• Durango Duarte - Faculdade de Filosofia do Amazonas
    • Iconografia
    • Manaus
    • Manaus, entre o passado e o presente

    Faculdade de Filosofia do Amazonas

    Fachada frontal e lateral do edifício da Faculdade de Filosofia do Amazonas. Acervo: Museu Amazônico.

    Administrada pelo Governo Estadual, a Faculdade de Filosofia do Amazonas foi criada em 1959 e a autorização para o funcionamento de seus três cursos iniciais – Filosofia, Matemática e Pedagogia – foi concedida pelo Decreto Federal 50.046, de 24 de janeiro de 1961.

    A aula inaugural dessa instituição, proferida pelo então governador Gilberto Mestrinho, ocorreu no dia 16 de março daquele mesmo ano, em solenidade realizada no auditório do extinto Palácio Rodoviário, onde hoje existe uma das unidades acadêmicas da Universidade do Estado do Amazonas – UEA.

    O primeiro diretor dessa Faculdade foi o cônego Walter Gonçalves Nogueira. Sua instalação ocorreu no pavimento superior do mesmo prédio em que funcionava outra faculdade estadual: a de Ciências Econômicas, na rua José Paranaguá, Centro. Em seu primeiro ano, a Faculdade de Filosofia registrou a matrícula de sessenta alunos, sendo 34 em Filosofia, dezessete em Pedagogia e nove em Matemática.

    Em 1963, esse instituto de ensino superior recebeu a instalação do curso de Química. No ano seguinte, o Governo do Estado, por meio da Lei 22, de 22 de maio, doou os bens  de propriedade estadual que estavam em uso pela Faculdade de Filosofia do Amazonas para a recém-criada Fundação Universidade do Amazonas – FUA e alterou sua denominação para Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras. No entato, essa instituição somente seria incorporada em definitivo pela Universidade do Amazonas em 29 de julho daquele ano.

    A colação de grau da primeira turma da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, composta por 24 graduandos – quinze em Filosofia, sete em Pedagogia e dois em Matemática –, aconteceu no dia 17 de janeiro de 1965.

    Ainda na década de 60, a Faculdade recebeu a instalação de mais seis cursos: Letras, em 1965, Biblioteconomia e Ciências Naturais, em 1967, Serviço Social, com a incorporação da ESSM, em 1968, e mais Comunicação Social e Educação Física, em 1969 – sendo que este último, anos depois, foi ncorporado ao Instituto de Ciências Biológicas – ICB e, em 1993, transformado na Faculdade de Educação Física – FEF.

    A reforma estatutária de 1970 alterou a nomenclatura de algumas unidades acadêmicas da Universidade do Amazonas. Por esse motivo, a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras teve sua denominação modificada para Instituto de Ciências Humanas e Filosofia. Essa reforma transferiu, ainda, a administração do curso de Pedagogia para a Faculdade de Educação – Faced.

    Posteriormente, outros três cursos que também faziam parte dessa unidade foram incorporados a outras: curso de Matemática e o de Química passaram a compor o Instituto de Ciências Exatas – ICE e o de Ciências Naturais foi transferido para o Instituto de Ciências Biológicas – ICB.

    Em 1974, em virtude de outra mudança estatutária, esse Instituto recebeu nova nomenclatura, mantida até os dias de hoje: Instituto de Ciências Humanas e Letras – ICHL. No segundo semestre do ano de 1986, o ICHL foi instalado, definitivamente, no Campus Universitário da Ufam, localizado no bairro Coroado, Zona Leste de Manaus.

    O Instituto de Ciências Humanas e Letras, atualmente, é composto por dez departamentos acadêmicos: Biblioteconomia, Ciências Sociais, Comunicação Social, Educação Artística, Filosofia, Geografia, História, Letras (Língua Portuguesa), Letras (Língua Estrangeira) e Serviço Social.

    Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Fechar

Deixe uma resposta