• Durango Duarte - Monumento a Agnello Bittencourt
    • Iconografia
    • Manaus
    • Manaus, entre o passado e o presente

    Monumento a Agnello Bittencourt

    Monumento sendo inaugurado em 1976, na mureta da praça Cinco de Setembro, com a presença do prefeito Jorge Teixeira, à esquerda. Acervo: Arquivo Público Municipal.

    Em 1976, o escritor amazonense Agnello Bittencourt foi homenageado com um busto por ocasião dos cem anos do seu nascimento. O marco foi inaugurado em 14 de dezembro daquele ano, na praça Cinco de Setembro (da Saudade).

    Cabe destacar que esse foi o primeiro busto a ser instalado em uma mureta construída na administração do prefeito Jorge Teixeira e que possuía espaço para outros três bustos, onde, provavelmente, foram colocados os de Carlos Gomes, Ribeiro Júnior e Ephigênio de Salles. Hoje, essa mureta não mais existe.

    Filho do ex-governador do Amazonas, Antônio Clemente Ribeiro Bittencourt (14/12/1876 a 19/07/1975), Agnello Bittencourt nasceu em Manaus e iniciou os seus estudos no Colégio 13 de Maio. Posteriormente, ingressou na Escola Normal, onde concluiu o curso Secundário e se formou em Magistério. Após lecionar em diversas escolas de Manaus, assumiu cargos públicos, entre eles, o de inspetor municipal de ensino, o de diretor da Instrução Pública do Estado e o de prefeito de Manaus. Foi membro fundador do Instituto Geográfico e Histórico do Amazonas – Igha, do Asilo Doutor Thomas e da Escola Solon de Lucena. Escreveu e publicou várias obras, entre elas, A chorografia do Estado do Amazonas, de 1925. Foi eleito para a Academia Amazonense de Letras em 1932 e assumiu a Cadeira de número 3. Faleceu aos 98 anos, no  Rio de Janeiro.

    Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Fechar

Deixe uma resposta