• Durango Duarte - Grupo Escolar Machado de Assis - Instituto
    • Iconografia
    • Manaus
    • Manaus, entre o passado e o presente

    Grupo Escolar Machado de Assis

    Vista do edifício do Grupo Escolar Machado de Assis. À sua frente, alunos e professoras da escola. Década de 20. Acervo: CCPA.

    Criado pelo Decreto 1.472, de 11 de janeiro de 1924, o então Grupo Escolar Machado de Assis era composto por quatro turmas. Sua instalação ocorreu naquele mesmo ano, em um imóvel pequeno e sem condições de higiene, no bairro Constantinópolis, atual Educandos, Zona Sul da Cidade.

    A mudança desse Grupo Escolar para o seu atual endereço – na rua Amâncio de Miranda, também no Educandos – foi providenciada em 1925. Nessa época, o seu prédio, que antes havia abrigado o Estabelecimento dos Educandos Artífices, era de propriedade da Faculdade de Direito e foi alugado pelo interventor Alfredo Sá por um prazo de cinco anos.

    Para que a Escola ficasse ali instalada definitivamente, em 1926, o presidente do Estado do Amazonas, Ephigênio de Salles, substituiu o contrato de aluguel – firmado na administração anterior – por uma permuta de prédios.

    Nessa troca, o Estado ficou com o prédio já ocupado pela Escola e deu àquela Faculdade o prédio estadual localizado na atual avenida Joaquim Nabuco, onde hoje se encontra a Escola Estadual Nilo Peçanha (ver Capítulo Instituições de Ensino Superior). Em 1º de agosto de 1934, inaugurou-se, anexo a esse Grupo Escolar, o Jardim de Infância Bernardo Ramos.

    Ao ser reformado em 1957, o edifício dessa instituição   de ensino foi reconstruído e ampliado e ganhou um segundo pavimento. A partir de 1994, passou a oferecer, além do 1º grau, o 2º grau profissionalizante, com habilitação de Técnico em Administração. Em 1998, esse curso técnico foi extinto e a Escola iniciou o ensino médio regular.

    Com dezessete salas de aula, o Machado de Assis disponibiliza, atualmente, o Ensino Fundamental, a Educação de Jovens e Adultos – EJA e o projeto Tempo de Acelerar.

    Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Fechar

Deixe uma resposta