• Durango Duarte - Museu Amazônico
    • Iconografia
    • Manaus
    • Manaus, entre o passado e o presente

    Museu Amazônico

    Detalhe da fachada do museu. Foto: Alex Pazuello.

    O Museu Amazônico é um Órgão suplementar da Universidade Federal do Amazonas – Ufam. A implantação desse espaço iniciou em 1989 com a finalidade de dar apoio   à pesquisa, ao ensino e à extensão nas áreas de Arqueologia, História e Antropologia e sua inauguração aconteceu no dia 21 de junho de 1991.

    Localizado na rua Ramos Ferreira, n. 1.036, Centro, o Museu Amazônico possui oito salas, em que são realizadas exposições temáticas especiais – de longo e médio prazos ou, até mesmo, itinerantes – sobre a região Amazônica. Sua organização está dividida em quatro setores: Biblioteca, Divisão de Pesquisa e Documentação Histórica, Divisão de Museologia e Divisão de Paleontologia e Mineralogia.

    Seu acervo é composto por coleções de fotografias de 1911 e 1970 do cineasta Silvino Santos, do fotógrafo alemão George Huebner, dos municípios amazonenses e da própria Ufam. Contém, ainda, peças etnográficas das etnias tukano, baniwa, kubewa, marubo, yanomami, karajá, mati, tikuna, sateré-mawé e maku – armas, máscaras e bastões rituais, enfeites plumários, utensílios de madeira, de fibras vegetais e de cerâmica –, peças artesanais populares de vários municípios do Amazonas, além de peças e materiais arqueológicos, como vasos, cachimbos, estatuetas, rodelas de fuso, urnas funerárias, apliques, pães-de- índio, quebra-cocos, machados de pedra, entre outros.

    Em sua parte documental, o Museu possui, ainda, as coleções Amazônia Colonial, Província do Amazonas e Firma J. G. Araújo, além de jornais do Amazonas, entre outros. Boa parte desse acervo foi adquirida pela Universidade por meio de convênios firmados com outras instituições.

    Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Fechar

Deixe uma resposta