• Durango Duarte - Biblioteca Maçônica Mário Verçosa
    • Iconografia
    • Manaus
    • Manaus, entre o passado e o presente

    Biblioteca Maçônica Mário Verçosa

    Fachada da biblioteca. Foto: Maurília Gomes.

    Essa biblioteca pertence à Grande Loja Maçônica do Amazonas – Glomam, que está localizada na rua Comendador Clementino, n. 296, Centro, e cuja inauguração ocorreu em 18 de setembro de 1996. No início de suas atividades, o acervo era disponibilizado apenas para o público interno e continha somente títulos maçônicos.

    Entre as obras específicas existentes, há, por exemplo, os registros de todos os maçons do Amazonas e das primeiras lojas existentes no Estado, bem como as atas e cartas de alforria da época da libertação dos escravos – que possuem relevância histórica, porque a então Província do Amazonas foi a segunda do País a abolir a escravidão, em 10 de julho de 1884, conquista que teve a participação efetiva dos maçons.

    Posteriormente, foram agregadas bibliografias de diversas áreas e permitida a sua visitação ao público em geral. O atual acervo da Biblioteca Mário Verçosa dispõe de mais de cinco mil títulos e abrange as áreas de Filosofia, História, Geografia, Matemática, Física, Biologia e Moral e Cívica. Podem ainda ser encontradas obras de escritores amazonenses, entre outras.

    MÁRIO VERÇOSA (20-6-1924 a 18-6-1989)

    O manauense Mário Sílvio Cordeiro de Verçosa bacharelou-se pela Faculdade de Direito do Amazonas nos anos 40. Entrou para a Magistratura no início da década de 50 e ocupou o cargo de Juiz de Direito da Comarca de Humaitá. De volta a

    Manaus, tomou posse, em 1959, como desembargador. Em 1965, tornou-se presidente do Tribunal de Justiça do Estado, após ter passado por vários cargos nessa mesma instituição. Destacou-se na Maçonaria, sendo grão-mestre da Grande Loja Maçônica do Amazonas entre 1962 e 1977 e presidente da Confederação da Maçonaria Simbólica do Brasil. Ajudou, ainda, a criar a Academia Amazonense Maçônica de Letras. Integrou o Igha e ingressou, em 1989, na Academia Amazonense de Letras, onde ocupou a Cadeira de número 17. Faleceu em Manaus.

    Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Fechar

Deixe uma resposta