Comércio, eis o que funciona na Zona Franca de Manaus (1972)

Em 2 de setembro de 2016 às 07:00.

compartilhe

A reportagem foca o centro comercial e chama o segmento industrial de chão batido. Insinua que o Distrito Industrial “é luxo de prancheta da Suframa” e que o Centro Agropecuário é uma ideia, obra de papel, literatura suframica. Sobre a criação de boi no Amazonas afirma que não é rentável, seu custo é maior que o seu leite ou sua carne e os financiamentos são de curto prazo. Sustenta que o turismo em Manaus não é geográfico ou paisagístico, é turismo de vitrinas.  Só o comércio funciona.

FONTE

Revista O Cruzeiro. Rio de Janeiro: Edição 33, 09 de agosto de 1972.