Da Chácara ao Seminário

A Gazeta

[vc_row][vc_column][vc_single_image image=”14327″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

Coluna A Cidade em Foto do Jornal A Gazeta de 20 de junho de 1964.

Tudo começou quando Dom João da Mata Amaral, aquele mesmo bispo que fez em Manaus o I Congresso Eucarístico, aproveitando o terreno comprado por Dom Frei Basílio Pereira, fundou o Seminário de São José construindo o pavilhão que aparece na foto, que foi inaugurado a 20 de março de 1946. Antes, ali, havia sido a ‘Chácara do Silvério’, casa de veraneio do coronel Silvério Neri, que foi Governador do Estado, com casa de residência na Joaquim Nabuco com a rua dos Andradas, onde está o Fomento Federal. Dom Alberto Gaudêncio Ramos, nosso primeiro Arcebispo, construiu o segundo pavilhão, e a ligação entre os dois foi feita pelo Arcebispo Dom João de Souza Lima. Nesses 18 anos ordenaram-se padres no Seminário de São José: Vicente Albuquerque, Onias Bento da Silva, Luiz Ruas, Jorge Normando, Thiago Brás, Francisco Pinto, Juarez Maia, Manuel Bessa, Moisés e Bernardino Lindoso, Alírio Lima, frei Alberto de Manaus e Frei Francisco Araújo, atual superior dos Dominicanos em São Paulo. Muitos estudaram no Seminário, valendo lembrar os professores Orígenes Martins, Carlos Eduardo e Jorge Karam.”

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VEJA MAIS