• Imagem tratada
    • A Cidade em Foto
    • Iconografia
    • Manaus

    Apesar de veterano não foi o primeiro

    Imagem tratada

    Coluna A Cidade em Foto do Jornal A Gazeta de 13 de abril de 1964.

    Não sabemos se é uma história ou estória, mas dizem que ele foi feito para a guerra do Pacífico. E acabou dando com os costados no Amazonas, levando a presença da civilização aos pontos mais distantes da hinterlândia. Já devia ter recebido o título de “cidadão da cidade”, pelos bons serviços prestados na ligação direta com o interior. Levando e trazendo cartas e encomendas. E, muitas vezes, transportando para a capital um enfermo necessitado de urgentes cuidados médicos.

    Difícil enumerar os benefícios prestados pelo “Catalina”, que desafia o mau tempo, pousa onde bem entende, em terra ou no rio. Se os motores pararem, não há perigo, que ele também é planador e pode pousar sem sustos. Nenhum aparelho da Panair do Brasil, no Amazonas, pode justificar melhor o título da “Frota Bandeirante”. Mas, apesar de tudo, não foi o pioneiro. Antes dele, aquatizando lá no “roadway”, do lado daquele cais de cimento, vieram os “Tamancos” e os “Baby-clippers”. Mas isso já é assunto para uma reportagem sobre a Panair no Amazonas. Fiquemos com o “Catalina”, tão nosso como a borracha, ou melhor, a juta que veio de tão longe para ajudar a nossa economia e grandeza.

Fechar

Deixe uma resposta