3ª semana de 1969

compartilhe

15 DE JANEIRO - QUARTA-FEIRA

• “Os participantes da malograda revolução separatista na Guiana, detidos há cinco dias no quartel do 27º BC, deverão ser postos em liberdade hoje, mas ficarão confinados aos limites da cidade, segundo decisão tomada pelas autoridades militares e do Itamarati. Os rebeldes poderão sair do quartel de manhã, mas terão de voltar ao meio dia e à noite novamente. Isso, por uma simples razão: nenhum deles dispõe de dinheiro para pagar despesas em restaurantes e hotéis e continuarão no 27º Batalhão de Caçadores, agora, na situação de hóspedes”. (A Crítica, de 15 de janeiro de 1969, capa)

• “Ao que tudo indica, nova ameaça paira sobre a Zona Franca de Manaus, agora com a publicação do Ato Complementar n. 41, que dispõe sobre Conflitos de Legislação Tributária, no seu art. 3º; §5º, no que diz respeito à cobrança do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias”. (Jornal do Comércio, de 15 de janeiro de 1969, capa)

16 DE JANEIRO - QUINTA-FEIRA

• O delegado Walter Reis, de Roubos e Falsificações, afirmou que a polícia passaria a fiscalizar melhor o Porto de Manaus, em atendimento aos fiscais do porto que denunciaram a “exportação de várias dezenas de gatunos, a esta capital, pela Polícia paraense”: “Sabemos que toda pequena embarcação que deixa o Estado do Pará a qual faz escala pela hinterlândia amazonense, traz em seu bordo ladrões perigosos que o Departamento de Furtos daquele Estado resolve deportar mensalmente. Devolveremos do mesmo modo que nos forem enviados todos e quaisquer indesejáveis procedentes do Pará”. (A Crítica, de 16 de janeiro de 1969, p.8)

• Para ir de encontro à determinação do governo federal de redução nos gastos públicos e equilíbrio financeiro dos orçamentos federais, estaduais e municipais, a Prefeitura de Manaus emitiu nota informando que não faria a ornamentação que “há três anos vinha realizando na principal via de Manaus durante o período carnavalesco”. Mesmo assim, ajudaria somente na armação do palanque e na melhoria da iluminação pública do local do desfile de grupos e da escolha da Rainha do Carnaval. (A Crítica, de 17 de janeiro de 1969, capa)

17 DE JANEIRO - SEXTA-FEIRA

• Aniversário de quatro anos da instalação oficial da Universidade do Amazonas. (Jornal do Comércio, de 17 de janeiro de 1969, capa)

• Inauguração do Instituto de Anatomia e Histologia Alfredo da Mata, localizado nos fundos do Hospital Getúlio Vargas, na esquina da avenida Afonso Pena com Boulevard Amazonas e destinado aos estudantes das Faculdades de Medicina e Farmácia e Odontologia. (Jornal do Comércio, de 17 de janeiro de 1969, capa)

• Aniversário de 60 anos de fundação da Faculdade de Direito do Amazonas. (Jornal do Comércio, de 17 de janeiro de 1969, p.3)

• Começam a circular em Manaus os carrinhos amarelos de sorvete da fabricante GELAR S.A. Indústrias Alimentícias, instalada na avenida Carvalho Leal, 60, no bairro Cachoeirinha. “Empresa organizada em Belém, a GELAR fabrica sorvetes, picolés, bolos, ‘tijolos’ e uma série de outros produtos, que serão vendidos em diversos pontos de nossa cidade, por vendedores com carrinhos dotados de guarda-sol e trajados em uniformes brancos com punhos e golas azuis”. (A Crítica, de 17 de janeiro de 1969, p.8)

18 DE JANEIRO - SÁBADO

• Inauguração da fábrica de meias de Manaus, com a denominação Sociedade Industrial de Manaus (SIM), “que produzirá, inicialmente, 150 dúzias de meias, utilizando a mão de obra de 20 operários”. (Jornal do Comércio, de 19 de janeiro de 1969, p.8)

19 DE JANEIRO - DOMINGO

• “Está em circulação a edição de lançamento da Revista Industrial do Amazonas (RIA), excelente iniciativa da BUZO-Publicidades, com responsabilidade de Walfran Soares, cabendo sua distribuição, para todo o país, à Federação das Indústrias de nosso Estado”. (Jornal do Comércio, de 19 de janeiro de 1969, p.8)

21 DE JANEIRO – TERÇA-FEIRA

• Realização da primeira reunião dos sócios-fundadores da Associação de Poupança e Empréstimo AMAZON-LAR, única associação de poupança e empréstimo autorizada pelo Banco Nacional de Habitação a funcionar no Amazonas. “Compareceram, entre outros, o dr. Emídio Vaz de Oliveira, dr. Newton Sá Roriz, major José Ribamar Nunes Moreira, Herman Berkowski, Hildimirio Costa, Luiz Carlos Antony e Luiz de Miranda Corrêa, que, em sua qualidade de presidente do Conselho de Orientação da APE, dirigiu a reunião em pauta”. (O Jornal, de 22 de janeiro de 1969, p.5)

Por Durango Duarte.

Clique aqui e leia a série 50 anos (1969-2019).

sobre o autor

Articulista-Durango-Duarte Durango Duarte é empresário, publicitário, escritor e pesquisador. É Diretor-Presidente do Instituto Durango Duarte e CEO das empresas #PESQUISA365 e The Voice. Nasceu em 11 de novembro de 1963, em Cachoeira do Sul/RS e veio com a família à capital amazonense em fevereiro de 1975. Apaixonado pela história, pelas memórias de Manaus.