A indústria da borracha e a absorção de outras matérias primas

Em 2 de julho de 2016 às 07:00.

compartilhe

Sendo, todavia, indústrias estas extremamente complexas, exigindo vultosos capitais e requerendo indispensável concentração para produção em série, demandando alta e difícil técnica em evolução permanente, e, por conseguinte, custosos e imensos laboratórios de pesquisas, onde inúmeros cientistas e técnicos se dedicavam ao aperfeiçoamento constante do artefato, contavam-se poucos países onde tenha tido grande desenvolvimento.

Outros artigos existiam, igualmente, que necessitavam a mais apurada técnica e experimentação constante, não só para o aperfeiçoamento dos produtos existentes como para a manufatura de novos, que se fizessem precisos todos os dias.

Haviam artigos cuja responsabilidade era secundária, deles se exigindo, em geral, apenas durabilidade e boa aparência.

Eram os casos de calçados e solados, correias, fios, lâminas e tecidos, almofadas e outros esponjosos, artefatos para esporte e brinquedo, produtos de borracha endurecida ou ebonite, artigos de uso doméstico e para escritório, desde que destinados a usos comuns.

Muitos, no entanto, demandavam absoluta precisão e perfeição não só química como física, principalmente quando diziam respeito à segurança pessoal ou à saúde humana, havendo neste campo especialidades tais que só uns poucos países conseguiam fabricá-las a contento.

São desta classe certos tubos e mangueiras de alta pressão e para freios de veículos, correias industriais, materiais para conserto de pneumáticos e câmaras-de-ar, luvas contra cáusticos e para eletricistas, peças para freios de veículos, artefatos para aviões, fitas isolantes e para cabos de alta-tensão, isoladores elétricos em geral, e, muito especialmente, a vasta classe de artefatos médico-cirúrgicos como luvas, sondas, cateteres, drenos, tubos para soro, balões de oxigênio, aventais contra raios X e inúmeros outros.

A versatilidade e a complexidade da borracha constituíam excelente fator de progresso econômico, não só pela valorização do homem, consequência da criação de quadros técnicos e especializados, como pelo consumo de muitos outros materiais a que obrigava.

Esta indústria traz ampla absorção de outras matérias primas como algodão em rama e em fio, lona e cordonel para pneumáticos, tecidos de algodão em geral, cordonel de rayon, juta, feltro, arame cobreado para talão de pneumáticos, arames para mangueiras, metais para conexões, condutores elétricos e outros fins, tintas e vernizes, materiais de embalagem, etc.

No domínio dos produtos químicos, utiliza grandes quantidades de enxofre, aceleradores, antioxidantes, óxido de zinco, plasticizantes, negro de fumo, carboneto de magnésio, sulfato de bário, carboneto de cálcio, argilas, mica, pigmentos, corantes, solventes e muitos outros. Esses nomes gene ricos, na verdade, abrangem mais de 3 mil produtos ou composições químicas entre os quais a indústria experimenta ou combina em busca de melhores resultados.