Apesar dos pesares, ainda é riqueza

A Cidade em Foto

[vc_row][vc_column][vc_images_carousel images=”6167″ img_size=”large”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

O flagrante é recente, atual. Mas poderia ser do início do século, que em nada mudaria. Ou melhor, os homens que trabalham seriam outros. Naturalmente, que a maneira da tarefa permanece a mesma. “A Hévea Brasiliense”, que fez a riqueza desta região. Que teve seu apogeu, fornecendo à União considerável parcela de seu orçamento. E batalha, com muitos heróis esquecidos, que lutaram a sua luta por um mundo melhor, “na vanguarda da retaguarda”. A borracha que ainda é assunto importante na nossa economia, mas que requer uma luta titânica, sem tréguas e sem quartel, para uma melhorzinha de preço. A borracha que mereceu a criação de um banco, que agora não tem mais seu nome. Borracha que quer dizer seringueiro e seringalista, “inferno verde” e beiradão, casas de aviamento e regatão, muito sacrifício e pouca recompensa. Que nos faz relembrar, com revolta, que ainda continuamos como simples colônia de resto de Brasil. Borracha que representa muitas esperanças para o Novo Ano que se inicia amanhã.

Coluna A Cidade em Foto do Jornal A Gazeta de 31 de dezembro de 1963.

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VEJA MAIS