• Durango Duarte - Grande Hotel
    • Iconografia
    • Manaus
    • Manaus, entre o passado e o presente

    Grande Hotel

    Vista da fachada do prédio do Grande Hotel. In: Álbum Vistas de Manaus, [s. n.].

    A referência que se tem conhecimento sobre um primeiro espaço específico para abrigar pessoas temporariamente foi uma hospedaria construída alguns séculos antes de Cristo, na Grécia Antiga, no santuário de Olímpia, local onde ocorriam os jogos olímpicos.

    O primeiro hotel comercial do mundo – o Wekalet-Al-Ghury – foi edificado no começo do século XVI, no Cairo, Egito, e, nos dias de hoje, funciona como um centro cultural. Já o início da hotelaria como indústria moderna ocorreria somente no século XIX com a construção do Hotel Tremont House, em Boston, Estados Unidos da América.

    O Hotel Ritz, primeiro estabelecimento hoteleiro da França, foi construído em 1870 e é considerado o marco inicial da hotelaria planejada. As primeiras redes de hotéis, como a francesa Ritz-Carlton e a inglesa Trust Houses, foram criadas no início do século XX.

    Marco Antonio Serafin (2005), em seu artigo intitulado A história da hotelaria no Brasil e no mundo, afirma que a hotelaria brasileira teve início com a chegada da Família Real, em 1808. Isso incentivou a instalação de hospedarias no Rio de Janeiro, então Capital Federal, já que, até a metade do século XVIII, não existia esse tipo de estalagens por aqui. Exatamente um século depois, em 1908, o Brasil conheceria o seu primeiro hotel moderno: o Hotel Avenida, no Rio de Janeiro.

    Ainda em âmbito nacional, segundo Duarte (2005), podem ser destacadas outras importantes construções, como o antigo Hotel Terminus, em São Paulo, e o Copacabana Palace e o Hotel Glória, no Rio de Janeiro.

    Em Manaus, o crescimento econômico ocorrido nas últimas três décadas do século XIX, desencadeado pelo interesse internacional sobre a nossa goma elástica, fez com que surgissem pensões, hospedarias e estalagens para atenderem à demanda de pessoas que aqui chegavam, a negócios ou a passeio. No entanto, alguns desses estabelecimentos eram chamados de hotéis, mesmo sem a estrutura que os caracterizasse como tal.

    Para exemplificar a evolução do sistema hoteleiro na Cidade, este Capítulo foi dividido em duas fases. Na primeira, apresenta- se uma lista de estabelecimentos encontrados em anúncios de jornais, documentos oficiais e guias turísticos e telefônicos do período que vai de 1877 até a década de 40 do século XX.

    Destaque para o projeto de criação da Hospedaria de Imigrantes – que, na prática, nem chegou a funcionar como hotel – e para o Hotel Cassina e o Grande Hotel, dois ícones do início da hotelaria em Manaus e que, hoje, não existem mais.

    A segunda fase estende-se da década de 50 aos dias atuais, período em que Manaus, na tentativa de suprir a deficiência existente no setor hoteleiro local, começou a receber, além de iniciativas locais, a instalação de muitos empreendimentos de redes internacionais. Foi nessa época que surgiram o Hotel Amazonas – já desativado –, o Palace Hotel, o Lord Hotel e o Tropical Hotel Manaus.

    Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Fechar

Deixe uma resposta