Concreto cocô

Em 29 de agosto de 2016 às 08:00, por Amaury Veiga.

compartilhe

O destino final dos efluentes de esgoto é um grande problema nas estações de tratamento do mundo inteiro.

As áreas disponíveis para armazenamento estão cada vez mais escassas, tendo em vista o alto teor de metais pesados contido nos efluentes e as preocupações ambientais.

Ao mesmo tempo, procurando diminuir o impacto ambiental, as indústrias de fabricação de materiais de construção procuram alternativas para os materiais cimentícios.

Tendo tudo isso em mente, pesquisadores da Universidade  MARA, na Malásia, estão estudando o potencial existente nos esgotos como substituição do cimento na fabricação do concreto.

Os pesquisadores utilizaram um “bolo” do esgoto devidamente seco ao sol durante uma semana e após moído, aquecido a 550°C numa fornalha.

Vários fatores água/cimento foram utilizados-0,60:0,55: e 0,40- e a porcentagem da “farofa” do esgoto empregado variou de 3 a 15% em substituição ao cimento.

Concretos C30, C40 e C50- os dois últimos de alta resistência- foram o objetivo da pesquisa.

A equipe, então, comparou o concreto assim produzido com o concreto normal em termos de resistência à compressão, absorção d’água, permeabilidade e à penetração salina.

Os testes demostraram que a resistência à compressão do concreto “cocô” diminuía de acordo com o aumento da porcentagem da “farofa” utilizada com exceção do C40, utilizando 7% de mistura.

Da mesma forma, a absorção d’água e permeabilidade aumentaram, de acordo com o aumento da porcentagem utilizada.

Contudo, o concreto normal é mais permeável do que o “especial” C40, sugerindo que este concreto tem maior durabilidade!

Da mesma forma, a resistência a cloretos aumentou em misturas acima de 15% do concreto “esgotal”!.

De maneira geral, a utilização do novo concreto é promissora e, com certeza, diminuirá o impacto ambiental dos efluentes de esgoto.

Comentários

sobre o autor

Articulista-Amaury-VeigaÉ o que quis ser desde criança: engenheiro civil. Especializou-se em estrutura, numa carreira que já completou quarenta e quatro anos. Tem mais de quatro mil projetos de sucesso. Só não contava que, ao longo de sua trajetória de vida, também se dedicasse ao tênis, jazz, cinema, comida japonesa e agora escrever artigos.