Contando Histórias 21

Em 18 de abril de 2018 às 11:00, por Cláudio Barboza.

compartilhe

Há uma grande diferença entre Editor e “Fechador de Páginas”. Eu tive a felicidade de conhecer alguns profissionais diferenciados nessa função. Um deles trabalhou durante anos em A Crítica e encerrou atividades no Em Tempo, completando uma jornada que teve início em A Notícia. Foi um dos melhores editores que conheci no eixo Manaus-Brasília-Belo Horizonte.

Conheci o jornalista Flávio Seabra quando eu era repórter de esportes de A Crítica e ele era o Editor de Esportes de A Notícia. Anos depois, trabalhamos em A Crítica. Ele Editor de Esportes e eu na Chefia de Reportagens.

A diferença entre o Editor e o “Fechador de Páginas” vai desde a escolha da manchete, ao posicionamento de imagens (fotos, artes, charges) até a distribuição das outras matérias. Parece simples, mas não é. O Flávio Seabra além de fazer isto com rara facilidade tinha outro mérito: era capaz de editar boas páginas com material fraco, ou seja, conseguia tirar leite de pedra como se costuma dizer.

Outra característica do Seabra era a organização. Tinha uma agenda superorganizada onde, além de nomes e número de telefones, guardava tabelas de campeonato, artilheiros, escalações de time, etc.

Flávio Seabra comandou editorias constituídas por jornalistas como o Sebastião Reis, Roberto Augusto e Agnelo Oliveira. Foi ele quem conseguiu o primeiro emprego do Sebastião Reis, no Rio de Janeiro, na Agência de Notícias Sport Press, de onde “Reizão” sairia depois para fazer uma brilhante carreira no jornal O Estado de São Paulo. Flávio Seabra encerrou atividades profissionais no Em Tempo.

O telefonema de um fraterno amigo jornalista de Minas me colocou em contato com outros três jornalistas que chegavam a Manaus para criar um jornal. Era o começo do Jornal do Norte, mas essa é uma história mais para a frente…

sobre o autor

Articulista-Claudio-BarbozaUm místico religioso, que hoje poderia ser arcebispo pelo tempo de estudo no seminário... Mas fez opção pelo jornalismo. Entre Manaus e Minas uma dúvida eterna. Ex-jogador de basquete, Garantido de coração e tricolor das Laranjeiras. Graduado em Filosofia na Faculdade Belo Horizonte, jornalismo pela UFAM, mestre em sociologia pela UFMG.

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *