• Durango Duarte - Área ocupada pelo Cemitério Judeu
    • Iconografia
    • Manaus
    • Manaus, entre o passado e o presente

    Área ocupada pelo Cemitério Judeu

    Vista da área ocupada pelo Cemitério Judeu. Foto: Thiago Duarte.

    Somente em 1928 que a Prefeitura concederia uma área dentro do Cemitério São João Batista à comunidade judaica da Cidade. Antes disso, os judeus aqui falecidos eram sepultados na área cristã dessa necrópole, a qual havia recebido, até 1927, mais de quatrocentos enterros israelitas.

    O primeiro inumado do Cemitério Judeu foi Leon Perez, sepultado no dia 12 de setembro de 1928. Esse campo santo  é administrado pelo Comitê Israelita do Amazonas, Órgão que representa a comunidade em nosso Estado.

    Nesse cemitério, podem ser enterrados, de forma gratuita, todos os membros da comunidade judaica no Amazonas composta, atualmente, por 650 pessoas. De acordo com aquele Comitê, o Cemitério Judeu possui espaço para mais vinte anos de funcionamento visto que, por ano, são realizados entre quatro e sete sepultamentos.

    Uma área próxima ao cemitério Parque Tarumã foi adquirida para a construção do futuro Cemitério Israelita do Tarumã. O Comitê Israelita pretende transferir as sepulturas que estão, hoje, na área cristã do São João Batista para a nova necrópole que será construída futuramente.

    Entre os judeus, o Dia de Finados não é comemorado, pois eles costumam celebrar apenas a vida. As visitas aos cemitérios ocorrem somente no mês de setembro por ocasião do Rosh HaShaná – o Ano Novo Judaico. Outra característica dos israelitas é colocar, ao invés de flores, pedras sobre os túmulos, em razão de essas durarem mais que aquelas.

    Imagem e texto retirados do livro Manaus, entre o passado e o presente do escritor Durango Duarte.

Fechar

Deixe uma resposta