A superioridade inconteste da Hevea Brasiliensis

Em 31 de maio de 2016 às 07:00.

compartilhe

Como quer que seja, não fossem as sementes e mudas obtidas no Brasil, sê-lo-iam certamente recolhidas na Amazônia peruana ou boliviana, onde abundam as Heveas. Mas o que importa é que Wickham, em 1876, entregou ao Kew Gardens 70.000 sementes, das quais germinaram 2.700.

A maior parte dessas mudas foi enviada para os jardins botânicos vizinhos de Colombo, no Ceilão, ao passo que outras mudas se plantavam em Singapura e alhures, na Malásia.

Tanto em Ceilão como na Malásia as plantas viçaram e difundiram-se além de toda expectativa, transformando em completo sucesso a missão de Henry Wickham. Por isso foi agraciado com a ordem de cavaleiro.

Nos primórdios, entretanto, a plantação de borracha não foi bem recebida no Oriente, resistindo os plantadores de café em substituir a rubiácea pela Hevea, que no começo só era usada como sombreamento. Remeteu-se muita muda de Hevea para o Levante, mas longa experimentação era indispensável para descobrir qual a variedade ou variedades mais convenientes ao plantio.

Essas experiências se prolongaram e, em 1895, ficava demonstrada a superioridade inconteste da Hevea Brasiliensis, desde então a planta favorita tanto pela qualidade como pelo rendimento em borracha.

A coincidência é marcante: em 1895, afirmava-se a Hevea Brasiliensis apropriada à plantação em larga escala. Em 1895, surge o primeiro automóvel de rodas pneumáticas, inovação que passaria a exigir volume de borracha jamais imaginado.

A procura cada vez maior de borracha estimulou, está claro, a sua plantação. Até 1900 Ceilão possuiu área cultivada muito mais extensa que a Malásia, mas a partir daí a situação se inverteu.

Em 1901 fundou-se em Londres a primeira empresa de plantação. Simultaneamente se dava início também às plantações das índias Orientais Holandesas que viriam igualmente a suplantar as de Ceilão. Os alemães se dedicavam a experiências na África. No Brasil igualmente, fizeram-se tímidas tentativas na Bahia e na Amazônia. A França estabeleceu culturas na Indochina.