• Durango Duarte - Vista frontal da Catedral de Nossa Senhora da Conceição
    • Iconografia
    • Manaus
    • Manaus, entre o passado e o presente

    Vista frontal da Catedral de Nossa Senhora da Conceição

    Vista frontal da Catedral de Nossa Senhora da Conceição. In: Album do Amazonas 1901-1902.

    A presença da Igreja Católica na região do rio Negro tem início em 1668 com a chegada, à foz do rio Tarumã, do padre Theodosio da Veiga, da Ordem das Mercês.

    O mercedário integrava a comitiva do capitão de Infantaria Pedro da Costa Favela, que fora enviado pelo governador do Maranhão e Grão-Pará, Antônio de Albuquerque Coelho de Carvalho, para proteger o local contra possíveis invasões de espanhóis e holandeses.

    Três décadas depois, em 1695, os padres Carmelitas ergueram aquela que é considerada a primeira capela de Manaus, em honra a Nossa Senhora da Conceição. Localizava-se no antigo largo da Trincheira, na área que hoje pertence à praça Nove de Novembro (ver Capítulo Praças).

    O Papa Leão XIII proclamou a criação da Diocese do Amazonas em 27 de abril de 1892, por meio da Bula Ad universas orbis Ecclesia. Nessa época, Manaus possuía apenas duas paróquias: a de Nossa Senhora da Conceição e a de Nossa Senhora dos Remédios.

    O primeiro bispo diocesano foi o cearense Dom José Lourenço da Costa Aguiar, nomeado pelo Papa Leão XIII em 16 de janeiro de 1894 e empossado cinco meses depois, em 18 de junho, data de instalação efetiva da Diocese.

    O governo apostólico de Dom José Lourenço durou até 1905, ano em que faleceu na cidade de Lisboa, Portugal. Seu corpo foi trasladado para Manaus, sendo enterrado no antigo cemitério São José (ver Capítulo Cemitérios). Mais tarde, seus restos mortais foram transferidos para a Catedral de Nossa Senhora da Conceição.

    O segundo bispo a assumir a Diocese do Amazonas foi Dom Frederico Benício de Souza Costa, sucedido por Dom João Irineu Joffily, Dom José Maria Pereira Lara – que não assumiu –, Dom Basílio Manuel Olímpio Pereira, Dom João da Mata de Andrade e Amaral e Dom Alberto Gaudêncio Ramos.

    A Diocese foi elevada a Arquidiocese em 16 de fevereiro de 1952 (Bula Ob illud), sendo seu primeiro arcebispo o próprio Dom Alberto Gaudêncio Ramos. À época com 36 anos, foi considerado o mais jovem do mundo. Seu primeiro ato como arcebispo foi realizar a coroação pontifícia da imagem peregrina de Nossa Senhora Auxiliadora, em nome de Santo André.

    Até o final de 2008, a Arquidiocese de Manaus congregava 54 paróquias, sendo 49 na Capital. Para este Capítulo, foram selecionadas as histórias de fundação das nossas onze primeiras igrejas – e suas respectivas paróquias –, desde a de Nossa Senhora da Conceição, no Centro, até a de Santa Luzia, no bairro Presidente Vargas, Zona Sul da Cidade.

    A seguir, são relacionados, também, alguns templos religiosos secundários – capelas e santuários – existentes em Manaus, com destaque para a capela de Santo Antônio do Pobre Diabo, o mais antigo, e a igreja de Dom Bosco, cuja história está associada à chegada dos primeiros padres salesianos à capital amazonense.

    Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Fechar

Deixe uma resposta