6ª semana de 1969

compartilhe

05 DE FEVEREIRO - QUARTA-FEIRA

• Entre as diversas proibições que a Polícia Militar determinou para o período de carnaval de 1969 em Manaus, destaque para o veto aos foliões se vestirem de mulher durante o carnaval de rua. Já a Polícia Federal informou que qualquer clube que fosse flagrado vendendo uísque ou cigarros estrangeiros seria lacrado. “O Delegado da DOPS, sr. João Bosco, disse à Imprensa que a campanha contra os travestis durante o Reinado de Momo será realizada no centro e nos subúrbios, onde os clubes, para realizarem seus bailes carnavalescos, terão de obter licença da DOPS”. (Jornal do Comércio, de 5 de fevereiro de 1969, p.8)

• Encontrados os restos do avião C-46, de uma companhia norte-americana, que fez um pouso forçado na cabeceira do paraná do rio Branco, às 3,20 horas da madrugada do dia 3 de fevereiro, depois de perder a rota e esgotar o combustível. O avião procedia de Santo Andres, no Panamá, e se destinava a São Paulo, com escala em Manaus. “Os dois tripulantes norte-americanos da aeronave sinistrada conseguiram escapar do interior da mesma, antes que ela fosse para o fundo do rio. Mais tarde, embarcaram em um motor regatão, dirigindo-se para Manaus”. (O Jornal, de 6 de fevereiro de 1969, p. 5)

• Ministério da Fazenda assina portaria, autorizando a saída de eletrodomésticos na bagagem de passageiros oriundos da Zona Franca de Manaus, pelo prazo de seis meses, respeitando o limite de 100 dólares por pessoa. “Pela portaria, no prazo de 180 dias, o comércio da Zona Franca poderá desfazer-se dos estoques existentes, bem como renová-los se o quiser, sendo certo que, ao fim dele, independentemente de novo ato, aplicar-se-á a restrição constante do § 1º do artigo 2º do decreto nº 63.947/68. Melhor dizendo: a partir de 180 dias, não mais sairão os eletrodomésticos como componentes de bagagens dos passageiros embarcados na Zona Franca”. (O Jornal, de 6 de fevereiro de 1969, p. 5)

06 DE FEVEREIRO - QUINTA-FEIRA

• Tem início o 2º Festival da Música Carnavalesca do Amazonas, uma promoção da Rádio Baré com a colaboração da Fundação Cultural, da Prefeitura de Manaus e do Departamento de Turismo e Promoções do Estado do Amazonas (Depro). A comissão julgadora era presidida pelo professor Elson Farias e tinha ainda os músicos Anunciação Neto e Hélio Trigueiro, os drs. Wupschlander Lima e Joaquim Marinho, professor Antônio Airton e Anúbio Celestino. Ao todo, foram inscritas 36 músicas. As eliminatórias aconteceriam nos estúdios da Rádio Baré, com a final prevista para o auditório do Sesc-Senac. (Jornal do Comércio, de 6 de janeiro de 1969, p.8)

• A Indústria de Refrigerantes WASS se instala em Manaus e passa a vender o refresco Totó, “um refresco de primeira qualidade feito de suco de frutas, saboroso e nutritivo”. (Jornal do Comércio, de 6 de janeiro de 1969, p.4)

07 DE FEVEREIRO - SEXTA-FEIRA

• Conselho de Segurança Nacional (CSN) cassa os mandatos e suspende por 10 anos os direitos políticos do senador Artur Virgílio Filho e do deputado federal José Bernardo Cabral, do Amazonas. (A Crítica, de 8 de fevereiro de 1969, capa)

• “Na pasta da Educação e Cultura o governador Danilo Areosa assinou decreto sobre a extinção do registro de internato do Instituto Benjamin Constant. De conformidade com o ato do chefe do Executivo, este ano o internato será mantido exclusivamente para as alunas oriundas de localidades onde ainda não existam escolas públicas, devendo em 1970 ser completado o processo de extinção do internato. (…) O Instituto Benjamin Constant será transformado em unidade de ensino médio do primeiro ciclo, em regime de externato, continuando a ser administrada pelas Irmãs Filhas de Sant Ana, devendo ser assinado convênio entre a SEC e a referida congregação religiosa”. (Jornal do Comércio, de 7 de fevereiro de 1969, p.8)

08 DE FEVEREIRO – SÁBADO

• Inauguração da nova agência da VASP, na Guilherme Moreira, projetada pelo arquiteto Severiano Porto. “Adquirido exatamente com esse fim, há cerca de quatro anos, ainda em vida pelo saudoso empresário amazonense sr. Waldemar Pinheiro de Sousa, fundador, com seus filhos Sebastião Garcia de Sousa e Carlos Alberto Garcia de Sousa, da Sociedade de Representações S/A (SORESA), que é a agente da VASP nesta capital, esse edifício é, sem dúvida, um dos mais, se não o mais importante de quantos se situam naquela antiga e movimentada rua do centro comercial da cidade”. (Jornal do Comércio, de 8 de fevereiro de 1969, p.8)

• Inauguração da nova lanchonete do Porto de Manaus, no Roadway. “A cantina destina-se a servir aos portuários e também estará capacitada a atender ao povo em geral”. (Jornal do Comércio, de 6 de fevereiro de 1969, p.8)

• Início de funcionamento de um posto de venda de cadeiras cativas do Estádio Vivaldo Lima, no pavilhão situado no Jardim da Matriz, onde funcionou o Museu de Cera. “O Grupo Executivo Para a Construção do Estádio Vivaldo Lima, em sua última reunião realizada na passada terça-feira, resolveu instalar na cidade, em local de fácil acesso ao público, um posto de venda de CADEIRAS CATIVAS, providência que se fazia necessária uma vez que no momento os interessados estão sendo atendidos no escritório do Grupo Executivo, ao lado do estádio, na Estrada de Flores”. (O Jornal, de 06 de fevereiro de 1969, p.12)

10 DE FEVEREIRO - SEGUNDA-FEIRA

• Publicada Portaria nº 33, de 5 de fevereiro de 1969, assinada pelo ministro da Fazenda, Delfim Neto, afirmando que a partir do dia 11 de fevereiro “os fiscais da Alfândega de Manaus já estão perfeitamente instruídos tendo em vista permitir, conforme determinado na medida Ministerial, a saída de máquinas e aparelhos eletrodomésticos ou eletrônicos durante o prazo estipulado na referida Portaria, obedecendo o limite em cruzeiros novos correspondentes a 100 dólares”. (O Jornal, de 12 de fevereiro de 1969, capa)

11 DE FEVEREIRO - TERÇA-FEIRA

• Em carta de próprio punho ao governador Danilo Areosa, o ministro da Fazenda, Delfim Netto, assegura a continuidade das vantagens fiscais da Zona Franca de Manaus: “Meu caro Governador Areosa: Tenho a satisfação de comunicar a V. Excia. que não houve qualquer limitação às vantagens fiscais concedidas à Zona Franca. Consequentemente, dentro da orientação de S. Excia., o Sr. Presidente Costa e Silva, confirmo que continua em pleno vigor o Decreto-Lei 288/67. Sem mais, um abraço do Delfim Netto”. (O Jornal, de 14 de fevereiro de 1969, capa)

• Prefeitura começa, pela rua Dez de Julho, no Centro, campanha de arborização da cidade. “O prefeito Paulo Nery estará presente ao acontecimento que marcará o início da plantação de milhares de mudas de oitizeiros em quase todas as ruas do centro da cidade. A Guarda Noturna exercerá rigorosa vigilância às plantações, a fim de evitar que elas sejam destruídas pela ação dos vândalos”. (A Crítica, de 11 de fevereiro de 1969, p.3)

• Inauguração da linha Manaus-Itacoatiara. “Com ônibus confortável, dispondo, assim, de serviço de lanches, toalete, etc. a Transamazon inaugura hoje o serviço regular de viagens para Itacoatiara, dando vertiginoso impulso para o progresso da citada rodovia com frequência certa de veículos da sua frota entre a capital do Estado e a Velha Serpa”. (O Jornal, de 11 de fevereiro de 1969, p.5)

Por Durango Duarte.

Clique aqui e leia a série 50 anos (1969-2019).

sobre o autor

Articulista-Durango-Duarte Durango Duarte é empresário, publicitário, escritor e pesquisador. É Diretor-Presidente do Instituto Durango Duarte e CEO das empresas #PESQUISA365 e The Voice. Nasceu em 11 de novembro de 1963, em Cachoeira do Sul/RS e veio com a família à capital amazonense em fevereiro de 1975. Apaixonado pela história, pelas memórias de Manaus.