• Durango Duarte - Museu de minerais e rochas Carlos Isotta
    • Iconografia
    • Manaus
    • Manaus, entre o passado e o presente

    Museu de minerais e rochas Carlos Isotta

    Mostruário com fragmentos de minerais. Foto: Fabio Nutti.

    O Museu de Minerais e Rochas Carlos Isotta foi inaugurado em 13 de maio de 1982 e possui um acervo composto por amostras dos principais minerais e rochas encontradas em todos os Estados brasileiros e também em outros países.

    Esse espaço cultural é vinculado ao Departamento Nacional de Produção Mineral – DNPM, Órgão fiscalizador do Ministério das Minas e Energia, e recebe auxílio financeiro de empresas que atuam na área de mineração em cassiterita.

    Seu acervo foi adquirido por meio de doações diversas – de geólogos e de companhias de mineração, entre outros colaboradores – e está instalado nas dependências do prédio do DNPM-Am, 8º Distrito, localizado na avenida André Araújo, n. 2.150, bairro Aleixo, Zona Centro-Sul.

    CARLOS ISOTTA (21-12-1940 a 20-1-1981)

    O paulista Carlos Augusto Luciano Isotta graduou-se em Geologia, em 1965, pela Universidade de São Paulo – USP. Quatro anos depois, concluiu o mestrado e tornou-se, em seguida, professor assistente do Departamento de Geologia, do Instituto de Geociências. Mudou-se, em 1971, para o então Território Federal de Rondônia, onde atuou, até 1974, no Grupo Brumadinho. Em setembro desse mesmo ano, ingressou na Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais – CPRM, onde exerceu a função de Chefe da Divisão de Prospecção e Pesquisas Próprias, da Superintendência Regional de Porto Velho, além de ter sido o responsável pela organização de uma coleção representativa de todos os tipos de cassiterita da Amazônia. Faleceu em Rondônia, em um acidente aéreo.

    Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Fechar

Deixe uma resposta