Biblioteca Braille

Durango Duarte - Biblioteca Braille

[vc_row][vc_column][vc_images_carousel images=”12310″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

Entrada da biblioteca. Foto: Thiago Duarte.

Mantida pelo Governo do Estado, a Biblioteca Braille foi fundada em 8 de novembro de 1999 e destina-se aos portadores de deficiência visual. São oferecidos mais de dez mil livros entre acervo em Braille, em tinta, livros falados e digitais.

Além de empréstimos de livros falados, essa Biblioteca oferece ao público a gravação de livros e textos em fitas cassete, a transcrição de livros e apostilas impressos para o Braille e duas lupas eletrônicas – uma em mouse e outra em pedestal.

Há, também, seção de vídeos com filme dublado, centro de apoio pedagógico, reforço de Braille para alunos da Escola Joanna Rodrigues Vieira e visitantes, concurso de Sorobã – aparelho de origem grega utilizado para cálculos matemáticos –, cursos de violão, teclado e inglês e um computador com programas específicos para utilização por deficientes visuais: DOS, VOX e Virtual Vision.

Em 2004, essa Biblioteca passou a produzir livros falados e a transcrever para o sistema Braille as apostilas do Aprovar, curso Pré-Vestibular criado pelo Governo do Estado. Esse trabalho levou a Braille a ser premiada, no ano seguinte, com a Ordem Legislativa do Mérito, concedida pela Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas – Aleam.

Atualmente, essa unidade de informação funciona em um dos blocos do Centro de Convenções – Sambódromo –, situado na avenida Pedro Teixeira, n. 2.565, no bairro Flores.

Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]