Bonitos e Perigosos

Em 30 de maio de 2018 às 14:30, por Otoni Mesquita.

compartilhe

Cuidado com eles! Estão nas ruas, nas praças e podem habitar no seu prédio ou condomínio. Nos bairros elegantes, remediados e nas favelas. São graciosos e sedutores circulam aonde querem. Com um olhar doce e assustado demonstram carência e sem dizer uma palavra podem se aproximar como um menino abandonado que pedisse alimento. Fique atento.

Ele próprio não sabe que é uma arma mortífera. Caminha pela pista com calma, banha-se onde pode, num ritmo que é quase só seu. Ainda que sempre tenha um lugar pra se abrigar. Muitas vezes olha a cidade de cima, com a mesma facilidade que circula no meio da sujeira. Volúvel em suas relações põe em risco, sobretudo, as criancinhas que encantadas com o seu charme não desconfiam de sua nocividade.

Mas, não se inibe mesmo em frente aos pais se exibe com olhares carentes sem perder o seu porte e sua graça. Muitos chegam mesmo a alimentá-los e dão carinho. Por isso se espalham pelo mundo e circulam com frequência nos grandes espaços, mesmo nos mais turísticos, onde facilmente encontram muitas vítimas em potencial. Apesar do grande mal que carrega nem ele mesmo tem consciência que está colocando outros em risco. Alguns deles são muito valorizados e mesmo estudados, conseguindo funções importantes na sociedade.

Em período de guerra sua relevância aumenta, são solicitados e se fazem serem infiltrados para cumprir importantes missões. Tornam-se eficientes agentes de informação, sem desvios ou tentações. Cumprem a rota preestabelecida. Sua imagem é muitas vezes utilizada para propagar ideias e mesmo difundir a fé. Não há leis ou investigações que o impeçam de agir. Ele não tem regras, é uma questão de sobrevivência e permanecem entre nós. São apenas os dóceis pombinhos que nos rondam como portadores de uma infinidade de doenças.

Comentários

sobre o autor

Amazonense, artista visual e historiador da cidade. Gosta de literatura, música, cinema e fotografia. Não dirige, mora no centro da cidade. Nada no Nacional e anda pela cidade olhando e fotografando pequenas coisas.