dez de Novembro com acesso pela Avenida Humberto Calderaro. À direita, a Shizen Veículos revendedora Honda.

Visualizar

Porto Chibatão

Porto Chibatão, localizado no bairro Colônia Oliveira Machado, é considerado atualmente o maior complexo portuário privado da América Latina.

Visualizar

Viaduto Miguel Arraes

O Viaduto Miguel Arraes, ainda em construção na foto, foi inaugurado em 16 de fevereiro de 2008. Interliga quatro avenidas na zona centro-sul de Manaus.

Visualizar

Makro na Manaus Moderna

Makro Atacadista, localizado à avenida Lorenço da Silva Braga. Em frente, os fundos da Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa.

Visualizar

Centro de Biotecnologia da Amazônia – CBA

Localizado à avenida Governador Danilo de Matos Areosa, no Distrito Industrial, o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) foi instituído em 2002.

Visualizar

Residencial Eliza Miranda

Início das obras do Residencial Eliza Miranda, localizado à Avenida Buriti no Distrito Industrial. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Palácio Rio Negro (2)

Palácio Rio Negro, localizado à avenida Sete de Setembro no centro de Manaus. No seu entorno, as obras de aterramento e revitalização do Igarapé de Manaus.

Visualizar

Avenida das Torres

Início das obras de pavimentação da avenida Governador José Lindoso, mais conhecida como avenida das Torres. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Base aérea de Manaus – BAMN

A Base Aérea de Manaus (BAMN), localizada à avenida Rodrigo Otávio, foi ativada em 31 de março de 1970. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Secretaria Municipal de Educação – SEMED

Ao centro da foto, a Secretaria Municipal de Educação (SEMED) e o Viaduto Miguel Arraes ainda em construção, ao fundo. Foto: Durango Duarte

Visualizar

Amazonas Shopping

Amazonas Shopping foi inaugurado em novembro de 1991, está localizado na avenida Djalma Batista com a avenida Darcy Vargas, Parque Dez de Novembro.

Visualizar

Praça do Congresso

Na foto a Praça Antônia Bittencourt, mais conhecida como Praça do Congresso, que tem sua origem em 1876, e o Teatro Amazonas.

Visualizar

Teatro Amazonas

Teatro Amazonas, Largo e Igreja de São Sebastião na parte superior, no canto inferior esquerdo o Palácio da Justiça que faz frente a av. Eduardo Ribeiro.

Visualizar

Comfort Hotel

Vista do Comfort Hotel, localizado no Distrito Industrial de Manaus.
Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Cúpula do Teatro Amazonas

Cúpula do Teatro Amazonas, localizado no centro da capital amazonense.
Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Igreja Matriz de Manaus

Vista da Catedral Nossa Senhora da Conceição, Igreja Matriz, e seu entorno.
Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Praia e bares na Ponta Negra

Praia, muro de arrimo e bares na Ponta Negra antes de sua reforma, à esquerda o Anfiteatro.
Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Construção do Manauara Shopping

Vista aérea do terreno onde foi construído o Manauara Shopping, inaugurado em 2009.
Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Marina Bicho Preguiça

Marina Bicho Preguiça localizada no bairro de São Raimundo.
Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Condomínio Riviera na Ponta Negra

Blocos residenciais do Condomínio Riviera de Ponta Negra localizado no bairro Ponta Negra, zona oeste de Manaus – Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Estádio da Colina

Estádio Ismael Benigno, mais conhecido como Estádio da Colina. Em destaque a avenida Presidente Dutra que está entre os bairros de São Raimundo e Glória.

Visualizar

Marina Tauá

Marina Tauá, estabelecida em 1990, é a pioneira na guarda de barcos, lanchas e Jet-skis e está localizada no bairro de Ponta Negra, zona oeste de Manaus.

Visualizar

Porto da Balsa

Porto da Balsa no bairro de São Raimundo. A travessia do rio era feita por balsas antes da construção da Ponte Rio Negro que liga Manaus a Iranduba.

Visualizar

Condomínios residenciais na Ponta Negra

Vista dos Condomínios residenciais Castelli, Barra do Rio Negro e Barão do Rio Negro no bairro da Ponta Negra, zona oeste de Manaus.

Visualizar

Conjunto Jardim da Américas

Tomada aérea do Conjunto Jardim da Américas no Bairro da Ponta Negra, zona oeste de Manaus. Conheça a categoria Fotos Aéreas Manaus 2007

Visualizar

Porto flutuante de Manaus

Porto flutuante de Manaus (Rodway) e Igreja Nossa Senhora da Conceição, matriz da capital. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Flat Tropical Hotel

Vista do Flat Tropical Hotel no bairro Ponta Negra, zona oeste de Manaus. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Imagem da Praia Dourada em 2007

Imagem aérea da Praia Dourada em 2007, imagem antiga da região, acesso através da Avenida do Turismo, Ramal da Marina Tauá, zona oeste da cidade de Manaus. Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Restaurante da Doró

Vista do Restaurante da Doró, flutuante localizado no Igarapé do Tarumã-Açu. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Área de esporte da Ponta Negra

Campos de futebol de areia e grama sintética na Ponta Negra, antes da sua reforma e ampliação. Na parte inferior da foto é possível ver um parte da praia.

Visualizar

Manauara Shopping

Av. Mário Ypiranga. No canto inferior esquerdo a Fábrica da Magistral e ao lado o terreno onde foi construído o Manauara Shopping, inaugurado 2 anos depois.

Visualizar

Igarapé da Cachoeirinha

Igarapé da Cachoeirinha no cruzamento da avenida Codajás com a avenida Marquês da Silveira. No canto superior direito o Colégio da Polícia Militar.

Visualizar

Estaleiro São João

Estaleiro São João, à margem do Rio Negro no bairro da Compensa.
Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Quartel General da 12ª Região Militar

Tomada aérea do Quartel General da 12ª Região Militar no bairro da Ponta Negra, zona oeste de Manaus. Foto: Durango Duarte.

Visualizar

Conjunto Jardim da Américas

Tomada da aérea do Conjunto Jardim da Américas no Bairro da Ponta Negra, zona oeste de Manaus – Fotos aéreas 2007.

Visualizar

Igarapé Mestre Chico

Inícios das obras no Igarapé Mestre Chico. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Ponte Senador Fábio Lucena

Ponte Senador Fábio Lucena que interliga os bairros de São Raimundo e Nossa Sra. de Aparecida e à direita, a Cervejaria Miranda Correa.

Visualizar

Parque Residencial Jefferson Peres

Início das obras do Parque Residencial Jefferson Peres no Morro da Liberdade. E na parte superior o bairro da Cachoeirinha.

Visualizar

Bairro de Santo Antônio

Vista do Bairro de Santo Antônio, o prédio em destaque é a Câmara Municipal de Manaus, à direita o Almirante Hall. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Estaleiro Rio Negro

Tomada aérea do Estaleiro Rio Negro (ERIN) e Companhia de Navegação da Amazônia (CNA). Bairro da Compensa. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Bairro de São Raimundo

Vista das laterais da Escola Estadual Marquês de Santa Cruz e Paróquia de São Raimundo Nonato e Praça Ismael Benigno. Bairro de São Raimundo.

Visualizar

Porto flutuante de Manaus

Porto flutuante de Manaus com diversos barcos regionais atracados, à frente e à direita, prédio do Banco do Brasil, agência Praça XV de Novembro.

Visualizar

Colégio Salesiano Dom Bosco e Colégio Militar

Visão panorâmica com destaque para o Colégio Salesiano Dom Bosco e Colégio Militar, no canto inferior direito, parte do Palácio Rio Negro.

Visualizar

Marina do Davi

Marina do Davi, terminal portuário de lanchas, muitas delas fazem transporte de passageiros para diversas comunidades próximas a Manaus.

Visualizar

Estádio Ismael Benigno

Estádio Ismael Benigno, mais conhecido como Estádio da Colina, localizado no Bairro de São Raimundo.Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Hotel Maksoud

Obra paralisada do Hotel Maksoud, na orla do Rio Negro no Bairro Ponta Negra. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Condomínios residenciais no Ponta Negra

Vista dos Condomínios residenciais Bethoven, Farol da Ponta Negra e Aruba no Bairro Ponta Negra, Zona Oeste de Manaus. Acervo de Fotos Aéreas Manaus – 2007.

Visualizar

Bairro da Compensa

Conheça a categoria Fotos Aéreas Manaus – 2007. Foto de Durango Duarte do Bairro da Compensa, vista a partir do Rio Negro.

Visualizar

12º Batalhão de Suprimento

Tomada aérea do 12º Batalhão de Suprimento – BSup no Bairro da Compensa. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus-2007.

Visualizar

Feira da Manaus Moderna

A Feira da Manaus Moderna, no canto superior esquerdo o Mercado Adolpho Lisboa e as várias embarcações atracadas. Foto do acervo aéreo Manaus 2007.

Visualizar

Centro Cultural Povos da Amazônia

Centro Cultural dos Povos da Amazônia (CCPA) e Praça Francisco Pereira da Silva, mais conhecida como Bola da Suframa. Acervo aéreo Manaus 2007.

Visualizar

Superintendência da Zona Franca de Manaus

Imagem que compõe o acervo de fotos aéreas Manaus 2007 do Instituto Durango Duarte. Superintendência da Zona Franca de Manaus.

Visualizar

Encontro das águas

Embarcações no encontro do Rio Negro e Solimões. Acervo de fotos aéreas de Manaus 2007 do Instituto Durango Duarte.

Visualizar

Vista Superior do Cemitério São João Batista

Vista do Cemitério São João Batista e avenida Álvaro Maia em destaque. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos Aéreas Manaus 2007.

Visualizar

Praça Heliodoro Balbi

Vista aérea da Praça Heliodoro Balbi, mais conhecida como Praça da Polícia e o Colégio Amazonense Dom Pedro II (Estadual).

Visualizar

Mansão às margens do Igarapé Tarumã-açu

Mansão às margens do Igarapé Tarumã-açu no Conjunto Vivenda Verde. Foto do acervo aéreo Manaus 2007 do Instituto Durango Duarte.

Visualizar

Conjunto Vivenda Verde

Foto do acervo aéreo de Manaus 2007 do Instituto Durango Duarte. Margens do Igarapé Tarumã-açu no Conjunto Vivenda Verde.

Visualizar

Embarcações e flutuantes às margens do Igarapé Tarumã-açu

Foto de embarcações e flutuantes às margens do Igarapé Tarumã-açu do acervo aéreo Manaus – 2007 do Instituto Durango Duarte.

Visualizar

Avenida do Turismo

Imagem que compõe o acervo de Fotos Aéreas Manaus 2007 do Instituto Durango Duarte. Vista de parte da Avenida do Turismo.

Visualizar

Manaus Plaza Shopping

Ao centro da imagem o prédio do Manaus Plaza Shopping. Na parte direita, o Amazonas Shopping e ao fundo a Avenida Djalma Batista.

Visualizar

Casa à margem do Igarapé Tarumã-açu

Casa à margem do Igarapé Tarumã-açu no bairro Ponta Negra. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos aéreas de Manaus do ano de 2012.

Visualizar

Flutuantes no Igarapé Tarumã-açu

Flutuantes na beira do Igarapé Tarumã-açu no bairro Ponta Negra. Foto: Durango Duarte. Acervo: Fotos aéreas Manaus – 2012.

Visualizar

Vista do bairro Ponta Negra

Vista do Bairro Ponta Negra pelo Igarapé Tarumã-açu. Foto de Durango Duarte. Acervo de Fotos Aéreas de Manaus no ano de 2012.

Visualizar

Trecho da av. Djalma Batista com a rua Acre

Avenida Djalma Batista com a rua Acre no bairro Nossa Senhora das Graças. Quase ao centro da imagem o prédio da Unipar Imobiliária.

Visualizar

Parque do Bilhares

Vista aérea do Parque do Bilhares ao lado da avenida Constantino Nery. A cima a Vila Militar Bafururu e o Condomínio Cidade Jardim. E em destaque os edifícios do Condomínio Residencial Maria da Fé.

Visualizar

Vista aérea do Millennium Shopping

Vista aérea do Millennium Shopping mostrando parte das avenidas Constantino Nery e Djalma Batista. Ao centro o Igarapé do Mindu e o Parque dos Bilhares, no canto inferior esquerdo e canto superior direito.

Visualizar

Lucemi Antony Vieiralves e filha

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica em 03 de janeiro de 1980, p.03.

Visualizar

Lourdes Buzaglo

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica em 13 de janeiro de 1980, p.07.

Visualizar

Leny Andrade

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica em 27 de setembro de 1980, p. 07.

Visualizar

José Alberto Loureiro

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica em 21 de setembro de 1980, p.07.

Visualizar

João Moss

Coluna “Eles e Elas” publicada no jornal A Crítica em 08 de janeiro de 1980, p.02

Visualizar

Geraldo Melo e Dodora Carvalho

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica em 03 de janeiro de 1980, p. 03.

Visualizar

Fabíola, filha de Socorro e Fábio Lucena

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica em 14 de outubro de 1980, p. 07.

Visualizar

Eunice Didzel

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica em 30 de setembro de 1980, p. 05.

Visualizar

Dulce Costa e Rosalie Benchimol

Coluna “Baby” publicada no jornal A Crítica em 22 de dezembro de 1980, p. 11.

Visualizar

Dinah Abrahim

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica em 25 de maio de 1980, p.07.

Visualizar

Deborah Anne Benchimol e Isaac Bemergul Ezagul

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica em 02 de abril de 1980, p. 01.

Visualizar

Dayse Souza Lima

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica de 28 de novembro de 1980, p.07.

Visualizar

Darclay Lopes de Paula

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica de 17 de agosto de 1980, p.06.

Visualizar

Charute Nasser

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica de 17 de outubro de 1980, p.07.

Visualizar

Carlos e Dirce Souza

Coluna “Baby” publicada no jornal A Crítica de 25 de agosto de 1980, p.05.

Visualizar

Carlos Aguiar, Salvador e Henriette

Coluna “Baby” publicada no jornal A Crítica de 21 de julho de 1980, p.07.

Visualizar

Áurea Pinheiro Braga e Charute Nasser

Coluna do Gil “Gente” publicada no jornal A Crítica de 23 de outubro de 1980, p. 07.

Visualizar

Gilda e Severiano Mário Porto

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 05 de janeiro de 1985, pg. 06.

Visualizar

Lino Marinho

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 29 de dezembro de 1985, pg. 05.

Visualizar

Lourdes Lopes

Coluna “Baby” publicada no Jornal A Crítica de 11 de março de 1985, pg. o7.

Visualizar

Circe Batista, Ursulita Alfaia e Carmen Alves

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 21 de julho de 1984, pg. 06.

Visualizar

Família Daou no Rio Negro Clube

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 10 de julho de 1984, pg. 06.

Visualizar

Mônica Prestes

Coluna do Gil “Gente”, fotografia de Rubens Brito, publicada no Jornal A Crítica de 07 de agosto de 1984, pg. 06.

Visualizar

Raul Cacheffo

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 26 de maio de 1984, pg. 07.

Visualizar

Rubens Benzecry e João Braga Jr

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 26 de fevereiro de 1984, pg. 06.

Visualizar

Otávio e Jacqueline Câmara

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 05 de janeiro de 1984, pg. 07.

Visualizar

Nillo e Milcia Braga Portela

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 27 de maio de 1984, pg. 07.

Visualizar

Karina Loch Terra

Coluna do Gil “Gente”, publicada no Jornal A Crítica de 01 de abril de 1984, pg. 07.

Visualizar

Roberto e Marisa Cohen

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 16 de abril de 1984, pg. 07.

Visualizar

Umberto Calderaro e Waldomiro Lustoza

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 25 de abril de 1984, pg. 07.

Visualizar

Roseane Sahdo

Coluna do Gil “Gente”, fotografia de Rubens Brito, publicada no Jornal A crítica de 09 de março de 1983, pg. 07.

Visualizar

Graça Makaren

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 14 de agosto de 1983, pg. 07.

Visualizar

Dayse Sousa Lima Mêne

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 27 de maio de 1983, p.07.

Visualizar

Flávio Brito Neto e Silvinha Brasil

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 03 de março de 1983, pg. 07.

Visualizar

Porfírio e Tereza Maria

Coluna “Baby” publicada no Jornal A Crítica de 03 de janeiro de 1983, pg. 07.

Visualizar

Ana Cristina Péres

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 11 de agosto de 1983, pg. 07.

Visualizar

Cristina Tupinambá e Ulysses Garcez Jr

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 15 de maio de 1983, pg. 07.

Visualizar

Sandra Nicolau

Coluna “Baby” publicada no Jornal A Crítica de 28 de fevereiro de 1983, pg. 07.

Visualizar

Carla Seffair

Coluna do Gil “Gente”, fotografia de Barros, publicada no Jornal A Crítica de 08 de abril de 1983, pg. 07.

Visualizar

Lúcia Teresa Assayag

Coluna “Baby” publicada no Jornal A Crítica de 31 de janeiro de 1983, pg. 07.

Visualizar

Mônica Queiroz

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 17 de maio de 1983, pg. 07.

Visualizar

Senador Fábio Lucena

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 25 de fevereiro de 1983, pg. 04.

Visualizar

Andréa Alves Gesta

Coluna “Baby” publicada no Jornal A Crítica de 26 de julho de 1982, pg. 07.

Visualizar

Ely Paixão e David Benayon

Coluna do Gil “Gente”, fotografia de J. Rômulo, publicada no Jornal A Crítica de 09 de junho de 1982, pg. 01.

Visualizar

Grace Lustoza e Antônio Rosário

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 12 de junho de 1981, pg. 01.

Visualizar

Eloy Zappe

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 24 de dezembro de 1982, pg. 05.

Visualizar

Andréa Nair Benigno

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 27 de maio de 1982, pg. 12.

Visualizar

Ruy Lins

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 08 de março de 1982, pg. 07.

Visualizar

João de Mendonça Furtado

Coluna “Baby” publicada no Jornal A Crítica de 15 de fevereiro de 1982, pg. 07.

Visualizar

Ana Cristina Figliuolo

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 06 de março de 1982, 01.

Visualizar

Octávio Mourão

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 22 de janeiro de 1982, pg. 01.

Visualizar

Marco Aurélio e Analúcia

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 08 de março de 1982, pg. 07.

Visualizar

Moacir Andrade

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 07 de março de 1982, pg. 07.

Visualizar

Lúcia Bonfim

Coluna do Gil “Gente”, fotografia de Rubens Brito, publicada no Jornal A Crítica de 17 de fevereiro de 1982, pg. 07.

Visualizar

Ana Nascimento Guerreiro

Coluna do Gil “Gente” e fotografia de Rubens Brito publicada no Jornal A Crítica de 06 de janeiro de 1982, pg. 01.

Visualizar

Clay Said Benzecry

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 24 de dezembro de 1981, pg. 01.

Visualizar

Joyce Valente

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 20 de junho de 1981, pg. 01.

Visualizar

Letícia Barbosa

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 16 de maio de 1981, pg. 01.

Visualizar

Priscilla Loureiro

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 20 de setembro de 1981, pg. 07.

Visualizar

Gina Cardoso Vasques

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 07 de março de 1981, pg. 01.

Visualizar

Celeste Pereira de Sousa Lima

Coluna do Gil “Gente” e fotografia de Chicó, publicada no Jornal A Crítica de 01 de novembro de 1981, pg. 07.

Visualizar

Casamento de Ana Luíza

Coluna do Gil “Gente” fotografia do Studio Chicó, publicada no Jornal A Crítica de 14 de dezembro de 1981, pg. 08.

Visualizar

Gisele Alfaia

Coluna do Gil “Gente” e fotografia de Rubens Brito, publicada no jornal A Crítica de 07 de novembro de 1981, pg. 07.

Visualizar

Verônica Wolffmann

Coluna do Gil “Gente”, com fotografia de Rubens Brito, publicada no Jornal A Crítica de 23 de outubro de 1981, pg. 01.

Visualizar

Kiko Xavier de Albuquerque

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 16 de outubro de 1981, pg. 01.

Visualizar

Petty de Araújo Lima

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 25 de junho de 1981, pg. 01.

Visualizar

Socorro Leite e Waisser Botelho

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 15 de abril de 1981, pg. 07.

Visualizar

Jória e Amin Said

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 14 de abril de 1981, pg. 07.

Visualizar

Alcirene Garcia

Coluna do Gil “Gente”, foto do Augusto’s, publicada no Jornal A Crítica de 07 de maio de 1980, caderno II.

Visualizar

Cláudia Melo Gonçalves

Coluna “Baby”, foto de Chikó, publicada no Jornal A Crítica de 21 de abril de 1980, pg. 05.

Visualizar

Rosângela Ferrary e Costa Marques

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 23 de dezembro de 1980, pg. 07.

Visualizar

Waldemar Pedrosa Neto

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 12 de setembro de 1980, pg. 07.

Visualizar

Lícia Roque da Cunha

Coluna “Baby” publicada no Jornal A Crítica de 25 de agosto de 1980, p. 05.

Visualizar

Platão Bezerra de Araújo

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 03 de dezembro de 1980, pg. 05.

Visualizar

Luíza Maria Marques

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 03 de outubro de 1980, pg. 07.

Visualizar

Emília Barreto

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 16 de agosto de 1980, pg. 01.

Visualizar

Carmem Mello

Coluna do Gil “Gente” publicada no Jornal A Crítica de 28 de setembro de 1980, p. 07.

Visualizar

Ana Paula Lins

Coluna do “Gil” Gente publicada no Jornal A Crítica de 14 de setembro de 1980, p. 07.

Visualizar

Neila Michiles

Neila Michiles é fotografada pela objetiva de Rubens Brito no Mandy’s Bar, em Manaus, na noite hollywoodiana em 01 de agosto de 1981.

Visual