Pontes metálicas de Manaus

compartilhe

Pontes metálicas de Manaus

Pontes metálicas de Manaus – A cidade de Manaus sempre foi entrecortada por igarapés, e as pontes metálicas foram imprescindíveis para o seu processo de ampliação e urbanização. Uma dessas obras de arte é a ponte de ferro Benjamin Constant, na avenida Sete de Setembro, erguida no governo de Eduardo Ribeiro e que liga os bairros Centro e Cachoeirinha.

 

Construída sobre o igarapé do Mestre Chico pelo engenheiro inglês Frank Hirst Hebblethwaite, suas peças metálicas foram fabricadas pela indústria Dorman Long & Company Limited, na Inglaterra.

 

A inauguração dessa ponte ocorreu no dia 7 de setembro de 1895, porém, recebeu sua denominação oficial somente no ano seguinte, por meio do Decreto 3, de 4 de julho de 1896, assinado pelo prefeito Raimundo Afonso de Carvalho. É uma homenagem a um dos fundadores da República, o fluminense Benjamin Constant Botelho de Magalhães.

 

Além dessa nomenclatura, ela também ficou conhecida como Ponte da Cachoeirinha, em referência ao bairro de mesmo nome; Ponte Metálica, em razão de sua estrutura, e Terceira Ponte, devido estar localizada após as duas Pontes Romanas da avenida Sete de Setembro.

 

Com 161 metros de comprimento e 10,50 metros de largura, a Ponte Benjamin Constant foi tombada como Monumento Histórico do Amazonas em 14 de junho de 1988 (Decreto 11.199).

 

Sua última grande reforma ocorreu como parte das obras do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim), sendo reinaugurada em 25 de setembro de 2008.

 

Outras duas pontes metálicas que também merecem destaque são a Ponte dos Remédios e a Ponte dos Bilhares. A primeira foi concluída em 23 de dezembro de 1881 e ligava os bairros Remédios e Espírito Santo, sobre o igarapé dos Remédios, no Centro. Sua planta era de autoria de Alexandre Haag e executada pelo engenheiro inglês Charles Brisbin. Foi desmontada no final do século XIX graças ao processo de aterramento dos igarapés.

 

Quanto à Ponte dos Bilhares, foi a segunda a ser construída na administração de Eduardo Ribeiro, também pelo engenheiro Frank Hirst Hebblethwaite. Localiza-se na avenida Constantino Nery, sobre o igarapé do Mindu.

 

Inaugurada em 18 de setembro de 1895, era denominada Ponte da Cachoeira Grande, por causa do nome original do igarapé. No ano seguinte, recebeu a nomenclatura de Ponte Prudente de Moraes (Decreto 3, de 4 de julho de 1896), em homenagem ao paulista que foi o primeiro civil a assumir a presidência da República.

 

Ao longo dos anos, foi chamada de Ponte do Bosque, por estar próxima ao antigo Bosque Municipal; Ponte Eduardo Ribeiro e Ponte Pensador, em alusão ao governador que a construiu, e Ponte da Constantino Nery, em referência à avenida homônima.

 

No entanto, Ponte dos Bilhares é o seu nome mais conhecido, devido à proximidade ao então bairro Bilhares, atual São Geraldo. Com 120 metros de comprimento, sua reforma mais recente ocorreu na administração do prefeito Serafim Corrêa (2005-2008), por conta da construção do Parque Ponte dos Bilhares.