Contando histórias (17)

Em 10 de outubro de 2017 às 08:00, por Cláudio Barboza.

compartilhe

Depois de mudar-se para o novo prédio, à av. Santa Cruz Machado, onde funciona até hoje, o Jornal do Commercio, que havia sido comprado dos Diários Associados pelo empresário Guilherme Aluizio, resolveu investir na contratação de jornalistas e mexeu no mercado, contratando vários profissionais que estavam em outras empresas locais.

O jornalista Frânio Lima, exercia a função de Diretor de Redação do JC. Professor do Curso de Comunicação da Ufam era meticuloso e rigoroso na ética e na correção do português. Frânio fechava a primeira página do jornal e a coluna de opinião, Frente & Perfil.

Entre os novos contratados do JC estavam Wilson Nogueira, Sérgio Bartholo, Georgina Andrade, Paulo Castro, Warnoldo Freitas, Aldísio Filgueiras, Narciso Lobo, Auxiliadora Tupinambá, Epitácio Pessoa, entre outros. Participei dessa redação na função de Editor de Cultura, deixando minhas funções de Chefe de Reportagem e Editor do Caderno C, de A Crítica.

O projeto era ousado, mas esbarrou numa diagramação formal e fixa, que não valorizava o conteúdo. Era muito tradicional. Outros problemas como a falta de um bom departamento comercial e um setor forte de circulação, frustraram o projeto. O material editorial era bom, mas poucos o liam.

Nesses anos, o Instituto de Ciências Humanas e Letras (ICHL), que funcionava à rua Major Gabriel e o Curso de Agronomia, no Campus Universitário, disputavam as lideranças no meio dos estudantes. Gonzaguinha, Fagner e Taiguara eram os cantores dos universitários e andar com livros de Marx e Engels, dava certo status de intelectual de esquerda.

Sem a estrutura adequada, o projeto do JC começava a perder profissionais. Era hora de alçar outros voos. As assessorias começavam a pagar bem melhor do que as redações… mas esta é uma história mais para a frente…

sobre o autor

Articulista-Claudio-BarbozaUm místico religioso, que hoje poderia ser arcebispo pelo tempo de estudo no seminário... Mas fez opção pelo jornalismo. Entre Manaus e Minas uma dúvida eterna. Ex-jogador de basquete, Garantido de coração e tricolor das Laranjeiras. Graduado em Filosofia na Faculdade Belo Horizonte, jornalismo pela UFAM, mestre em sociologia pela UFMG.

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *