5ª semana de 1969

compartilhe

29 DE JANEIRO - QUARTA-FEIRA

• Inauguração do quarto pavilhão do conjunto administrativo da Secretaria de Produção, na Estrada do Aleixo. (Jornal do Comércio, de 30 de janeiro de 1969, p.8)

30 DE JANEIRO - QUINTA-FEIRA

• Inauguração do Centro de Processamento de Dados da Secretaria de Finanças, da Prefeitura de Manaus, “cujas máquinas vão agora fazer em um dia o que dezenas de funcionários levavam um mês para realizar (preenchimento de recibos de impostos, controle da despesa, folhas de pagamento, etc.)”. (Jornal do Comércio, de 31 de janeiro de 1969, p.8)

31 DE JANEIRO - SEXTA-FEIRA

• Lançamento da pedra fundamental da Usina de Pasteurização de Leite (Comipeam). (Jornal do Comércio, de 31 de janeiro de 1969, capa)

• Lançamento da pedra fundamental do Conjunto Residencial Japiim, o maior da América do Sul, projetado para conter 10 mil unidades. Na primeira etapa serão entregues 2.000 casas. (Jornal do Comércio, de 1º de fevereiro de 1969, capa)

• Inauguração da Usina de Cereais, no igarapé da Cachoeira Grande, próximo da Olaria do Grilo. (Jornal do Comércio, de 31 de janeiro de 1969, capa)

• Inauguração do Conjunto Residencial Presidente Castello Branco, no Parque 10, com 1.303 unidades habitacionais. (Jornal do Comércio, de 31 de janeiro de 1969, capa)

• Abertura da 1ª Feira Anual do Livro, na Praça Heliodoro Balbi. (Jornal do Comércio, de 31 de janeiro de 1969, p.9)

• Associação dos Engenheiros Agrônomos e Veterinários do Amazonas envia ofício ao reitor da Universidade do Amazonas, Jauary Marinho, solicitando a criação da Faculdade de Agronomia e Veterinária. (Jornal do Comércio, de 31 de janeiro de 1969, p.8)

• Para assegurar que todos os estudantes secundaristas de Manaus consigam vagas nos colégios, a Secretaria de Estado de Educação e Cultura dividiu a cidade em oito zonas com, no mínimo, um estabelecimento de ensino em cada. “Na Zona nº 1, o Ginásio Estelita Tapajós atenderá aos moradores dos bairros de Educandos, Santa Luzia, Morro da Liberdade e Colônia Oliveira Machado; Zona nº 2, o Colégio Estadual, que atenderá aos residentes entre a av. Eduardo Ribeiro e o Igarapé de Educandos, tendo como linha divisória de fundo as ruas 24 de Maio, Ipixuna e Silves; Zona nº 3, o Instituto de Educação e o Benjamin Constant para os residentes entre a av. Epaminondas e a Duque de Caxias; Zona nº 4: Ginásio Na. Sra. De Aparecida para os residentes na faixa compreendida entre o Igarapé de São Raimundo e av. Eduardo Ribeiro; Zona nº 5: Ginásio Márcio Nery para os residentes nos bairros de Cachoeirinha, S. Francisco, Petrópolis e Raiz; Zona nº 6, Ginásio Marquês de Sta. Cruz, para os residentes em S. Raimundo, Glória e parte de Sto. Antônio; Zona nº 7: Colégio Solon de Lucena, para os bairros da Chapada, S. Geraldo, Jardim Amazonas, Beco do Macedo, parte de Adrianópolis, Mocó e Presidente Vargas; e Zona nº 8: Ginásio Presidente Castelo Branco, para S. Jorge, Jardim dos Barés e parte de Sto. Agostinho”.

1º DE FEVEREIRO – SÁBADO

• Inauguração da “Zélia Boutique”, na rua Henrique Martins, n. 44, de propriedade da senhora Maria Zélia Moura de Almeida. (Jornal do Comércio, de 9 de fevereiro de 1969, p.4)

• Para divulgar o estado em outros países, o Departamento de Turismo e Promoção (Depro), em convênio com a Secretaria de Turismo de São Paulo, lança o 1º Cartaz Turístico do Amazonas, colorido e com legendas em inglês, para distribuição internacional. “O cartaz focaliza um igapó, fenômeno típico da nossa região e que se constitui excelente ponto de atração turístico para quantos visitam o Amazonas”. (O Jornal, de 1º de fevereiro de 1969, p.2)

• Omar Cardoso, “o mago da Astrologia”, colaborador de vários jornais e revistas brasileiras, chega a Manaus, a convite do Ideal Clube, para fazer uma apresentação com suas previsões para 1969. “Recentemente, numa das emissoras locais, rodou uma fita gravada por aquele ilustre cientista em que afirmou que a Zona Franca não pereceria e as leis de incentivos fiscais para a Amazônia Ocidental seriam imutáveis, embora muitos fossem os inimigos de ambas as entidades”. (O Jornal, de 1º de fevereiro de 1969, p.5)

• O vereador Francisco Corrêa Lima é reeleito presidente da Câmara Municipal de Manaus, por sete votos a dois: “Ao ocupar pela segunda vez este honroso cargo para o qual fui escolhido, não por meus merecimentos pessoais, que são nenhuns, mas pela bondade dos meus ilustres pares para comigo, que é muitíssima, eu não posso calar o meu reconhecimento pela distinção que me coube com a escolha do meu modesto nome para tão alta missão como esta que venho investir-me”. (Jornal do Comércio, de 02 de fevereiro de 1969, p.4)

• A Secretaria da Produção entrega à Suframa projeto do Entreposto de Pesca e da Fábrica de Gelo “que agora serão construídos em decorrência de um convênio celebrado pelos dois órgãos”. (Jornal do Comércio, de 02 de fevereiro de 1969, p.8)

02 DE FEVEREIRO - DOMINGO

• Inauguração do gramado do Estádio Vivaldo Lima com um torneio entre seis equipes das escolinhas da Federação Amazonense de Futebol. Participaram os times do Nacional, Rio Negro, São Raimundo, Fast Clube, Real Madrid e Cheik Clube. “Na decisão, Cheik e São Raimundo jogaram uma boa partida, com lances de grande movimentação. Apesar do entusiasmo reinante, o marcador não foi inaugurado no tempo regulamentar, saindo as duas equipes para a decisão por penalidades, sagrando-se o São Raimundo campeão com todo o merecimento”. (Diário da Tarde, de 3 de fevereiro de 1969, p.4)

• O Flamengo-RJ vence o Fast Clube por 2×0 em amistoso no estádio da Colina. Os gols foram de Garrincha, aos 32 e Arilson aos 42 minutos do primeiro tempo. O árbitro foi Carlos Amato, auxiliado por Paulo Bernardes e Rosquilde Serra. O Flamengo jogou com Dominguez (Marco Aurélio), Murilo, Onça, Manicera e Paulo Henrique; Carlinhos e Liminha; Garrincha (Fio), Silva (Reyes), Dionísio (Luís Carlos) e Arilson (Cardoso). O Fast foi de Maneco, Luizinho, Floriano, Zequinha e Nivaldo (Nonato); Santana e Holanda (Nonato); Laércio, Edson (Valmir), Zezinho (Barrote) e Irailton. (Jornal do Comércio, de 4 de fevereiro de 1969, p.4)

03 DE FEVEREIRO - SEGUNDA-FEIRA

• Um avião C-46, pertencente a uma companhia norte-americana, faz um pouso forçado, por volta das 3h20, na cabeceira do paraná do Rio Branco. O aparelho vinha de Santo Andres, no Panamá, com destino a São Paulo, fazendo escala em Manaus. “Na noite do dia 2, o C-46 passou por Bogotá, entrando em contato com a torre de controle e informando que tudo corria normalmente e que o voo teria prosseguimento com destino a Manaus (…). Já por volta das 3,15 horas do dia 3, o avião entrou em contato com Manaus, informando que estava perdido sem combustível e que iria tentar o pouso no rio Amazonas”. (O Jornal, de 6 de fevereiro de 1969, p.5)

• O poeta Elson Farias ingressa na Academia Amazonense de Letras, na cadeira de Olavo Bilac, antes ocupada pelo também poeta Mithridates Corrêa. Elson Farias, o poeta das “Águas”, foi saudado pelo deputado José Lindoso. (O Jornal, de 5 de fevereiro de 1969, p.3)

• O Conselho Universitário da Universidade do Amazonas aprova a criação do curso de Jornalismo, subordinado à Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, com início previsto ainda em 1969. “Na mesma reunião foi aprovada a criação do curso de Educação Física, que ficará subordinado à Faculdade de Medicina”. (A Crítica, de 4 de fevereiro de 1969, p.3)

• A Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Amazonas, elege, por unanimidade de votos, o sr. José Roberto de Souza Cavalcante como seu novo presidente. Foram eleitos também os srs. Carlos Alberto Bandeira de Araújo, 1º vice-presidente; João dos Santos Pereira Braga, 1º secretário; Almério Ferreira Botelho, 2º secretário, e Emanuel Edwigs Ribeiro, tesoureiro. (O Jornal, de 4 de fevereiro de 1969, p. 5)

04 DE FEVEREIRO - TERÇA-FEIRA

• O embaixador do Japão no Brasil, sr. Koh Chiba, chega a Manaus para uma visita de quatro dias, quando receberá homenagens da colônia japonesa radicada no Amazonas e das autoridades do Estado, e vai estabelecer contatos para ampliar os laços com o País. (Jornal do Comércio, de 4 de fevereiro de 1969, capa)

• José Cantanhede de Mattos Filho e Eros Pereira da Silva tomam posse, respectivamente, como secretário do interior e justiça e procurador fiscal da fazenda, em solenidade realizada no Palácio Rio Negro, presidida pelo governador Danilo Areosa. (Jornal do Comércio, de 5 de fevereiro de 1969, p.8)

• Em segundo amistoso em Manaus, o Flamengo-RJ empata em 0x0 com o Nacional, no estádio da Colina. O campeão amazonense jogou com Marialvo, Pedro Hamilton, Sula, Valdomiro e Téo; Mário (Bell) e Rolinha (Luís Carlos); Zezé, Rangel, Toinho (Pretinho) e Lió. O rubro-negro carioca foi de Dominguez, Murilo, Onça, Manicera e Paulo Henrique; Carlinhos (Reyes) e Liminha; Garrincha (Fio), Silva (Cardoso), Dionísio (Luís Carlos) e Arilson. O árbitro da partida foi Manuel Luiz Bastos, auxiliado por Mário Santos e Euclides Serra. (Jornal do Comércio, de 5 de fevereiro de 1969, p.4)

Por Durango Duarte.

Clique aqui e leia a série 50 anos (1969-2019).

sobre o autor

Articulista-Durango-Duarte Durango Duarte é empresário, publicitário, escritor e pesquisador. É Diretor-Presidente do Instituto Durango Duarte e CEO das empresas #PESQUISA365 e The Voice. Nasceu em 11 de novembro de 1963, em Cachoeira do Sul/RS e veio com a família à capital amazonense em fevereiro de 1975. Apaixonado pela história, pelas memórias de Manaus.