Era o botequim ‘A Sereia’

Era o botequim ‘A Sereia’

Primeiramente, “este prédio tem uma história que o dr. Francisco Pereira da Silva se esqueceu de contar quando fez a apologia da revolução de 1930, na Câmara Municipal. Era o então, botequim ‘A Sereia’, ponto de reunião diária dos valentes alunos do Ginásio Amazonense Pedro II. No então, Quartel General da ‘turma de choque’, nele se arquitetavam planos e discutiam-se revoluções. No seu reservado (porta de vai-e-vem branca) construiu-se o caixão funerário que deveria encerrar a alguma (um urubu) do delegado Camarão. Por fim, que o digam os remanescentes dos movimentos revolucionários de 11 e 12 de agosto de 1930: Mário Ypiranga Monteiro, Armando Segadilha, Francisco da Gama e Silva. Dalí saiu o sambinha apimentado:

Eu fui num samba

Lá no ‘Sereia’

Chegou o Lindolfo

Querendo meter a peia.

Coluna A Cidade em Foto do Jornal A Gazeta, 03 de junho de 1964.