• Durango Duarte - Biblioteca Genesino Braga
    • Iconografia
    • Manaus
    • Manaus, entre o passado e o presente

    Biblioteca Genesino Braga

    Espaço interno da biblioteca. Foto: Thiago Duarte.

    Inaugurada no dia 21 de agosto de 2002, a Biblioteca Genesino Braga, mantida pelo Governo do Estado, é a primeira de Manaus a funcionar dentro de um centro de compras – o Shopping Grande Circular – localizado na avenida Autaz Mirim, n. 6.250, bairro São José Operário, Zona Leste da Cidade.

    Seu acervo, composto por, aproximadamente, dez mil títulos, é formado por obras literárias sobre Sociologia, Política, Literatura, Línguas e Teologia. Possui, também, diversas obras técnicas, como dicionários e enciclopédias. Em suas dependências funciona, ainda, uma pequena hemeroteca com artigos de jornais e revistas.

    Estudantes, professores e o público em geral têm acesso gratuito ao acervo para empréstimos e consultas no local e podem também acessar a internet para pesquisas. Atualmente, além do serviço de consulta e empréstimo de obras, a Biblioteca desenvolve projetos de incentivo à leitura.

    GENESINO BRAGA (6-12-1906 a 19-6-1988)

    O jornalista Genesino dos Santos Braga nasceu em Santarém/PA e chegou a Manaus em 1927. Trabalhou nos matutinos Jornal do Commercio e A Tarde e entrou no serviço público como assistente de gabinete no Palácio Rio Negro. Transferiu-se, depois, para o Arquivo Público Estadual. Em 1943, assumiu a direção da Biblioteca Pública do Estado, cargo que deixaria somente em 1965, quando se aposentou. Ingressou na Academia Amazonense de Letras em 1951, onde ocupou a Cadeira de número 19. Escreveu quatro livros: Nascença e vivência da Biblioteca do Amazonas, de 1957; Fastígio e sensibilidade do Amazonas de ontem, de 1960; Chão e graça de Manaus, de 1975, e Assim nasceu o ideal, de 1979. Foi professor do curso de Biblioteconomia  na  então  Universidade  do  Amazonas  e presidente do Atlético Rio Negro Clube.

    Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Fechar

Deixe uma resposta